Dica de Série: Ted Lasso

Oi gente, tudo bem?

Nem só de decepções minhas últimas semanas têm sido (quem leu os dois posts anteriores vai entender 😂). Hoje eu quero dividir com vocês uma dica que simplesmente ganhou meu coração todinho, me arrancando sorrisos, lágrimas e esperança: Ted Lasso, uma série que já ganhou vários prêmios e é super elogiada. ❤

Sinopse: Jason Sudeikis é Ted Lasso, treinador de um pequeno time de futebol americano de faculdade da cidade de Kansas contratado para ser o técnico de um time de futebol profissional na Inglaterra, apesar da falta de experiência.

Quem diria que eu, que sou zero apegada a esportes, teria meu coração arrebatado por uma série que fala sobre isso? Na trama, Ted Lasso é um treinador de futebol americano que é contratado, junto de seu treinador técnico – Beard –, para treinar um time de futebol inglês (ou seja, nosso futebol tradicional). Ted nada entende do assunto, mas topa o desafio mesmo assim, e é recebido em Londres com muita animosidade, já que o esporte é forte na cultura do país e o time para qual Ted é contratado – AFC Richmond – tem uma legião leal de fãs. Com o tempo, Ted precisa construir relações fortes no time, ao mesmo tempo que passa por desafios na sua vida pessoal.

Como descrever Ted Lasso? Bom, começo dizendo que ele é o tipo de amigo que todo mundo deveria ter na vida. Ele é quase irreal de tão perfeito? Sim, mas isso não vem ao caso. 😂 Ted é alguém que te cativa à primeira vista. Ele tem um nível de empatia enorme, um coração que mal cabe no peito e uma crença ferrenha no potencial de cada uma das pessoas com quem trabalha. Um exemplo dos seus gestos de carinho tão naturais é o ritual que ele constrói com Rebecca, sua chefe: toda segunda-feira ele vai até o escritório dela com biscoitos pelos quais ela se apaixona, e esse dia da semana ganha um caráter especial graças a esse pequeno momento.

Rebecca é uma personagem que, à primeira vista, pode incomodar. Ela contratou Ted sabendo que ele tinha zero experiência com futebol porque seu intuito verdadeiro era afundar o Richmond. Essa atitude é um desejo de vingança contra o ex-marido, que a traiu e a trocou por mulheres mais jovens, mas que tinha no clube de futebol sua maior paixão. Como Rebecca ficou com Richmond após a separação, ela quer feri-lo levando o time para o buraco. Isso é super mesquinho, né? É claro. Mas juro pra vocês, a série consegue humanizar Rebecca de uma forma muito natural. A gente sente a dor do abandono, o medo de ficar sozinha e a humilhação e o escárnio públicos que ela enfrenta. Porém, quanto mais convive com Ted, mais ela vai sendo contagiada por seu otimismo e a amizade que os dois constroem pouco a pouco se torna uma das melhores coisas da produção.

Os personagens são definitivamente o ponto alto de Ted Lasso. Adoro a alegria contagiante de Keeley (e sua amizade com Rebecca), os palavrões do craque veterano Roy Kent, o caminho de redenção do petulante Jamie Tartt, o jeitão taciturno (mas leal ao Ted) de Beard, entre outros personagens que roubam a cena quando estão na tela. Até os vilões conseguem causar uma profunda comoção na gente. Por mais que Ted Lasso seja uma série sobre um time de futebol, ela é muito mais sobre as relações humanas, o poder dos laços e, é claro, sobre liderança.

Me senti inspirada pelo jeito de liderar de Ted. Ele é muito mais atento do que as pessoas ao seu redor imaginam, prestando atenção em pequenos detalhes que podem fazer a diferença na motivação de alguém. Ele se preocupa genuinamente com as pessoas que ele lidera, fazendo tudo que está ao seu alcance pra que elas acreditem em si mesmas tanto quanto ele acredita nelas. Ted Lasso foi uma série que mexeu comigo até em questões profissionais, no sentido de admirar profundamente o modo que o personagem lida com o dia a dia e querer ser cada vez mais parecida com ele. ❤

Ted Lasso é tudo e mais um pouco. Ela é bom humor, ela é emoção, ela é amadurecimento, ela é sensível (fala inclusive sobre saúde mental), ela é emoção (com os jogos de futebol) e ela é inspiração. Se você nunca quis dar uma chance por não se identificar com o mundo esportivo, juro que te entendo porque eu também não me identifico. Mas meu conselho é: abra seu coração e conheça essa série e esse personagem – ou melhor, essa gama de personagens – que vão te deixar com um sorriso no rosto.

Título original: Ted Lasso
Ano de lançamento: 2020
Direção: Jason Sudeikis, Bill Lawrence, Joe Kelly
Elenco: Jason Sudeikis, Brendan Hunt, Hannah Waddingham, Nick Mohammed, Brett Goldstein, Juno Temple, Phil Dunster, Jeremy Swift, Toheeb Jimoh

Dica de Série: Quem Era Ela

Oi pessoal, tudo bem?

Quem Era Ela estava no meu radar de leituras há mil anos, mas acabei conhecendo a história por meio da sua adaptação em minissérie. Hoje divido minha opinião sobre essa produção com vocês!

Sinopse: Uma mulher se apaixona por um arquiteto e tem uma estranha premonição sobre sua casa, quando descobre que outra mulher morreu ali.

Jane é uma mulher que passou por um terrível trauma pessoal e decide se mudar para começar seu processo de cura. Ao ser aprovada em um rígido “processo seletivo” para morar na Folgate Street, Nº 1 – uma casa minimalista projetada por um arquiteto de renome –, Jane sente que finalmente terá seu recomeço. Só que, morando na casa, ela começa a se sentir desconfortável ao perceber as inúmeras interações tecnológicas que parecem vigiá-la. Ao mesmo tempo, ela descobre que a inquilina anterior morreu na residência e, para completar o estranho panorama, ela se aproxima do tal arquiteto, Edward. Aos poucos Jane fica em dúvida do papel desse homem tão misterioso nos acontecimentos trágicos da casa, e começa a investigar tudo que aconteceu ali.

Quem Era Ela transcorre em duas timelines diferentes: a de Jane e a de Emma, a garota que morreu. Na história de Emma, descobrimos que ela se mudou para a casa com Simon, seu então noivo. A jovem também tem seus traumas e segredos, buscando na casa consolo e também status. Assim como Jane, Emma se vê envolvida pelo mistério e charme de Edward, rompendo com Simon e entrando de cabeça nesse novo relacionamento. Em ambas as linhas do tempo, a série nos apresenta a um Edward metódico, agindo inclusive da mesma forma com ambas as mulheres. É óbvia a tentativa do roteiro de deixar claro o quão problemático é esse comportamento, já que Edward também tem traços controladores não só na casa que projetou, mas em sua vida pessoal também.

