Resenha: Para Sempre Perdida – Amy Gentry

Oi gente, tudo bem?

Mas é claro que a primeira resenha de 2019 seria de um thriller, né? Hoje conto pra vocês o que achei de Para Sempre Perdida.

para sempre perdida amy gentry.pngGaranta o seu!

Sinopse: Transcorridos oito anos de seu sequestro, Julie Whitaker retorna subitamente para casa. A família, ainda que petrificada pela tragédia, se manteve unida e esperou muito por esse momento. Para Anna, no entanto, a volta da filha ao lar desperta mais questões do que respostas, mais dúvidas do que conforto. Ao notar incoerências no discurso da filha, Anna conclui que o seu pesadelo está apenas começando: ela suspeita da identidade da jovem, duvida de seus relatos e conclui que precisa descobrir a verdade sobre o sequestro da filha a qualquer custo.

Quando bati o olho nessa capa e nessa sinopse já me senti instantaneamente curiosa para conferir a trama de uma família que, após enfrentar o sequestro e a perda de sua filha mais velha, se depara com seu súbito retorno oito anos depois. Com o elemento da desconfiança presente – afinal, a mulher que retornou é mesmo Julie, a menina desaparecida? –, esse livro provoca no leitor a sensação de que nenhuma informação é verdadeira.

A narrativa colabora com esse sentimento: os capítulos são intercalados, sendo narrados em primeira pessoa por Anna (mãe de Julie) e em terceira pessoa por jovens que são parte fundamental da trama. São esses os capítulos mais confusos, especialmente no início, porque aparentemente eles não possuem conexão alguma. Com o passar do tempo, entretanto, as peças vão se encaixando e tudo começa a fazer sentido (não posso falar mais nada sem dar spoiler!!!). Minha dica, portanto, é a seguinte: prestem atenção nesses capítulos, pois eles fornecem informações valiosas para compreender o grande mistério da trama.

Ao longo da trama, a autora também aborda as rachaduras familiares causadas pelo sequestro de Julie. Anna e o marido se afastaram, a filha mais nova – que presenciou o sequestro – foi negligenciada pela mãe e os laços entre elas são completamente fragilizados. Achei uma pena que a autora não tenha utilizado Jane, a filha mais nova, como uma das narradoras, já que a personagem carrega um grande trauma e possível culpa por ter presenciado o sequestro da irmã sem poder fazer nada para impedi-lo.

Apesar da autora ter conseguido demonstrar os problemas que a família enfrentou, senti falta de um maior aprofundamento emocional dos personagens. Nos capítulos de Anna temos vislumbres do sofrimento vivido pela família, mas que rapidamente são substituídos pela desconfiança de que aquela mulher não seja realmente sua família. A partir daí, Anna aceita a ajuda de um detetive particular que está determinado a resolver o mistério. Em contrapartida, os capítulos em terceira pessoa são mais ricos em aprofundamento – porém são todos narrados no passado. Novamente, o desenvolvimento dos personagens no tempo presente acaba sendo superficial.

resenha para sempre perdida amy gentry.png

Nesse sentido, os capítulos narrados no passado se destacam. Com o passar das páginas, o leitor conhece as dores e as dificuldades vividas pela narradora, que precisou vencer muitos desafios cruéis para sobreviver. É bem interessante como o livro utiliza a performance da fragilidade feminina como meio de sobrevivência: nossa narradora em diversos momentos aparenta ser alguém frágil, que precisa ser salva, como estratégia para atingir seus objetivos. Porém, não digo isso de modo a recriminá-la (apesar das atitudes erradas); ela realmente precisava sobreviver, e usou das ferramentas que tinha para tal. Esse aspecto da obra me lembrou muito de Alias Grace, em que também temos uma personagem feminina valendo-se do estereótipo errôneo construído em torno das mulheres para evitar a morte.

Existem algumas coisas que, para mim não fizeram muito sentido. São spoilers, então pule para o próximo parágrafo se não quiser ler. Primeira questão: se Julie é mesmo Julie, por que a obsessão por esconder o cabelo natural? É normal que cabelos loiros escureçam um pouco ao longo dos anos. Segunda questão: quantos anos afinal tinha Charlie/Maxwell? Ele é descrito como um cara mais velho, mas ao mesmo tempo fazia parte do grupo de jovens da igreja (?). Terceira questão: Julie sumiu aos 13 anos e voltou aos 21. Como Anna teve dificuldades em reconhecer seu rosto? Se fosse uma criança muito mais jovem, eu compreenderia, mas não era o caso. Pessoas não mudam TANTO a fisionomia dos 13 aos 21 anos, o rosto permanece reconhecível, já que nossos traços principais já estão bem definidos. Por outro lado, Julie sofreu muito e isso pode ter envelhecido ou mudado um pouco seu semblante, mas ainda assim… Achei meio forçado, uma conveniência de roteiro (para que Julie tivesse idade e ideias próprias o suficiente para ser ~corrompida por alguém na internet).

