Assisti, mas não resenhei #9

Oi pessoal, tudo bem?

Mas olha só quem tá com uma fila enorme de títulos pra serem resenhados, não é mesmo? 👀 Pra fazer justiça a algumas séries e filmes que aguardam pacientemente sua vez de aparecerem por aqui, cheguei com mais uma edição do Assisti, mas não resenhei. Bora? o/

Bem-vindos à Vizinhança

Essa série deu o que falar quando estreou na Netflix por ser baseada na história real de uma família que comprou um casarão chiquérrimo mas que nunca conseguiu morar lá porque começou a receber bilhetes anônimos super ameaçadores de alguém que se intitulava como “The Watcher”. Essa premissa é ótima e, sendo baseada em fatos reais, dá bem mais curiosidade pra assistir. A série toma liberdades criativas pra “engrossar o caldo” – como o fato de que, na adaptação do caso, a família chega a se mudar e tem que lidar com as ameaças já dentro de casa –, mas o desfecho é um pouco frustrante por ser totalmente aberto. E assim, eu concordo que não ter uma conclusão específica faz sentido se compararmos ao que aconteceu à família que sofreu as ameaças (eles nunca descobriram de quem era a autoria das cartas), mas na verdade acaba sendo um gancho que a Netflix deixou pra uma segunda temporada. Minha opinião sincera sobre a produção como um todo: a série me instigou, mas tem defeitos. Os personagens são meio estranhos, o pai tem uma obsessão/mania bem esquisita de sexualizar a filha com comentários julgadores e, apesar de algumas cenas boas de tensão, tem uma temporada mais lenta do que o necessário. Em contrapartida, a trama faz um ótimo trabalho em te deixar desconfiado de todos os personagens, naquela sensação de vigilância constante.

Easy-Bake Battle

Eu assisti a esse reality por um único motivo, e ele se chama Antoni Porowski. Eu sou apaixonada por Queer Eye e ele é um dos integrantes mais fofos e queridos do squad, então fiquei bem animada ao entrar na Netflix e ver que existe um reality de cozinha amadora conduzido por ele. Antoni é a segunda pessoa dos Fab Five que me recordo de ter ganhado uma produção própria na Netflix (sendo o primeiro Jonathan, cuja série não gostei e larguei na metade) e, apesar de não ser uma temporada memorável, fiquei com o coração quentinho só por matar a saudade do seu jeito meigo e acolhedor. A premissa é: os competidores são desafiados a preparar receitas caseiras e usarem truques que qualquer pessoa poderia aplicar em casa, como por exemplo colocar bolachas dentro de um saquinho ziplock e triturá-las com um rolo de massa (exemplo específico, eu sei, mas é o que me veio à cabeça 😂). Porém, apesar de foto, o reality é meio estranho porque as regras não são bem definidas e os critérios também não, fazendo com que torcer pra algum candidato seja meio pointless. Provavelmente não assistiria a uma segunda temporada, mas não considerei um tempo perdido pela vibe otimista que o Antoni transmite.

O Enfermeiro da Noite

Adoro séries e filmes que falem sobre crimes reais, e esse longa da Netflix estrelado por Jessica Chastain e Eddie Redmayne conta uma parte da história de um dos criminosos mais letais dos Estados Unidos a partir do ponto de vista da sua amiga do trabalho. Na trama, Jessica interpreta Amy Loughren, uma enfermeira noturna que está passando por dificuldades de saúde e em casa, sendo mãe solo de duas meninas. Ela cria um forte vínculo de amizade com o novo enfermeiro transferido, Charles Cullen, que a ajuda no trabalho e também com suas filhas. Porém, quando vários pacientes noturnos da UTI começam a falecer de forma inesperada, Amy passa a desconfiar que Charles tenha algum envolvimento nisso. Na história real, estima-se que ele foi responsável por mais de 300 mortes, e seu modus operandi envolvia principalmente adulterar bolsas de soro, adicionando doses letais de insulina ou outros fármacos. Amy foi essencial para ajudar a polícia a finalmente pegá-lo, pois até então ele só vinha sendo transferindo de hospital para hospital. Achei o filme bacana e ele prende a atenção, contudo não foi a produção mais marcante do mundo pra mim. Jessica Chastain e Eddie Redmayne são excelentes, mas o foco do filme é bem mais a relação dos dois e menos a investigação – e acho que eu tinha expectativas de que fosse diferente. Mas vale a pena dar o play e tirar suas próprias conclusões. O filme é bom, só não achei memorável. 😉

Não se Preocupe, Querida

Esse filme veio embalado em um mundo de polêmicas graças às brigas nos bastidores, que provavelmente ganharam mais atenção que a história em si. Apesar dos pesares, achei o thriller de Olivia Wilde envolvente: acompanhamos um casal, Alice e Jack, que aparentemente vive na década de 50 em uma vida saída diretamente de um comercial de margarina. Eles moram num bairro planejado construído pela empresa de Jack e Alice vive como uma perfeita dona de casa exemplar. Porém, quando ela começa a ter alucinações e memórias estranhas, somadas ao fato de que uma de suas amigas passou pelos mesmos sintomas e depois desapareceu, Alice resolve investigar o que a empresa do marido tanto esconde. É um filme que angustia pelo silenciamento feminino e pelo gaslighting constante, já que todos tentam fazer com que Alice pareça louca. Só fica um aviso sobre o final aberto: não gostei dele e acho que foi aberto até demais para o meu gosto, não me dando nenhuma sensação de conclusão da trama.

E aí, pessoal, já assistiram a algum dos títulos?
Se sim, me contem a opinião de vocês sobre eles nos comentários! 🥰

Os melhores filmes e séries de 2022

Oi pessoal, tudo bem?

Uma das coisas que mais gosto no final do ano é olhar pra trás e ver todas as coisas bacanas que rolaram, sejam elas livros ou produções audiovisuais. Por isso, não resisti a trazer uma retrospectiva de melhores filmes e séries também. 🥰 Tive que ser bem criteriosa pra lista não ficar tão longa, o que acabou deixando alguns títulos bacanas de fora, mas espero que gostem das indicações dos meus favoritos do ano.

Os melhores filmes de 2022

Batman

É impressionante como a DC acerta bem mais ao fazer filmes isolados de seus super-heróis, e aqui temos mais um exemplo que funcionou demais. Adorei a versão do Robert Pattinson do Batman e sua química com Zöe Kravitz como Mulher-Gato. O filme é focado no lado investigativo do Homem-Morcego, o que também me agrada bastante. Saí do cinema super satisfeita com o que vi e adoraria que viessem mais histórias do personagem sendo interpretadas por Pattinson. Resenha completa aqui.