A premissa de Quem Era Ela sempre me interessou muito, mas a execução da minissérie se revelou decepcionante. Achei o andamento dos episódios morno e, além de tudo, o roteiro inverossímil. Não consegui engolir o encantamento das duas personagens por Edward, mas especialmente o de Jane (já que Emma era mais bobinha e imatura mesmo). A personagem desconfia dele, se sente desconfortável com o que passa a descobrir na casa e, mesmo assim, entra em um relacionamento com o arquiteto. Why, God? Esse tipo de atitude me faz querer gritar com a personagem e xingá-la por não ter um único neurônio operante na cabeça.

Emma, a personagem por quem deveríamos sentir empatia, é alguém bem difícil de engolir. Carente, chata e dependente, a forma como ela se apoia em Edward é meio deprimente. Isso faz com que metade do enredo – que foca nela – seja difícil de assistir. Jane pelo menos tem um senso de autopreservação e, ao mesmo tempo que se relaciona com Edward, resolve investigá-lo, bem como a planta da casa em si.

A casa por si só é um personagem bem assustador. Ela não é só minimalista: ela é sem vida, sem alma, sem aconchego. Existem regras inegociáveis para morar nela: você não pode redecorá-la, você não pode beber no sofá, você não pode fazer isso, você não pode fazer aquilo. Como chamar um espaço assim de lar? Ela é toda tecnológica e faz tudo por comando de voz (o que encanta Emma, por exemplo, que quer exibir o sucesso pros amigos), mas aos poucos vai ficando doentio o fato de que a casa pergunta coisas cada vez mais pessoais e determinantes para o morador, como seu posicionamento político, crenças e valores pessoais. Cadê a LGPD pra barrar esse projeto? 🗣️

Queria dizer pra vocês que gostei de Quem Era Ela, mas a verdade é que minhas expectativas foram bastante frustradas. Gostei apenas do final, em que Jane toma uma atitude muito bacana em relação a si mesma, protegendo seus interesses e respeitando o seu momento. Apesar de não ter sido um final “comercial de margarina”, ele foi bem otimista, dado tudo que aconteceu. Infelizmente, já tirei o livro da minha wishlist de leituras, porque não fiquei morrendo de vontade de conferir essa história de novo. :/ E vocês, já leram ou assistiram? Se sim, quero saber o que acharam nos comentários!

Título original: The Girl Before
Ano de lançamento: 2021
Direção: Lisa Brühlmann
Elenco: Gugu Mbatha-Raw, David Oyelowo, Jessica Plummer, Ben Hardy

Dica de Série: Wandinha

Oi gente, tudo bem?

Ainda dá tempo de falar sobre a série que se tornou febre no TikTok? Espero que sim, porque eu amei Wandinha e não poderia deixar de indicar por aqui. 🤭

Sinopse: Inteligente, sarcástica e apática, Wandinha Addams pode estar meio morta por dentro, mas na Escola Nunca Mais ela vai fazer amigos, inimigos e investigar assassinatos.

Após um… digamos… “incidente” na escola que Wandinha frequentava (também conhecido como defender seu irmão de bullies usando piranhas enquanto eles treinavam na piscina), a jovem Addams é transferida pra uma escola especial, na qual seus pais também estudaram: a Nevermore Academy. Ela é conhecida por ser um internato para quem tem habilidades e características especiais, então por lá existem lobisomens, vampiros, sereias e outras pessoas excluídas da sociedade que possuem dons. A escola fica ao lado de uma cidade minúscula, Jericho, cuja economia até gira em torno do internato, mas tem um histórico não superado de ódio aos excluídos. Quando mortes estranhas começam a acontecer e todos passam a desconfiar dos alunos da Nevermore, Wandinha decide investigar por conta própria, dando início a uma trama muito maior do que ela – e com consequências letais.

É impossível falar desse fenômeno da Netflix sem mencionar a atuação de Jenna Ortega, que entregou uma Wandinha maravilhosamente ácida e cativante, mesmo que cheia de defeitos. A arrogância é um deles, por exemplo. 😂 Pra completar, ela tem uma postura totalmente fechada a novos amigos e relações. Por outro lado, Wandinha é inteligente, destemida e obstinada, além de engraçada justamente pelo seu modo seco, apático e cínico de ver a vida. Os comentários dela envolvendo morte e outras coisas obscuras são divertidos e rapidamente você se afeiçoa ao jeito turrão da personagem. O grande mérito por trás disso reside na atuação entregue e dedicada de Jenna Ortega, que se empenhou a criar vários “detalhes” na personagem (como o fato de atuar sem piscar). 

As amizades que a série constrói também são um ponto forte. Wandinha e Mãozinha, sua fiel escudeira, bolam planos juntas e Mãozinha está sempre ali para o que a protagonista precisa: seja entrar num cômodo trancado e desligar as câmeras, seja para amolecer um pouco o coração de gelo da garota. Como pode a gente torcer tanto pra uma mão, né? 😂 A outra amizade que surge na vida de Wandinha é Enid, sua colega de quarto e exato oposto em todos os sentidos possíveis. Eu adoro os paralelos de como tudo que cerca Enid é colorido, vibrante e otimista, enquanto o universo de Wandinha é preto, branco e cinza. Enid tem que insistir nessa amizade e por um bom tempo se doa mais do que Wandinha, mas é também com essa persistência que Enid consegue transformar o coração da amiga de uma forma significativa e bonita.

O único ponto que não gostei é o triângulo amoroso da primeira temporada, envolvendo um “normie” de Jericho e um aluno da Nevermore. Enquanto o primeiro, Tyler, vai conquistando Wandinha aos poucos por mostrar que, independentemente dela ser diferente, ela merece seu afeto, o segundo, Xavier, tem uma aura de mistério e uma química com a garota que fica clara desde o início da série. Os dois acabam envolvidos na investigação de Wandinha, que descobre que há um monstro à solta causando as mortes, e são muito importantes para todo o desenrolar da trama. Não posso falar muito sobre nenhum deles pra não soltar spoilers, mas posso dizer que são nomes que vão estar presentes de forma significativa em toda a investigação – e na conclusão dela.

