Criminal: UK e sua problemática segunda temporada

Oi pessoal, tudo bem?

Esse é um Dica de Série e ao mesmo tempo não é. Recentemente assisti à versão britânica de Criminal (que tem versões na Espanha, na França e na Alemanha também) e curti muito a proposta: cada episódio é focado em um acusado que um grupo de detetives precisa interrogar. E Criminal: UK já inicia com um nome de peso, David Tennant, na posição do acusado – cuja interpretação foi, como sempre, brilhante. Durante a primeira temporada, fiquei muito empolgada com cada trama. Eram acusações diversificadas, com backgrounds distintos e ainda assim muito atuais: enquanto no episódio de David a investigação era o abuso e o assassinato de uma adolescente, no segundo episódio falou-se de violência doméstica e, no terceiro, imigração ilegal. Até que chegamos à segunda temporada e… Bom, pra conseguir problematizá-la, terei que dar spoilers, ok?

O hype em cima da última season vem acompanhado de um nome ilustre no elenco: Kit Harington, pouco depois de ter finalizado Game of Thrones. Em seu episódio, Kit interpreta um empresário sendo acusado de estupro por uma de suas funcionárias. Acontece que, para a surpresa do espectador, descobre-se que ela fez uma falsa acusação para conseguir dinheiro. Sim. Isso mesmo. A série faz um episódio inteiro focado em um homem de poder sendo falsamente acusado de estupro.

E antes que vocês me acusem e digam que isso acontece na vida real: eu sei. Existem sim difamações, calúnias e falsas acusações. Mas a proporção, gente, é absurdamente discrepante. E quando uma série de amplo alcance (por estar na Netflix) escolhe justamente esse olhar enviesado pra abordar algo que costuma ser exceção, temos um problema. Argumentos como “a denúncia acabou com a vida do cara” e “mas como ela vai provar que não foi consensual?” são um desencorajamento a mulheres que têm medo de denunciar seus agressores. Porque, em geral, a mulher não sofre apenas na mão do abusador; ela sofre de novo na mão do Estado e da mídia ao ter sua história questionada e inúmeras vezes repassada. Lembram de Inacreditável? A minissérie, que dramatiza fatos reais, é um tapa na cara que mostra o quanto estamos despreparados enquanto sociedade pra lidar com a dor das vítimas de abuso sexual – e o impacto negativo que não dar o devido crédito ao relato causa.

E, quanto ao argumento de que uma denúncia dessas “acaba com a vida de um homem”, bom… O goleiro Bruno conseguiu emprego mesmo após esquartejar a mãe de seu filho e dar os pedaços pros cães comerem, né? Até publi ele já fez. 🙂 E o Robinho? Só teve seu contrato com o Santos pausado após muita pressão popular.

Mas tá, até o momento tinha sido apenas um episódio de Criminal: UK a me causar desconforto. Seguimos, certo? Cheguei então no episódio seguinte, em que uma mulher é acusada de difamação ao usar seu site para acusar homens de pedofilia. O episódio é bastante chato, o plot twist no final é sem pé nem cabeça mas o foco aqui é: a dona do site acusou um homem de maneira errônea e causou graves consequências à sua vida.

É óbvio que acusar as pessoas sem provas é errado. No caso do episódio, a mulher era uma desocupada que fazia as vezes de justiceira na internet. E, de fato, ela trouxe problemas enormes para a vida de um homem inocente, o que é bastante condenável. Entretanto, a causa maior de desconforto aqui foi, novamente, em episódios consecutivos, ver uma mulher na posição de falsa acusadora. A segunda temporada da série, roteirizada por homens, parece gostar de colocar suas personagens femininas em um papel de “destruidoras de vidas”, o que corrobora em muito para a visão deturpada que muitos ainda têm e que se reflete diretamente em casos de estupro e abuso, como debati mais acima.

Eu não sou contra colocar mulheres em papel de vilania, pelo contrário. Acho importante romper o estereótipo angelical, afinal, mulheres também são capazes de atrocidades por pura maldade. Mas eu sou MUITO contra o uso de estereótipos deturpados e machistas que causam impactos reais na vida de muitas de nós. Usar o espaço midiático e o amplo alcance pra reforçar esse tipo de visão é problemático e, diria também, misógino: qualquer mulher vítima de abuso que não teve coragem de denunciar, por exemplo, pode assistir a essas tramas e se sentir ainda pior, sabendo que o Estado e a sociedade não iriam acreditar nela.

Então, por mais que Criminal: UK tenha atuações incríveis e uma ótima primeira temporada, não é o tipo de série que eu vá panfletar. Prefiro indicar e fortalecer tramas como a já citada Inacreditável, que faz um trabalho impecável em mostrar o ponto de vista da vítima e a diferença abismal entre a abordagem masculina e a feminina no que diz respeito à sensibilidade quanto a vítimas de estupro. Se tiverem que escolher uma dessas séries para a sua próxima maratona, sugiro que escolham a segunda.

Título original: Criminal: UK
Ano de lançamento: 2019
Criadores: Jim Field Smith
Elenco: Katherine Kelly, Lee Ingleby, Rochenda Sandall, Mark Stanley, Shubham Saraf, David Tennant, Kit Harington, Hayley Atwell, Sharon Horgan, Kunal Nayyar

Resenha: Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis – Jarid Arraes

Oi pessoal, tudo bem?

Amanhã, às 19h, vai rolar uma live no perfil da Editora Seguinte pra divulgar o lançamento do livro Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis, e eu aproveitei a oportunidade pra indicar essa leitura indispensável pra vocês. Bora conhecer?

heroinas negrasGaranta o seu!

Sinopse: Talvez você já tenha ouvido falar de Dandara e Carolina Maria de Jesus. Mas e Eva Maria do Bonsucesso? Luisa Mahin? Na Agontimé? Tia Ciata? Essas (e tantas outras) mulheres negras foram verdadeiras heroínas brasileiras, mas pouco se fala delas, seja na escola ou nos meios de comunicação. Diante desse apagamento, há anos a escritora Jarid Arraes tem se dedicado a recuperar ― e recontar ― suas histórias. O resultado é uma coleção de cordéis que resgata a memória dessas personagens, que lutaram pela sua liberdade e seus direitos, reivindicaram seu espaço na política e nas artes, levantaram sua voz contra a injustiça e a opressão. A multiplicidade de histórias revela as mais diversas estratégias de sobrevivência e resistência, seja na linha de frente ― como Tereza de Benguela, que liderou o quilombo de Quariterê ― ou pelas brechas ― como a quituteira Luisa Mahin, que transmitia bilhetes secretos durante a Revolta dos Malês. Este livro reúne quinze dessas histórias impressionantes, ilustradas por Gabriela Pires. Agora, cabe a você conhecê-las, espalhá-las, celebrá-las. Para que as próximas gerações possam crescer com seu próprio panteão de heroínas negras brasileiras.

