Resenha: Se Liga, Dani Brown – Talia Hibbert

Oi galera, tudo bem?

Não se deixem enganar pela capa fofinha do livro de hoje: Se Liga, Dani Brown é um romance +18 cheio de cenas quentes e descrições bem gráficas, então fica o aviso. 😂 O livro é o segundo volume da trilogia Irmãs Brown, sendo que já falei sobre o primeiro (Acorda Pra Vida, Chloe Brown, protagonizado pela Brown primogênita) aqui no blog. Sem mais delongas, vamos conhecer a irmã do meio? 😉

Garanta o seu!

Sinopse: Dani Brown precisa de um sinal. Tudo que ela quer é alguém com quem possa se divertir, sem complicações ou sentimentos envolvidos. O problema é encontrar essa pessoa, por isso ela pede ao universo que lhe avise se aparecer alguém que preencha os requisitos. Quando acaba presa em um elevador durante um treinamento de incêndio e é resgatada por Zaf, o segurança rabugento de quem é mais ou menos amiga, Dani pensa ter entendido o recado e começa a bolar um plano para seduzi-lo. Nenhum dos dois espera que o resgate gere rumores de que eles estejam juntos. Muito menos que tais rumores tragam benefícios para suas vidas, o que os leva a encenar um namoro de mentira. Nos bastidores, porém, Dani continua firme com seu plano de seduzir Zaf e conseguir o que quer, mas aos poucos essa amizade colorida se torna mais complicada que sua tese de doutorado. Será que o tiro saiu pela culatra? Ou será que esse é o verdadeiro sinal do universo e Dani só precisa se ligar para ver?

Danika, ou Dani, é uma doutoranda cujo foco total está no trabalho, pois sua prioridade é conseguir atingir seus objetivos de carreira no tempo planejado. Ela, contudo, também tem suas necessidades enquanto mulher (risos) e por isso faz um ritual pedindo ao universo por um p** amigo. É aí que entra em jogo Zaf, segurança da universidade em que Dani trabalha. Os dois têm uma rotina de conversas breves e flertes diários, e existe uma atração física mútua. Acontece que ele não poderia ser mais diferente de Dani: apesar dele ser um muçulmano não-praticante, o que poderia levá-lo a sexo sem compromisso, Zaf leva relacionamentos e sexo bastante a sério, e sabe que qualquer relação casual com a mulher com a qual fantasia em segredo seria sua ruína emocional. Mas o universo dá o seu jeitinho, e em uma simulação de evacuação de emergência ele “resgata” Dani de um elevador quebrado e sai do prédio com ela no colo, cena que as pessoas filmam e gera uma hashtag viral. Todo esse destaque faz com que descubram duas coisas muito importantes sobre Zaf: ele é um jogador de rúgbi profissional aposentado e comanda uma ONG chamada Enfrente, voltada a auxiliar jovens com suas questões psicológicas por meio do esporte. A visibilidade gerada pela viralização começa a auxiliar a ONG, então a dupla resolve fingir um relacionamento em prol da organização. Clichê dos clichês, eu sei.

Vou ser sincera com vocês: achei de uma breguice tão grande a cena do resgate com a “princesa em apuros no colo” que já tive dificuldade de comprar todo o resto da trama, incluindo o namoro fingido. Não consigo entender o motivo pra tanta gente surtar com um casal saindo do prédio e o tanto que as pessoas shipparam isso pra se tornar viral por mais do que uma semana. E o fato de eu ter achado tudo tão forçado provavelmente me gerou uma experiência pior com a leitura do que poderia ter sido. Sempre digo que gosto de clichês, desde que eles sejam bem conduzidos, e infelizmente não senti isso aqui.

Dani é uma protagonista da qual não consegui gostar. Ainda que ela seja uma pessoa generosa e tenha ajudado Zaf, sua recusa em ter qualquer tipo de envolvimento sentimental me soou boba, teimosa e infantil. Os motivos que a levaram a isso são coerentes, e realmente vale a pena ficar de orelha em pé e desconfiada quando você viveu uma situação parecida. O problema é que ela tirou da equação o fato de Zaf ser… Zaf. Desde a primeira página, fica nítido o quanto o ex-jogador rabugento gosta dela – muito antes dele sequer pensar em admitir isso. Ele presta atenção em cada palavra de Danika, olha pra ela com verdadeira devoção, nunca a cobra ou a exige demais em relação à sua rotina puxada ou ao seu trabalho e, mais do que tudo, a incentiva a fazer o for necessário pra atingir seus objetivos. O máximo que ele cobra dela é que ela cuide de si mesma também, que se alimente, que descanse. Sério, Zaf é tão perfeito que chega a ser irritante.

Gostei do plot dele, falando nisso. O ex-jogador passou por uma perda pessoal devastadora que tirou toda a sua vida dos trilhos. Ele abandonou o rúgbi e ficou em um “dark place” por muito tempo, até conseguir se recuperar e retomar o controle da própria vida. Com essa experiência, e sabendo o quão vulneráveis os seres humanos podem ser, Zaf passou a se dedicar a ensinar a jovens garotos como lidar com as próprias emoções. Considerando que, apesar de algumas evoluções, ainda vivemos em uma situação patriarcal e machista na qual homens são inibidos de chorar e demonstrar o que sentem, foi muito legal ver um personagem masculino tão focado em 1) admitir suas próprias fraquezas e lidar com elas e 2) ajudar a construir um espaço seguro para que outros rapazes também possam se sentir assim.

Outro ponto positivo do livro é o mesmo que mencionei em Acorda Pra Vida, Chloe Brown: Talia Hibbert traz representatividade positiva em seus protagonistas. Dani é uma mulher plus size, negra e bissexual, e ela é muito feliz e segura com cada uma dessas características. Zaf é descendente de paquistaneses, então há representatividade não-branca no mocinho também. É muito bacana ver representações positivas de pessoas que fazem parte de minorias, e eu sempre defendo essa abordagem em livros que optam por esse caminho (como é o caso também de Heartstopper, por exemplo, que traz um olhar inspirador e otimista sobre um romance gay). Mais um elogio merecido ao livro são as descrições espirituosas de Talia Hibbert. Ela intercala capítulos em terceira pessoa focados em cada protagonista, e a autora escolhe palavras e formas de estruturar frases que fazem parecer que estamos contando ou ouvindo uma história de algum amigo, sabem? Queria ter separado um trecho pra explicar isso, mas como não o fiz eu peço que só acreditem em mim. 😂

Se Liga, Dani Brown é um romance despretensioso e bem clichê, mas que infelizmente não me marcou muito profundamente. É um livro legal, mas sem muito carisma, então ficam essas ressalvas pra que vocês decidam se estão curiosos o suficiente ou não pra conferir. 😉

Título Original: Take a Hint, Dani Brown
Série: As Irmãs Brown
Autora:
 Talia Hibbert
Editora: Paralela
Número de páginas: 288
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo – Amal El-Mohtar e Max Gladstone

Oi pessoal, tudo bem?

Recentemente li uma obra com uma premissa bem diferente, cujas opiniões a respeito eram um pouco controversas (com alguns leitores amando, outros nem tanto): É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo. Tirei minhas próprias conclusões a respeito e hoje as divido com vocês. 😉

Garanta o seu!

Sinopse: Entre as cinzas de um mundo em ruínas, uma soldada encontra uma carta que diz: Queime antes de ler. E assim tem início uma correspondência improvável entre duas agentes de facções rivais travando uma guerra através do tempo e espaço para assegurar o melhor futuro para seus respectivos times. E então, o que começa como uma provocação se transforma em algo mais. Um romance épico que põe em jogo o passado e o futuro. Se elas forem descobertas, o destino será a morte. Ainda há uma guerra sendo travada, afinal. E alguém precisa vencer.