Adorei o plot investigativo, porque naturalmente tenho afinidade com esse tipo de história. O fato de Wandinha não ser só uma série adolescente sobre romance, os poderes de clarividência da protagonista ou sua adaptação à escola nova me agradou muito, porque deu um senso de propósito à história e ótimos ganchos. A cada nova descoberta que Wandinha faz sobre o monstro e os mistérios envolvendo Jericho e Nevermore, você fica com mais e mais vontade de continuar dando play. Gostei bastante do desfecho da história e acho que amarrou bem as pontas soltas, deixando um caminho de possibilidades para uma segunda temporada, mas sem depender exclusivamente dela (ainda bem que a confirmação da renovação já chegou!).

Independentemente da coreografia que tomou conta do TikTok, Wandinha é uma série divertida e envolvente por si só. O clima macabro, o humor ácido e a investigação são pontos fortes que tornam a produção um entretenimento de qualidade, daqueles que divertem e fazem você nem ver o tempo passar, mesmo com episódios mais longos. Vale o hype e vale o play! 📺

Título original: Wednesday
Ano de lançamento: 2022
Criação: Alfred Gough, Miles Millar
Elenco: Jenna Ortega, Emma Myers, Hunter Doohan, Percy Hynes White, Joy Sunday, Georgie Farmer, Christina Ricci, Victor Dorobantu, Gwendoline Christie, Riki Lindhome

Dica de Série: Abbott Elementary

Oi galera, tudo bem por aí?

No clima de Critics Choice Awards (que rolou no último domingo) vim indicar pra vocês uma série maravilhosa que levou dois prêmios pra casa, incluindo de melhor comédia: Abbott Elementary!

Sinopse: Abbott Elementary conta os dramas de um grupo de professores dedicados os quais provam seu amor ao ensino nas escolas públicas da Filadélfia.

A trama acompanha um grupo de professores que atua numa escola carente da Filadélfia, a Abbott Elementary. A série é feita no estilo mocumentário (como The Office e Modern Family) e segue como principal ponto de vista o da jovem professora Janine Teagues. Otimista, determinada e um tanto ingênua, Janine coloca toda a sua energia e seu coração em ser uma boa professora para as crianças, mas muitas vezes sua boa vontade acaba colocando a si mesma e aos outros professores em maus lençóis. Ao longo da primeira temporada, vemos a personagem ganhar mais camadas enquanto ela evolui de uma profissional insegura e uma mulher na zona de conforto para alguém que confia mais em si mesma e nas suas decisões, ao mesmo tempo que provoca mudanças importantes em seus colegas.

O grupo de funcionários da escola também é sensacional. Jacob Hill é um dos professores mais jovens, assim como a protagonista, o que lhes confere um vínculo de amizade mais próximo; Barbara Howard é uma veterana da escola bastante competente, mas sisuda, e a verdadeira ídola de Janine, que tenta fazer de tudo pra agradá-la; Melissa Schemmenti é engraçadíssima, uma personagem que se envolve em várias “mutretas” estranhas e possivelmente tem umas conexões criminosas aqui e acolá; Gregory Eddie é o novato que deseja ser diretor da escola, mas que começa a admirar o trabalho diário que Janine faz (e eu diria que não só o trabalho… 👀); e como não falar da personagem mais sem noção que vi nos últimos tempos? Me refiro à hilária diretora Ava Coleman, que só conseguiu o cargo por ter chantageado o superintendente ao pegá-lo traindo a esposa. Sério, inacreditável. 😂 Por último, mas não menos importante, temos também o rabugento zelador, Mr. Johnson, que sempre tem umas tiradas que nos fazem rir.

A química dos personagens em tela faz com que você logo se afeiçoe a cada um deles, e a relação que eles constroem fica cada vez mais interessante. Muitos dos professores mais antigos meio que já perderam a fé no sistema e sabem que o governo pouco se importa com uma escola periférica de população mais expressivamente negra. Verbas pra coisas simples, como materiais escolares, um novo tapetinho de descanso pros alunos ou pra consertar uma luz no corredor são dificílimas e burocráticas de se conseguir, e o tempo fez com que os funcionários da escola se tornassem céticos e simplesmente aceitassem que a vida é assim mesmo. É aí que Janine, sendo praticamente um unicórnio brilhante e cheio de alegria, faz a diferença: por mais que suas atitudes às vezes gerem algumas confusões, ela também consegue inspirar seus colegas a não desistirem. Janine surge como um sopro de esperança e de motivação para que, trabalhando juntos, eles ofereçam o melhor que podem às crianças.

Claro que isso é uma crítica social ao sucateamento da educação pública e periférica dos Estados Unidos (aplicável ao Brasil também), que muitas vezes terceiriza para o professor resolver problemas que a escola e o governo deveriam se encarregar, mas apesar disso ela é trazida com um viés positivo. A série ainda explora alguns dramas de pais e alunos, o que traz um peso leve, mas bem-vindo, à história, dando-lhe dimensões mais profundas. Ainda assim, Abbott Elementary consegue fazer isso sem perder de vista seu cerne engraçado e contagiante, que foca mais na esperança do que nas dificuldades.

E tem espaço pra uma pitadinha de romance também, viu? 👀 Pra quem assistiu The Office, acredito que rapidamente vocês vão identificar um mood “Jim e Pam” entre a Janine e o Gregory. Ela também namora um cara desde a escola, e Gregory é pego pela câmera olhando pra ela em diversos momentos (e ficando todo sem graça por isso rs). Eles têm afinidade e Janine ajuda Gregory a enxergar como seu papel de professor temporário pode mudar a vida das crianças para as quais ele leciona. O vínculo entre eles cresce aos poucos e é impossível não shippar esse casal.

Abbott Elementary era tudo que eu vinha buscando numa série de comédia: episódios curtinhos, personagens um pouquinho caricatos mas cheios de carisma e situações genuinamente engraçadas. Ri alto em diversos episódios e me diverti do início ao fim da primeira temporada. Não vejo a hora da segunda também chegar ao Star+, porque já quero rever o corpo docente dessa escola que deixou saudades. 🥰 Série recomendadíssima!

Título original: Abbott Elementary
Ano de lançamento: 2021
Criação: Quinta Brunson
Elenco: Quinta Brunson, Tyler James Williams, Janelle James, Lisa Ann Walter, Sheryl Lee Ralph, Chris Perfetti, William Stanford Davis

Assisti, mas não resenhei #9

Oi pessoal, tudo bem?