Após a leitura de Extraordinárias, fiquei com bastante vontade de conhecer mais histórias inspiradoras de mulheres brasileiras que fizeram a diferença na conquista de direitos que temos hoje. Mas, mais do que isso, fui sentindo cada vez mais necessidade de conhecer o papel das mulheres negras nessa construção, já que muitas delas têm suas histórias invisibilizadas.

E, no formato de cordel, a escritora Jarid Arraes traz à luz o nome de inúmeras mulheres que foram primordiais na história do nosso país. De princesas africanas que lideraram seu povo contra a escravidão até a primeira mulher negra eleita no Brasil, Jarid Arraes conta histórias que precisamos conhecer de uma forma poética, envolvente e lúdica. Ao fim de cada capítulo há também um pequeno resumo sobre a protagonista do cordel que amplia as informações trazidas até então em um formato mais tradicional, completando a experiência.

heroinas

Jarid Arraes faz questão de romper com um estereótipo deturpado de que as pessoas negras foram escravas passivas e sem orgulho de sua ancestralidade. Muito pelo contrário: a cordelista exalta as origens do povo negro e evidencia quanta luta, quanta resistência, quanto enfrentamento o povo precisou enfrentar até que esse aspecto hediondo da nossa sociedade fosse abolido. Até hoje a desigualdade se faz presente e ainda hoje as pessoas parecem esperar que os negros falem apenas sobre esse viés, mas Jarid Arraes rompe com essa expectativa ao nos apresentar personalidades fortes, líderes, determinadas e, em meio a muito sofrimento, lutadoras. 

Isso me faz pensar na necessidade de Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis estar presente desde cedo entre as crianças negras, estar presente nas escolas, com fácil acesso a jovens que estão em processo de construção da sua identidade. O livro exala orgulho da ancestralidade e das raízes, dos traços que se originaram de príncipes e princesas, e coloca em destaque as mulheres que fizeram parte da construção da identidade brasileira. Falamos muito em representatividade – e precisamos continuar falando cada vez mais –, e esse livro é uma adição valiosa nesse sentido, porque cada palavra traz afeto e orgulho ao contar cada história nele presente.

Como mulher branca, eu posso apenas imaginar o impacto que um livro como Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis pode provocar em uma jovem negra. Por isso, usando esse espaço de privilégio, gostaria de convidar você a conferi-lo. Precisamos reconhecer o árduo caminho que ainda temos pela frente para combater as desigualdades que seguem presentes, e parte disso é entregar o microfone (ou as páginas) para pessoas negras que tem muito o que dizer. E Jarid Arraes tem muito a dizer.

Título original: Heroínas Negras Brasileiras em 15 Cordéis
Autor: Jarid Arraes
Editora: Seguinte
Número de páginas: 176
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Dica de Série: Curta Essa com Zac Efron

Oi pessoal, tudo bem?

Desde a leitura de Contágio eu comecei a refletir com mais frequência sobre o nosso papel enquanto seres humanos na preservação do planeta – e consequentemente nas doenças causadas por sua destruição. Isso me fez querer assistir ao documentário Curta Essa com Zac Efron, no qual o ator viaja pelo mundo para conhecer modos de vida mais sustentáveis. Vamos conhecer? 😀

curta essa com zac efron poster

Sinopse: O ator Zac Efron roda o mundo com o guru dos superalimentos Darin Olien em busca de formas de viver com saúde e sustentabilidade.

Na companhia de seu amigo Darin Olien, conhecido por ser uma espécie de guru dos superalimentos, Zac Efron viaja para diversos locais, alguns mais remotos do que outros, e aprende sobre assuntos variados relacionados à sustentabilidade, ao poder dos nutrientes na nossa saúde, ao “segredo” da longevidade, a tecnologias modernas que permitem a criação de energia sem combustíveis fósseis, entre outros temas. Cada episódio se passa em alguma cidade e foca em alguns desses assuntos, sendo 8 no total.

Um dos aspectos que mais curti em Curta Essa com Zac Efron é a ignorância do protagonista – e eu falo isso no melhor dos sentidos! Calma que eu vou explicar. Zac Efron não assume uma postura arrogante frente ao novo e se permite deslumbrar pelas novas experiências que vive. Ele genuinamente demonstra não entender nada do assunto, mas querer aprender a respeito. É como se ele representasse os olhos do espectador, fazendo as perguntas que qualquer um de nós gostaria de fazer se estivesse em seu lugar. Enquanto Darin tem mais conhecimento e vivência nos assuntos abordados, auxiliando Zac ao longo da jornada mas também aprendendo junto com ele, o próprio Zac fica surpreso, maravilhado, curioso, inseguro e pensativo a respeito de tudo que vivencia.

curta essa com zac efron

De maneira geral, a série é bastante feliz em escolher as pessoas com as quais a dupla vai conversar. Existem episódios que fazem a gente colocar tudo em perspectiva, como por exemplo o que se passa em Porto Rico, que até hoje enfrenta as consequências do furacão Maria – responsável pela destruição de grande parte da ilha. É palpável o desconforto de Zac ao pensar na desigualdade que existe entre pessoas como ele e pessoas como as que moram em Porto Rico, e ele demonstra muita humildade ao conversar com os moradores (ficando visivelmente desconfortável de ser homenageado em pé de igualdade com outros famosos que atuaram na ilha na época do desastre, por exemplo).

curta essa com zac efron 2

A série comete alguns deslizes? Sim, comete. O episódio que se passa na Costa Rica é bem descolado da realidade alienado, até. Quando Zac e Darin vão de barco até uma comunidade que vive numa ilha pertencente à Costa Rica (sendo levados por dois rapazes que parecem ser adolescentes e nativos do local), somos apresentados a uma comunidade cheia de gente branca não nativa que inevitavelmente nos faz pensar em hippies privilegiados. A abordagem natureba e afastada da tecnologia e das coisas “mundanas” parece mais um ano sabático de americanos que resolveram fugir do seu cotidiano, ao passo que, na minha opinião, seria muito mais interessante conhecer a perspectiva real dos moradores da ilha. Mas enfim, acho que foi o único episódio que me causou esse desconforto.

