Review: Sexy Por Acidente

Oi pessoal, tudo bem?

Estou bem louca das comédias românticas ultimamente, então hoje vim falar sobre mais uma que eu conferi nas últimas semanas: Sexy Por Acidente.

poster sexy por acidente.png

Sinopse: Renee (Amy Schumer) convive diariamente com insegurança e baixa autoestima por conta de suas formas físicas. Depois de cair e bater a cabeça numa aula de spinning, ela volta a si acreditando ter o corpo que sempre sonhou e assim começa uma nova vida cheia de confiança e sem medo de seguir seus desejos.

Renee trabalha no departamento digital de uma grande marca da indústria cosmética feminina. Tendo como escritório um porão apertado e como colega um cara super ranzinza, o maior sonho de Renee é virar recepcionista no prédio principal da marca. Entretanto, seus problemas de autoestima – que envolvem principalmente seu corpo, considerado acima do peso – fazem da protagonista uma mulher bastante insegura. Contudo, em uma aula de spinning, um acidente faz com que ela bata a cabeça e… tudo muda!

sexy por acidente.png

Em primeiro lugar, preciso elogiar a atuação da Amy Schumer. Que atriz engraçada e carismática! Após Renee bater a cabeça, sua visão se transforma e ela passa a enxergar a si mesma como uma mulher deslumbrante, de corpo escultural. Mas o maior acerto do filme é manter Amy Schumer no papel, em vez de substituí-la para mostrar o que Renee está enxergando. É justamente essa decisão que 1) torna tudo tão engraçado, porque a personagem segue a mesma, mas muda totalmente de postura e 2) evidencia justamente como a única coisa que faltava em Renee não era uma aparência de top model, mas sim autoconfiança. E assistir Renee flertando sem medo, dançando sem nenhuma vergonha e falando sobre seu próprio corpo escultural enquanto as pessoas ao redor ficam “ué, por que ela tá agindo assim do nada?” é engraçado demais.

sexy por acidente .png

Ao longo da trama, a recém-adquirida autoconfiança de Renee faz com que a personagem alce voos cada vez mais altos. Creditando todas essas conquistas apenas a seu novo corpo, a personagem acaba deixando parte de sua personalidade para trás, o que a afasta das pessoas próximas e a distancia de sua verdadeira essência. Entretanto, como todo bom clichê de comédia romântica, Renee precisa enfrentar esses dilemas e entender quem ela é de verdade: uma mulher interessante, engraçada e bonita do jeito que ela é. Suas conquistas não são originadas de uma beleza irrefutável e óbvia, mas sim do conjunto de características que a tornam única.

sexy por acidente 3.png

Sexy Por Acidente tem muitas cenas engraçadas e trata de um ponto muito importante: a autoestima feminina e a cobrança excessiva por padrões. É possível ser bonita e feliz sem necessariamente ter um corpo de modelo da Victoria’s Secret. Existem diversos fatores que nos fazem quem somos, e o corpo é apenas um deles. Lição válida e sempre necessária! 😉

Título original: I Feel Pretty
Ano de lançamento: 2018
Direção: Abby Kohn, Marc Silverstein
Elenco: Amy Schumer, Michelle Williams, Rory Scovel, Busy Philipps, Aidy Bryant, Tom Hopper

Anúncios

Review: Com Amor, Simon

Oi pessoal, como estão?

Demorei, mas finalmente assisti ao fofíssimo Com Amor, Simon! ❤

poster com amor simon.png

Sinopse: Aos 17 anos, Simon Spier (Nick Robinson) aparentemente leva uma vida comum, mas sofre por esconder um grande segredo: nunca revelou ser gay para sua família e amigos. E tudo fica mais complicado quando ele se apaixona por um dos colegas de escola, anônimo, com quem troca confidências diariamente via internet.