A Mulher Rei

Esse filme exala força feminina, ancestralidade e negritude. É muito impactante ver o exército de elite formado apenas por mulheres guerreando, treinando e triunfando perante os inimigos – sejam eles outras tribos africanas ou os colonizadores europeus. Apesar de um ou outro clichê, o mais bonito do filme é a postura de Nanisca, personagem de Viola Davis, que relembra seu rei de que escravizar seu próprio povo (os negros, independente de que tribos sejam) e vendê-los aos brancos é assinar a própria ruína. Ela é uma personagem inspiradora e de visão, e o magnetismo de Viola Davis faz com que não seja possível desgrudarmos os olhos da tela. Resenha completa aqui.

Nada de Novo no Front

Esse filme, lançado no fim do ano, não poderia estar de fora dessa lista. Além de adaptar uma obra-prima literária (com algumas diferenças significativas, sim, mas com a essência respeitada), é um longa necessário para enxergarmos e refletirmos sobre os efeitos devastadores da guerra. Nada de Novo no Front mostra o brilho nos olhos do jovens alemães que buscavam glória e heroísmo desaparecendo conforme eles percebem que foram enviados para as trincheiras para lutar uma luta que não é sua, enquanto os verdadeiros responsáveis estão protegidos. Mesmo que você não curta filmes de guerra (como também é o meu caso), recomendo demais que você dê o play. Resenha completa aqui.

As melhores séries de 2022

Dahmer: Um Canibal Americano

Acho que essa dispensa apresentações, tendo se tornado uma das séries mais assistidas da Netflix. Apesar das controvérsias, Dahmer traz temas importantes como o racismo, a homofobia e a negligência policial como grandes responsáveis (ou, no mínimo, agravantes) pelo alto número de vítimas do serial killer conhecido como Canibal de Milwaukee. Além disso, as atuações primorosas de Evan Peters e Niecy Nash merecem destaque: ele por conseguir transmitir perfeitamente a frieza do assassino, ela por mostrar toda a dor de quem não foi ouvida enquanto tentava denunciá-lo, sabendo que coisas horríveis estavam acontecendo. É uma série forte, mas da qual gostei muito. Resenha completa aqui.

The Sandman

Mesmo sem ler as HQs, mergulhei de cabeça no mundo de fantasia de The Sandman. A história de Morpheus, o Perpétuo que é Mestre do Sonhar e está em busca de seus artefatos mágicos após ficar preso por séculos é muito instigante, e a atuação Tom Sturridge é incrível. Além disso, as paisagens e os efeitos especiais são deslumbrantes, tornando a experiência super imersiva. Vale a pena conferir. Resenha completa aqui.

Heartstopper

Pensaram que a minha queridinha ia ficar de fora? Precisávamos de mais um romance fofo nessa lista! ❤ Heartstopper adapta a HQ com perfeição, me causando o mesmo quentinho no coração e sorriso bobo no rosto. Amei o elenco escolhido e a forma de conduzir a história, que respeitou o material original mesmo trazendo novos elementos e personagens para a adaptação. A química entre o casal protagonista também é tudo, e eu mal posso esperar pra conferir a segunda temporada. 🥰 Resenha completa aqui.

Agora quero saber quais foram os filmes e séries favoritos de vocês em 2022.
Me contem nos comentários? ❤

Deixo registrado também meus votos de Feliz Ano Novo para todos!
Que 2023 seja um ano mais leve, cheio de luz e recomeços.
Agradeço a todos que me acompanharam aqui no blog ao longo do ano e espero contar com vocês no próximo também. ❤

Beijos e um abraço apertado!

Os melhores livros de 2022

Oi pessoal, tudo bem?

Chegou aquela época que eu adoro: fim de ano, ceia de Natal e… retrospectiva, é claro! Tive tantas leituras legais em 2022 que foi difícil montar essa lista de favoritos do ano, mas me esforcei pra ser justa e, ao mesmo tempo, trazer dicas bem diversas pra vocês. Aproveitando o gancho: será que faço um de séries e filmes também? Me contem nos comentários se vocês gostariam. 😀

5º lugar
Mulher, Roupa, Trabalho

Resenha | Compre aqui

Não-ficção ainda é um gênero que leio pouco, mas foi a primeira leitura concluída de 2022. Esse livro é incrível ao fazer um recorte dos desafios do mercado de trabalho para as mulheres através da perspectiva da moda. A narrativa é bem costurada (juro que isso não é um trocadilho) sem se tornar enfadonha, remontando desde a época medieval até os tempos atuais para explicar como escolhas de vestimenta e mudanças no mundo da moda refletem nas dinâmicas de poder. Leitura mais do que recomendada pra quem gosta de estudar a história do feminismo, as próprias dinâmicas de poder que mencionei e também, é claro, moda!

4º lugar
Vazíola: A Caçada a Morrigan Crow

Resenha | Compre aqui

Nevermoor foi a série de fantasia mais recente a conquistar meu coração. Seu universo criativo e seus personagens cativantes fazem com que eu mergulhe de cabeça nas aventuras de Morrigan e nos desafios que ela enfrenta como Fabuladora, um poder mal-visto no lugar onde mora devido às maldades feitas pelo último Fabulador conhecido, Ezra Squall. Vazíola é o meu livro favorito da série até agora, pois aprofunda os conhecimentos de Morrigan sobre seu poder, como também traz mais ameaças e complexidade para a trama. Se você curte fantasia com um toque de Harry Potter, vale muito a pena colocar Nevermoor na lista.

3º lugar (medalha de Bronze)
O Avesso da Pele – Jeferson Tenório

Resenha | Compre aqui

Esse livro não poderia ficar de fora do Top Favoritos de 2022, sendo uma obra intensa, triste, crua e realista. A obra acompanha a rememoração do protagonista, Pedro, a respeito de seu pai, Henrique, que foi assassinado em uma ação policial irresponsável e desastrosa. Esse tipo de desastre é mais recorrente do que deveríamos ter que admitir, e justamente por isso o livro toca em uma ferida super exposta. Negritude, preconceito, descaso com a educação pública e busca por identidade são alguns dos assuntos que fazem de O Avesso da Pele uma leitura imperdível.