Mas olha só quem tá com uma fila enorme de títulos pra serem resenhados, não é mesmo? 👀 Pra fazer justiça a algumas séries e filmes que aguardam pacientemente sua vez de aparecerem por aqui, cheguei com mais uma edição do Assisti, mas não resenhei. Bora? o/

Bem-vindos à Vizinhança

Essa série deu o que falar quando estreou na Netflix por ser baseada na história real de uma família que comprou um casarão chiquérrimo mas que nunca conseguiu morar lá porque começou a receber bilhetes anônimos super ameaçadores de alguém que se intitulava como “The Watcher”. Essa premissa é ótima e, sendo baseada em fatos reais, dá bem mais curiosidade pra assistir. A série toma liberdades criativas pra “engrossar o caldo” – como o fato de que, na adaptação do caso, a família chega a se mudar e tem que lidar com as ameaças já dentro de casa –, mas o desfecho é um pouco frustrante por ser totalmente aberto. E assim, eu concordo que não ter uma conclusão específica faz sentido se compararmos ao que aconteceu à família que sofreu as ameaças (eles nunca descobriram de quem era a autoria das cartas), mas na verdade acaba sendo um gancho que a Netflix deixou pra uma segunda temporada. Minha opinião sincera sobre a produção como um todo: a série me instigou, mas tem defeitos. Os personagens são meio estranhos, o pai tem uma obsessão/mania bem esquisita de sexualizar a filha com comentários julgadores e, apesar de algumas cenas boas de tensão, tem uma temporada mais lenta do que o necessário. Em contrapartida, a trama faz um ótimo trabalho em te deixar desconfiado de todos os personagens, naquela sensação de vigilância constante.

Easy-Bake Battle

Eu assisti a esse reality por um único motivo, e ele se chama Antoni Porowski. Eu sou apaixonada por Queer Eye e ele é um dos integrantes mais fofos e queridos do squad, então fiquei bem animada ao entrar na Netflix e ver que existe um reality de cozinha amadora conduzido por ele. Antoni é a segunda pessoa dos Fab Five que me recordo de ter ganhado uma produção própria na Netflix (sendo o primeiro Jonathan, cuja série não gostei e larguei na metade) e, apesar de não ser uma temporada memorável, fiquei com o coração quentinho só por matar a saudade do seu jeito meigo e acolhedor. A premissa é: os competidores são desafiados a preparar receitas caseiras e usarem truques que qualquer pessoa poderia aplicar em casa, como por exemplo colocar bolachas dentro de um saquinho ziplock e triturá-las com um rolo de massa (exemplo específico, eu sei, mas é o que me veio à cabeça 😂). Porém, apesar de foto, o reality é meio estranho porque as regras não são bem definidas e os critérios também não, fazendo com que torcer pra algum candidato seja meio pointless. Provavelmente não assistiria a uma segunda temporada, mas não considerei um tempo perdido pela vibe otimista que o Antoni transmite.

O Enfermeiro da Noite

Adoro séries e filmes que falem sobre crimes reais, e esse longa da Netflix estrelado por Jessica Chastain e Eddie Redmayne conta uma parte da história de um dos criminosos mais letais dos Estados Unidos a partir do ponto de vista da sua amiga do trabalho. Na trama, Jessica interpreta Amy Loughren, uma enfermeira noturna que está passando por dificuldades de saúde e em casa, sendo mãe solo de duas meninas. Ela cria um forte vínculo de amizade com o novo enfermeiro transferido, Charles Cullen, que a ajuda no trabalho e também com suas filhas. Porém, quando vários pacientes noturnos da UTI começam a falecer de forma inesperada, Amy passa a desconfiar que Charles tenha algum envolvimento nisso. Na história real, estima-se que ele foi responsável por mais de 300 mortes, e seu modus operandi envolvia principalmente adulterar bolsas de soro, adicionando doses letais de insulina ou outros fármacos. Amy foi essencial para ajudar a polícia a finalmente pegá-lo, pois até então ele só vinha sendo transferindo de hospital para hospital. Achei o filme bacana e ele prende a atenção, contudo não foi a produção mais marcante do mundo pra mim. Jessica Chastain e Eddie Redmayne são excelentes, mas o foco do filme é bem mais a relação dos dois e menos a investigação – e acho que eu tinha expectativas de que fosse diferente. Mas vale a pena dar o play e tirar suas próprias conclusões. O filme é bom, só não achei memorável. 😉

Não se Preocupe, Querida

Esse filme veio embalado em um mundo de polêmicas graças às brigas nos bastidores, que provavelmente ganharam mais atenção que a história em si. Apesar dos pesares, achei o thriller de Olivia Wilde envolvente: acompanhamos um casal, Alice e Jack, que aparentemente vive na década de 50 em uma vida saída diretamente de um comercial de margarina. Eles moram num bairro planejado construído pela empresa de Jack e Alice vive como uma perfeita dona de casa exemplar. Porém, quando ela começa a ter alucinações e memórias estranhas, somadas ao fato de que uma de suas amigas passou pelos mesmos sintomas e depois desapareceu, Alice resolve investigar o que a empresa do marido tanto esconde. É um filme que angustia pelo silenciamento feminino e pelo gaslighting constante, já que todos tentam fazer com que Alice pareça louca. Só fica um aviso sobre o final aberto: não gostei dele e acho que foi aberto até demais para o meu gosto, não me dando nenhuma sensação de conclusão da trama.

E aí, pessoal, já assistiram a algum dos títulos?
Se sim, me contem a opinião de vocês sobre eles nos comentários! 🥰

Os melhores filmes e séries de 2022

Oi pessoal, tudo bem?

Uma das coisas que mais gosto no final do ano é olhar pra trás e ver todas as coisas bacanas que rolaram, sejam elas livros ou produções audiovisuais. Por isso, não resisti a trazer uma retrospectiva de melhores filmes e séries também. 🥰 Tive que ser bem criteriosa pra lista não ficar tão longa, o que acabou deixando alguns títulos bacanas de fora, mas espero que gostem das indicações dos meus favoritos do ano.

Os melhores filmes de 2022

Batman

É impressionante como a DC acerta bem mais ao fazer filmes isolados de seus super-heróis, e aqui temos mais um exemplo que funcionou demais. Adorei a versão do Robert Pattinson do Batman e sua química com Zöe Kravitz como Mulher-Gato. O filme é focado no lado investigativo do Homem-Morcego, o que também me agrada bastante. Saí do cinema super satisfeita com o que vi e adoraria que viessem mais histórias do personagem sendo interpretadas por Pattinson. Resenha completa aqui.