Simon tem uma vida praticamente normal: tem pais amorosos, uma irmã mais nova de quem ele gosta, amigos incríveis e uma rotina confortável. O problema é que ele esconde um segredo: ele é gay. Tentando entender como se sente, Simon não tem coragem de contar a ninguém (nem mesmo a Leah, sua melhor amiga desde os 4 anos) a respeito disso. Até que, em uma página da escola, um aluno admite sua homossexualidade em uma postagem anônima – sob o pseudônimo de Blue –, o que inspira Simon a criar um e-mail secreto para entrar em contato com ele.

com amor simon2.png

Existem dois fatores centrais que movem a trama de Simon: o primeiro deles é a chantagem que o rapaz sofre por parte de Martin, um colega de escola apaixonado por uma das amigas do protagonista. Para que seus e-mails com Blue não sejam espalhados pela escola, Simon aceita “dar uma de Cupido”, o que resulta em diversas mentiras e mágoas pelo percurso. O segundo ponto são os diálogos entre Simon e Blue: é muito fofo ver Simon se apaixonando e a química entre os dois rolando solta. E, é claro, as cenas em que Simon tenta adivinhar quem é Blue (projetando suas expectativas em cada possível candidato que vai surgindo) são muito engraçadas.

com amor simon3.png

Com Amor, Simon trata a homossexualidade com muita naturalidade, do jeito que deve ser. O romance é tão bem desenvolvido quanto em qualquer comédia romântica heterossexual, e o espectador shippa e torce para que Simon e Blue tenham uma chance de ficar juntos. Além disso, o filme também mostra como, em pleno século XXI, existem pessoas babacas prontas a julgar e a debochar de quem é diferente. Contudo, apesar dessas cenas existirem, Com Amor, Simon é bastante leve nesse sentido: o rapaz não sofre problemas com a família ou preconceitos mais graves – o que, infelizmente, ainda está longe da realidade da maioria dos jovens da comunidade LGBT. Por outro lado, quem disse que todos os filmes que tratem da homossexualidade precisam ter um viés mais pesado? Vale lembrar que a proposta do longa é ser uma comédia romântica fofa mesmo, e não uma trama mais reflexiva e dramática. Além disso, é muito bacana ver filmes voltados ao público jovem que falem da descoberta do amor e da sexualidade de modo tão tranquilo e positivo. ❤

com amor simon.png

Com Amor, Simon tem ótimos personagens, atuações cativantes e um romance pelo qual vale a pena torcer. É um daqueles filmes que te deixa sorrindo e com o coração quentinho quando termina. Adorei e recomendo! ❤

Título original: Love, Simon
Ano de lançamento: 2018
Direção: Greg Berlanti
Elenco: Nick Robinson, Katherine Langford, Alexandra Shipp, Logan Miller, Jorge Lendeborg Jr., Keiynan Lonsdale, Jennifer Garner, Josh Duhamel

Review: Nasce Uma Estrela

Oi gente, tudo bem?

Fui conferir o tão aguardado Nasce Uma Estrela, com Lady Gaga e Bradley Cooper, e hoje trago pra vocês minha opinião sobre esse filme lindo e devastador. ❤

poster nasce uma estrela

Sinopse: Jackson Maine (Bradley Cooper) é um cantor no auge da fama. Um dia, após deixar uma apresentação, ele para em um bar para beber algo. É quando conhece Ally (Lady Gaga), uma insegura cantora que ganha a vida trabalhando em um restaurante. Jackson se encanta pela mulher e seu talento, decidindo acolhê-la debaixo de suas asas. Ao mesmo tempo em que Ally ascende ao estrelato, Jackson vive uma crise pessoal e profissional devido aos problemas com o álcool.

Jackson Maine é um cantor famoso, mas que enfrenta o declínio de sua carreira devido a problemas relacionados ao alcoolismo e abuso de drogas. Em uma noite, após um show, ele vai para um bar e acaba assistindo à apresentação de Ally, uma garçonete que se apresenta no local cantando covers após o expediente. Jack fica encantado pela voz e pelo talento de Ally e a convida para sair depois da apresentação, dando início a um relacionamento cheio de paixão e intensidade. Jack começa a incentivar Ally a cantar suas próprias composições e, conforme a moça vai ganhando os holofotes, o próprio Jack vai perdendo prestígio, graças a um problema auditivo que vai se agravando e, é claro, ao seu abuso de substâncias.