2º lugar (medalha de Prata)
Heartstopper – Alice Oseman

Resenha | Compre aqui

Não poderia deixar minha série queridinha de fora, né? ❤ Foi em 2022 que conheci (e me apaixonei!) por Heartstopper, tendo lido todas as HQs publicadas até agora. A história de amor de Nick e Charlie me causou borboletas no estômago como há muito tempo eu não sentia lendo um romance, de tão fofos que eles são. Sabe quando uma história te faz sorrir à toa? Pois é, Heartstopper faz isso comigo, e não canso de espalhar a palavra dessa graphic novel por aí. ❤

1º lugar (medalha de Ouro)
Os Sete Maridos de Evelyn Hugo – Taylor Jenkins Reid

Resenha | Compre aqui

Por que demorei tanto pra ler esse livro? Já sou cadelinha da Taylor Jenkins Reid há tempos, mas conhecer Evelyn Hugo consagrou a autora como uma das minhas favoritas. Evelyn Hugo é uma personagem tão real que eu senti um vazio enorme por não ter mais a companhia dela. A narrativa é tão envolvente que você esquece momentaneamente que está lendo uma história de ficção. Sua vida é marcada por tantos eventos significativos, muitos deles que exigem atitudes não tão nobres, que você sente emoções conflitantes a respeito da protagonista. Amei Os Sete Maridos de Evelyn Hugo com todas as forças, e me juntei ao clube que panfleteia essa obra por aí.

Menção honrosa:
Amanhã, Amanhã, E Ainda Outro Amanhã – Gabrielle Zevin

Resenha | Compre aqui

Esse livro não chegou a se tornar favorito, inclusive até a metade não gostei muito dele – especialmente por causa da lentidão narrativa, do foco no backstage da criação de jogos e do protagonista masculino, Sam. Porém, da metade em diante, o foco da obra passa a se tornar as consequências do sucesso. Com ele, vem também a insegurança, a disputa de egos, as mágoas e os ressentimentos. Além disso, a autora soube construir a dor da perda de maneira tão poética e intensa que me fez chorar que nem criança – e quando um livro bate tão fundo no meu coração é impossível tirar ele de uma lista de destaque.

Quais foram as leituras favoritas de vocês em 2022, pessoal?
Aproveito pra desejar um Feliz Natal pra vocês e suas famílias. Que seja uma celebração repleta de amor! 🎄❤️

Assisti, mas não resenhei #8

Oi pessoal, tudo bem?

Eu tô com várias resenhas de séries e filmes que ainda não consegui trazer pro blog, então resolvi reuni-las na oitava edição do Assisti, mas não resenhei. Bora?

Como Seria Se…

Essa comédia romântica da Netflix ganhou meu coração sem esforço! Nela, acompanhamos Natalie, que tem dois caminhos de vida bem diferentes apresentados ao espectador a partir de um acontecimento fatídico: sua gravidez inesperada após dormir com o melhor amigo, Gabe, pouco antes de ambos se formarem na faculdade. O filme então se divide em duas trajetórias: em uma timeline, vemos a vida da jovem mudar completamente quando ela resolve manter a gravidez. Em outra, vemos Natalie tendo um teste de gravidez negativo e colocando seus planos pós-formatura em prática, incluindo uma mudança pra Los Angeles para trabalhar com filmes de animação. O mais bacana de Como Seria Se… é que o longa não coloca nenhuma das linhas do tempo como melhor do que a outra: em ambas Natalie passa por percalços e alegrias, além de seu amadurecimento como pessoa e sua resiliência para seguir seus sonhos. Terminei de assistir ao filme com a mesma sensação gostosa que a personagem sente de que tudo vai ficar bem. ❤ Recomendo!

Queer Eye Brasil

Comecei a assistir à versão brasileira da minha amada Queer Eye sem expectativa nenhuma, mas o reality entregou tudo! A produção consegue manter a mesma vibe da versão americana, o que garante consistência tanto no aspecto de identidade visual quanto na condução dos episódios, e isso é bem bacana porque realmente causa a sensação de estar vendo “um braço” de Queer Eye chegando ao nosso país, com as particularidades que temos (um beijo pra abertura com batida de funk!). Gostei bastante do elenco e da maior parte dos episódios, com destaque para o segundo – que me deixou desidratada de tanto chorar.

Conversando com um serial killer: O Canibal de Milwaukee

Logo após assistir à série que dramatizou a vida do Canibal de Milwaukee, corri para conferir o documentário que traz gravações inéditas do assassino com sua advogada, além de depoimentos de figuras importantes da investigação e da imprensa da época. O documentário é muito envolvente e a fala gelada de Jeffrey Dahmer é de fato de arrepiar, porque ouvir tudo que ele fez com total falta de emoção é bem impactante – e evidencia o trabalho excelente que Evan Peters fez ao interpretá-lo. Também senti bem mais tristeza pelas vítimas citadas no documentário por ter assistido à série, já que ela focou muito em humanizá-las (enquanto o documentário não, o que considero uma falha). Também fica uma crítica negativa ao fato de terem tentado passar pano para a polícia na fala de alguns entrevistados; teve gente dizendo que “não acham que os policiais agiram por preconceito racial, xenofobia ou homofobia, mas que sim, erraram”. 🙄 Considerando que um dos aspectos mais revoltantes do caso como um todo é justamente a atuação do Estado, achei bem feio darem espaço a esse tipo de relativização.

She-Hulk: Defensora de Heróis

Essa é uma série que recebeu hate masculino desde o seu anúncio, provavelmente, mas que fez um ótimo trabalho em colocar esse hate na trama e debochar dele. She-Hulk acompanha a história de Jennifer Walters, prima de Bruce Banner, que acaba se tornando uma Hulk depois de entrar em contato com o sangue dele acidentalmente. Quando descobrem sua identidade, ela precisa aprender a lidar com a súbita fama, com o fato de muitas pessoas só se interessarem por sua versão verde e imponente e, como comentei antes, com os haters. She-Hulk é uma série curtinha de comédia que me divertiu bastante, ainda que eu não tenha considerado excelente. Até a metade da temporada eu curti muito cada episódio, mas parece que o roteiro se perdeu um pouco, ficando sem foco da metade pro final. Acho que eu teria gostado mais se o subtítulo “Advogada de Heróis” tivesse aparecido mais do que apareceu. Seja como for, Tatiana Maslany é uma atriz muito competente e carismática, e me fez gostar instantaneamente de Jen. Vale ressaltar também o viés feminista de She-Hulk, que de cara deixa claro pra Bruce (e pro espectador) que nós, mulheres, temos que lidar com a raiva diariamente – e é por isso que ela controla seus poderes muito mais rápido do que o primo poderia sonhar. A forma como a personagem – e a série – lida com os comentários de ódio também é ótima, especialmente porque a Marvel vem sendo bem atacada por qualquer escolha não-convencional que faça. Não é uma produção perfeita (vide os memes sobre o CGI), mas me diverti o suficiente com ela e darei uma nova chance caso seja renovada. 😉 Como crítica negativa para além do CGI, fica meu sentimento de ranço por alisarem o cabelo dela quando ela se transforma e evidenciarem isso como algo que a deixa mais atraente. 

Já assistiram a algum dos títulos da lista? 😀
Me contem nos comentários!

Lista #12: Crianças da literatura que têm meu coração

Oi galera, tudo bem?