curta essa com zac efron 3

Assistir Curta Essa com Zac Efron foi bastante emocionante em muitos momentos e, mais uma vez, me peguei pensando sobre meus hábitos e sobre a vontade de mudá-los. Desde que assisti a série eu passei a seguir perfis vegetarianos e busquei reduzir meu consumo de carne; ainda que esteja longe do ideal e que eu não tenha planos concretos de fazer uma virada de chave alimentar no momento, a série foi capaz de provocar em mim pequenas mudanças de hábito e muuuitas reflexões. Perceber o quão afastados estamos do cuidado com o nosso planeta é um chacoalhão que coloca muita coisa sob uma nova lente, e acho difícil sair ileso ao final da temporada – especialmente com a virada surpreendente (e trágica) que acontece no último episódio.

curta essa com zac efron 4

Curta Essa com Zac Efron é uma série leve, mas emocionante; divertida, mas capaz de provocar reflexão; aparentemente despretensiosa, mas envolvente. Eu, que não cresci sendo fã do Zac Efron e de High School Musical, fiquei positivamente impressionada com a postura e com a consciência do ator. Espero que retornem para uma segunda temporada mas, caso isso não aconteça, já fico satisfeita com as mudanças que ele e Darin estimularam em mim. Recomendo e torço pra que essa ótima série documental mexa com você também. 😀

Título original: Down to Earth with Zac Efron
Ano de lançamento: 2020
Produtores executivos: Zac Efron, Darin Olien
Elenco: Zac Efron, Darin Olien

Resenha: De Quem É Esta História? – Rebecca Solnit

Oi pessoal, tudo bem?

Tenho tentado sair da minha zona de conforto este ano e incluir mais livros de não-ficção na minha lista. E é sobre um deles que vamos falar hoje: De Quem É Esta História?, da escritora e ativista Rebecca Solnit.

de quem é esta históriaGaranta o seu!

Sinopse: Quem escreve as narrativas de nossos tempos? Em cada debate, uma batalha está sendo travada: de um lado, mulheres e pessoas não brancas, não binárias e não heterossexuais finalmente podem contar a história com sua própria voz; de outro, pessoas brancas ― sobretudo do gênero masculino ― se apegam às versões de sempre, que contribuem para manter seu poder e status quo. Em vinte ensaios atualíssimos, a autora de Os homens explicam tudo para mim e A mãe de todas as perguntas avalia essas discussões, por que elas importam e quais são os desafios que temos pela frente.

De Quem É Esta História? me chamou a atenção já pela sinopse, por se tratar de um livro de ensaios focados em feminismo e distribuição de poder. O centro das discussões apresentadas por Rebecca Solnit gira em torno da pergunta-título, fazendo o leitor refletir e questionar quais são as perspectivas que chegam até nós, quais vozes são ouvidas e quais são silenciadas e quais visões de mundo estamos reforçando. Ainda na introdução, a autora evidencia algo que parece óbvio, mas não é: “Hoje é fácil presumir que nossas opiniões sobre raça, gênero, orientação sexual e tudo o mais são sinais de uma virtude inerente, mas muitas ideias que circulam agora são presentes que chegaram há pouco […]”. As conquistas relacionadas à diversidade são muito recentes, mas ainda estamos longe de um ideal de igualdade social, racial e sexual – por isso obras que falem sobre isso precisam ser difundidas.

Ao longo das páginas, Rebecca Solnit discorre sobre diversos desequilíbrios de poder, focando principalmente na distribuição desigual entre homens brancos cis e heterossexuais, o topo da pirâmide, e todo o resto (mulheres, mulheres negras, homens negros, a comunidade LGBTQI+, etc). Os ensaios são bem focados na sociedade estadunidense, então as dinâmicas sociopolíticas que a autora trata são baseadas no funcionamento eleitoral de lá. Esse aspecto torna alguns capítulos um pouco mais cansativos mas, ainda assim, é possível estabelecer paralelos entre o que acontece nos Estados Unidos e o que acontece aqui (e, quando lembramos de que ambos os países estão sendo liderados por boçais, fica ainda mais fácil fazer conexões).

Querem um exemplo prático? O terceiro capítulo fala sobre como o poder e o preconceito (consciente e inconsciente) determinam a política de um país. A autora aponta inconsistências no discurso principalmente de homens brancos, que analisam qualidades/características de forma diferente quando são encontradas em homens e mulheres. O fato de Obama ter sido um líder detalhista no que diz respeito a aspectos políticos é visto como um defeito em Hillary, no exemplo da autora. O foco de Rebecca Solnit nesse ensaio é trazer à luz o fato de que a não-equidade política e os “double standards” tornam ainda mais difícil pra minorias (especialmente mulheres não-brancas) atingirem o mesmo patamar dos homens brancos, pois a trajetória dessas pessoas traz muito mais obstáculos. Transpondo essa reflexão pro cenário brasileiro, é fácil lembrar como Dilma era criticada pela sua falta de eloquência, enquanto Bolsonaro bosteja pela boca o tempo inteiro e boa parte da população parece não ver problema nisso. 🤷‍♀️

Eu diria que o principal ponto do livro, que está presente em todos os ensaios de forma geral, é justamente colocar sob os holofotes o fato de que quem tem direito à fala é quem dita as regras. Quem conta as histórias é também quem decide como determinado grupo será lido, quais direitos serão priorizados, quais caminhos o país e a sociedade trilharão. Rebecca escreve: “[…] nos noticiários e na vida política ainda estamos lutando para saber de quem é a história, quem tem importância e para quem nossa compaixão e nosso interesse devem se direcionar.” A decisão de usar a própria voz para denunciar quem sempre gozou de privilégios é uma decisão que visa afirmar a própria identidade, mostrar ao mundo que se é “alguém” – e não qualquer alguém, alguém que merece ser ouvido. Tomar posse da narrativa, segundo a autora, é uma luta importante e capaz de grandes transformações: o movimento #MeToo é um exemplo utilizado, sendo uma oposição das mulheres aos abusos cometidos por tantos anos no ambiente de Hollywood (mas não somente nele, já que a # ganhou alcance global).