nasce uma estrela (2).png

Gente, por onde começar a falar desse filme que mexeu TANTO comigo? Pra começo de conversa, preciso dizer que saí do cinema lavada de lágrimas. Mais de uma hora depois da sessão, quando eu pensava no filme eu ficava com vontade de chorar. Nasce Uma Estrela conta uma história de amor tão profunda, mas tão cheia de percalços, que é difícil não se emocionar. Grande parte do mérito do filme fica por conta da química inegável entre Bradley Cooper e Lady Gaga: é delicioso assistir à história de amor deles começando, a admiração que Jack sente por Ally, o apoio que ela sempre dedica a ele (mesmo nos momentos mais sombrios). Além disso, a direção delicada e nada apelativa de Cooper, focada nas expressões e emoções dos personagens, também merece elogios.

nasce uma estrela.png

As atuações do casal protagonista também merecem destaque. Bradley Cooper traz ao espectador um Jack carismático, mas extremamente problemático. O personagem tem problemas para lidar consigo mesmo, o que fica evidente em seu olhar, no seu modo de encarar o chão e, obviamente, na dependência química. A primeira cena do filme já deixa claro que o personagem consome drogas e álcool em um nível alarmante, chegando até mesmo a apagar por causa disso. Entretanto, por mais mancadas que ele dê e por mais “quebrado” que Jack seja, Bradley Cooper conseguiu transformá-lo em alguém por quem sentimos empatia (especialmente porque é nítido o amor e a ternura que ele sente em relação a Ally). A gente torce por Jack, torce para que ele supere tudo isso, e esse sentimento não seria possível sem a atuação sensível de Cooper.

nasce uma estrela (3).png

Lady Gaga, por sua vez, me surpreendeu. Devo admitir que, nas cenas mais descontraídas e leves, sua atuação não me impressionou, principalmente pela falta de naturalidade. Entretanto, nas cenas de grande carga e intensidade dramática, Gaga me conquistou com sua atuação cheia de sentimento: seu olhar intenso dizia tudo, e a emoção transbordava. Mas se o casal principal é o foco de Nasce Uma Estrela, não posso deixar de mencionar outro personagem importante: Bobby, irmão mais velho de Jack. Uma das cenas protagonizadas pelos dois, com pouquíssimos diálogos, me levou às lágrimas. A atuação de Sam Elliott (que eu só tinha visto na comédia Grace and Frankie) me comoveu, e um simples olhar vermelho e marejado foi capaz de me emocionar profundamente.

nasce uma estrela (4).png

Outro acerto do filme está em não ser preto e branco, mas cinza. Em vários momentos a gente discorda da atitude dos personagens, mas as compreende. Jack, por exemplo: apesar de sentirmos empatia por ele, os ciúmes do cantor em relação ao sucesso de Ally demonstra uma falha de caráter grave. Ally, por outro lado, também traça um caminho que divide opiniões: ela é completamente apaixonada e leal a Jack, estando ao lado dele em diversos momentos; entretanto, ela parece trair sua própria essência ao se “vender” à indústria pop. Essa é uma crítica bastante importante de Nasce Uma Estrela: assim como Lady Gaga na vida real, Ally precisou se encaixar em padrões estéticos e musicais para atingir o estrelato e chegar ao show business. A mudança na sua aparência e no caráter de suas canções é nítido e, apesar da personagem parecer lidar bem com isso, é difícil não sentir uma pontada no coração por perceber sua essência sendo alterada e moldada para caber no modelo comercial da indústria fonográfica. 😦

nasce uma estrela (7).png

Por último, mas não menos importante: e as músicas, minha gente? Que hino de trilha sonora. Lady Gaga ofusca tudo ao seu redor quando coloca a emoção e a sua voz nas canções. A cena em que Ally canta Shallow pela primeira vez, no estacionamento, arrepiou cada centímetro do meu corpo. Bradley Cooper também se sai muito bem com seu estilo country rock, e as vozes combinadas são ótimas. O mais bacana é perceber como as letras se encaixam com os diversos momentos do filme, revelando um pouco mais do que a cena mostra.