Como nunca fiz uma lista especial para o Dia das Crianças, nesse ano resolvi homenagear alguns nomes cativantes de livros que li. ❤ Foi um pouco difícil fazer essa seleção porque não tenho o hábito de ler livros com crianças mais protagonistas, mas ao mesmo tempo foi bacana relembrar algumas delas. Bora conferir?

Morrigan Crow – Saga Nevermoor

Resenha | Compre aqui

Morrigan é uma garota que foi considerada amaldiçoada durante toda a sua infância, sendo excluída e deixada de lado. Quando um novo mundo chamado Nevermoor se abre diante dela e permite que ela viva uma aventura fantástica ao lado de pessoas que a valorizam, a garota desabrocha e aprende cada vez mais sobre seus recém-descobertos poderes. Nevermoor é uma série infantojuvenil que flerta bastante com Harry Potter, mas sem soar como uma cópia barata e sem personalidade. O universo é riquíssimo, o desenrolar dos livros é excelente e Morrigan é uma protagonista cativante. Sou fã de carteirinha!

Elsa – Minha Avó Pede Desculpas

Resenha | Compre aqui

Quando sua avó falece e deixa como missão que Elsa entregue cartas que ela deixou pedindo desculpas aos vizinhos, a pequena garota vai aprendendo mais não apenas sobre aqueles que a rodeiam, mas também sobre sua avó – que era sua melhor amiga. Essa missão faz com que Elsa viva o processo de luto de uma maneira muito emocionante, e esse livro trabalha com bastante afinco o potencial da imaginação infantil por meio do universo criado por Elsa e sua avó. É um livro bem bacana e tem momentos emocionantes, além de uma protagonista fofa e de grande coração.

Harry, Rony e Hermione – Saga Harry Potter

Eu não poderia deixar o meu Golden Trio de fora de uma lista dessas, especialmente quando lembro que tudo começou com eles chegando picorruchos em Hogwarts aos 11 anos. ❤ Esse trio me acompanhou ao longo do meu crescimento também, tanto nos livros quanto nos filmes (já que os atores são poucos anos mais velhos que eu), e são personagens cujo espaço no meu coração está mais do que consolidado.

Daniel – Daniel, Daniel, Daniel

Resenha | Compre aqui

Quantos Daniel, né? 😂 Enfim, o nome do livro é esse mesmo, e representa o sofrimento do seu protagonista: uma criança que sofre com TOC em segredo. Daniel é um menino que conquista o leitor e ao mesmo tempo provoca grande empatia, porque o livro é excelente em transmitir a angústia de quem sofre com essa doença (no caso dele, para piorar, em segredo). Vale conhecer Daniel, se conscientizar sobre o TOC e, de quebra, renovar as esperanças no que diz respeito a encontrar apoio e conforto na amizade.

Coraline – Coraline

Resenha | Compre aqui

A protagonista do livro de mesmo nome é uma jovem imaginativa que vai parar em uma espécie de “mundo invertido” quase tão sombrio quanto o de Stranger Things. Nesse outro lado, ela encontra versões aterrorizantes de seus pais e vizinhos, que querem que ela fique com eles a todo custo. Coraline usa de toda a sua coragem pra salvar as almas de quem está preso lá, e eu gostei muito de como ela amadureceu durante esse processo.

Bert e Daisy – O Ickabog

Resenha | Compre aqui

Esse livro infantil (também escrito por Rowling) é ótimo em mostrar as consequências da ganância e da corrupção quando dois conselheiros de um rei bondoso (mas ingênuo) o manipulam e assustam a população a partir de uma Fake News das grandes. Quem sofre é o povo, em especial as duas crianças protagonistas: Bert, cujo pai é assassinado, e Daisy, que é afastada do seu e levada para longe. Mas mesmo com coisas horríveis acontecendo, Bert e Daisy não desistem de encontrar uma solução para o problema e demonstram uma resiliência incrível ao longo da obra.

Auggie – Extraordinário

Resenha | Compre aqui

Auggie é uma daquelas crianças da literatura que o leitor se afeiçoa à primeira vista. O menino nasceu com uma má formação congênita que o fez passar por muitas cirurgias no rosto, e isso faz com que ele chame a atenção por onde passa. Quando seus pais decidem que é importante ele frequentar uma escola normal, e não mais estudar em casa, o menino enfrenta novos desafios relacionados a lidar com o bullying e com olhares, mas felizmente também se depara com poder transformador de amizades verdadeiras.

Gostaram da lista, pessoal?
Que crianças vocês adicionariam nas homenagens de vocês? 😀

Beijos e até o próximo post!

Lista #11: 10 livros cujos finais não superei

Oi pessoal, tudo bem?

Vi um post no Imersão Literária com o qual me identifiquei muito e resolvi trazer pra cá também: uma lista com 10 livros cujos finais não superei. Vamos descobrir quais são e os porquês? Observação: por motivos óbvios, esse post tem spoilers

Como Eu Era Antes de Você – Jojo Moyes

Resenha | Compre aqui

Como deixar um romance que me fez chorar litros de fora, né? Impossível. A construção do amor da Lou e do Will é linda, e a forma como um muda a vida do outro é inspiradora – especialmente no caso de Lou, que desabrocha e deixa antigos traumas pra trás. Ainda assim, por mais compreensível que seja a tomada de decisão de Will, meu lado egoísta queria que ele ficasse. 🥺💔 Eu tanto não superei esse final que me recusei a ler os outros dois da trilogia rs. Pra mim, esse livro não precisava de continuação, tendo um início, meio e fim perfeitos e coerentes.

A Esperança – Suzanne Collins

Resenha | Compre aqui

Aqui temos um sentimento agridoce, porque ainda que meu casal favorito tenha ficado junto, todo o resto do livro foi um caos pra mim – o final incluso. A autora passou ⅔ do livro enrolando horrores até a batalha efetivamente começar, e aí no terço final foi um Deus nos acuda com mortes que não tiveram o destaque merecido (sdds Finnick), um final corrido para os vilões e um desenvolvimento precário da relação de Peeta e Katniss após tudo que aconteceu. Eu amo a trilogia, mas A Esperança foi bem decepcionante. 😦

A Revolução dos Bichos – George Orwell

Resenha | Compre aqui

Que esse é um dos meus livros favoritos da vida eu já contei aqui algumas vezes, mas o final dele também é uma obra-prima com gosto amargo na boca. Ver a decadência da Fazenda dos Animais conforme os porcos tomam o controle de tudo, os sacrifícios de antigos amigos (como o leal Sansão) e, principalmente, os acordos que eles fazem com os humanos para benefício próprio é revoltante. Esse livro é um clássico atemporal que recomendo pra todo mundo.