Red e Blue são guerreiras de facções rivais que batalham pelo controle do tempo. Elas são agentes enviadas para interferir no que chamam de “filamentos” do tempo, influenciando eventos com o intuito de garantir seus futuros tais como seus líderes desejam. Durante suas viagens entre passado e futuro, Blue deixa uma carta para Red. O que começa como provocação de uma rival aos poucos se transforma em um amor proibido, e elas precisam vencer muito mais do que o tempo pra ficarem juntas.

O primeiro adjetivo que me vem à cabeça para falar de É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo é… confuso. O segundo, poético. Vamos começar falando sobre o primeiro. O livro é intercalado entre capítulos das cartas propriamente ditas e capítulos que ora focam em Red, ora focam em Blue em suas missões, bem como o momento em que elas encontram a próxima carta. E ao pensar na palavra “carta”, peço que vocês façam o exercício de imaginar as cenas mais abstratas possíveis: uma delas é encontrada no couro de uma foca, por exemplo. E foram esses capítulos que tornaram o livro bem menos agradável pra mim do que poderia ser. Tive muita dificuldade de me engajar com as missões, porque o mundo fantasioso criado pelos autores não é palpável, e as explicações ficaram aquém das minhas expectativas. Me senti perdida sobre o universo proposto, mas também acredito que não era o intuito do livro se debruçar muito em cima disso. Toda a guerra e a viagem no tempo são temas secundários, então senti como se nem valesse a pena ler sobre eles. A sensação que ficou é de “só aceita que é assim e segue o flow”, sabem? E, comigo, isso não funcionou muito bem. Por conta desses fatores, tive imensa dificuldade de me conectar à ambientação criada pelos autores.

Agora, quando falamos no aspecto poético da obra, bem como do romance em si… aqui, sim, temos belas palavras, capazes de envolver e fazer o leitor torcer por Red e Blue. É palpável quando o tom das cartas começa a mudar e as mensagens deixam de ser meras provocações de duas agentes que respeitam o alto nível uma da outra. Aos poucos elas começam a revelar mais de si mesmas por meio das palavras, bem como os segredos de onde elas vêm. Red, por exemplo, faz parte da facção conhecida como Agência. Os soldados da Agência são melhorados com tecnologia, não precisam dormir nem se alimentar de formas tradicionais e vivem em um mundo distópico tecnomecânico. Blue não poderia ser mais diferente: sua origem é a facção chamada de Jardim, na qual os membros se fundem à natureza das mais diversas formas, fazendo parte de um universo “élfico” e praticamente bucólico – se não fosse pela guerra, é claro rs. O interessante é que, conforme baixam suas guardas e se abrem sobre si mesmas e suas origens, fica claro que elas já nem sabem mais porque lutam, e passam a perceber que além das diferenças existem muitas similaridades que as unem.

Não posso negar que É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo é bastante imaginativo. Em suas idas e vindas pelos filamentos do tempo, Red e Blue guiam o leitor por várias Atlântidas rumo à submersão, para inúmeras cenas de catástrofes, para um futuro tecnológico, para a época de Gengis Khan, entre outros períodos marcantes. Pra conseguir fazer com que as páginas fluíssem, precisei dar uma desapegada das explicações teóricas; como mencionei antes, o foco do livro não é esse. Se você conseguir “desligar a chavinha da implicância”, é bem provável que aproveite essas passagens com mais entusiasmo do que eu. Agora, como um elogio muito merecido, ressalto não apenas o belo romance entre as duas protagonistas, mas também a reta final da obra: há uma explicação muito interessante para algo que vinha aparecendo desde as primeiras páginas, e eu gostei de como deu sentido a todas essas cenas em questão.

É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo foi uma experiência… peculiar. Não posso dizer que amei, mas também não é justo dizer que odiei. O romance sáfico é bonito e comovente, além de ser bem-vindo em termos de representatividade lésbica na literatura. Porém, se você tiver alguma expectativa de que o pano de fundo das viagens no tempo seja explorado, é possível que você se decepcione. Recomendo que alinhe as expectativas quanto a isso antes de iniciar a leitura caso decida dar uma chance. 😉 Ademais, é um livro poético e cheio de palavras intensas, daquelas que transmitem a paixão e a dor de romances impossíveis. 

Título original: This Is How You Lose the Time War
Autores:
Amal El-Mohtar e Max Gladstone
Editora: Suma
Número de páginas: 224
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Heartstopper: Volumes 1 e 2 – Alice Oseman

Oi pessoal, tudo bem?

Ser fangirl sempre foi algo que fez parte da minha “identidade”, por assim dizer. Quando eu gosto de uma coisa, gosto MESMO. 😂 Mas, mesmo com várias experiências literárias fantásticas que tive recentemente, fazia tempo que algo não me despertava esse sentimento específico… até Heartstopper chegar. ❤ Vamos conhecer essa série de quadrinhos maravilhosa? Ah! Dia 22 estreia a adaptação da Netflix, então bora que dá tempo de ler antes, hein? 😉

Garanta os seus!

Sinopse: Volume 1: Charlie Spring e Nick Nelson não têm quase nada em comum. Charlie é um aluno dedicado e bastante inseguro por conta do bullying que sofre no colégio desde que se assumiu gay. Já Nick é superpopular, especialmente querido por ser um ótimo jogador de rúgbi. Quando os dois passam a sentar um ao lado do outro toda manhã, uma amizade intensa se desenvolve, e eles ficam cada vez mais próximos. Charlie logo começa a se sentir diferente a respeito do novo amigo, apesar de saber que se apaixonar por um garoto hétero só vai gerar frustrações. Mas o próprio Nick está em dúvida sobre o que sente – e talvez os garotos estejam prestes a descobrir que, quando menos se espera, o amor pode funcionar das formas mais incríveis e surpreendentes. Volume 2: Charlie e Nick são melhores amigos, mas tudo muda depois que eles se beijam em uma festa. Charlie acredita que cometeu um grande erro e arruinou a amizade dos dois para sempre, e Nick está mais confuso do que nunca. Mas aos poucos Nick começa a enxergar o mundo sob uma nova perspectiva e, com a ajuda de Charlie, descobre muitas coisas sobre o mundo que o cerca, sobre seus amigos – e, principalmente, sobre ele mesmo.

Charlie Spring é um garoto gay que sofreu bastante bullying quando foi tirado do armário contra a sua vontade. No novo ano escolar, apesar do pior ter passado, Charlie ainda lida com uma baixa autoestima e emoções conflitantes, pois está saindo com um cara que só o vê às escondidas. Seu dia a dia começa a ganhar um toque mais bonito de cor quando ele faz um novo amigo, o simpático e amigável Nick Nelson, um garoto popular que faz parte do time de rúgbi e que é sua dupla em uma das aulas. Apesar do estereótipo de “heterotop”, Nick é um cara livre de preconceitos, que rapidamente se afeiçoa a Charlie e constrói uma amizade muito forte com ele – convidando-o inclusive para fazer parte do time de rúgbi. Acontece que os caminhos do coração nem sempre são fáceis de trilhar: Charlie não demora a perceber que tem um crush em seu novo amigo, mas sabe que não será correspondido porque Nick é, na sua visão evidentemente hétero; já Nick começa a querer estar perto de Charlie de uma maneira que não ocorre com seus outros amigos, gerando uma dúvida sobre o que ele realmente sente e deixando-o confuso sobre sua sexualidade.

Eu já havia entrado em contato com a escrita de Alice Oseman por meio de Rádio Silêncio, em que ela também aborda temas como bullying, busca pela própria identidade e orientação sexual, sendo estes temas muito presentes em suas obras. Mas se Rádio Silêncio traz melancolia (inclusive um dos personagens dessa HQ aparece por lá), Heartstopper é uma história que vem para nos lembrar que nem sempre ser adolescente é fácil, mas que mudanças são bem-vindas e que é delicioso se apaixonar. A história de Charlie e Nick me deixou com um sorriso bobo no rosto, e ver a amizade dos dois crescendo para um sentimento mais profundo deixou meu coração absolutamente quentinho.