nasce uma estrela.png

Sentimentos sobre o final (parágrafo com SPOILERS, pule para o próximo se quiser evitá-los): QUE FINAL DEVASTADOR! Achei o filme um pouco corrido depois da cena no Grammy, e o diálogo de Jack com seu colega da reabilitação não foi suficiente para que eu assimilasse sua depressão e suicídio iminentes. E QUE ÓDIO DO EMPRESÁRIO DA ALLY! Ele não tinha o direito de interferir na vida do casal daquela forma. 😦 Era decisão dela permanecer ou não com Jack, e seu discurso irresponsável tirou não apenas seu direito de escolha, como a vida de Jack. Como eu queria que ela descobrisse e o demitisse!

nasce uma estrela (5).png

Nasce Uma Estrela mexeu muito comigo: me fez sorrir, me arrepiou, me emocionou, me fez chorar… me marcou. É um daqueles filmes que ficam na memória porque são capazes de mexer com nossas emoções e sentimentos. Atuações sensíveis, uma história de amor linda e trágica e uma trilha sonora de tirar o fôlego fazem de Nasce Uma Estrela um filme que merece o hype e precisa ser visto. Recomendado e favoritado!

Título original: A Star Is Born
Ano de lançamento: 2018
Direção: Bradley Cooper
Elenco: Lady Gaga, Bradley Cooper, Sam Elliott, Andrew Dice Clay, Rafi Gavron, Anthony Ramos

Review: Felicidade Por Um Fio

Oi gente, tudo bem?

Sexta-feira estreou um filme que vinha sendo muito aguardado por mim: Felicidade Por Um Fio!

felicidade por um fio poster

Sinopse: Uma publicitária perfeccionista com problemas na vida amorosa embarca em uma jornada de autoconhecimento que começa no visual radicalmente novo.

Violet é a definição de uma mulher de sucesso: bonita, bem-sucedida, tem um apartamento dos sonhos, está sempre impecável e em breve será pedida em casamento pelo médico com quem namora. Ou, pelo menos, é isso que ela pensa. Quando os planos não saem como o esperado e o relacionamento termina, Violet passa pela clássica fase pós-término de sair para beber, e é numa noite dessas em que ela tem um surto emocional e… raspa a cabeça! A partir desse acontecimento, Violet precisa repensar sua relação com os outros mas, principalmente, consigo mesma.

felicidade por um fio2

Não sei nem por onde começar a elogiar esse filme, gente, sério! Em 2016 eu passei pela transição capilar e fiz o big chop (grande corte) para tirar o que restava da progressiva. Não vou mentir: não foi fácil e até hoje não é, mas desde então venho me redescobrindo e aprendendo a lidar com meu cabelo natural. Por isso, me identifiquei de cara com Violet e seus dilemas. No caso da protagonista, tudo fica ainda mais acentuado pelo fato dela ser uma mulher negra: a primeira cena do filme já coloca em perspectiva as diferenças de como crianças brancas e crianças negras têm preocupações (e tratamentos) diferentes no que diz respeito ao seu cabelo. Violet cresceu achando que, se seu cabelo não estivesse perfeitamente liso e alinhado, ela jamais seria considerada bonita. E, quando paramos para pensar que ser bonita é uma das maiores cobranças sofridas pelas mulheres, é ainda mais difícil aceitar um cabelo que foge totalmente do padrão amplamente aceito.

felicidade por um fio.png

Nesse contexto, o longa mostra de maneira nítida a importância da família na construção da autoestima: enquanto Violet cresceu sendo tolhida pela mãe, ensinada a odiar o seu cabelo natural, Zoe (uma menininha por quem Violet se afeiçoa) tem um pai cabeleireiro que exalta sua beleza natural todos os dias, o que proporciona o ambiente ideal para que sua autoestima seja construída. A publicidade também recebe sua parcela de culpa, e Violet percebe isso somente após raspar o cabelo. Se antes ela era uma especialista em comerciais de produtos femininos, depois de sua mudança (interna e externa), Violet percebe que os comerciais repetem padrões excludentes, trazendo poucas formas, corpos e possibilidades diferentes. Felicidade Por Um Fio basicamente joga na nossa cara algo que deveria ser óbvio: representatividade importa!