É difícil falar especificamente sobre cada ensaio de De Quem É Esta História?, mas posso dizer que todos eles têm ligação e conversam com muitos dos dilemas que enfrentamos hoje. O livro não é denso e a narrativa é acessível, o que torna a leitura fluida e de fácil compreensão. Apesar de focar muito nos Estados Unidos e não trazer com tanta força a perspectiva negra – ainda que cite lutas raciais ao longo das páginas –, é uma boa opção para quem quer pensar sobre dinâmicas de poder, narrativa e feminismo. Recomendo! 🙂

Título original: Whose Story Is This?
Autor: Rebecca Solnit
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 216
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Resenha: A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes – Suzanne Collins

Oi pessoal, tudo bem?

Quando a gente tem a oportunidade de ler um livro novo de uma saga que amamos, as emoções ficam balançadas, né? Por isso que precisei de um tempo pra assentar minha opinião a respeito de A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes, o prequel de Jogos Vorazes.

suzanne collins a cantiga dos passaros e das serpentesGaranta o seu!

Sinopse: É a manhã do dia da colheita que iniciará a décima edição dos Jogos Vorazes. Na Capital, o jovem de dezoito anos Coriolanus Snow se prepara para sua oportunidade de glória como um mentor dos Jogos. A outrora importante casa Snow passa por tempos difíceis e o destino dela depende da pequena chance de Coriolanus ser capaz de encantar, enganar e manipular seus colegas estudantes para conseguir mentorar o tributo vencedor. A sorte não está a favor dele. A ele foi dada a tarefa humilhante de mentorar a garota tributo do Distrito 12, o pior dos piores. Os destinos dos dois estão agora interligados – toda escolha que Coriolanus fizer pode significar sucesso ou fracasso, triunfo ou ruína. Na arena, a batalha será mortal. Fora da arena, Coriolanus começa a se apegar a já condenada garota tributo… e deverá pesar a necessidade de seguir as regras e o desejo de sobreviver custe o que custar.

Como um país vai do mais profundo pesar e desespero pós-guerra para uma alienação total à base de pão e circo? É isso que A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes se propõe a explicar. Aqui, conhecemos uma versão muito diferente daquele que viria a se tornar o temido presidente de Panem: Coriolanus Snow é um jovem sagaz que vê nos Jogos Vorazes a oportunidade de reconquistar o prestígio e a riqueza dos quais outrora sua família desfrutara ao atuar como mentor. Seu ânimo sofre um baque quando ele é designado à Tributo do Distrito 12, o menos prestigioso de todos. Mas, ao perceber o talento da jovem Lucy Gray (que encanta a todos ao cantar na Colheita), Snow decide utilizar esse elemento a seu favor.

Existe um abismo entre a Capital que conhecemos em Jogos Vorazes versus a Capital apresentada na Cantiga. Os efeitos da guerra ainda são muito recentes, Panem está em processo de reconstrução e mesmo famílias de linhagens importantes ainda flertam com a fome, como é o caso dos Snow. Coriolanus vive com a avó orgulhosa e a prima, Tigris, que faz tudo ao seu alcance para proporcionar um pouco de alegria e dignidade para a família. A ligação dos primos é bastante forte, o que torna mais triste pensar no futuro de Tigris e na corrupção moral de Snow.

Os Jogos Vorazes também não se aproximam em nada da versão antes apresentada. Esqueçam dos bailes luxuosos, dos jantares abundantes e do tratamento especial dedicado aos tributos. Em A Cantiga, vemos um lado ainda pior dessa punição já tão cruel: os tributos são tratados feito lixo, sendo deixados para passar fome e presos em uma cela no zoológico até o momento de entrarem na Arena. Diferente de todo o pão e circo conhecido, na 10ª edição o desafio dos Idealizadores (e dos mentores, incluindo Snow) é justamente fazer com que a prática se torne uma atração capaz de envolver as pessoas. E eu diria que esse é o maior mérito do livro: com transformações sutis e ideias que surgem de forma tímida, o leitor consegue perceber quais foram as atitudes que serviram como faísca para a transformação dos Jogos. Ao mesmo tempo em que ficamos desconfortáveis com o tratamento ainda mais desumano do que aquele que conhecíamos, é também fascinante perceber os primeiros passos na direção do grande espetáculo em que a Capital transforma os Jogos Vorazes. Esse aspecto de A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes foi, sem dúvida, meu favorito: para mim, o livro é sobre isso, sobre a transformação dos Jogos, muito mais do que sobre o Snow.

resenha a cantiga dos passaros e das serpentes

Falando em Snow, ressalto que os protagonistas definitivamente não me conquistaram. O livro consegue demonstrar com nem tanta sutileza assim que Coriolanus faz as coisas tendo interesses egoístas por trás. Ele não chega a ser um sociopata desalmado, mas mesmo achando os Jogos Vorazes difíceis de engolir, ele está mais preocupado com a recuperação financeira da sua família e sua própria ascensão. Em diversos momentos ao longo do livro seus pensamentos revelam a frieza com que ele lida com situações delicadas, o seu senso de superioridade e seu desprezo pelos costumes dos distritos e a maneira como ele mantém relações de acordo com que cada pessoa pode oferecer. Sua relação com Lucy Gray é confusa e, pra mim, não funciona (o final deixa isso ainda mais nítido, mas falo sobre isso mais pra frente). A personagem foi feita com a intenção de nos cativar, assim como cativou Coriolanus, mas ela é bastante linear e ganha pouco aprofundamento.

Os personagens secundários não têm carisma e brilho nenhum, e eu não fiz nenhuma questão de guardar seus nomes por saber que na trilogia original eles não causam impacto – com exceção de Tigris, que tem papel crucial em A Esperança, da Dra. Gaul, por ser a Chefe dos Idealizadores dos Jogos, e de Sejanus, que representa a voz da razão em meio ao massacre, nos lembrando de que o sofrimento dos distritos é muito maior do que o da Capital. O livro tem a intenção de narrar os traumas dos cidadãos da Capital em relação à guerra e mostrar o outro lado desse sofrimento; o problema é que não sabemos no detalhe os motivos dessa guerra, então um leitor mais desatento pode acabar sentindo uma empatia mal dimensionada pela Capital. Eu acho que tem muita gente inocente na Capital que sim, merece empatia, mas a gente não pode esquecer que uma vez que a guerra acabou a decisão deles foi de seguir com um massacre na forma de Jogos Vorazes. Pensando nisso, considero a narração em terceira pessoa uma escolha acertada da autora, pois nos afasta do risco de romantizar o ponto de vista do Snow e da Capital. Diferente da trilogia original, em que estamos dentro da cabeça da Katniss, aqui a gente tem acesso a uma visão externa que não mascara as falhas de caráter do personagem e nos ajuda a não esquecer do sofrimento dos distritos.