A autora deixa muito claro que a sexualidade das pessoas não é assunto de ninguém além dos próprios envolvidos, bem como evidencia que a aparência de alguém não deve ser levada em consideração para dizer se determinada pessoa é isso ou aquilo (como foi muito bem pontuado pela professora de Charlie e Nick ao ouvir comentários a respeito do segundo). Além disso, Alice Oseman também dá espaço principalmente a Nick, para que ele passe pelos momentos de dúvida necessários ao seu próprio processo. Vivemos em uma sociedade heteronormativa, o que faz com que a heterossexualidade seja esperada como padrão, sem necessidade de justificativa; quando os sentimentos mudam e Nick se vê apaixonado pelo melhor amigo, ele também sente medo e confusão, porque tudo que sabia sobre si mesmo parece nebuloso. Apesar de não forçar rótulos aos seus personagens, Alice Oseman permite que a bissexualidade (tão invisibilizada na mídia) ganhe destaque e faça parte do processo de construção identitária de Nick.

Enquanto no volume 1 acompanhamos com mais enfoque a amizade dos protagonistas sendo construída, é no volume 2 que esses debates que mencionei acontecem, bem como a evolução da relação dos dois. Charlie tem um papel de apoio fundamental a Nick, e isso é possível também graças a uma família amorosa que o acolhe da forma como ele é. Mas não se enganem, ser abertamente gay é só um dos aspectos sobre Charlie, existem muitos outros que o tornam encantador aos olhos de Nick e dos leitores: ele é um ótimo corredor, é super fofo, toca bateria e tem um All Star super cool. Além disso, mesmo tendo uma experiência amorosa triste com o boy que o escondia, ele jamais cobra que Nick saia do armário de forma forçada, acolhendo a necessidade de sigilo até que Nick entenda o que está vivenciando. Já no segundo volume da HQ, posso dizer que é Nick quem brilha ainda mais, sendo impossível não se apaixonar pelo carisma, caráter e gentileza do personagem, foi incrível acompanhar sua jornada de autodescoberta. ❤ Ele é, disparado, meu personagem favorito em toda a HQ (e em todas as minhas leituras recentes). Sua sensibilidade, sua preocupação com quem ele gosta e sua lealdade fazem de Nick um personagem que você quer guardar num potinho e proteger.

Além do casal principal, a autora traz para as páginas o carismático grupo de amigos de Charlie, composto por Tao, Elle e Aled (é ele um dos protagonistas de Rádio Silêncio). Aqui a representatividade se faz presente mais uma vez, sendo Elle uma garota trans e cujo crush em Tao é nitidamente correspondido. Do lado de Nick, ele faz amizade com um casal de namoradas, Tara e Darcy, que dão muita força para que ele se sinta acolhido e confortável com sua sexualidade. Ter essa rede de apoio faz toda a diferença para os personagens, e eles são aquela gang que qualquer um de nós gostaria de ter.

Eu sempre digo que acho importante que minorias possam se ver representadas em histórias felizes, não apenas tramas cheias de dor ou que falem sobre o peso do preconceito. Heartstopper é um exemplo maravilhoso disso, trazendo com muita doçura um relacionamento que começa com um “- Oi! – Oi!” diário e se transforma num amor puro e genuíno entre dois garotos que se encontram por acaso. É um acalento para o coração ler uma história tão fofa e adorável, cheia de cenas divertidas, bem-humoradas e fofíssimas, com direito a muitos beijos e demonstrações de afeto. Conteúdos que tragam a possibilidade de felicidade para quem é tão oprimido são necessários, e eu não poderia ter ficado mais feliz em ver tantas coisas boas na vida de Charlie e de Nick quanto vi em Heartstopper. E, com muita alegria no coração, digo: aqui renasce e reside uma fangirl entusiasmada, que quer ler e reler mil vezes essa história (e maratonar a adaptação da Netflix, é claro!). Se eu recomendo as HQs? Acho que a resenha já deixou isso óbvio, né! ❤

Título original: Heartstopper: A Graphic Novel
Autora:
Alice Oseman
Editora: Seguinte
Número de páginas: 288 (volume 1) e 320 (volume 2)
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: O Avesso da Pele – Jeferson Tenório

Oi pessoal, tudo bem?

Sempre que um livro me deixa sem palavras, tenho dificuldade de escrever a respeito. Os dedos pousam no teclado e eu fico reticente sobre como transmitir pra vocês as emoções que determinado título me causou. É o caso de O Avesso da Pele, vencedor do Prêmio Jabuti 2021, ao qual tentarei fazer justiça por meio dessa resenha.

Garanta o seu!

Sinopse: O Avesso da Pele é a história de Pedro, que, após a morte do pai, assassinado numa desastrosa abordagem policial, sai em busca de resgatar o passado da família e refazer os caminhos paternos. Com uma narrativa sensível e por vezes brutal, Jeferson Tenório traz à superfície um país marcado pelo racismo e por um sistema educacional falido, e um denso relato sobre as relações entre pais e filhos. O que está em jogo é a vida de um homem abalado pelas inevitáveis fraturas existenciais da sua condição de negro em um país racista, um processo de dor, de acerto de contas, mas também de redenção, superação e liberdade. Com habilidade incomum para conceber e estruturar personagens e de lidar com as complexidades e pequenas tragédias das relações familiares, Jeferson Tenório se consolida como uma das vozes mais potentes e estilisticamente corajosas da literatura brasileira contemporânea.

A trama acontece pelo ponto de vista de Pedro, um jovem que teve seu pai, Henrique, assassinado por uma ação policial desastrosa e incompetente. Ao visitar o apartamento de seu progenitor, ao olhar para as coisas que ele deixou, para a bagunça intocada, Pedro busca encontrar as peças do quebra-cabeças que formava seu silencioso, reflexivo, filosófico e ressentido pai. Mas, por mais que o leitor acompanhe as reflexões de Pedro, a narrativa é direcionada à segunda pessoa do singular: o protagonista “conversa” com Henrique enquanto relembra as informações de seu passado que conseguiu resgatar e tenta dar sentido à história da família.

De forma singela, mas impecável, Jeferson Tenório escreve sobre personagens com uma delicadeza ímpar. O foco é Henrique, cuja existência foi uma sucessão de dificuldades vencidas (e cansaço acumulado). Desde muito novo ele sentiu o peso que a cor de sua pele exerce, e as vezes em que foi parado pela polícia foram incontáveis – mesmo durante a infância, em uma partida de futebol inocente com os amigos, por exemplo. Conforme crescia, Henrique foi sendo exposto a diferentes formas de violência racial, demorando inclusive a entender que era vítima desse sistema. Sua primeira namorada, Juliana, é a personagem que representa a falta de autorresponsabilização branca pelo racismo, que se posiciona como não racista “por namorar um negro” e achar que o assunto será superado caso não se fale a respeito.

Com o tempo, Henrique entra em contato com os estudos raciais e ganha consciência de que o problema é muito maior do que ele. É também nessa época que seu relacionamento com Juliana termina – mas ela não será a única mulher a minar sua estrutura emocional. As memórias de Pedro sobre o casamento de seus pais são marcantes e intensas, repletas de cicatrizes psicológicas. É então que Martha, sua mãe, também ganha espaço na obra pra ter seu passado contado, o que auxilia o leitor a nutrir alguma empatia por ela, que causou diversas violências na vida de Henrique. A própria Martha teve uma vida de perdas, somadas à dificuldade de ser uma mulher negra em uma sociedade racista e machista: primeiro, ela perdeu seus pais, mortos em um acidente; depois, seus sonhos de um casamento feliz ao sofrer abusos de seu primeiro marido; e, por fim, o afeto de Henrique. A relação dos dois só perdura porque ambos sentem uma necessidade visceral de serem importantes para alguém. Essa necessidade dá espaço como uma “justificativa” para as ações descabidas e a toxicidade da relação, porque o ego de cada um se infla com a ideia de ser assim tão necessário. Por meio da voz de Pedro, o leitor navega por essa desestrutura familiar que foi a sina tanto de Henrique quanto de Martha, e que obviamente respingou em sua própria criação devido à posterior separação de seus pais.