A Mulher Rei

Esse filme exala força feminina, ancestralidade e negritude. É muito impactante ver o exército de elite formado apenas por mulheres guerreando, treinando e triunfando perante os inimigos – sejam eles outras tribos africanas ou os colonizadores europeus. Apesar de um ou outro clichê, o mais bonito do filme é a postura de Nanisca, personagem de Viola Davis, que relembra seu rei de que escravizar seu próprio povo (os negros, independente de que tribos sejam) e vendê-los aos brancos é assinar a própria ruína. Ela é uma personagem inspiradora e de visão, e o magnetismo de Viola Davis faz com que não seja possível desgrudarmos os olhos da tela. Resenha completa aqui.

Nada de Novo no Front

Esse filme, lançado no fim do ano, não poderia estar de fora dessa lista. Além de adaptar uma obra-prima literária (com algumas diferenças significativas, sim, mas com a essência respeitada), é um longa necessário para enxergarmos e refletirmos sobre os efeitos devastadores da guerra. Nada de Novo no Front mostra o brilho nos olhos do jovens alemães que buscavam glória e heroísmo desaparecendo conforme eles percebem que foram enviados para as trincheiras para lutar uma luta que não é sua, enquanto os verdadeiros responsáveis estão protegidos. Mesmo que você não curta filmes de guerra (como também é o meu caso), recomendo demais que você dê o play. Resenha completa aqui.

As melhores séries de 2022

Dahmer: Um Canibal Americano

Acho que essa dispensa apresentações, tendo se tornado uma das séries mais assistidas da Netflix. Apesar das controvérsias, Dahmer traz temas importantes como o racismo, a homofobia e a negligência policial como grandes responsáveis (ou, no mínimo, agravantes) pelo alto número de vítimas do serial killer conhecido como Canibal de Milwaukee. Além disso, as atuações primorosas de Evan Peters e Niecy Nash merecem destaque: ele por conseguir transmitir perfeitamente a frieza do assassino, ela por mostrar toda a dor de quem não foi ouvida enquanto tentava denunciá-lo, sabendo que coisas horríveis estavam acontecendo. É uma série forte, mas da qual gostei muito. Resenha completa aqui.

The Sandman

Mesmo sem ler as HQs, mergulhei de cabeça no mundo de fantasia de The Sandman. A história de Morpheus, o Perpétuo que é Mestre do Sonhar e está em busca de seus artefatos mágicos após ficar preso por séculos é muito instigante, e a atuação Tom Sturridge é incrível. Além disso, as paisagens e os efeitos especiais são deslumbrantes, tornando a experiência super imersiva. Vale a pena conferir. Resenha completa aqui.

Heartstopper

Pensaram que a minha queridinha ia ficar de fora? Precisávamos de mais um romance fofo nessa lista! ❤ Heartstopper adapta a HQ com perfeição, me causando o mesmo quentinho no coração e sorriso bobo no rosto. Amei o elenco escolhido e a forma de conduzir a história, que respeitou o material original mesmo trazendo novos elementos e personagens para a adaptação. A química entre o casal protagonista também é tudo, e eu mal posso esperar pra conferir a segunda temporada. 🥰 Resenha completa aqui.

Agora quero saber quais foram os filmes e séries favoritos de vocês em 2022.
Me contem nos comentários? ❤

Deixo registrado também meus votos de Feliz Ano Novo para todos!
Que 2023 seja um ano mais leve, cheio de luz e recomeços.
Agradeço a todos que me acompanharam aqui no blog ao longo do ano e espero contar com vocês no próximo também. ❤

Beijos e um abraço apertado!

Dica de Série: O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder

Oi gente, tudo bem?

Não tá fácil botar em dia os conteúdos do que andei lendo e assistindo nos últimos meses, mas juro que tô tentando. 😂 E é claro que uma das grandes apostas da Amazon não poderia ficar de fora do meu radar, especialmente porque sou apaixonada pela trilogia dos filmes originais: estou falando dela, a série O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder (que aflição desse “de”, gente, custava colocarem “do”???).

Sinopse: Tendo início em uma época de relativa paz, a série acompanha um grupo de personagens que enfrentam o ressurgimento do mal na Terra-média. Das profundezas escuras das Montanhas de Névoa, das majestosas florestas de Lindon, do belíssimo reino da ilha de Númenor, até os confins do mapa, esses reinos e personagens criarão legados que permanecerão vivos muito além de suas partidas.

Os primeiros minutos de Os Anéis de Poder impressionam: uma narração acompanhada de cenas belíssimas mostra como era o mundo antes da primeira guerra contra Morgoth, o grande responsável pelo mal que assolou a Terra-Média. Ele era um ser poderoso, uma das criações de Eru (o equivalente a Deus na mitologia do Tolkien) e o mentor de Sauron, um vilão que conhecemos bem. Após a queda de Morgoth, Sauron parece ter desaparecido junto de seu mestre, mas uma guerreira élfica não acredita nisso e está obstinada em sua busca para encontrá-lo para se vingar da morte de seu irmão mais velho – essa guerreira é Galadriel, em uma das novas facetas que a série dá a um personagem conhecido pelos fãs.

Confesso pra vocês que tive bastante dificuldade de associar a Galadriel dos filmes com a Galadriel guerreira. Vale lembrar que a versão televisiva da personagem é muito jovem, ainda imatura e impetuosa, enquanto sua contraparte cinematográfica já é uma líder de seu povo em uma idade bem mais “avançada”. Mas quisera eu que meu problema com Galadriel fosse apenas essa nova característica: a verdade é que achei a personagem birrenta, insolente e tediosa, e a atuação linear e insossa de Morfydd Clark não ajudou em nada para mudar minha opinião.

Os Anéis de Poder tem vários plots paralelos: Galadriel tentando convencer o reino de Númenor a combater Sauron; Elrond (sim, o pai da Arwen) tentando salvar seu povo com a ajuda de seu grande amigo, o príncipe anão Durin IV; a chegada de um Estranho caído do céu e sua interação com o povo nômade conhecido como “pés-peludos”; o povo das Terras do Sul tentando sobreviver a um ataque orc iminente. Com episódios de cerca de 1h de duração, a série peca em trazer muitos elementos e desenvolvê-los com grande lentidão, tornando difícil a vontade de maratonar ou não instigando uma grande curiosidade pro próximo episódio. Outro ponto problemático é que muitos eventos da trama ficam subentendidos e não são bem explicados, especialmente para os espectadores que não leram os livros. Isso me incomoda bastante, porque cada mídia precisa funcionar de maneira independente, mesmo que seja uma adaptação. Não foram poucas as situações em que me senti boiando na trama e com a impressão de que só quem leu O Silmarillion tava conseguindo compreender o todo. :/

Como aspecto positivo, não posso deixar de fora o capricho visual em cada cena e cada figurino. A Amazon não poupou esforços pra fazer de Os Anéis do Poder uma produção imersiva e deslumbrante, e enquanto assistia às belezas do mundo imaginado por Tolkien eu só conseguia pensar que se pausasse o episódio em qualquer momento ele me garantiria um lindo wallpaper hahaha! Além disso, a diversidade de corpos e cores de pele também são pontos de destaque, algo em que o gênero fantasia sempre pecou e que felizmente parece estar querendo se redimir nessa produção. 