Assim como os outros livros da série, A Cantiga é dividido em três partes, e na terceira delas o livro tem uma “barriga” que torna a história bem arrastada. O dia a dia de Coriolanus no terço final da trama parece descolado de tudo que vimos até então, e sua dinâmica com Lucy Gray também não melhora. Existem cenas que só me pareceram servir como fanservice (envolvendo a palavra “katniss” e até a música da Árvore-Forca), e o final é abrupto, corrido e até meio sem sentido, de modo que fiquei “sério que isso tá acontecendo?”, tamanha minha descrença.

A Cantiga dos Pássaros e das Serpentes é um livro bom, ainda que não seja espetacular, e ele não merece todo o hate que recebeu. Ele é competente em nos mostrar a transformação dos Jogos Vorazes e o papel da esperança em toda essa dinâmica da Capital e dos distritos – conceito este tão importante no futuro. Apesar de ser um livro mais longo do que o necessário e dividir um final tão frustrante quanto, achei melhor que A Esperança rs. Resumindo, vale a leitura, tendo em mente as ressalvas que mencionei. 😉

Título original: The Ballad of Songbirds and Snakes
Série: Jogos Vorazes
Autor: Suzanne Collins
Editora: Rocco
Número de páginas: 576
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Dica de Série: Cobra Kai

Oi galera, tudo bem?

A indicação de hoje é perfeita pra quem está buscando entretenimento puro de qualidade: Cobra Kai!

poster cobra kai

Sinopse: Décadas depois da competição que mudou suas vidas, a rivalidade entre Johnny e Daniel está de volta nesta sequência da trilogia Karatê Kid.

Antes de começar a falar sobre a série em si, é importante dizer que eu nunca assisti a Karatê Kid inteiro (e muito menos seus sucessores). Eu sempre acabava pegando o filme já rolando na TV mas, por ser uma história clássica, sei o que acontece de tanto ver referências na internet. Por que essa introdução é importante? Porque mesmo sem ser um fã dos filmes originais, eu me apaixoneeei e me diverti demais com Cobra Kai.

A trama acontece, obviamente, muitos anos depois daquele embate que culminou na vitória de Daniel-san. Enquanto este se tornou um bem-sucedido dono de uma franquia de automóveis de luxo, Johnny viu sua vida afundando cada vez mais: ele trabalha como faz-tudo, mora em uma kitnet, não se dá bem com o filho e vive de cerveja barata. Certo dia, ele vê uma briga de adolescentes envolvendo seu vizinho, Miguel e, quando a briga o atinge pessoalmente (ou melhor, ao seu carro), Johnny intervém e bate em todo o grupo que agredia o jovem. Isso é o bastante para que Miguel implore que Johnny seja seu sensei, o que o impulsiona a reabrir o Cobra Kai. Ao ficar sabendo do retorno do dojo que tanto lhe causou sofrimento, Daniel se coloca como um antagonista aos objetivos de Johnny.

cobra kai 2

Tem uma coisa muito engraçada que me fez querer conferir Cobra Kai: sou fã de How I Met Your Mother e, nela, o personagem Barney alega que o verdadeiro vilão de Karatê Kid é o Daniel, e não o Johnny. O William Zabka inclusive fez participações especiais na série e são bem engraçadas. Mas o propósito de Cobra Kai é muito claro: mostrar que para toda história existem dois lados e, como diz um amigo meu, “ninguém é o vilão da própria história”. A série nos permite entender o background de Johnny e simpatizar com o personagem, que na série esbanja carisma – ainda que tenha inúmeros defeitos, especialmente por ser antiquado e meio machista. Por outro lado, a postura moralista e cheia de boas intenções de Daniel pode ser lida como preconceito e presunção, especialmente porque ele não dá margem ao diálogo. Ou seja, a vida real não é preto no branco e todos estamos suscetíveis a errar.

cobra kai

É legal perceber a inversão de papéis que acontece em Cobra Kai. Se no filme oitentista o dojo de Johnny era símbolo de bullying e agressão, agora ele é o local que jovens que sofrem disso procuram para se defender e se empoderar. Ainda assim, a série não é irresponsável de fazer com que os ensinamentos do Cobra Kai sejam vistos com romantização: há um personagem em especial que é diretamente influenciado pelo lema do dojo (ataque primeiro, ataque com força e não tenha misericórdia) e se torna um agressor. Ainda assim, ele é uma exceção à regra e, com o passar dos episódios, o próprio Johnny vai aprendendo com seus erros e entendendo que o seu passado não foi pautado em honra, mas que seu futuro vai ser. E ao buscar ensinar a diferença entre não ter misericórdia e não ter honra, percebemos a grande evolução do personagem.

cobra kai 3

A rivalidade está presente não apenas entre Johnny e Daniel: seus pupilos também herdam esse comportamento. A segunda temporada trata disso com mais peso, especialmente porque os envolvidos em ambos os dojos têm ligações pessoais bastante fortes, de modo que as emoções ficam à flor da pele. E conforme os treinamentos dos dois senseis progride, as consequências dessa rivalidade vão ficando cada vez mais sérias – até um final CHOCANTE que faz o espectador implorar pela terceira temporada.

cobra kai 4

Além de entreter com um ritmo envolvente e uma narrativa cheia de ação, Cobra Kai conta com ótimos personagens. Além dos já citados Johnny e Daniel, o núcleo de adolescentes também é muito bom. Miguel é o meu queridinho, o típico good guy que tenta sempre fazer o que é certo. Ainda que ele cometa erros, o que é esperado de qualquer jovem de 16 anos, ele busca se redimir e evoluir. O mesmo acontece com o filho de Johnny, Robby, que encontra no karatê um modo de fugir da negligência da mãe e do abandono do pai. A única personagem que não me desce é a Samantha, filha de Daniel: ela tem uma postura de boa moça e se coloca num pedestal, mas quando sua antiga amiga sofreu bullying nas mãos do seu novo e popular grupo, ela não fez nada para impedir. Por fim, fica um elogio a Amanda, esposa do Daniel, também conhecida como pessoa mais sensata da série. 😂

Com episódios curtos, ritmo envolvente e muito carisma, Cobra Kai foi uma série que me divertiu do início ao fim. É aquele entretenimento puro, que faz você mergulhar de cabeça, te distrai e te faz vibrar e sofrer com os personagens. Tudo isso com uma trilha sonora cheia de clássicos dos anos 80 e uma ótima temática – afinal, como não se empolgar com uma luta de karatê? 😉 Vale conferir!