Um aspecto muito marcante na vida de Henrique reside em sua decisão de se tornar professor. Jeferson Tenório se utiliza dessa escolha para criticar um sistema educacional falido, que invisibiliza o professor e o imenso abismo estrutural que existe entre as classes mais abastadas e as mais pobres. Henrique dá aula em uma escola de periferia e presencia as situações mais absurdas (como um aluno enrolando um baseado em sua aula), o que deixa explícito como nossos professores são expostos a situações extremas para as quais não foram preparados. É angustiante perceber como anos da vida de Henrique foram desperdiçados em uma triste resignação, especialmente quando consideramos a trajetória difícil que ele percorreu para chegar onde chegou.

Não posso falar de O Avesso da Pele sem mencionar a violência policial. Ao ler a sinopse, já conhecemos o desfecho de Henrique, mas ainda assim as páginas não nos preparam para o modo e para o terrível timing em que isso ocorre. Porém, não é apenas na morte que a violência policial marcou a história de Henrique. Como mencionei antes, desde a infância ele presenciou o modo como sua pele atrai olhares e provoca ações. Um episódio é bastante marcante: trabalhando como assistente em um escritório de advocacia, ele se esforça e junta dinheiro pra comprar uma roupa cara, semelhante a de seus pares no escritório. Mas, fugindo da chuva no Parcão (um parque localizado num bairro de classe alta aqui de Porto Alegre), ele é confundido com um assaltante e é parado pela polícia. A humilhação e a postura vinda daqueles que deveriam proteger a todos – ele incluso – são revoltantes, e Henrique se desfaz da jaqueta pela qual batalhou tanto. Afinal, de nada adiantam as peças de roupa que cobrem seu corpo; sua pele negra está sempre à vista, como um alvo. E é justamente por isso que o pai ensina ao filho a importância de preservar o avesso: aquilo que ninguém vê, aquilo que é só dele para ninguém tirar nem envenenar com ódio e preconceito. Porque, citando as páginas do livro, “não demora muito e a cor da pele atravessa nosso corpo e determina nosso modo de estar no mundo”.

O Avesso da Pele é um livro emocionante, intenso e envolvente. Mesmo tocando em temas tão difíceis, Jeferson Tenório mantém a narrativa fluida e poética, de forma a nos envolver e encantar, mesmo nas dificuldades. Esse é um daqueles livros que marcam a nossa experiência como leitores (sensação muito parecida com a que O Peso do Pássaro Morto me causou) e eu recomendo de coração que você dê espaço para conhecer a história de Henrique – bem como daqueles que o cercam.

Título original: O Avesso da Pele
Autor:
Jeferson Tenório
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 192
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: A Cidade de Vapor: Contos Reunidos – Carlos Ruiz Zafón

Oi pessoal, tudo bem?

A resenha de hoje é sobre A Cidade de Vapor, o último livro publicado com escritos inéditos do aclamado autor Carlos Ruiz Zafón. Vamos conhecer?

Garanta o seu!

Sinopse:  A Cidade de Vapor reúne todos os contos de Carlos Ruiz Zafón. Pensado pelo autor como uma verdadeira homenagem aos leitores que o acompanharam ao longo da série iniciada com A Sombra do Vento, este livro contém todo o mistério, o terror, a magia e a fascinação que sempre permearam suas histórias. Um livro emocionante, do qual ecoa a magia de um escritor ainda capaz de nos fazer sonhar, A Cidade de Vapor é um passeio pelos temas, lugares e personagens do universo literário da série O Cemitério dos Livros Esquecidos. Criativos e envolventes, os contos aqui reunidos trazem à vida personagens conhecidos e novos, todos carregando a melancolia e a beleza da escrita de Zafón, e nos convidam a entrar em seu mundo onírico e em sua cidade de névoa.

Fazia um bom tempo que eu tinha vontade de conhecer a escrita de Zafón, e ter recebido A Cidade de Vapor foi uma boa forma de ter um gostinho de sua obra sem necessariamente precisar consumir todos os livros da série O Cemitério dos Livros Esquecidos. Os contos giram em torno de personagens e cenas da série, mas é possível entender o contexto sem tê-la lido.

A gente percebe que um autor sabe como manipular e explorar todo o potencial das palavras quando, mesmo sem ter lido a obra original e as referências prévias, ele consegue envolver o leitor em sua obra. Enquanto lia A Cidade de Vapor, mesmo sem conhecer a fundo os personagens mencionados, me mantive curiosa pra saber o que se desenrolaria em suas histórias.

Zafón tem um estilo muito poético de narrar, além de um vocabulário rico. Há algum tempo eu não me sentia desafiada por uma leitura nesse sentido, e A Cidade de Vapor me colocou para pesquisar palavras e conceitos, bem como me obrigou a ler com calma e paciência pra absorver todo o significado de cada alegoria, de cada metáfora. De certa forma, essa experiência me transportou para a minha infância e adolescência, quando eu lia obras destinadas a idades mais elevadas que a minha e tinha sempre um dicionário comigo pra “traduzir” os desafios de vocabulário apresentados. Foi uma sensação engraçada e gostosa de nostalgia, sabem? 

Meu conto favorito foi o primeiro, Blanca e o Adeus, que narra um episódio da infância de David Martín (protagonista do segundo livro da série O Cemitério dos Livros Esquecidos), que se encanta com uma menina rica que se aproxima dele e com quem constrói uma amizade. Eles não se veem todos os dias, pois ela mora com a mãe e só vai para aquela região ao visitar o pai, e o menino faz tudo que está ao seu alcance para ter uma nova chance de encontrá-la. O final do conto é surpreendente e traz uma dose sobrenatural para o universo de Zafón. Meu segundo conto favorito foi o segundo, Sem Nome, apesar dele ser muito triste. Nesse, conhecemos a história da mãe de David Martín, cuja gravidez e parto foram muito sofridos. É bastante angustiante perceber o que ela passa para colocar o filho no mundo, e o coração do leitor se parte ao fim do conto. Em poucas páginas, é fácil torcer por essa personagem sem nome.

Não tenho muito mais a dizer sobre A Cidade de Vapor porque, de modo geral, eu compreendi o livro até onde meu conhecimento sobre a série permitiu. Como mencionei, Zafón conseguiu me envolver em sua narrativa e manter meu interesse, mas o mérito reside mais em seu estilo narrativo do que nas histórias propriamente ditas. Pra quem é fã do autor e já leu O Cemitério dos Livros Esquecidos, imagino que a experiência seja ainda melhor, e nesse caso recomendo bastante que dê uma chance à obra. Afinal, já que Zafón nos deixou tão cedo, nada mais justo do que aproveitar cada palavra delineada por ele, né?

Título original: La Ciudad de Vapor
Autor:
Carlos Ruiz Zafón
Editora: Suma
Número de páginas: 184
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Evidências de uma Traição – Taylor Jenkins Reid

Oi pessoal, tudo bem?

Adoro romances epistolares e sigo entusiasmada para conhecer novas obras de Taylor Jenkins Reid. Por isso, não perdi a chance de conferir Evidências de uma Traição quando foi liberado ao Time de Leitores da Companhia das Letras. Bora de resenha? 🙌

Garanta o seu!