O final do livro é bastante satisfatório e consegue conectar a maioria das peças apresentadas ao longo da trama. A justificativa para o que acontece é verossímil, tanto que existem casos parecidos (e bem recentes) no mundo real. O desfecho proporciona algumas reflexões sobre como nem sempre conhecemos a fundo as pessoas que amamos e como é fundamental que exista comunicação e apoio no ambiente familiar. E, é claro, do cuidado que devemos ter com a internet, onde jovens podem ser facilmente seduzidos. Aproveito esse momento também para elogiar a capa, que é fantástica: a foto é super aflitiva e os olhos da menina tendo sua boca tapada são expressivos e comoventes. As cruzes espalhadas pela capa também são muito significativas. No final do livro você compreende como a capa foi bem pensada.

Para Sempre Perdida foi uma leitura satisfatória, com um mistério instigante e uma situação bastante delicada e importante como tema. A autora conseguiu concluir a maior parte das pontas soltas com eficiência, entregando uma história redondinha e bem construída – apesar de triste e dolorosa. Recomendo!

Título original: Good As Gone
Autor: Amy Gentry
Editora: Rocco
Número de páginas: 304
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.
Anúncios

Review: Homem-Aranha no Aranhaverso

Oi gente, tudo bem?

Fui conferir o comentadíssimo Homem-Aranha no Aranhaverso e hoje conto pra vocês o que achei desse filme surpreendente.

homem aranha no aranhaverso

Sinopse: Miles Morales é um jovem negro do Brooklyn que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

Eu já tinha lido diversas críticas positivas em relação ao filme mas, ainda assim, fui de coração aberto sem saber bem o que esperar em relação à trama. Para a minha surpresa, o filme já me impressionou nas primeiras cenas pela incrível direção de arte: apesar de ser uma animação 3D, há referências claras a animações 2D e quadrinhos. Até alguns recursos das HQs estão lá, como balões de fala e hachuras, por exemplo. É muito prazeroso de assistir e um verdadeiro espetáculo visual!

homem aranha no aranhaverso (5)

A história também convence: nessa realidade, Peter Parker já está estabelecido como Homem-Aranha. O novo protagonista é Miles Morales, um adolescente que acidentalmente também é picado por uma aranha radioativa, ganhando habilidades muito semelhantes às de Peter. Porém, o Rei do Crime causa a morte do Homem-Aranha original e, em uma experiência perigosa com um colisor de partículas, provoca uma espécie de buraco no espaço-tempo, trazendo para a nossa dimensão outras versões do Homem-Aranha. A missão de Miles a partir de então é cumprir a promessa que fez ao Peter Parker de sua dimensão antes que ele morresse: destruir o colisor e impedir que a realidade seja apagada. Para isso, ele precisa aprender a dominar os seus poderes e, obviamente, lidar com as responsabilidades (sorry não resisti rs).

homem aranha no aranhaverso (6).png

Miles é um personagem bastante carismático e com conflitos pessoais que fazem com que o espectador simpatize com ele. Há grandes expectativas por parte de sua família, que deseja que ele seja um estudante exemplar, mas não entendem que as paixões do garoto são a arte, a música e o grafitti. Seu tio Andrew parece ser o único capaz de compreendê-lo, mas ele não é exatamente bem-vindo em sua família. Esses detalhes sobre seu background e sobre sua personalidade enriquecem o personagem, que tem a difícil missão de conquistar um espaço que até então pertencia somente a Peter Parker.

homem aranha no aranhaverso (3).png

Os outros Homem-Aranha (e Mulheres-Aranha, por que não?) que chegam de diferentes dimensões também são ótimos. Há um Peter Parker do futuro (desiludido com a vida e já cansado), Gwen Stacy como Spider-Gwen, um Homem-Aranha Noir, outro vindo direto de um cenário de cartoon e uma Homem-Aranha inspirada em animes. É muito divertido como o filme brinca com as origens de cada um, fazendo uma retrospectiva rápida sobre suas histórias nos quadrinhos. Esse estilo narrativo é diferente de tudo que eu já vi antes e eu adorei o bom humor do longa em trazer esses elementos para o espectador de forma didática e engraçada.