felicidade por um fio (4).png

Outra questão envolvendo esse filme que me deixou apaixonada por ele é o crescimento pessoal de Violet. Depois que ela raspa o cabelo, ela acaba se aproximando de Zoe e de seu pai, Will. Ela os havia conhecido em uma circunstância hostil no salão de Will, mas com o passar do tempo uma amizade (e posterior interesse romântico) surgem. Acontece que Will não é o responsável pelo amadurecimento (ou pela “salvação”) de Violet e de sua autoestima. Ele ajuda, claro, reforçando o quanto ela é bonita como é, mas não é o relacionamento com Will que transforma Violet na mulher que ela pode ser. A empoderada Zoe tem um forte papel ao inspirar Violet, e as amigas da protagonista também ajudam muito no processo. Mas a grande responsável pela mudança é a própria Violet: a protagonista se permite experimentar coisas novas, entender o que deseja para si mesma, observar o mundo sob uma nova perspectiva, fazendo com que ela evolua como mulher e como profissional. Felicidade Por Um Fio acerta MUITO nisso, dando tempo a Violet para se redescobrir; afinal, não é do dia para a noite que a autoaceitação vem (depois de toda uma construção de vida dizendo o contrário) e tudo muda ao seu redor.

felicidade por um fio (3).png

Por fim, o final do filme não é clichê. Apesar de ser uma comédia romântica, o longa acerta em focar na sua protagonista, e eu atribuo isso à sensibilidade de uma diretora mulher. Uma das frases que mais me marcaram é quando Violet diz que, quando parou de gastar tanta energia com o cabelo, passou a ter mais tempo para si mesma e para outros aspectos importantes de sua vida. Vou tentar seguir esse conselho. ❤ Em suma, Felicidade Por Um Fio traz um enredo muito crível com uma protagonista relacionável, com uma trama que respeita a trajetória de Violet. As portas para o amor ficam abertas, mas a verdade é que toda a trama é sobre ela, e não sobre um possível amor salvador. Se eu amei? Eu amei MUITO!

Título original: Nappily Ever After
Ano de lançamento: 2018
Direção: Haifaa Al-Mansour
Elenco: Sanaa Lathan, Lyriq Bent, Daria Johns, Ricky Whittle, Lynn Whitfield, Ernie Hudson, Brittany S. Hall, Camille Guaty

Review: O Plano Imperfeito

Oi meu povo, tudo certo?

Vamos de filme fofo para animar o domingo? Vamos! Hoje vou contar o que achei de O Plano Imperfeito, comédia romântica da Netflix. 😉

o plano imperfeito poster.png

Sinopse: Harper (Zoey Deutch) e Charlie (Glen Powell) trabalham como assistentes para dois executivos em Manhattan. O temperamento e a dinâmica de seus chefes transformam suas vidas em um verdadeiro inferno. Desesperados e exaustos, os dois jovens se juntam para elaborar um plano um tanto quanto ousado: fazer com que os seus superiores se apaixonem e, dessa forma, fiquem mais tranquilos em relação ao trabalho.

Harper e Charlie são assistentes de dois profissionais extremamente exigentes e sem noção. Harper trabalha para uma grande jornalista esportiva, Kirsten, e tem o sonho de tê-la como mentora; Charlie é assistente de Rick, um profissional importante do ramo de investimentos, e deseja sua tão sonhada promoção, de modo a ter mais tempo e status para oferecer à sua namorada, uma modelo em ascensão. Os dois assistentes acabam se conhecendo por acaso (fazendo hora extra, é claro) e, ao perceberem que ambos sofrem com os abusos dos chefes, decidem armar um encontro para que fiquem juntos (e parem de incomodar rs).