Sinopse: Uma jovem desesperada no sul da Califórnia se senta para escrever uma carta para um homem que ela nunca conheceu – uma escolha que mudará sua vida para sempre. Pouco a pouco, a correspondência entre Carrie Allsop e David Mayer revela os detalhes de um caso devastador entre seus cônjuges. Ao longo das cartas, eles confessam seus medos e compartilham sentimentos escondidos no fundo de suas almas, tentando decidir como seguir em frente. Contada inteiramente por meio de cartas, Evidências de uma traição é uma história de decepções, mágoas e segredos, mas também de perdão e recomeços, e de como, no caso de algumas pessoas, a dor pode libertar.

Carrie Allsop e David Mayer se conhecem da pior forma possível: descobrindo que seus cônjuges estão tendo um caso. Carrie descobre a traição primeiro ao encontrar cartas de uma mulher (Janet) nas coisas do marido, e envia sua própria carta a David na busca de mais informações a respeito, pedindo que ele lhe envie cartas de seu marido (Ken) que possam estar com a amante. David, de início, fica estupefato e se recusa a acreditar no que está acontecendo, até ele próprio descobrir as cartas que sua esposa guarda. No meio de tanta mágoa e ressentimento, Carrie e David guardam esse segredo até decidirem o que fazer.

Os capítulos são intercalados entre as cartas de Carrie e de David, com algumas semanas de diferença, já que não moram na mesma cidade. Eles desabafam sobre vários aspectos de seus casamentos: Carrie conta como o marido tem deixado-a de lado, enquanto David revela que as condições financeiras da família têm sido fontes de stress entre ele e a esposa, por exemplo. Aos poucos, as cartas vão ganhando cada vez mais nuances pessoais, e os dois protagonistas vão se desnudando um pro outro por meio das palavras. A confiança cresce por compartilharem uma dor em comum, mas aos poucos percebemos que eles têm bastante afinidade, e o teor mais “polido” das cartas vai dando lugar a um tom afetuoso. Quando os dois decidem se encontrar pessoalmente, o livro causa no leitor uma grande curiosidade pra saber como foi esse momento, mas infelizmente não temos essa visualização: o romance epistolar, justamente por ter esse formato, nos faz aguardar o relato parcial de como foi o café que Carrie e David tomaram juntos.

Consigo entender a reticência dos protagonistas em confrontarem seus parceiros, pois ambos acreditam que ainda existe amor em seus relacionamentos. Abrir mão dessa crença pode ser muito difícil, mas conforme eles encontram mais cartas trocadas entre os amantes, pior esse dilema se torna. Senti muita pena de Carrie, especialmente, porque seu marido é um embuste de marca maior. Ela se sente culpada por não conseguir gerar um filho, e a pressão dessa situação sempre recaiu sobre ela. Em nenhum momento seu médico e seu marido (também médico) pensaram em examinar a taxa de espermatozóides de Ken, por exemplo, pra descartar alguma dificuldade na concepção. Carrie abriu mão de seus estudos e de seu futuro pra ser uma dona de casa e mulher exemplar, para atender às expectativas do marido, mas sua vida se transformou em solidão. David, por outro lado, se ressente da quantidade de filhos que teve, ainda que os ame de todo coração. Uma das gravidezes foi acidental e gerou gêmeos, o que comprometeu o orçamento familiar e levou a uma ruptura na parceria entre ele e a esposa. Os dois acabam fingindo que esse tema não existe, mas o elefante na sala está sempre lá.

Eu achei que os dois personagens criados por Taylor Jenkins Reid são muito humanos, e suas motivações, compreensíveis. Gostei do desenrolar dos fatos e de como Carrie e David vão entendendo mais sobre os próprios sentimentos. Um influencia o outro de forma positiva, e é inevitável que o leitor passe a shippá-los. Porém, a autora nem sempre opta pelos caminhos óbvios, e as questões que envolvem o coração e a família são mais complexas do que parecem. O final traz uma reviravolta bacana e que dá um gostinho de justiça, além de colocar os personagens em posições nas quais eles gostariam de estar – a gente concordando ou não com eles.

Resumindo, Evidências de uma Traição é um bom livro sobre os dilemas envolvendo o casamento, a confiança e o amor próprio. Taylor Jenkins Reid é excelente em criar personagens verossímeis, cujos sentimentos nós também poderíamos viver em algum momento. Ademais, o livro tem um ritmo veloz devido ao formato de cartas, fazendo com que seja muito rápido terminá-lo e descobrir as decisões de Carrie e David. Apesar de não ter sido a experiência literária mais marcante da minha vida, é um livro bacana que eu recomendo. 😉

P.S.: aqui temos referências à Daisy Jones, pra quem já leu, e também ao insuportável e odioso Mick Riva (que eu detonei na resenha de Malibu Renasce). Será que já dá pra chamar de Jenkinsverso? 😂

Título original: Evidence of the Affair
Autora:
Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Número de páginas: 101
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Mulher, Roupa, Trabalho – Mayra Cotta e Thais Farage

Oi pessoal, tudo bem?

Eu estava com saudades de ler um livro de não-ficção, e felizmente tive uma excelente experiência com minha primeira leitura concluída de 2022: Mulher, Roupa, Trabalho: Como se Veste a Desigualdade de Gênero. 

Garanta o seu!

Sinopse: Este não é mais um livro de estilo. Nestas páginas, a consultora de moda Thais Farage e a advogada Mayra Cotta investigam a relação da mulher com a roupa de trabalho e o que há por trás das escolhas diárias que fazemos diante do espelho. “Será que esse vestido me deixa velha?”, “Essa camisa me faz parecer séria demais?”, “Essa blusa é muito estampada?”, “Ainda tenho idade para usar esse tipo de saia?”. Quem é mulher sabe que, apesar de rotineira, arrumar-se para o trabalho não é tarefa fácil. Não importa o que vestimos, a roupa feminina é sempre avaliada, comentada e criticada por todo mundo, e o resultado é que quase nunca sentimos que nossas peças são apropriadas para a situação. Mas por que nossa relação com a roupa de trabalho é tão complicada? De onde vêm tantas questões que parecem nem existir para o gênero masculino? Foi com isso em mente que Mayra Cotta e Thais Farage escreveram Mulher, roupa, trabalho, um livro que repensa a moda a partir de suas raízes políticas e questiona a política a partir da moda, tendo como base a roupa das mulheres no espaço de trabalho. O objetivo aqui é questionar as estruturas engessadas que determinam o que devemos ou não vestir para trabalhar e tentar subvertê-las. Só assim poderemos nos divertir mais com os looks e nos preocupar menos em nos espremer para caber neles.

Eu passei a me interessar por moda recentemente, depois de ter produzido conteúdos com uma consultora de estilo em uma das marcas que minha equipe atendia na empresa em que trabalho. Porém, o assunto gênero me atrai faz muito tempo: costumo dizer que desde pequena eu era feminista, só não sabia o nome disso ainda – inclusive fiz meu TCC focado nesse assunto (analisei a representação feminina em Jessica Jones e o link está aqui, pra quem quiser conferir). Quando, via Time de Leitores, tive a oportunidade de ler um livro que unisse ambos os assuntos e ainda falasse sobre a mulher no mercado de trabalho (coisa que um dos meus livros favoritos, Clube da Luta Feminista, aborda), não pensei duas vezes em mergulhar de cabeça.