homem aranha no aranhaverso (2)

Falando em graça… Eu gargalhei DEMAIS assistindo a Homem-Aranha no Aranhaverso! O Peter Parker do futuro foi um dos maiores responsáveis por isso, mas de forma geral o tom do filme é alto astral. Apesar disso, o longa também foi capaz de me levar às lágrimas nos momentos necessários. Existem mortes importantes (como não ficar chocada ao descobrir que no universo de Miles Morales o Peter Parker morre?!) e diálogos que conseguem comover.

homem aranha no aranhaverso (4)

Resumindo, Homem-Aranha no Aranhaverso é uma animação sensacional, que vale totalmente o ingresso do cinema. Além da riquíssima experiência visual, a trilha sonora também é envolvente e a trama nunca deixa de ser interessante. Se o universo atual do aracnídeo (interpretado por Tom Holland) não me causa muita euforia, podem ter certeza que Homem-Aranha no Aranhaverso conseguiu causar. Recomendo muito e já quero ver de novo! 😉

P.S.: essa participação do Stan Lee foi de aquecer e partir o coração ao mesmo tempo! 😢 ❤

Título original: Spider-Man: Into the Spider-Verse
Ano de lançamento: 2019
Direção: Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
Elenco: Shameik Moore, Jake Johnson (XVI), Hailee Steinfeld, Mahershala Ali, Brian Tyree Henry, Lily Tomlin, Liev Schreiber, Stan Lee

5 anos de Infinitas Vidas + sorteio!

Uma mão cheia!
Esse é o tempo de vida do Infinitas Vidas. 😍 Dá pra acreditar?

No último dia 11, o blog completou seu 5º aniversário e eu não poderia ter ficado mais feliz e orgulhosa por ter chegado até aqui. Mas nada disso seria possível sem pessoas essenciais nessa jornada: vocês, meus queridos leitores, que me acompanham e me apoiam. ❤

Obrigada de coração por tudo! E obrigada também aos autores e editoras que confiaram no meu trabalho durante esse tempo. É um prazer inenarrável poder escrever sobre tudo que eu gosto e encontrar pessoas por aí que compartilham desse amor. Espero que possamos construir coisas incríveis juntos por muito mais tempo! 😉

Ok, mas agora vamos à celebração, né? Para comemorar, vou sortear um exemplar de A Fogueira, o primeiro livro da Krysten Ritter (aka Jessica Jones). \o/

resenha a fogueira krysten ritter

E agora vamos às informações sobre o sorteio, que vai acontecer da seguinte forma: vocês devem preencher o formulário disponibilizado neste post e cumprir os pré-requisitos solicitados. Posteriormente, usarei o site Random.org para sortear um número aleatório (eles estarão na planilha gerada pelo formulário), que indicará os leitores vencedores. Vou conferir se os sorteados cumpriram os passos e entrarei em contato via e-mail ou Facebook para a entrega do prêmio! 😀

Como participar?

  •  Curtir a página do Infinitas Vidas no Facebook.
  • Seguir o perfil do Infinitas Vidas no Instagram.
  • Chance extra: seguir o Infinitas Vidas por e-mail ou via WordPress.
  • Preencher o formulário no fim do post.
  • Ter endereço de entrega no Brasil, com alguém que possa receber o livro (sou responsável pelo custo do frete, mas caso haja algum problema na entrega por falta de alguém para receber o presente, quando o livro retornar para o destinatário enviarei novamente – desde que o segundo frete seja pago pelo sorteado, ok?).
  • O livro pode ter marcas de manuseio, pois trata-se de um exemplar fora de comercialização recebido em parceria.

O resultado sai aqui nesse post, dia 13 de fevereiro! ❤
Boa sorte a todos!

Review: My Hero Academia

Oi gente, tudo bem?