Enquanto assistia Os Anéis do Poder, me peguei em mais de um momento me perguntando pra onde a série desejava ir. Eu não li O Silmarillion e não tava preocupada com fidelidade em relação ao material original; eu só queria uma boa história baseada no mundo de O Senhor dos Anéis. Apesar de ter momentos bacanas, no geral a série não conseguiu me cativar. O que salvou minha experiência foi o final, que trouxe um plot twist legal e referências bacanas à trilogia que me fazem querer saber como os roteiristas vão se aproximar dela. Mas, se não fosse por isso (e pelo meu amor ao mundo de O Senhor dos Anéis) eu provavelmente abandonaria. :/ E vocês, gostaram de Os Anéis de Poder? Me contem nos comentários!

Título original: The Lord of the Rings: The Rings of Power
Ano de lançamento: 2022
Criação: Patrick McKay, John D. Payne
Elenco: Morfydd Clark, Ismael Cruz Cordova, Charlie Vickers, Markella Kavenagh, Daniel Weyman, Nazanin Boniadi, Robert Aramayo, Owain Arthur

Assisti, mas não resenhei #8

Oi pessoal, tudo bem?

Eu tô com várias resenhas de séries e filmes que ainda não consegui trazer pro blog, então resolvi reuni-las na oitava edição do Assisti, mas não resenhei. Bora?

Como Seria Se…

Essa comédia romântica da Netflix ganhou meu coração sem esforço! Nela, acompanhamos Natalie, que tem dois caminhos de vida bem diferentes apresentados ao espectador a partir de um acontecimento fatídico: sua gravidez inesperada após dormir com o melhor amigo, Gabe, pouco antes de ambos se formarem na faculdade. O filme então se divide em duas trajetórias: em uma timeline, vemos a vida da jovem mudar completamente quando ela resolve manter a gravidez. Em outra, vemos Natalie tendo um teste de gravidez negativo e colocando seus planos pós-formatura em prática, incluindo uma mudança pra Los Angeles para trabalhar com filmes de animação. O mais bacana de Como Seria Se… é que o longa não coloca nenhuma das linhas do tempo como melhor do que a outra: em ambas Natalie passa por percalços e alegrias, além de seu amadurecimento como pessoa e sua resiliência para seguir seus sonhos. Terminei de assistir ao filme com a mesma sensação gostosa que a personagem sente de que tudo vai ficar bem. ❤ Recomendo!

Queer Eye Brasil

Comecei a assistir à versão brasileira da minha amada Queer Eye sem expectativa nenhuma, mas o reality entregou tudo! A produção consegue manter a mesma vibe da versão americana, o que garante consistência tanto no aspecto de identidade visual quanto na condução dos episódios, e isso é bem bacana porque realmente causa a sensação de estar vendo “um braço” de Queer Eye chegando ao nosso país, com as particularidades que temos (um beijo pra abertura com batida de funk!). Gostei bastante do elenco e da maior parte dos episódios, com destaque para o segundo – que me deixou desidratada de tanto chorar.

Conversando com um serial killer: O Canibal de Milwaukee

Logo após assistir à série que dramatizou a vida do Canibal de Milwaukee, corri para conferir o documentário que traz gravações inéditas do assassino com sua advogada, além de depoimentos de figuras importantes da investigação e da imprensa da época. O documentário é muito envolvente e a fala gelada de Jeffrey Dahmer é de fato de arrepiar, porque ouvir tudo que ele fez com total falta de emoção é bem impactante – e evidencia o trabalho excelente que Evan Peters fez ao interpretá-lo. Também senti bem mais tristeza pelas vítimas citadas no documentário por ter assistido à série, já que ela focou muito em humanizá-las (enquanto o documentário não, o que considero uma falha). Também fica uma crítica negativa ao fato de terem tentado passar pano para a polícia na fala de alguns entrevistados; teve gente dizendo que “não acham que os policiais agiram por preconceito racial, xenofobia ou homofobia, mas que sim, erraram”. 🙄 Considerando que um dos aspectos mais revoltantes do caso como um todo é justamente a atuação do Estado, achei bem feio darem espaço a esse tipo de relativização.

She-Hulk: Defensora de Heróis

Essa é uma série que recebeu hate masculino desde o seu anúncio, provavelmente, mas que fez um ótimo trabalho em colocar esse hate na trama e debochar dele. She-Hulk acompanha a história de Jennifer Walters, prima de Bruce Banner, que acaba se tornando uma Hulk depois de entrar em contato com o sangue dele acidentalmente. Quando descobrem sua identidade, ela precisa aprender a lidar com a súbita fama, com o fato de muitas pessoas só se interessarem por sua versão verde e imponente e, como comentei antes, com os haters. She-Hulk é uma série curtinha de comédia que me divertiu bastante, ainda que eu não tenha considerado excelente. Até a metade da temporada eu curti muito cada episódio, mas parece que o roteiro se perdeu um pouco, ficando sem foco da metade pro final. Acho que eu teria gostado mais se o subtítulo “Advogada de Heróis” tivesse aparecido mais do que apareceu. Seja como for, Tatiana Maslany é uma atriz muito competente e carismática, e me fez gostar instantaneamente de Jen. Vale ressaltar também o viés feminista de She-Hulk, que de cara deixa claro pra Bruce (e pro espectador) que nós, mulheres, temos que lidar com a raiva diariamente – e é por isso que ela controla seus poderes muito mais rápido do que o primo poderia sonhar. A forma como a personagem – e a série – lida com os comentários de ódio também é ótima, especialmente porque a Marvel vem sendo bem atacada por qualquer escolha não-convencional que faça. Não é uma produção perfeita (vide os memes sobre o CGI), mas me diverti o suficiente com ela e darei uma nova chance caso seja renovada. 😉 Como crítica negativa para além do CGI, fica meu sentimento de ranço por alisarem o cabelo dela quando ela se transforma e evidenciarem isso como algo que a deixa mais atraente. 

Já assistiram a algum dos títulos da lista? 😀
Me contem nos comentários!

Dica de Série: Dahmer: Um Canibal Americano

Oi pessoal, tudo bem?