Mas é importante ressaltar que meu interesse por moda é superficial. Não acompanho tendências, alta costura, a história por trás desse mundo todo. Além disso, aproveito para sinalizar que o livro traz “roupa” no nome porque, muito mais do que moda, é nisso que ele foca: a forma como as roupas fazem parte da história da humanidade e como elas servem a papéis sociais e de poder ao longo desse tempo. Se você se identificou com a minha forma de pensar sobre moda e sobre essa temática que citei, é muito provável que você curta a leitura também. 😉

Mayra Cotta e Thais Farage fazem um trabalho primoroso em questionar e também elucidar as muitas formas pelas quais as mulheres tiveram seu papel no mercado de trabalho definido. Uma pergunta feita na obra é um ótimo exemplo disso: se você é mulher, é bem provável que já tenha se perguntado em algum momento se “tal roupa” é adequada para determinada situação, se alguma peça pode causar um efeito indesejado em alguma reunião ou se o tamanho e a modelagem da sua saia podem interferir na sua credibilidade no ambiente de trabalho, por exemplo. E a verdade é que, segundo a linha de raciocínio das autoras, o mercado de trabalho foi construído ao longo dos séculos para que nós, mulheres, nunca estejamos adequadas: ou seremos velhas demais, ou jovens demais, ou mostraremos pele demais, ou seremos “sisudas ou senhorinhas” demais na forma de nos vestirmos. Se usarmos maquiagem, pareceremos fúteis; se não usarmos, pareceremos desleixadas. É um jogo impossível de vencer. E o livro infelizmente não traz uma solução, porque não existe uma única resposta simples que seja capaz de reverter essa dinâmica: como Moda, Roupa e Trabalho habilmente demonstra, isso é uma herança antiga e propositalmente orquestrada.

Compreender o fato de que, desde o Renascimento, as mulheres têm sido colocadas na esfera privada da sociedade (o lar, a família, os filhos) enquanto homens são destinados à esfera pública (o trabalho) é a primeira coisa a ser feita para que possamos encarar os desdobramentos disso, que são sentidos ainda no presente. As autoras usam diversos exemplos pra conectar esse abismo na dinâmica de poder, e é claro que as vestimentas são os mais marcantes. As roupas desconfortáveis das mulheres entre o século XVII e XVIII (não me recordo com clareza agora, me perdoem) ilustram bem essa situação: espartilhos, anáguas e armações de ferro para sustentação dos tecidos são alguns dos itens que transformavam a mulher em um adorno, pois aquele era o papel a ela destinado. E ainda hoje temos a nossa aparência como balizadora da nossa capacidade como profissionais, que está sempre sendo questionada e até mesmo ameaçada.

A obra é dividida nos seguintes temas: uma introdução, “Rumo à construção o nosso próprio poder”, seguida dos capítulos “Mulheres e mundo do trabalho: como chegamos até aqui”, “A moda e os códigos”, “As roupas e o assédio sexual no trabalho”, “Mãe com estilo e estilo de mãe”, “A busca eterna pelo look ideal” e a conclusão: “Como fazer a roupa trabalhar para nós?”. Com esses títulos, acredito que seja possível que vocês captem a essência dos assuntos trabalhados ao longo das páginas, mas é importante deixar claro que as autoras se preocupam em costurar todos esses assuntos, conectando um capítulo aos conceitos vistos no anterior. Por mais que sejam muitos aspectos históricos e sociais a serem debatidos, Mayra Cotta e Thais Farage conseguiram tornar o livro muito fluido, interessante, dinâmico e nada cansativo. Cada problematização feita me deixou imersa e me colocou para refletir, provavelmente sendo esse o motivo pelo qual demorei a sentar e escrever uma resenha.

Mulher, Roupa, Trabalho é uma leitura imperdível pra quem se interessa por estudos de gênero e deseja se aprofundar em um dos muitos aspectos que giram em torno das dinâmicas de poder desiguais entre homens e mulheres. As autoras são didáticas e conseguem aprofundar várias questões – e, onde não conseguem, deixam sugestões de títulos e de bibliografia pra que o leitor possa continuar o estudo por si mesmo. Foi uma leitura que facilmente entrou pras melhores obras lidas recentemente e eu torço pra que você resolva dar uma chance também. Prometo que vale a pena. 😉

Título original: Mulher, roupa, trabalho: Como se veste a desigualdade de gênero
Autoras:
Mayra Cotta e Thais Farage
Editora: Paralela
Número de páginas: 228
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Malibu Renasce – Taylor Jenkins Reid

Oi pessoal, tudo bem?

Falar de Malibu Renasce é desafiador por dois motivos: é um livro muito popular na blogosfera e foi escrito por uma autora que me impressionou muito em seu primeiro romance que eu li, Depois do Sim. Será que essa popularidade toda me arrebatou?

Garanta o seu!

Sinopse: Malibu, agosto de 1983. É o dia da festa anual de Nina Riva, e todos anseiam pelo cair da noite e por toda a emoção que ela promete trazer. A pessoa menos interessada no evento é Nina, que nunca gostou de ser o centro das atenções e acabou de ter o fim do relacionamento com um tenista profissional totalmente explorado pela mídia. Talvez Hud também esteja tenso, pois precisa admitir para o irmão algo que tem mantido em segredo por tempo demais, e parece que esse é o momento. Jay está contando os minutos, pois não vê a hora de encontrar uma menina que não sai de sua cabeça. E Kit também tem seus segredos ― e convidado ― especiais. Até a meia-noite, a festa estará completamente fora de controle. O álcool vai fluir, a música vai tocar e segredos acumulados ao longo de gerações vão voltar para assombrar todos ― até as primeiras horas do dia, quando a primeira faísca surgir e a mansão Riva for totalmente consumida pelas chamas.

Malibu Renasce gira em torno de duas linhas do tempo: a do passado começa nos anos 50, a do presente, nos anos 80. No passado, acompanhamos a criação da família Riva; no presente, a história gira em torno da festa lendária que acontece todo ano e é oferecida pelos quatro irmãos Riva. E são esses cenários que levam o leitor a um drama familiar cheio de sofrimento, traição, resiliência, força, altruísmo, dor e abnegação.

Para começar a falar dos Riva, é importante citar as duas figuras centrais, June e Mick. Os jovens se conhecem e rapidamente se apaixonam, o que leva a um romance ardente que não demora a virar casamento. Mick é um rapaz de origem humilde que tem o sonho de se tornar um cantor famoso, enquanto June deseja mais que tudo escapar do seu futuro inevitável, que é assumir o restaurante da família. Ela encontra em Mick não apenas o amor e a paixão, mas também a possibilidade de realizar esse sonho, enquanto Mick encontra em June a chance de constituir a própria família, já que a sua é completamente desestruturada. Mas conforme Mick ascende na carreira, ele passa a ter diversos affairs e abandona June com os filhos mais de uma vez. É desesperador “presenciar” toda a dor que ele causa à esposa, humilhando-a seguidamente e pedindo a ela que o aceite de volta sempre que se arrepende (momentaneamente, é claro, porque não demora a traí-la de novo). Depois da última e derradeira traição, Mick a deixa de vez e June se afunda cada vez mais no álcool como forma de consolo.

A relação de June e Mick tem como frutos Nina, Jay e Kit – mas, além dos três, June adota Hud, filho de uma das escapadas do então marido. Os quatro crescem tendo a mãe como pilar, e Nina é a única que chegou a conviver com o pai durante mais tempo. Ela cria um vínculo forte com ele, e quando Mick abandona a família mais uma vez, Nina é tão atingida quanto a mãe por essa quebra de confiança. Conforme os anos passam, uma sequência triste de fatos leva Nina a assumir a responsabilidade pela família, e aí o leitor passa a sofrer novamente ao acompanhar tudo que ela precisou abrir mão. A jovem, cedo demais, precisa abandonar suas perspectivas de futuro e dar tudo de si para cuidar dos irmãos mais novos para que nenhum deles caia nas mãos do sistema de adoção. Nina se vê contando cada centavo e administrando uma família e um restaurante sem nenhuma rede de apoio. Felizmente, ela é descoberta por um olheiro e passa a ganhar a vida como modelo, mas nem isso é capaz de tirar dela o medo da pobreza e a postura de abnegação que foi obrigada a tomar durante toda a vida. Em determinado momento, na linha temporal da festa, sua melhor amiga a provoca sobre isso, dizendo que Nina nunca tomou nenhuma decisão sequer pautada em seus verdadeiros desejos. 😦

Apesar desses três nomes (June, Mick e Nina) terem sido os grandes destaques do livro pra mim, Malibu Renasce também trabalha os dramas de Jay, Hud e Kit. Os dois primeiros, além de irmãos, são melhores amigos e parceiros, e ambos escondem segredos sobre os quais estão criando coragem para falar; Kit, a caçula, está em uma fase de autodescoberta e a festa é “o momento da verdade” para ela. Eu gostei dos três, mas nenhum deles ganhou tanto meu coração quanto Nina. Seus dramas são relevantes, mas quando a gente sente “na pele” por meio da narrativa tudo que a irmã mais velha passou, acaba que as histórias dos três não impactam tanto assim.