Título original: Cobra Kai
Ano de lançamento: 2018
Criador: Josh Heald, Jon Hurwitz, Hayden Schlossberg
Elenco: Ralph Macchio, William Zabka, Xolo Maridueña, Tanner Buchanan, Mary Mouser, Courtney Henggeler

Resenha: Uma Estranha Em Casa – Shari Lapena

Oi pessoal, tudo bem?

Ultimamente eu tenho tentado dar certa prioridade para livros que estavam na minha wishlist há muito tempo e, com isso, finalmente li o thriller Uma Estranha Em Casa.

uma estranha em casa shari lapenaGaranta o seu!

Sinopse: Karen Krupp acorda no hospital, sem ter a menor ideia de como foi parar nele. Tom, seu marido, diz que a porta estava destrancada quando ele entrou em casa, as luzes acesas, e que a esposa provavelmente saiu às pressas quando estava preparando o jantar, pelo que ele viu na cozinha. Karen perdeu o controle do carro enquanto dirigia a toda a velocidade e bateu de frente num poste. O mais estranho: o acidente aconteceu num dos bairros mais perigosos da cidade. A polícia suspeita de que Karen esteja envolvida em algo obscuro, mas Tom tem certeza de que não. Ele está casado com ela há dois anos, conhece muito bem a mulher. Será mesmo? Vai perguntar tudo a Karen quando chegar ao hospital, depois de dizer que a ama e que está feliz por ela ter sobrevivido, é claro. Mas Tom não obtém resposta nenhuma… porque ela não se lembra de absolutamente nada.

A história começa com a fuga de uma mulher de um restaurante abandonado. Ela entra no carro alucinada e dirige de forma imprudente até que bate num poste. A mulher em questão é Karen Krupp, e seu marido, Tom, fica transtornado ao chegar em casa e encontrar a porta destrancada, a preparação do jantar em curso abandonada e nenhum sinal de sua esposa. Quando a polícia bate à porta e o leva para o hospital em que Karen está, ele descobre que ela perdeu a memória de curto prazo graças ao traumatismo craniano provocado pelo acidente. Para completar a fórmula de incertezas, um homem é encontrado morto na região em que Karen bateu o carro, e ela vira uma peça-chave na investigação.

Uma Estranha Em Casa reúne vários elementos clichê de thrillers: um personagem desconfiado de alguém em quem sempre confiou, um aspecto físico/de saúde muito conveniente para manter o mistério e até mesmo uma vizinha enxerida (no caso, Brigid, melhor amiga de Karen e vizinha da frente). O desenrolar da trama é muito ágil e o livro tem uma característica que eu adoro: capítulos curtos. Graças a isso, e ao fato da narrativa em terceira pessoa focar em personagens diferentes, é muito fácil devorar as páginas.

resenha uma estranha em casa

Porém, Uma Estranha Em Casa é um livro simples. A investigação dos detetives não tem grandes reviravoltas, os personagens são meio estereotipados e lineares e os clichês que eu mencionei anteriormente o colocam numa posição bastante lugar-comum, ainda que segura. Lá pela metade do livro eu estava bastante desconfiada de determinada personagem e me vi tendo razão a respeito dela (que se revelou uma pessoa mesquinha e falsa). Por outro lado, o final em si traz um desfecho muito interessante pras pessoas envolvidas. Ele transmite uma ideia de “bem feito!” e eu achei legal que, de certa forma, os personagens paguem pelos seus erros.

As duas personagens pelas quais senti algum nível de afeição foram Karen, que está angustiada com a perda da memória, e o detetive responsável pelo caso, Rasbach. Ele é um homem determinado e vivaz, mas quanto mais ele investiga o passado de Karen, mais empatia ele demonstra. Tom é um fraco e eu não gostei de nenhum aspecto dele. SPOILER ALERT: tem um momento da história que ele trai Karen “por estar muito bêbado e precisar de conforto” e isso me enfurece. Eu odeio a autoindulgência masculina envolvendo traição e como eles ainda são retratados como “incapazes de se controlar”.

Enfim, resumindo: Uma Estranha Em Casa é um livro mediano, mas mediano não significa ruim. Ele se apropria de elementos que já vi em diversas outras obras do gênero e nos apresenta a uma história linear, mas envolvente. Não foi a melhor leitura do ano mas também não foi a pior, e pode ser uma boa opção pra alguém que esteja se aventurando nesse gênero literário pela primeira vez. 🙂

Título original: A Stranger in the House
Autor: Shari Lapena
Editora: Record
Número de páginas: 266
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Resenha: Bom dia, Verônica – Andrea Killmore (Raphael Montes e Ilana Casoy)

Oi galera, tudo bem?

Hoje vou dividir com vocês minha experiência com Bom Dia, Verônica – cuja adaptação estreia essa semana na Netflix.

bom dia veronica andrea killmoreGaranta o seu!

Sinopse: Em “Bom dia, Verônica”, acompanhamos a secretária da polícia Verônica Torres, que, na mesma semana, presencia de forma chocante o suicídio de uma jovem e recebe uma ligação anônima de uma mulher desesperada clamando por sua vida. Com sua habilidade e sua determinação, ela vê a oportunidade que sempre quis para mostrar sua competência investigativa e decide mergulhar sozinha nos dois casos. No entanto, essas investigações teoricamente simples se tornam verdadeiros redemoinhos e colocam Verônica diante do lado mais sombrio do homem, em que um mundo perverso e irreal precisa ser confrontado.