Eu Estou Pensando Em Acabar Com Tudo – Iain Reed

Resenha | Compre aqui

Eis aqui uma leitura que não foi fácil, porque é um tanto confusa e não conseguiu me prender – mas o final, meus amigos… Ele te pega completamente desprevenida e causa uma sensação de “como eu não vi isso antes?”. Quando isso acontece, sempre dou uma estrela a mais ao livro, porque sou uma leitora que valoriza muito bons finais. 

Sono – Haruki Murakami

Resenha | Compre aqui

Esse conto é bem rápido de ler e acompanha uma mulher que, subitamente, não consegue mais dormir. Ao longo das páginas acompanhamos essa nova vida que se abre pra ela, mas ao final da história somos surpreendidos por elementos fantásticos que podem ter uma interpretação bem macabra. 👀

Mentirosos – E. Lockhart

Resenha | Compre aqui

Mais um caso de um livro que não me fisgou no decorrer das páginas, mas cujo final mexeu muito comigo a ponto de se tornar um título marcante. Ainda que eu siga achando o desenvolvimento da história enfadonho, o final joga na sua cara a explicação pra todas as pistas que estavam sendo dadas desde o início. Me emocionei, chorei bastante (rs) e reli várias passagens pra absorver o que tinha acontecido com os personagens.

O Segredo Do Meu Marido – Liane Moriarty

Resenha | Compre aqui

Eu gostei bastante desse livro, porque a autora consegue trabalhar muito bem os dramas de três mulheres cujas histórias de vida têm alguma relação. O segredo do tal marido está relacionado à morte da filha de uma dessas mulheres, e ele passa a vida carregando o peso do remorso – até que sua esposa descobre. Porém, nas últimas páginas, Liane Moriarty revela que a jovem tinha um problema de saúde congênito que provavelmente foi o responsável por sua morte, e que ninguém descobriu na autópsia. Isso causa uma sensação de impotência muito grande no leitor, que sabe que famílias foram destruídas e nunca saberão a verdade.

Por Lugares Incríveis – Jennifer Niven

Resenha | Compre aqui

Outro livro que me fez morrer de chorar. Fiquei de olho inchado, gente! 😂 A história de Violet e Finn me envolveu completamente e, de modo parecido com o que ocorre na obra de Jojo Moyes, os personagens também exercem uma influência muito positiva na recuperação emocional um do outro. Finn, contudo, é um jovem negligenciado por aqueles que deveriam cuidar dele, e ninguém percebe as crises causadas pela bipolaridade – que o levam a um destino trágico. Nunca vou superar. 😥

Por Trás de Seus Olhos – Sarah Pinborough

Resenha | Compre aqui

Mais um exemplo de final não superado por revolta rs. Eu achei esse livro mega envolvente, mas o final foi completamente estapafúrdio. E se eu dou uma estrela a mais a livros com bons finais, eu tiro quando o oposto acontece, e foi o caso aqui. A obra, que tinha tudo pra ser um bom thriller com uma personagem psicopata, se revela uma trama com aspectos sobrenaturais tirados DO NADA e que a autora tenta forçar goela abaixo no leitor. Nesse sentido, a adaptação da Netflix fez um trabalho melhor ao ir mostrando, ao longo dos episódios, que existiam elementos místicos na trama, tornando um pouco mais fácil de engolir todo o plot de projeção astral.

Verity – Colleen Hoover

Resenha | Compre aqui

Esse thriller maravilhoso fez a minha cabeça e entrou pra minha lista de favoritos. O desenvolvimento da trama é super angustiante, e sentimos que a protagonista (Lowen) está em perigo por estar na mesma casa que Verity, a autora em coma que ela substitui como ghost writer. Porém, aquele final… que decepção. Descobrir uma carta de Verity desmentindo todas as coisas horríveis contadas ao longo da sua autobiografia foi anticlimático e, como eu disse na resenha, pareceu uma tentativa da autora de chocar e ser ~genial. Comigo, não funcionou.

Curtiram as escolhas, pessoal? Qual desses livros vocês já leram? 😀
Me contem nos comentários, vou adorar saber!

Minhas impressões sobre Stranger Things 4

Oi pessoal, tudo bem?

Depois de 3 longos anos de espera, a quarta temporada de Stranger Things estreou e foi finalizada anteontem, dia 1º. Como praticamente toda a internet, eu também estava no maior hype e devorei os episódios – com direito a enxaqueca provocada pelas lágrimas da series finale rs. E agora que a temporada oficialmente terminou, vim dividir com vocês minhas opiniões (positivas e negativas) do que vimos até aqui. \o/ Obviamente esse post contém spoilers, então se você não terminou de assistir, não recomendo que leia.

Atmosfera que inspira medo

Stranger Things sempre teve aquele pé no suspense/terror, mas de uma forma que considero jovem e “inocente”, especialmente na primeira temporada. Contudo, na season 4 eu me peguei apreensiva e com medo real em vários momentos. O som dissonante das badaladas do relógio do Vecna mexeram comigo e, sendo medrosa como sou, pedi até pro meu namorado me acompanhar em alguns episódios. 😂 

Um vilão ainda mais ameaçador

Além desse clima perigoso que a temporada trouxe, adorei o fato de haver um vilão humanoide, cruel e inteligente – muito mais ameaçador que qualquer demogorgon. Durante a maior parte do tempo, não sabemos o quê e quem é Vecna, apenas que é um ser capaz de atacar a mente das pessoas. O fato dele se apropriar das fraqueza emocionais das pessoas e explorá-las para seu próprio benefício – sendo uma analogia bem factível à depressão – o torna ainda mais cruel. A revelação de sua identidade também foi um dos pontos altos da temporada, conectando todo o perigo que está sendo apresentado desde 2016, quando a Eleven era uma criança misteriosa encontrada na chuva no meio da floresta.

Pontas soltas que precisam ser logo resolvidas

Apesar de terem revelado a identidade de Vecna (a primeira cobaia de Brenner), muitas coisas não ficaram claras. Afinal, o Devorador de Mentes é uma criatura manipulada pelo grande vilão ou é algum tipo de energia que Henry Creel/Vecna/001 absorveu? Como ele já desenhava essa criatura quando ainda era criança, sendo que ainda nem tinha ido para o Mundo Invertido? Considerando que já mostraram o passado do personagem, estou um pouco cética sobre investirem muito mais tempo nisso na próxima temporada, mas eu acho que esse tema ainda rende e gostaria que esses pontos ficassem mais claros.