Mas por mais que as atitudes de Nina sejam admiráveis, são também irritantes. Eu amei a personagem ao mesmo tempo em que queria sacudi-la pelos ombros e gritar “reage, mulher!” (bota um cropped rs), sabem? Tive uma sensação parecida em relação a June, mas em menor intensidade (no caso desta, tive mais pena mesmo). Fiquei muito aflita com tudo que a autora fez as duas passarem por causa de Mick, mas sei que é reflexo de uma cultura e de uma época que esperavam esse tipo de postura das mulheres, voltada para a constituição de uma família e na posição de cuidadoras. E já que o assunto é o sofrimento causado por Mick, quero ressaltar que ele foi o personagem mais odioso das minhas últimas leituras. Ele é um ególatra autocentrado e narcisista que só soube destruir a vida de todo mundo que já se importou com ele. E o pior de tudo é que, além de usar o discursinho do arrependimento, ele parecia realmente achar que suas justificativas pra todo o mal que causou eram válidas. Se preparem pra odiá-lo, caso ainda não tenham lido Malibu Renasce ou Os Sete Maridos de Evelyn Hugo (fiquei sabendo que ele aparece por lá também, mas ainda não li).

O maior problema de Malibu Renasce pra mim (além do desgraçado do Mick rs) foi a festa em si. Desculpe quem gostou, mas achei muito chata. O livro usa os capítulos da festa pra focar em vários figurantes e na realidade dos ricos de Malibu (regada a glamour, álcool, drogas e sexo), e eu não via a hora de passar logo por aquilo pra chegar de novo ao que me interessava. Se não fosse o estilo envolvente de Taylor Jenkins Reid, teria sido muito mais difícil encarar toda essa encheção de linguiça. E aqui aproveito pra trazer também a dificuldade de ler uma obra quando a gente vem cheio de expectativas: eu esperava muito tanto do título em si quanto da autora, e como não me apaixonei pelo livro, acabei ficando com aquele gostinho levemente decepcionado na boca. E já que estou falando em aspectos negativos, não posso deixar de fora um aspecto técnico: a diagramação do ebook que recebi. No arquivo que foi para o meu Kindle a estrutura das frases tava com uma péssima fluidez devido ao fato de que inúmeras frases e nomes próprios iniciavam sem letra maiúscula e muitas delas eram “partidas” por parágrafo. Uma pena, porque truncou bastante a minha leitura.

Para resumir, Malibu Renasce é mais uma demonstração de que Taylor Jenkins Reid é capaz de construir uma narrativa envolvente mesmo quando a história em si é capaz de nos fazer odiar vários personagens e aspectos dela rs. Amei? Não, tanto que avaliei com 3 estrelas no Skoob (o que encaro como um “bom”). Mas é inegável o talento que a autora tem de construir personagens e situações tão reais que mexem com o leitor em um nível muito intenso. Infelizmente não me arrebatou como Depois do Sim, mas é uma história muito bem construída. Deixo pra cada um de vocês tirar suas conclusões finais a respeito. 😉

Título original: Malibu Rising
Autora:
Taylor Jenkins Reid
Editora: Paralela
Número de páginas: 368
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Garota, 11 – Amy Suiter Clarke

Oi galera, tudo bem?

Apesar de não ser uma ouvinte de podcasts, adoro ler sobre true crimes. Por isso, fiquei bem animada quando recebi Garota, 11, um thriller da Suma que tem um podcast de true crime como enfoque!

Garanta o seu!

Sinopse: Elle Castillo é a apresentadora de um podcast popular sobre crimes reais. Depois de quatro temporadas de sucesso, ela decide encarar um caso pelo qual sempre foi obcecada ― o do Assassino da Contagem Regressiva, um serial-killer que aterrorizou a comunidade vinte anos atrás. Suas vítimas eram sempre meninas, cada qual um ano mais jovem que a anterior. Depois que ele levou sua última vítima, os assassinatos pararam abruptamente. Ninguém nunca soube o motivo. Enquanto a mídia e a polícia concluíram há muito tempo que o assassino havia se suicidado, Elle nunca acreditou que ele estava morto. Ao seguir uma pista inesperada, no entanto, novas vítimas começam a aparecer. Agora, tudo indica que ele está de volta, e Elle está decidida a parar sua contagem regressiva.

Elle Castillo é a voz por trás do Justiça Tardia, um podcast investigativo sobre true crime que se encontra em sua 5ª temporada. O foco do podcast é trazer justiça a vítimas cujos casos nunca foram encerrados, então Elle se dedica (com a ajuda dos ouvintes e de suas próprias skills) a encontrar os criminosos. A apresentadora já conquistou um status de sucesso, pois nas temporadas passadas conseguiu solucionar os casos a que se propôs, além ser convidada pela polícia a trabalhar como consultora vez ou outra. Em sua 5ª temporada, Elle lança seu projeto mais ambicioso: encontrar o serial killer conhecido como Assassino da Contagem Regressiva, conhecido por fazer vítimas sempre um ano mais novas que as anteriores, mas que desapareceu há cerca de 20 anos sem deixar rastros. Porém, ao mexer com o passado, Elle se depara com um perigo iminente em seu presente.

Eu adorei o formato que Garota, 11 é narrado: temos capítulos em terceira pessoa que acompanham o ponto de vista de alguns personagens (sendo em sua maioria o de Elle) intercalados com transcrições de áudios da protagonista e roteiros de episódio do podcast. Minha parte favorita, obviamente, foi a do podcast rs. Amy Suiter Clarke conseguiu me deixar totalmente imersa no caso do ACR e me vi querendo saber mais e mais sobre seu modus operandi e timeline dos acontecimentos. E é com esse gancho que aproveito para fazer um elogio à proposta do livro: ao mergulhar de cabeça no caso mais complexo que já investigou, Elle coloca o assassino em evidência (coisa que até então não fizera). E ela se depara com consequências graves decorrentes disso: ela começa a receber ameaças por e-mail, uma testemunha que colaboraria com ela é encontrada morta e uma pessoa querida se vê ameaçada. Garota, 11 aproveita esses acontecimentos para fazer Elle (e o leitor) enxergar os perigos de glamourizar criminosos, levantando uma provocação sobre a ética por trás desse tipo de conteúdo – que hoje é encontrado à exaustão na internet. Porém, tratando-se de um livro mais juvenil, Garota, 11 acaba ficando em um território mais superficial desse debate, que poderia ser mais aprofundado.