Pra ser honesta com vocês, comecei o livro sem nem lembrar da sinopse, mas sabia que tinha visto muitos elogios na blogosfera e que a autora era na verdade o pseudônimo de Raphael Montes (em dupla com Ilana Casoy), elogiadíssimo pelos seus thrillers. Dele, eu só tinha lido até então O Vilarejo (que curti), portanto achei que valia dar uma chance também a Bom Dia, Verônica. A trama tem seu pontapé inicial quando uma jovem mulher se suicida na delegacia em que Verônica Torres, uma secretária da polícia civil, trabalha. Como seu chefe, o delegado Carvana, não dá a mínima para o caso (que envolve um estelionatário), Verônica decide investigar por conta própria. Com isso, ela se vê sendo sugada não apenas pelo caso de extorsão da vítima mas também por um segundo pedido de ajuda envolvendo uma situação muito mais macabra.

A boa vontade da protagonista em querer trazer justiça a mulheres parece um fator super positivo a favor dela, certo? Acontece que a irresponsabilidade e a infidelidade conjugal descarada de Verônica fazem dela uma personagem intragável. Eu até admiro sua disposição de ajudar quem precisa, mas convenhamos: ela é alguém que estudou Letras, não uma policial ou detetive. Como ela assume por conta própria uma investigação que pode envolver um possível serial killer, meu Deus do céu? Fora que existem muitas situações dignas de novela na sua investigação (e digo isso no pior sentido de todos): invasão a domicílio é de praxe pra Verônica, que é, repito, uma secretária habituada ao trabalho burocrático (isso sem mencionar o aspecto antiético de sair entrando na casa alheia sem mandado, né). E não que a ocupação atual dela seja um impeditivo: a Robin, da série Cormoran Strike, também começa como secretária e depois é promovida a detetive. A diferença nesse segundo caso é que Robin não atua como detetive atéee fazer um curso de contravigilância específico para a função. O que faltou em Bom Dia, Verônica foi bom senso e verossimilhança.

resenha bom dia veronica

Os capítulos são narrados ora em primeira pessoa por Verônica, ora em terceira pessoa quando focados em Janete, a mulher que pede ajuda à protagonista. O plot de Janete e seu marido é bizarro e condizente com minha experiência prévia lendo Raphael Montes: a trama abusa de cenas gore envolvendo um ritual de tortura e estupro que Brandão, o marido, realiza com suas vítimas. De maneira geral, não me considero uma pessoa sensível para esse tipo de coisa, mas achei tão… forçado, sabem? Como se as cenas fossem construídas com o propósito de “causar”, voltadas apenas a chocar o leitor. Mas como nem toda experiência é 100% negativa ou positiva, dou os devidos créditos ao fato de que Bom Dia, Verônica é capaz de prender a atenção do leitor. A narrativa não cansa e é fácil devorar as páginas, especialmente porque a trama tem uma abundância de cenas que deixam você ansioso para saber o que acontece.

Como comentei no início do post, a série que adapta o livro chega à Netflix essa semana. Pelo que vi no trailer, já pude notar algumas mudanças que talvez me façam gostar mais do que do livro. Porque a leitura, de maneira geral, foi uma experiência morna e cheia de situações improváveis que dificultaram muito minha imersão na história. Espero que minha próxima escolha de thriller seja mais bem-sucedida. :/

Título original: Bom Dia, Verônica
Autor:
Raphael Montes e Ilana Casoy
Editora: DarkSide Books
Número de páginas: 256
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Dica de Série: Eu Nunca…

Oi pessoal, tudo bem?

Nas minhas últimas férias aproveitei para conferir alguns títulos que amigos vinham me indicando na Netflix, e um deles é Eu Nunca… (sim, com reticências rs).

Sinopse: Ela teve um ano complicado. Agora, tudo que essa jovem quer é melhorar seu status social. Será que os amigos, a família e seus sentimentos vão ajudar?

A série acompanha a rotina de Devi, uma adolescente de ascendência indiana que passou por maus bocados no último ano: ela perdeu o pai, seu melhor amigo, subitamente e, devido ao trauma, ficou com as pernas paralisadas por meses. Agora que ela voltou a andar, seu maior objetivo é perder a virgindade e se tornar popular na sua escola, de modo a afastar o estigma de “garota estranha e paralisada”.

eu nunca

Eu Nunca… é uma série bastante engraçada, com episódios de aproximadamente 30 minutos cada. Devi tem duas melhores amigas, a inteligente Fabiola e a criativa Eleanor, que fazem de tudo por ela. O problema é que Devi está obcecada pelo seu crush, Paxton, e ao longo da trama eles vão se aproximando de forma inesperada. Um outro elemento importante nessa equação é o rival de Devi, Ben: os dois competem pelas melhores notas desde crianças, mas aos poucos eles percebem que têm mais em comum do que imaginam.

eu nunca

Uma das principais características de Eu Nunca… é o fato de que Devi é uma personagem imperfeita. Ela age por impulso, magoa as pessoas e pisa na bola muitas vezes com suas amigas. Mas antes de julgá-la, vamos relembrar como é ter 15 anos? Não sei vocês, mas eu cometia vários erros de julgamento na época e também trocava os pés pelas mãos em muitas situações. Isso não quer dizer que Devi não seja irritante, porque ela é (e eu acho que a atuação linear de Maitreyi Ramakrishnan não ajuda em nada nesse quesito). Sua obsessão por Paxton a torna negligente com sua família e amigos e se revela como uma das válvulas de escape da garota para não lidar com o luto pela perda do pai. O interessante, porém, é vê-la amadurecer: conforme Devi é obrigada a lidar com as consequências dos seus atos, ela passa a crescer como pessoa e, no fim das contas, a adolescência é também sobre isso.

eu nunca 3

Outro acerto de Eu Nunca… reside na representatividade. O trio de melhores amigas (Devi, Fabiola e Eleanor) é composto por uma menina indiana, uma negra e uma asiática. Há também uma naturalidade muito grande para lidar com o processo de descoberta de determinada personagem LGBTQI+. Os aspectos culturais da família de Devi também são abordados ao longo da temporada, sendo protagonizados pela própria Devi, sua mãe e sua prima (que mora com elas). O bacana é que a série fala sobre a cultura indiana sem recorrer a estereótipos e, principalmente, sem ser ofensiva – ainda que levante um debate tímido sobre determinadas práticas.

eu nunca 2

Eu Nunca… é uma série muito gostosinha e divertida, daquelas que você dá o play e nem vê o tempo passar. Pra quem busca uma comédia adolescente bacana e respeitosa com diferentes culturas e pessoas, é uma ótima pedida! E o melhor: com poucos episódios curtinhos e uma segunda temporada já confirmada. 😉

Título original: Never Have I Ever
Ano de lançamento: 2020
Criador: Mindy Kaling, Lang Fisher
Elenco: Maitreyi Ramakrishnan, Darren Barnet, Jaren Lewison, Lee Rodriguez, Ramona Young, Poorna Jagannathan, Richa Moorjani, Sendhil Ramamurthy

Resenha: A Última Festa – Lucy Foley

Oi gente, tudo certo?