o plano imperfeito 2.png

O Plano Imperfeito nada mais é do que uma comédia romântica clichê. Isso é um defeito? Claro que não! Quando bem feito, eu adoro! ❤ E, aqui, deu muito certo. Harper é uma pessoinha apaixonante: bem humorada, ligada no 220v, espontânea e dedicada. Seu grande sonho é escrever sobre esportes, mas ela nunca tem tempo para se dedicar a isso devido à carga de trabalho. Charlie, por outro lado, é alguém ambicioso, cujo status importa (tanto na profissão quanto no seu relacionamento com a modelo Suze). Entretanto, ao conviver com Harper, ele começa a perceber que existem outras coisas muito mais importantes do que as aparências e, principalmente, do que investir sua vida em um trabalho no qual você não acredita.

o plano imperfeito 6.png

É bem engraçado ver as armações que os dois preparam para juntar Rick e Kirsten. Harper e Charlie têm muita química, e suas diferenças fazem com que seja ainda mais fofo vê-los juntos. As cenas da amizade improvável dos dois são muito bacanas, e a dupla esbanja carisma. Quando os sentimentos vão se transformando, é impossível não shippar e torcer loucamente pra que tudo dê certo. E o mais bacana é que ambos aprendem que precisam se desafiar, e isso não necessariamente quer dizer dar um passo em frente na carreira. Às vezes, você precisa dar um pause, olhar para dentro de si mesmo e refletir sobre quem você é e sobre quem você quer ser.

o plano imperfeito 4.png

Outro aspecto bacana é que, apesar de ser uma comédia romântica, o filme não foca apenas no aspecto amoroso envolvendo os personagens. Mesmo em um tempo curto de duração, O Plano Imperfeito consegue mostrar outros aspectos do dia a dia de Harper e Charlie que não necessariamente o romance. Ambos têm amigos, uma vida própria e ambições que desejam conquistar, o que dá mais profundidade às suas personalidades. Até Kirsten e Rick tem um certo desenvolvimento (apesar de não serem o foco). E, apesar de eu não ter gostado do fato de Kirsten ser apresentada como “a mulher de negócios que abriu mão do amor para ser bem-sucedida”, no final ela demonstra sua força ao tomar uma decisão muito acertada. 😉

o plano imperfeito.png

O Plano Imperfeito é o filme ideal se você quer curtir uma produção despretensiosa, mas cativante. Ele é engraçado, tem bons personagens e traz um casal que conquista. Com  Plano Imperfeito, uma pipoquinha e um cobertor, tenho certeza de que o seu domingo vai ficar ainda mais aconchegante. ❤

Título original: Set It Up
Ano de lançamento: 2018
Direção: Claire Scanlon
Elenco: Zoey Deutch, Glen Powell, Lucy Liu, Taye Diggs, Meredith Hagner, Pete Davidson

Review: Para Todos Os Garotos Que Já Amei

Oi gente, tudo bem?

Depois de muita espera e ansiedade, Para Todos Os Garotos Que Já Amei finalmente chegou na Netflix, e hoje eu vim contar pra vocês o que achei dessa adaptação tão aguardada. ❤

received_2185691381752743

Mas essa não é a única coisa especial do post de hoje: ele também inaugura uma nova parceria aqui do blog: o grupo Uma Amiga Indicou! Junto da Ale (Estante da Ale), da Carol Antonucci (Caverna Literária), da Carol Cristina (A Colecionadora de Histórias) e da Pam (Interrupted Dreamer), todo mês vou trazer aqui no blog alguma indicação bem especial, pensada pelo grupo especialmente pra vocês. ❤ Espero que vocês gostem tanto quanto a gente!

Agora vamos ao review!

filme para todos os garotos que ja amei

Sinopse: Lara Jean Song Covey (Lana Condor) escreve cartas de amor secretas para todos os seus antigos paqueras. Um dia, essas cartas são misteriosamente enviadas para os meninos sobre os quem ela escreve, virando sua vida de cabeça para baixo.