Max: ponto forte e ponto fraco ao mesmo tempo

Eu adoro a Max e acho que ela acrescentou muitas coisas positivas desde que entrou para o grupo na segunda temporada. Por isso, fiquei de coração partido ao vê-la distante e tão quebrada emocionalmente após a morte de Billy em Stranger Things 3. Ela acaba sendo marcada por Vecna, mas consegue escapar em uma das cenas mais incríveis e emocionantes da temporada, em que ela corre na direção da luz e de seus amigos ao som de Running Up That Hill, de Kate Bush. Porém, Stranger Things 4 foi covarde ao selar seu destino. A garota bola um plano arriscado, em que sua vida está em perigo, e ela realmente se torna uma vítima de Vecna. Por mais que Eleven faça de tudo para impedir, ela ainda não está forte o bastante (falarei sobre os poderes dela em seguida), e Max sucumbe ao vilão. A cena em que ela diz a Lucas que não enxerga nem sente nada e que não está pronta pra morrer me levou às lágrimas, sendo emocionante e significativa… até Eleven dar uma de Jesus e reviver a menina, cujo coração havia parado. Desde quando telecinese faz isso, gente? Privilégio de protagonista, só pode. E o pior de tudo: El não sente a mente de Max voltar – o que pode ser a explicação para o portal de Vecna para a Hawkins real se abrir: ele precisava de uma quarta vítima e aparentemente Max concluiu essa necessidade, ainda que sua amiga tenha feito seu coração voltar a bater. Sinto que a temporada terminaria de forma mais impactante se os roteiristas tivessem tido coragem de dar adeus à ruiva que amamos.

O que fizeram com a Robin?

Desde sua primeira aparição, Robin roubou a cena. Sua dinâmica com Steve é incrível e os dois são amigos cujo apoio mútuo é inspirador – isso sem contar a representatividade LGBTQIA+ que a personagem trouxe para a série antes disso ser explorado por meio de Will. Mas se antes eu via Robin como uma pessoa sagaz e espirituosa, nessa temporada transformaram a garota numa goofy atrapalhada, que tem medo até de tropeçar nos próprios pés. :/

Eddie Munson: outro queridinho desperdiçado

Desde a primeira cena do novo personagem, Eddie Munson, seu carisma ficou explícito para o espectador. Líder do novo grupo de RPG do qual os meninos fazem parte, ele é caçado pela cidade por pensarem que ele faz rituais satânicos e é culpado das mortes dos adolescentes – uma crítica bem interessante ao fundamentalismo religioso e ao conservadorismo irracional. Ele tem uma dinâmica com Dustin que é de muita parceria, similar a que o garoto tem com Steve, causando até olhares de ciúme por parte deste rs. Mas Eddie é mais um personagem novato colocado na série pra que a gente se apegue e logo em seguida tenha que ver morrer. E o pior de tudo: morreu protegendo a cidade que o considera culpado e, dois dias depois, ninguém mais falava nele no grupo, exceto Dustin. Seja como for, a verdade é que a despedida dele e de Dustin me fez chorar rios, com direito a nariz entupido e tudo mais.

Nancy, Steve e Jonathan: wtf?

Se teve alguém que me tirou do sério nessa temporada, foi Nancy. Ela e Jonathan agem covardemente um com o outro durante a temporada inteira, porque ambos não se abrem para uma conversa honesta a respeito da distância e dos planos futuros. E aí o que acontece? Ela começa a se engraçar pro Steve de novo. Ele é um dos meus personagens favoritos e simplesmente merece mais que uma garota que pula dele pro Jonathan e do Jonathan pra ele de volta. 😦

Plot da Eleven e do Mike: dai-me forças, Senhor

Eu não gosto da Eleven. Pronto, falei. Senti pena dela sofrendo bullying, é claro, mas todas as cenas que a envolviam foram muito cansativas pra mim. Seu drama amoroso com Mike não me comoveu (somente me cansou) e senti muita vergonha alheia da declaração de amor dele na series finale. Aliás, esse garoto foi uma pamonha a temporada inteira e tem sido irritante desde a season passada, em que não dava a menor bola pro Will – que realmente tem que estar muito crushado pra dizer que o Mike (ainda) é o coração de tudo. 😂 Pode até ter sido, mas faz tempo que não é mais. Em relação a essa dupla de personagens, a única coisa de que gostei foi o foco no passado de Eleven durante as imersões para que ela recuperasse seus poderes, mas somente porque estava relacionado à origem de Vecna também. De resto, zZzzZzzZzz.

Will: reizinho queer, mas injustiçado

Eu amo os underdogs, e Will claramente sempre foi um deles: não fazia parte de um grupo popular, foi levado para o Mundo Invertido, quando voltou foi hospedeiro do Devorador de Mentes e, ao se ver livre de tudo isso, viu que seus amigos estavam em outra fase da vida, com namoradas e outros compromissos (ele só queria jogar um RPGzinho, gente! Que que custa?). Essa temporada trouxe mais uma camada de profundidade ao personagem, que é a indicação de que Will é gay (ou, no mínimo, bi). Esse fato gerou uma cena emocionante em que ele projeta um discurso sobre a Eleven pro Mike que, na verdade, é sobre ele, e também um momento entre irmãos na qual Jonathan fala nas entrelinhas – pra não forçá-lo – que o ama independentemente de qualquer coisa. O Jonathan não serviu pra quase nada nessa temporada, mas essa cena foi de arrepiar. ❤ Como ponto negativo, ressalto apenas o fato de que Will nunca ganhou o espaço merecido na trama como um personagem ativo e condutor de ações importantes, e espero que isso mude na próxima temporada.

Trama arrastada de resgate ao Hopper

Gostei de como os roteiristas não tornaram fácil libertar o Hopper, mas não posso dizer que essa parte da trama tenha me instigado. Achei cansativa e dando muitas voltas no mesmo lugar, sem realmente provocar um frio na barriga. Afinal, se salvaram o personagem no fim da temporada passada, minha conclusão é de que não o matariam nessa. Portanto, não consegui engajar com os riscos sofridos e com as dificuldades enfrentadas.

Squad de Hawkins

Sem sombra de dúvidas, o plot mais interessante foi o que chamo de squad de Hawkins. Adorei a dinâmica do grupo que estava na cidade e de como eles foram investigando cada vez mais a fundo as mortes dos adolescentes e descobrindo um passado sombrio da cidade. Fiquei instigada e muito curiosa durante todo esse processo, entretanto meu elogio não se resume à investigação em si, mas também à coragem de cada um deles. Afinal, sem sequer hesitar, Nancy, Steve, Dustin, Max e o resto do grupo se arriscaram para enfrentar Vecna sem contar com o apoio dos poderes de Eleven. Badass é pouco pra defini-los! 💪

De forma geral, gostei muito de Stranger Things 4 e sigo sendo fã dessa história tão cativante e envolvente. Claro que nem tudo foi perfeito, contudo nesse caso os pontos positivos me impactaram mais do que os negativos. Estou ansiosíssima para a próxima e última temporada (e torcendo pra que não leve mais 3 anos pra chegar), mas ao mesmo tempo sem coragem de dar um adeus definitivo.