Que eu adoro histórias policiais, de serial killer e thrillers, quem me acompanha aqui já sabe. Por isso, minha curiosidade foi ativada quando estreou Dahmer: Um Canibal Americano na Netflix, série que é fortemente baseada na história real de Jeffrey Dahmer e dramatiza a história de um dos piores assassinos dos EUA desde sua infância até sua morte.

Sinopse: Por mais de uma década, Jeffrey Dahmer conseguiu matar 17 jovens rapazes sem levantar suspeitas da polícia. Como ele conseguiu evitar a prisão por tanto tempo?

Começo essa resenha dizendo que o primeiro episódio da série foi um dos mais aflitivos a que já assisti em um bom tempo. Como eu já tinha lido sobre o caso Dahmer – um serial killer que sequestrava, estuprava e matava homens, especialmente negros, além de canibalizá-los –, sabia várias informações sobre seu MO e também a forma como ele foi capturado. Mas fui pega de surpresa ao perceber que a série começa a contar a história de trás pra frente, ou seja, mostrando como foi sua tentativa de assassinar Tracy Edwards, a vítima que fugiu e conseguiu levar a polícia ao apartamento de Dahmer, ocasionando a sua prisão. Como o episódio inteiro gira em torno do modo como Dahmer trata Edwards, o espectador fica com uma bola no estômago durante toda sua duração, torcendo pra que acabe logo, pra que Tracy Edwards fuja. Mal sabia eu que os próximos episódios seriam ainda mais desconfortáveis, pois sei que os outros rapazes não tiveram a mesma sorte. 😦 

Existe uma crítica muito forte à espetacularização do true crime, algo que o livro Garota, 11 (resenhado aqui) também trata. Concordo bastante que seja necessário um olhar crítico e não colocar o assassino em uma posição de destaque e protagonismo, porque esse viés pode causar uma certa idolatria (Ted Bundy e o próprio Dahmer são ótimos exemplos de criminosos que tinham fãs). Houve críticas a Dahmer: Um Canibal Americano, especialmente por parte de algumas famílias cuja dor foi exposta pela série; porém, no meu humilde ponto de vista, acredito que Ryan Murphy não tenha colocado Dahmer como alguém a ser admirado, mas sim como um ser humano problemático, porém no controle das ações monstruosas que tomou. O fato de enxergarmos Dahmer como um ser humano é importante, pois não nos deixa esquecer que não é um “monstro possuído pelo demônio” que é capaz de atrocidades; seu vizinho pode ser essa pessoa.

Além disso, Dahmer: Um Canibal Americano tem uma abordagem que até então eu não tinha visto em nenhuma série baseada em true crime: ela foca na perspectiva das vítimas, fazendo com que o espectador se lembre que elas são pessoas de verdade, com sonhos, famílias e aspirações. Enquanto outros títulos por aí apenas trazem nomes e fotos em uma linha do tempo, nessa dramatização da história de Dahmer nós realmente conseguimos criar conexão com as vítimas, sentir empatia e torcer pra que de alguma forma elas consigam escapar – ainda que saibamos que isso é impossível. Em Um Canibal Americano, as vítimas não são nomes numa lista, mas pessoas pelas quais torcemos e por quem sentimos luto.

Um dos maiores pontos fortes da série é também o que causa mais revolta: ela evidencia sem hesitar a podridão do sistema policial e judicial americano. Dahmer chegou a carregar sua primeira vítima desmembrada em sacos de lixo no banco de trás do carro, mas ao ser parado por um policial simplesmente foi mandado pra casa. Um garoto asiático de 14 anos conseguiu fugir do seu apartamento, mas estava tão drogado pelas substâncias que Dahmer colocou em sua bebida que a polícia simplesmente acreditou na história que Dahmer contou do menino ser maior de idade, ser seu namorado e ter bebido demais. Os policiais não apenas compram a história do assassino como ajudam a colocar o jovem Konerak Sinthasomphone de volta no apartamento do seu algoz, em cujas mãos o garoto morreu na mesma noite. Com o passar do tempo, mais e mais nomes de pessoas não-brancas (principalmente negras) vão aparecendo na lista de “desaparecidos” da cidade, mas ninguém mexe um dedo pra investigar além da superfície. A vizinha de Dahmer escuta sons, gritos e sente um cheiro desagradável vindo do apartamento do serial killer, mas mesmo após meses e meses de súplica por telefone, a polícia nunca veio checar. E mesmo quando Dahmer é julgado e condenado por se masturbar em público, ele é tratado de forma indulgente pelo juiz, que afirma não querer estragar a vida do rapaz por causa de um erro causado pelo alcoolismo. Com tudo isso posto, fica claro que Dahmer entendeu seu privilégio branco e o usou em todas as oportunidades que teve para sair impune de seus crimes, que iniciaram no fim dos anos 70 e terminaram com sua prisão nos anos 90 (com alguns anos de inatividade nesse intervalo). O racismo, a xenofobia e a homofobia das autoridades foram tão culpados quanto Jeffrey Dahmer pelo seu rastro de horror.

Se você tem curiosidade de conferir a série mas tem receio dela ser muito gráfica, aproveito pra te tranquilizar: poderia ser bem mais, mas optou-se por dar bem menos foco à parte da violência e dos assassinatos e mais no Modus Operandi de Dahmer e de sua história pessoal. Fica claro que sua família desestruturada, a sensação de abandono e a negligência parental frente a problemas que ele nitidamente apresentava são elementos que constituem o caminho que Dahmer tomou, ainda que jamais justifiquem. Nesse sentido, fiquei aliviada, pois odeio cenas de violência, especialmente quando desnecessárias e gráficas demais. A dificuldade em assistir veio mais da revolta que senti contra a polícia e o Estado do que em relação a sangue e ao que ele fazia com os corpos das vítimas (na série nem fala sobre necrofilia e mal mostra o canibalismo, por exemplo).

Dahmer: Um Canibal Americano é uma série muito imersiva e revoltante, mas que coloca sob um forte holofote as consequências de um sistema que privilegia pessoas de determinada cor enquanto negligencia outras que não se enquadram nesse padrão. Ao focar nas vítimas em vez de endeusar os atos do criminoso, a dramatização também coloca o espectador na posição de encarar o fato de que essas pessoas eram reais e tiveram tudo tomado de si, deixando buracos incapazes de serem preenchidos em suas comunidades e famílias. Não posso deixar de elogiar também a performance dos atores, com destaque para Evan Peters, que encarna todas as nuances de Dahmer: a vazia, a explosiva, a machucada, a cruel. Depois de assistir à série eu conferi o documentário com as falas reais de Dahmer e é bem impressionante o quanto o ator conseguiu dar vida de forma convincente a esse serial killer terrível. Pra quem gosta de true crime, Dahmer: Um Canibal Americano vale o play!