Resumindo o plot principal: Lara Jean é uma garota romântica que escreve cartas de amor para cada garoto por quem se apaixonou. Um dia, as cartas são misteriosamente enviadas, e ela entra em pânico, pois um dos destinatários é Josh, seu melhor amigo e ex-namorado de sua irmã. Para evitar uma confusão entre ela, Josh e sua irmã, ela aceita fingir um namoro com Peter Kavinsky, o garoto mais popular da escola (que deseja reconquistar a ex-namorada, Genevieve).

filme para todos os garotos que ja amei (2).png

Em primeiro lugar, eu amei a atmosfera do longa, e de como ele conseguiu traduzir perfeitamente o clima que permeia a leitura. A decoração do quarto de Lara Jean, suas roupas e até o modo de prender o cabelo refletem perfeitamente aquilo que está escrito nas páginas, transportando o espectador para o universo da trilogia. Lana Condor fez com que eu me apaixonasse de vez por Lara Jean. Se no livro eu a acho um pouco apática e sonhadora demais, no filme eu fiquei encantada com seu jeitinho atrapalhado, doce, gentil – e, ainda assim, determinado e cheio de opiniões. A personalidade de Peter condiz totalmente com sua contraparte literária: ele é confiante e carismático, exatamente como eu imaginei. A única coisa que me decepcionou foi a aparência: desculpa gente, não achei o ator bonito não. 😂 Ele é no máximo ajeitadinho (e o Peter é descrito como deslumbrante, né).

filme para todos os garotos que ja amei (3).png

Existem algumas pequenas mudanças em relação ao livro. Alguns personagens e cenas foram cortados, e isso é compreensível quando pensamos que o filme tem apenas 1h40 (aproximadamente) de duração. Entretanto, conversando com a Carol C., me dei conta de que poderiam existir mais cenas entre Lara Jean e Peter, para que a aproximação dos dois fosse mais natural, como no livro. As mudanças não prejudicaram minha experiência e eu adorei as cenas do casal (especialmente quando conversam sobre família), mas se tivessem mais momentos apenas entre os dois, o filme ficaria ainda mais incrível.

filme para todos os garotos que ja amei (4).png

Outros personagens de quem eu não gostava no livro acabaram me conquistando no filme: Chris mantém a essência “livre” e meio maluca, mas é uma amiga que defende Lara Jean com unhas e dentes (enquanto, no livro, ela me parece meio… aproveitadora); Kitty, que eu acho um pé no saco no livro (sim, devo ser a única a não curtir a personagem, mas paciência) ficou muito engraçada e carismática. Josh tem uma participação quase insignificante, o que considero um ponto negativo: parece mais difícil “comprar” todo o sentimento de Lara Jean por ele, porque o personagem não tem a chance de brilhar e de demonstrar sua personalidade no filme.

filme para todos os garotos que ja amei (5).png

Para Todos Os Garotos Que Já Amei fez um trabalho maravilhoso em adaptar o livro e, principalmente, conquistar seu próprio tom. O filme é engraçado, divertido, romântico e fofo – sem nunca ficar meloso ou forçado demais. O longa também traz a importância da família, do perdão e da força do apoio mútuo. A química entre os atores torna cada cena divertida de assistir, arrancando sorrisos e emoções do espectador. Se eu já tinha me apaixonado antes pelo romance de Lara Jean e Peter K., depois desse filme meu coração ficou ainda mais quentinho ao pensar neles. ❤ Adorei!

filme para todos os garotos que ja amei (6).png

P.S. (com spoilers, selecione se quiser ler): AI QUE MEU JOHN AMBROSE MCCLAREN APARECEU NA CENA PÓS-CRÉDITOS!!! 😱 Cadê o próximo filme, produção?

Título original: To All The Boys I’ve Loved Before
Ano de lançamento: 2018
Direção: Susan Johnson
Elenco: Lana Condor, Noah Centineo, Israel Broussard, John Corbett, Janel Parrish, Anna Cathcart

Review: Jurassic World: Reino Ameaçado

Oi galera, tudo bem?

Ontem fui conferir Jurassic World: Reino Ameaçado e hoje conto o que achei pra vocês, sem spoilers. 😉

jurassic world reino ameaçado poster.png

Sinopse: Três anos após o fechamento do Jurassic World, um vulcão prestes a entrar em erupção põe em risco a vida na ilha Nublar. No local não há mais qualquer presença humana, com os dinossauros vivendo livremente. Diante da situação, é preciso tomar uma decisão: deve-se retornar à ilha para salvar os animais ou abandoná-los para uma nova extinção? Decidida a resgatá-los, Claire (Bryce Dallas Howard) convoca Owen (Chris Pratt) a retornar à ilha com ela.