E vocês, o que acharam de Stranger Things 4?
Me contem nos comentários! 😍

Lista #10: Encalhados da estante

Oi pessoal, tudo bem?

Há um tempo eu tinha visto no Mands Reads um post em que ela mostrava aqueles livros que estão há tempos na estante dela e que ela não pretendia ler. Resolvi selecionar meus próprios encalhados na estante e dividir com vocês, afinal, vai que alguém conheça algum deles e me incentive, né? 😂

Série As Crônicas de Gelo e Fogo – George R. R. Martin

Compre aqui

Considerando que tenho os 5 livros e Game of Thrones foi uma das minhas séries favoritas, pode parecer estranho colocar a série literária aqui, né? Mas além dos calhamaços me darem uma bela preguiça, há também o fato de que o final já tenha sido contado (ainda que seja possível que o caminho até ele seja diferente nos livros). Pra completar, o autor não lança livros novos nunca, e eu me frustraria muito em dedicar tanto tempo a uma série que pode ficar inacabada.

Folha de Carvalho – John Flanagan

Compre aqui

Eu tenho o quarto volume da série Rangers: Ordem dos Arqueiros há anos, mas acabei parando no terceiro livro e não me animei a continuar. Apesar de ter achado que a série estava evoluindo (o primeiro volume é bem imaturo, mas depois dá uma melhorada), são mais de 12 livros e eu tenho muita preguiça de seguir com a leitura. Outro fator que colabora com isso é que já esqueci praticamente tudo sobre a história e precisaria recomeçar. 😂

Série Maze Runner – James Dashner

Compre aqui

Gostei dos filmes de Maze Runner e lembro que fiquei bem hypada com o primeiro deles, tanto é que pretendia ler os livros. Acontece que me enrolei, os outros filmes foram saindo, não me apaixonei tanto assim por eles… E com isso meu hype se foi. No momento, me sinto satisfeita com a história contada nos filmes (mesmo que não tenha gostado 100% das continuações e o primeiro siga como meu favorito).

O Aprendiz de Assassino – Robin Hobb

Compre aqui

Esse livro tem uma capa linda e uma sinopse bem bacana, mas quando ganhei de presente eu não estava numa fase muito leitora por causa da faculdade, e ele foi ficando esquecido na prateleira. Agora tenho outras prioridades, e fantasia medieval não é bem uma delas, o que faz com que O Aprendiz de Assassino continue na lista de encalhados.

Série Crônicas Vampirescas – Anne Rice

Compre aqui

Eu já tive minha fase darkzona super fã de vampiros. 😂 Mas, atualmente, esse universo não me atrai tanto, o que me faz deixar as obras de Anne Rice de lado. Talvez no futuro eu queira dar uma chance, mas no momento não é uma série que eu priorize.

E aí pessoal, já leram algum dos títulos e acham que eu devo dar uma chance?
Ou vocês também têm seus próprios encalhados?

Vou adorar saber nos comentários! 😘

Assisti, mas não resenhei #7

Oi pessoal, tudo bem?

Minha listinha de itens assistidos e não resenhados tá grande (oi, procrastinação!), então resolvi reunir essas dicas em mais um Assisti, mas não resenhei

Encanto

Assisti ao novo filme da Disney no cinema, mas ele já chegou ao Disney+ pra quem quiser conferir. A trama acompanha a família Madrigal, cujos membros muitos anos atrás receberam o milagre de ganharem dons especiais e uma casa mágica. A única pessoa que não foi agraciada com tais dons é nossa carismática protagonista, Mirabel. Quando a Casita (o apelido da casa) começa a exibir indícios de que algo está errado com a magia, Mirabel parte em uma missão para tentar salvar a todos. O filme, que explora a cultura colombiana, é lindo visualmente, e tem uma trilha sonora bastante diversa e com referências a estilos variados. Gostei do filme, mas achei que pesaram a mão na parte musical dele. Também achei que faltou um pouco de carisma na trama como um todo: a família Madrigal é enorme e o filme tenta apresentar a todos, mas acaba que o foco não fica nem neles, nem no desenvolvimento mais aprofundado da trama e da Mirabel. É como se tentassem fazer muita coisa e tudo ficasse um pouco meia boca, sabem? Resumindo: é divertido, mas está longe de ser o melhor filme recente da Disney.

Distante da Árvore

Esse é um curta que passou antes de Encanto no cinema, e apresenta uma filhote de guaxinim que tenta explorar o mundo com sua mãe ou seu pai (não fica claro). Porém, existem muitos perigos lá fora, e quando a filhote quase é pega por uma espécie de cachorro do mato, o guaxinim adulto a pune e a assusta. O tempo passa e essa filhote vira uma adulta com sua própria bebê, a qual ela também precisa ensinar sobre os perigos da vida longe da árvore. Porém, depois de perceber que está adotando a mesma postura que tiveram com ela, ela entende que pode romper com aquele ciclo e ensinar sua filhote de uma outra maneira. Chorei muito com esse curta e achei ele lindo – tanto visualmente quanto em termos de roteiro, que nos mostra que não precisamos ficar presos aos padrões construídos por nossos pais. Podemos romper com o que nos faz mal e buscar fazer as coisas do nosso próprio jeito. ❤ Lindo demais!

The Undoing

Como adoro um bom suspense e curti demais Big Little Lies, fiquei empolgada pra assistir a essa minissérie estrelada pela Nicole Kidman. Na trama, a protagonista Grace Fraser vê sua vida virar de cabeça para baixo quando seu marido, Jonathan, é acusado de matar uma jovem mãe – e a desconfiança fica ainda pior quando descobrem que ele tinha um caso com ela. A partir daí, o casal passa por diversas turbulências enquanto tentam montar a estratégia de defesa. O plot twist do final da série é bacana e me agradou (e quando digo plot twist, não estou me referindo à identidade do assassino(a), mas a algo mais legal #fikdik), mas sabe quando a gente que faltou um “algo a mais”? A série é boa, achei que valeu a pena assistir, mas não me arrebatou completamente.