Os capítulos que se passam no presente, com Elle interagindo com a família (composta por seu marido, Martín, sua vizinha e melhor amiga, Sash, e sua afilhada, Natalie) e investigando pistas atuais do ACR são menos instigantes. E eu diria que o maior ponto fraco deles, assim como do livro no geral, é a sua previsibilidade: existem dois plot twists que a autora provavelmente desejou que fossem bombásticos, mas que vi chegando a milhas e milhas de distância. Você nem precisa ler nas entrelinhas com tanta atenção assim pra descobrir, o que é uma pena e causa um efeito bem anticlimático. :/ Quando as evidências indicam que o ACR “despertou” de sua hibernação e voltou a agir, em tese deveríamos ficar aflitos, certo? Mas não é o que acontece, ainda que o ponteiro do relógio esteja correndo contra Elle e a polícia. 

Outro ponto que não achei tão legal é a personalidade da Elle em si. Amy Suiter Clarke tenta nos fazer comprar a imagem de que sua protagonista é fodona e consegue resolver qualquer coisa (o que é reforçado com frases como “se tem alguém que consegue, é você”), mas a verdade é que não temos tantas informações assim que justifiquem por que a Elle é competente no que faz. Os únicos dados que comprovam isso é que ela já trabalhou como assistente social e que conseguiu resolver casos nas temporadas anteriores do podcast. Pra mim, não foi o suficiente, e senti falta de mais momentos que evidenciassem sua competência como investigadora – até porque todas as suas teorias sobre o ACR ao longo do livro foram sendo derrubadas ou mostraram-se problemáticas em algum nível. Pode ser implicância minha? Talvez. Mas né, foi a impressão que me marcou.

De forma geral, Garota, 11 foi uma experiência de leitura legal, porque a trama é ágil e as transcrições do podcast envolvem muito o leitor. Toda a energia que a autora colocou na criação do Assassino da Contagem Regressiva valeu a pena, porque realmente é um caso que instiga a ponto de fazer parecer real. Porém, sendo seu primeiro livro publicado, dá pra ver que existe imaturidade em sua escrita, e isso se reflete principalmente na obviedade dos plot twists (o principal ponto negativo pra mim). Mas, se você relevar esse aspecto (e gostar de podcasts!), é um livro bacana com uma “ambientação” diferente das que já havia visto por aí. 😀

Título original: Girl, 11
Autor:
Amy Suiter Clarke
Editora: Suma
Número de páginas: 304
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: Blackout – Dhonielle Clayton e outras autoras

Oi pessoal, tudo bem?

Quem aí está no clima de muito romance? ❤ A dica de hoje é um livro encantador publicado pela Seguinte e escrito por várias autoras contemporâneas de sucesso: Blackout: O Amor Também Brilha no Escuro.

Garanta o seu!

Sinopse: Uma onda de calor causa um apagão em Nova York. Multidões se formam nas ruas, o metrô para de funcionar e o trânsito fica congestionado. Conforme o sol se põe e a escuridão toma conta da cidade, seis jovens casais veem outro tipo de eletricidade surgir no ar…Um primeiro encontro ao acaso. Amigos de longa data. Ex-namorados ressentidos. Duas garotas feitas uma para a outra. Dois garotos escondidos sob máscaras. Um namoro repleto de dúvidas. Quando as luzes se apagam, os sentimentos se acendem. Relacionamentos se transformam, o amor desperta e novas possibilidades surgem ― até que a noite atinge seu ápice numa festa a céu aberto no Brooklyn. Neste romance envolvente e apaixonante, composto de seis histórias interligadas, as aclamadas autoras Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon celebram o amor entre adolescentes negros e nos dão esperança mesmo quando já não há mais luz.

A trama de Blackout acompanha diversos personagens passando por situações inusitadas durante um inesperado apagão em Nova York. Cada trama é escrita por uma autora e os personagens estão conectados de alguma forma (amigo de fulano, primo de beltrano, irmã de ciclano). Essa vibe de “você conhece alguém que eu conheço” pode confundir um pouco em função dos muitos nomes dos personagens, mas conforme você se liga em quem é quem se torna muito fácil enxergar as conexões e as histórias ficam ainda mais legais. Pra completar a naturalidade dessas relações, outro ponto muito bacana é a forma como os diálogos são escritos: os personagens usam expressões muito “vida real”, e não de jeito forçado. O uso de expressões como “dar rolê”, “fala, cara” e afins realmente trouxe uma pegada realista e fácil de se identificar. 😀

Outro aspecto super importante de Blackout é a representatividade: os personagens são todos negros e/ou latinos, e há também casais LGBTQIA+. É muito bom ler romances em que esses grupos protagonizam cenas fofas, alegres, otimistas e positivas. O preconceito e as dores causadas pelo racismo e pela homofobia são inegáveis, mas acho importante que esses grupos também possam se sentir representados em histórias nas quais a felicidade, o amor e as conquistas existam (algo que elogiei também em Acorda Pra Vida, Chloe Brown). Ainda assim, a obra traz toques sutis – mas certeiros – sobre como jovens negros são obrigados a se preocupar com os riscos do racismo: Kareem (do primeiro conto) não quis ficar no meio da multidão até escurecer, preferindo ir pra casa; JJ (do segundo conto) anda com um chaveiro com ferramentas e foi ensinado pelo pai a sair de qualquer transporte público em caso de emergência.

Além da ambientação (um blackout em Nova York) e das ligações entre os personagens, os contos têm mais uma coisa em comum: os personagens precisam se dirigir ao Brooklyn – ou pra voltar pra casa, ou pra participar de uma festa incrível de fechar quarteirão que vai rolar por lá. E enquanto a maior parte das histórias tem seu início e fim em si mesmas, existe uma delas (a mais longa) que é dividida em atos. Dá pra dizer que é um dos romances principais, e acompanha um casal de ex-namorados que se vê competindo pela mesma vaga de emprego e tendo que voltar a pé juntos pra casa (já que o transporte público não funciona). E já a ambientação está em pauta, vale dizer que Blackout nos faz querer viajar por Nova York. Os contos acompanham espaços icônicos da cidade, como a Biblioteca Pública de Nova York e o Apollo Theater.

Pra fechar, fiz um resuminho de cada conto pra vocês ficarem ainda mais curiosos com Blackout. 😉

  • A Longa Caminhada: é o conto dividido em atos que acompanha os ex-namorados voltando juntos pra casa e descobrindo que talvez a decisão de terminar não tenha sido tão boa assim.
  • Sem Máscara: meu conto favorito! ❤ Acompanha um jovem que está redescobrindo sua sexualidade. No metrô, ele encontra um antigo e secreto crush, com quem passou conversando durante uma noite em um baile de máscaras. Será que ele vai ter coragem de dizer a verdade?
  • Feitas Para se Encaixar: duas meninas se conhecem e se encantam uma pela outra em um lar para idosos – uma sendo voluntária, a outra sendo neta de um dos moradores (que, aliás, é um belo cupido!).
  • Todas as Grandes Histórias de Amor… e Pó: um conto muito fofo sobre uma garota que está reunindo coragem para contar ao seu melhor amigo de infância que está apaixonada por ele! Difícil não querer estar no mesmo lugar em que os dois: a Biblioteca Pública que mencionei antes. 
  • Sem Dormir até o Brooklyn: esse conto é bem interessante porque tem uma perspectiva diferente sobre amor e relacionamentos. Uma menina está vivendo um triângulo amoroso e precisa refletir sobre com quem deseja ficar – ou se essa é mesmo a melhor decisão.
  • Seymour & Grace: meu segundo conto favorito. 🥰 Aqui acompanhamos uma jovem que está magoada pelo término do namoro indo de Uber até a festa no Brooklyn. O que ela não imaginava era ter tanta afinidade com o motorista (que também narra trechos da história).

Em suma, Blackout é um livro muito gostoso de ler, cheio de histórias fofas e encantadoras e com uma representatividade necessária. Recomendo! 🙌

Título original: Blackout
Autoras:
Dhonielle Clayton, Tiffany D. Jackson, Nic Stone, Angie Thomas, Ashley Woodfolk e Nicola Yoon
Editora: Seguinte
Número de páginas: 272
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.