Título original: Dahmer – Monster: The Jeffrey Dahmer Story
Ano de lançamento: 2022
Criação: Ian Brennan, Ryan Murphy
Elenco: Evan Peters, Richard Jenkins, Molly Ringwald, Niecy Nash

Dica de Série: The Morning Show

Oi povo, tudo certinho por aí?

Por aqui, a ansiedade tá enorme pelo dia de hoje. Já deixei claro o quanto sou antibolsonarista em todas as oportunidades que tive (inclusive com dica de leitura), e hoje a esperança de que um país melhor é possível está forte, mas com uma sombra de medo de que 2018 se repita. Então, pra me distrair, coloquei as mãos na massa pra tentar colocar alguns conteúdos pendentes em dia.

Meu ritmo de leituras caiu um pouco, então por enquanto vou focar mais em dicas de séries e filmes por aqui. Mas fiquem tranquilos que tem títulos ótimos pra entrarem no radar de vocês, e é sobre um deles que vou falar sobre: a série The Morning Show, protagonizada pelas incríveis Jennifer Aniston e Reese Whiterspoon.

Sinopse: Alex Levy é âncora do The Morning Show, um popular programa de notícias que mudou a cara da televisão americana. Depois que seu parceiro de 15 anos, Mitch Kessler, é demitido em meio a um escândalo de má conduta sexual, Alex luta para manter seu emprego como principal âncora, provocando uma rivalidade com Bradley Jackson, uma repórter de campo casual cuja série de decisões impulsivas a leva a um novo mundo do jornalismo de TV.

Alex Levy é a prestigiada apresentadora do The Morning Show, um dos programas de maior sucesso dos Estados Unidos. Quando seu co-apresentador, Mitch Kessler, é acusado de má conduta sexual, Alex vê sua vida virar de cabeça para baixo: ela perde uma amizade de 15 anos e se vê no centro da confusão na qual sua emissora (UBA) está imersa Para deixar Alex ainda mais insegura, a emissora começa a dar indícios de interesse em Bradley Jackson, uma repórter de campo que viralizou na internet por explodir ao fazer denúncias na cobertura de uma matéria – atitude que a fez ser lida como um sopro de juventude para o The Morning Show e um potencial nome pra “limpar” a imagem do programa. Alex, com medo de ser substituída, vira o jogo ao anunciar publicamente que Bradley será sua nova co-apresentadora, pegando todos de surpresa, inclusive a própria Bradley (que até o momento havia sido apenas entrevistada por Alex por ter sido viral). Essa atitude faz com que todos os envolvidos no TMS comecem a mover os próprios pauzinhos para conseguir atingir seus objetivos e alcançar o sucesso.

The Morning Show começa de forma explosiva com a denúncia de Mitch, e acompanhamos toda a correria por trás da tentativa de limpar a imagem do programa e de Alex por parte dos produtores e dos empresários da UBA. Porém, infelizmente a série perde um pouco seu ritmo durante os episódios do meio da temporada, o que me fez demorar mais do que o normal para concluí-la. Quando eu já estava desesperançosa e pronta pra desistir de The Morning Show, os últimos episódios trazem reviravoltas bastante chocantes, me fazendo dar uma nova chance ao programa. Digo tudo isso pra deixar claro que a série tem sim alguns problemas de ritmo, mas que no balanço geral a história foi capaz de me fazer querer conferir o que vem por aí.

Acho que um dos principais motivos pra eu não ter entrado de cabeça em The Morning Show é o fato de que não consegui torcer pelos personagens. Mesmo com duas mulheres fortes à frente da trama, a verdade é que ambas me irritaram demais. Alex é bastante humana e falha, e eu gosto que não tenham poupado a personagem dessas características. Ela esteve em silêncio por 15 anos ao lado de Mitch, sendo conivente com um comportamento que todos sabiam existir. Alex é também uma pessoa que se orgulha do que conquistou e não tem vergonha disso, o que é um bom exemplo de força e determinação, mas é difícil esquecer que ela se beneficiou do fato de ser a mulher aceita no Clube do Bolinha sem fazer nada a respeito. Bradley, por sua vez, representa o idealismo jornalístico. Ela quer lutar por justiça, expor a verdade sobre os fatos e fazer o que for certo independente de quem ferir no processo. Por um lado, são objetivos louváveis e o coração da personagem pode estar no lugar certo; por outro, a personalidade perfeitinha que ela assume após entrar no TMS me exauriu, especialmente porque difere completamente da Bradley explosiva que ganhou notoriedade.

O maior mérito de The Morning Show reside no tema que decide abordar. O assédio sexual no ambiente de trabalho é um assunto muito pertinente, e a série usa o movimento #MeToo como o grande impulsionador da discussão. Existe uma cena em que Mitch discute com outro homem exposto pelo movimento que é tão real que embrulha o estômago: homens em posição de poder, em sua maioria, não estão preocupados em refletir sobre seu papel nessa cadeia de abuso; eles só pensam sobre isso quando são pegos, e ainda acham que são as vítimas da situação. Para eles, que controlam a narrativa e as decisões, as mulheres estão ali porque querem e também para subir na carreira, e não porque são coagidas em função do medo de perderem os empregos, as oportunidades e ainda serem expostas e desacreditadas no processo. The Morning Show faz um excelente trabalho em colocar um holofote nessas situações, dando voz às vítimas e mostrando quão devastadoras as consequências do assédio e do abuso podem ser.

Com atuações sólidas e uma crítica relevante, The Morning Show é uma série que recomendo especialmente pelo assunto central. Ela me causou uma sensação semelhante ao do livro Rede de Sussurros: não foi a melhor experiência que tive, mas trata de situações tão sérias e, infelizmente, recorrentes, que acho importante que mais pessoas tenham contato e possam refletir a respeito. Há também intrigas políticas e jogos de poder que buscam tornar os episódios mais instigantes e, ainda que não tenham funcionado comigo, podem funcionar com você. De maneira geral, vale a pena tanto pela reflexão quanto pelas excelentes performances de um elenco de peso, que conseguem transmitir as diversas nuances que uma situação assim possui. Por aqui, vou seguir pra segunda temporada. E se você já conferiu, me conta o que achou nos comentários? 😉

Título original: The Morning Show
Ano de lançamento: 2019
Criação: Jay Carson, Kerry Ehrin
Elenco: Jennifer Aniston, Reese Witherspoon, Billy Crudup, Mark Duplass, Nestor Carbonell, Karen Pittman, Steve Carell