Não Olhe Para Cima

Esse filme ficou na boca do povo nas últimas semanas por satirizar a sociedade quando um grande desastre iminente ameaça nossa sobrevivência e as pessoas se recusam a acreditar nele. Soa familiar? Não Olhe Para Cima foi inspirado na recusa das autoridades e da humanidade em aceitar os efeitos desastrosos do aquecimento global, mas também ilustra perfeitamente como lidamos com a pandemia do Covid-19. Na trama, dois cientistas que descobrem um meteoro gigantesco em rota de colisão com a Terra são ignorados pelo governo, então tentam por meio da exposição midiática trazer luz ao tema. Contudo, não demora pra que políticos e bilionários comecem a usar a situação em seu benefício, instigando inclusive que as pessoas “não olhem pra cima” no sentido mais óbvio: porque, se elas olhassem, literalmente enxergariam o meteoro! Esse é um filme que te faz rir de nervoso, porque as situações absurdas nele mostradas infelizmente não são tão absurdas assim. 😦 Como crítica negativa, achei que a duração é um pouco longa demais.

Se Algo Acontecer, Te Amo

Esse curta eu assisti faz um tempo já, na época da premiação do último Oscar. Ele está disponível na Netflix e, em apenas 12 minutos, consegue comover o espectador e levá-lo às lágrimas ao mostrar um casal tentando se recuperar da perda da filha, morta em um tiroteio escolar. Nos Estados Unidos esse é um problema recorrente, e é de partir o coração pensar que famílias são destruídas por ações como essa. Eu, que sou totalmente contrária ao porte de armas, vejo em histórias assim ainda mais motivos e argumentos pra não colocar instrumentos capazes de matar com facilidade na mão das pessoas. Enfim, apesar de toda essa carga dramática e da óbvia tristeza, o filme também emociona ao mostrar o processo de cura do casal e da reaproximação deles. Perder um filho pode ser uma ruptura irreversível em um casamento, mas o curta explorou a possibilidade de cura que os pais encontraram um no outro com a ajuda das memórias e do espírito (sempre vivo) da filha. ❤

Gente Ansiosa

Habemus decepção na lista? Habemus. Gente Ansiosa foi um dos meus livros favoritos de 2021, então eu estava muito animada pra conferir a adaptação. Infelizmente, o flop veio. O formato de minissérie em 6 episódios não funcionou, os ganchos dos episódios não foram instigantes e todo o brilhantismo da narrativa, com seu estilo irônico e reflexivo, se perdeu. Os personagens perderam sua essência e a série tentou dar mais ênfase no mistério sobre a investigação da identidade do assaltante de banco que acabou se envolvendo em uma situação de reféns – sendo que no livro isso está longe de ser o foco, sendo as relações entre os personagens (e suas angústias, histórias e medos) a parte mais importante da obra. Não recomendo. 😦

Me contem, pessoal: já assistiram a algum dos títulos da lista?
Vou adorar saber a opinião de vocês a respeito!

Beijos e até o próximo post! 😘

Os melhores livros de 2021

Oi pessoal, tudo bem?

Que eu adoro uma retrospectiva quem me acompanha há mais tempo já deve ter notado, né?
Então, como já é tradição aqui no blog, vim dividir com vocês a minha lista dos melhores livros de 2021. ❤

E aqui estão os links se quiserem conferir também as melhores leituras de 2020, 2019 e 2018. \o/

Depois do Sim – Taylor Jenkins Reid

Resenha | Compre aqui

Minha primeira experiência com essa autora que vem sendo tão aclamada não poderia ter sido melhor. Amei a forma como ela descreve as dificuldades comuns a um relacionamento longo, a necessidade de afastamento e a busca por uma identidade descolada do parceiro – mas sem cair no cinismo e na amargura. Esse livro é incrível e eu recomendo muito!

O Impulso – Ashley Audrain

Resenha | Compre aqui

Um thriller de respeito, que te faz roer as unhas e temer pela segurança das pessoas envolvidas. Com um agravante: a causa dessa aflição é uma criança. A obra retrata a dificuldade de uma mãe em se conectar com a filha e o medo de que a criança seja um verdadeiro perigo. Mas, muito além desse plot de suspense, O Impulso é um excelente retrato de como a maternidade compulsória funciona.

A Morte da Sra. Westway – Ruth Ware

Resenha | Compre aqui

A louca do suspense ataca novamente. 😂 Cês me perdoem, mas não resisto hahaha! E o mais recente livro da Ruth Ware foi uma surpresa mais do que bem-vinda, oferecendo uma trama com um bom suspense, mas também um excelente desenvolvimento da protagonista, Hal, que se vê tomando atitudes de caráter duvidoso (fingir ser herdeira de uma grande fortuna) devido a uma situação impossível.

Sono – Haruki Murakami

Resenha | Compre aqui

Mais uma primeira experiência bem-sucedida por aqui: Sono, do Haruki Murakami, foi surpreendente. A trama acompanha uma mulher que se vê sem conseguir dormir, e com isso ela passa a ter experiências no seu cotidiano que a vida rotineira não permitia. A trama é muito interessante por colocar em perspectiva o fato da protagonista sem nome retomar o controle da própria vida ao conseguir ter um tempo “secreto” para si mesma. Quando pensamos que é um livro que retrata a realidade japonesa, na qual a vida da mulher gira muito em torno da do marido, isso ganha ainda mais peso. Destaco também essa edição física, que é ilustrada e tá maravilhosa!

Uma Herdeira Apaixonada – Lisa Kleypas

Resenha | Compre aqui

Tem lugar pra romance nessa lista sim! ❤ Estou curtindo bastante a série Os Ravenels, e esse foi meu volume favorito até agora. Eu sou apaixonada pelo West desde Um Sedutor Sem Coração, então fiquei bem contente em vê-lo encontrando seu final feliz. A química entre os personagens funciona muito bem e eu também gostei muito de conhecer melhor Phoebe, filha de Sebastian e Evie (de As Quatro Estações do Amor), que tinha feito pequenas aparições nos volumes anteriores.

As Sombras de Outubro – Søren Sveistrup

Resenha | Compre aqui

Livro policial raiz? Temos! As Sombras de Outubro acompanha uma dupla de investigadores correndo contra o tempo para encontrar um serial killer que parece sempre estar vários passos a frente da polícia. A obra, de ritmo intenso e grande fluidez, ganhou uma ótima adaptação pela Netflix, que eu resenhei aqui no blog também.

Gente Ansiosa – Fredrik Backman

Resenha | Compre aqui

Tive muita sorte esse ano, porque foram várias primeiras vezes excelentes. Gente Ansiosa foi minha estreia com Fredrik Backman e eu amei demais! O livro rapidamente se tornou um dos meus queridinhos e eu venho recomendando pra todo mundo. Ele tem uma trama inusitada (um assalto que deu errado e vira, sem querer, um drama de reféns), uma narrativa irônica e divertida e um desenvolvimento de personagens que faz você se apegar aos envolvidos. Leiam! ❤

E aí pessoal, o que acharam da minha lista? Já leram ou pretendem ler algum dos títulos?
Me contem nos comentários qual foi a leitura favorita de vocês, vou adorar saber! 🥰