Um dos lançamentos do ano da Intrínseca foi A Última Festa, um livro que me chamou a atenção por me lembrar de E Não Sobrou Nenhum (um dos meus livros favoritos). Li a obra recentemente e hoje vou dividir com vocês se as expectativas foram atingidas ou não. 😉

resenha a ultima festa lucy foleyGaranta o seu!

Sinopse: Todo ano, nove amigos comemoram o réveillon juntos. Desta vez, apenas oito vão voltar para a casa depois da festa. Programado para acontecer em um cenário idílico, o réveillon que Miranda, Katie e os outros amigos que conheceram na faculdade passarão juntos este ano promete refeições deliciosas regadas a champanhe, música, jogos e conversas descontraídas. No entanto, as tensões começam já na viagem de trem — o grupo não tem mais nada em comum além de um passado de convivência, feridas jamais cicatrizadas e segredos potencialmente destrutivos. E então, em meio à grande festa da última noite do ano, o fio que os mantém unidos enfim arrebenta. No dia seguinte, alguém está morto e uma forte nevasca impede a vinda do resgate. Ninguém pode entrar. Ninguém pode sair. Nem o assassino. Contada em flashbacks a partir das perspectivas dos vários personagens, a história deste malfadado encontro é um daqueles mistérios de assassinato cheio de tensão e de ritmo perfeito. Com uma trama assustadora e brilhantemente construída, A Última Festa planta no leitor a semente da dúvida: será que velhos amigos são sempre os melhores amigos?

Todo ano, um grupo de amigos se reúne para celebrar o Ano Novo. Para a virada de 2018 para 2019, a responsável pela organização é Emma, a membro mais recente do grupo – que entrou para a turma por namorar um dos rapazes, Mark. Na tentativa de fazer uma celebração memorável (afinal, ela sempre se sente uma outsider, já que todos os outros se conhecem desde a faculdade), ela organiza um Réveillon no interior da Escócia, em uma mansão afastada da civilização que promete oferecer uma verdadeira experiência highlander. Contudo, nada sai como o planejado: uma nevasca terrível deixa o grupo isolado, o que inclui os três funcionários da mansão, e uma das pessoas presentes é encontrada morta – mas o leitor não sabe quem.

Essa premissa foi o suficiente para me instigar e, como comentei antes, me lembrou da vibe claustrofóbica presente na obra de Agatha Christie. Os oito amigos, o guarda-caça da mansão (Doug) e a responsável pelas reservas (Heather) se veem presos no ambiente devido à nevasca e, quando uma das pessoas desaparece e é encontrada morta, todos percebem que o responsável está entre eles, dando à trama um clima mais pesado. Isso na teoria, tá gente? Na prática a coisa é bem diferente, e vou explicar porquê.

Desde o início da viagem, percebemos que há algo errado no grupo. À exceção de Emma, como comentei antes, todos se conhecem desde a faculdade, então muitas das conversas e memórias que vêm à tona são dessa época. Fora isso, o grupo não parece ter mais nada em comum. Os capítulos são intercalados entre alguns narradores: antes do desaparecimento, por indivíduos do grupo de amigos; depois do desaparecimento, por Heather ou sob o ponto de vista de Doug. Nos capítulos antes da tragédia fica nítido como existem mágoas não resolvidas e expectativas não atendidas em toda a relação de “amizade” ali presente.

resenha a ultima festa

O que complica e muito a leitura desses capítulos é que nenhum dos personagens do grupo de amigos cativa (sendo honesta, eles são péssimos!). Miranda é o “Sol” do grupo, em torno de quem todos os outros orbitam. Ela é mesquinha, vingativa, egocêntrica e faz questão de que tudo saia do jeito que ela quer. Ao longo do feriado, ela se ressente de Katie, sua melhor amiga, que está mais diferente do que nunca: de visual renovado e personalidade mais independente, ela já não lembra mais a garota que era sua sombra na faculdade. Mas Katie não é flor que se cheire: apesar de transparecer ser alguém que só quer “ficar na sua” e estar na viagem a contragosto, ela se revela uma amiga mentirosa e, em até certo nível, interesseira. Foi muito conveniente usar o prestígio de Miranda enquanto ela era jovem e deslocada, mas agora ela não se digna a dedicar nem um instante do seu tempo àquela que chama de melhor amiga. A terceira narradora mais relevante é a organizadora da viagem, Emma. Ela tem um complexo de inferioridade por ter entrado no grupo por último e coloca Miranda num pedestal: esse combo de características faz dela uma pessoa desesperada por aprovação.

A Última Festa gira muito em torno de saber quando temos que deixar algo pra trás. Ele aborda como nem sempre nossos planos na juventude dão certo quando caímos no “mundo real” e o quão frustrados podemos nos tornar por conta disso. O apego do grupo de amigos é um sintoma dessa incapacidade de abandonar o que já não faz bem e revela uma tentativa desesperada de manter um vínculo que já se perdeu, talvez pelo desejo de manter aquele espírito da juventude vivo, bem como os sonhos da época. Esses temas são bem interessantes, o problema é que são narrados por personagens irritantes e com os quais o leitor simplesmente não se importa (pelo menos essa foi a minha experiência). Para completar, o final me lembrou muito outro livro que li, Bela Gentileza. Isso, somado à sensação de similaridade com E Não Sobrou Nenhum, fez de A Última Festa um livro sem surpresas, pois pareceu que eu já tinha visto tudo aquilo antes, em outras obras. 😦

A Última Festa foi um livro que exigiu um pouco de paciência pra ser terminado. Apesar de ter alguns temas relevantes e relacionáveis, a condução da história foi exaustiva e os personagens me causaram asco. Se você decidir ler, é por sua conta e risco – mas fico na torcida pra que seja uma experiência melhor que a minha.

Título original: The Hunting Party
Autor:
Lucy Foley
Editora: Intrínseca
Número de páginas: 304
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