O filme se passa 3 anos após seu antecessor, O Mundo dos Dinossauros. Claire e Owen não estão juntos, e ela trabalha em uma organização que luta pela preservação dos dinossauros. Os animais estão novamente ameaçados de extinção, pois um vulcão da Ilha Nublar foi reclassificado como ativo, e a qualquer minuto ele pode entrar em erupção. As esperanças de Claire se renovam quando Benjamin Lockwood, antigo parceiro de John Hammond (cuja companhia criou os clones dos dinossauros), oferece a Claire a chance de resgatar os animais da Ilha Nublar. Quem organiza toda a empreitada é o braço direito do idoso, Mills, que é também responsável por gerenciar a fortuna de Lockwood. Claire, então, procura Owen para ajudá-la na missão de trazer os dinossauros em segurança, e ele aceita. Entretanto, a ganância humana e a falta de escrúpulos levam os protagonistas a uma situação extremamente perigosa.

jurassic world reino ameaçado.png

Não posso negar, existem algumas coisas que são óbvias ao espectador logo de cara. O chefe da expedição tem todo o estereótipo de vilão traidor, e o alívio cômico do filme passa 80% do longa sendo apenas isso. Como críticas negativas, ressalto ainda as repetições no roteiro. T-Rex e Blue aparecendo no último minuto pra salvar os humanos é uma fórmula que já não surpreende mais. Ainda assim, o filme é cativante e, assim como o longa anterior, tem cenas de ação que te fazem prender a respiração e agarrar a poltrona do cinema. Seja na erupção do vulcão ou nas cenas da mansão Lockwood, eu levei vários sustinhos e fiquei imóvel de expectativa, tamanha a tensão que Reino Ameaçado causa.

jurassic world reino ameaçado 2.png

Nesse longa, o objetivo dos vilões é transformar os dinossauros em armas, leiloando-os a ricaços pelo mundo inteiro (fica aqui a crítica pro estereótipo tosco de comprador russo). O animal mais precioso do “catálogo” é o Indoraptor, uma espécie de fusão entre a Indominus Rex (do filme anterior) com o velociraptor. Além da crítica à ganância humana em si, que brinca com a natureza sem pensar nas consequências, o filme também mostra os maus tratos aos animais, que ficam sofrendo agressões em jaulas minúsculas. Essa atitude causa ainda mais desconforto quando percebemos que os animais sentem dor, medo e outras emoções – como fica nítido no caso de Blue, que demonstra também sentir empatia.

jurassic world reino ameaçado 4.png

Os personagens principais seguem carismáticos, e eu gosto muito da dinâmica de gato e rato de Claire e Owen. A nova adição infantil ao elenco, Maisie, também conquista (e está envolvida em um plot twist bem mindblowing, mas que não tem impacto na trama). A menina é neta de Lockwood e tem um papel fundamental no desfecho do longa. Aliás, o final deixa uma possibilidade de continuação incrível, questionando como será possível que a humanidade conviva com os dinossauros, que agora estão em liberdade. Devo dizer, inclusive, que a condução dos fatos nesses novos filmes me lembram a nova trilogia Planeta dos Macacos: inicia com um macaco que passa por experimentos, aí no segundo filme eles ganham o mundo e, no terceiro, há uma batalha pela sobrevivência. Ficarei de olho no terceiro longa de Jurassic World pra ver se vai rolar mais alguma semelhança. 😛

jurassic world reino ameaçado 3.png

Jurassic World: Reino Ameaçado é um filme de ação com várias cenas que deixam o espectador tenso e na expectativa pelo que vai acontecer (ainda que eu não tenha achado que seja uma vibe de terror, como outras críticas na internet comentaram). É um excelente entretenimento, que diverte e empolga durante sua duração. Recomendo!

Título original: Jurassic World: Fallen Kingdom
Ano de lançamento: 2018
Direção: Juan Antonio Bayona
Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Justice Smith, Daniella Pineda, Rafe Spall, Isabella Sermon, James Cromwell, Toby Jones, Jeff Goldblum