Faz eras que eu não falo sobre animes por aqui, né? Pra falar a verdade, prefiro produções antigas, que eu assistia quando eu era adolescente, e não assisto a tantos animes novos. Porém, por insistência do meu namorado, dei uma chance a My Hero Academia (ou Boku no Hero) e me apaixonei. ❤

my hero academia

Sinopse: Em um mundo onde quase toda a população possui algum poder sobre-humano, Izuku Midoriya é um dos poucos casos de pessoas comuns. Mas esse não é o maior de seus problemas. Exatamente por ser desprovido de qualquer poder, Izuku sofre constantemente nas mãos de seus colegas de classe. Nesse mundo fictício, desde o primeiro caso constatado de um recém-nascido com algum tipo de poder, o índice de criminalidade cresceu proporcional ao surgimento de heróis com as mais variadas capacidades. E, como não poderia deixar de ser, o sonho de Izuku é se tornar um super-herói. Isso parecia impossível até o dia que ele ajuda o poderoso All Might na captura de um vilão gosmento. Ao demonstrar grande coragem e um forte senso de justiça, com a ajuda do famoso herói de cabelos louros, o garoto, enfim, terá a chance de se tornar quem sempre sonhou!

No futuro, a maioria das pessoas nasce com alguma habilidade especial, chamada de Peculiaridade. Esses dons, obviamente, também se manifestam em pessoas que os utilizam para o mal, o que faz surgir a necessidade de existirem super-heróis para combatê-las. Só que agora os super-heróis não precisam ocultar suas identidades, pois é uma profissão regulamentada e admirada, sendo o sonho de muitos jovens. Um desses jovens é Midoriya Izuku, o protagonista.

my hero academia

Midoriya sonha em ser um herói e tem como grande ídolo All Might, um dos maiores heróis do mundo, conhecido como Símbolo da Paz. O problema é que, infelizmente, Midoriya é um dos raros casos que nasceu sem Peculiaridade. Entretanto, um dia ele demonstra muita coragem ao tentar salvar seu colega de escola, Bakugou, de um vilão – cena presenciada pelo próprio All Might, que acaba decidindo ajudar o garoto a se tornar um super-herói e entrar para a U.A., uma escola para heróis prestigiada.

A partir daí, Midoriya recebe de All Might sua Peculiaridade, a One For All, e passamos a acompanhar seus desafios na U.A.. O garoto está cercado por pessoas talentosas e habilidosas, que tiveram a vida toda para se habituar a seus dons, enquanto Midoriya precisa aprender a controlar seu novo – e expressivo – poder. Além dos desafios proporcionados pela escola, Midoriya também tem que lidar com colegas cujas personalidades são extremamente difíceis, com destaque para Bakugou, um jovem que ele conhece desde a infância. Bakugou também se inspira em All Might, mas sua personalidade explosiva e o bullying que pratica fazem dele alguém desequilibrado. Seus poderes excepcionais são vistos pelos colegas e professores, mas ele nem sempre consegue atingir seus objetivos devido ao seu temperamento (o que acaba sendo um desafio que o próprio Bakugou precisa enfrentar). Existem inúmeros outros personagens que têm seus sonhos e ambições: Uraraka é uma jovem que quer auxiliar os pais financeiramente; Iida sonha em ser um grande herói, assim como o irmão mais velho; Todoroki tem traumas de infância relacionados ao pai que precisa superar, e por aí vai. E é muuuito legal acompanhar o crescimento desses jovens não apenas como heróis, mas também como pessoas.

my hero academia (3).png

A animação propriamente dita é fantástica. Por ser um anime cheio de lutas, é incrível ver a fluidez dos movimentos e a qualidade dos episódios. A trilha sonora também é ótima e empolgante, o que combina com o tom frenético da maior parte dos episódios. Outro aspecto bacana é que – apesar de ter alguns plots previsíveis (como torneios e treinamentos) – o anime tem muitas reviravoltas e episódios que deixam o espectador tenso, querendo saber o que vai acontecer e se os heróis conseguirão deter os planos dos vilões.

Mas, como nem tudo são flores, minhas críticas negativas começam pelos vilões: existem alguns mais interessantes mas, de modo geral, as situações são mais aflitivas do que os vilões em si. Até agora nenhum apresentou ameaça REAL, exceto pelo arqui-inimigo de All Might, All For One. Outro defeito que My Hero Academia apresenta é compartilhado com muuuuitos outros animes do gênero: pouca valorização das personagens femininas e exploração do corpo delas para entretenimento masculino. 😦 

my hero academia (4)

Porém, apesar das lutas serem envolventes e emocionantes, o que mais mexe com a gente é a superação dos personagens. É algo bem clichê em animes (especialmente shounen, voltados ao público jovem masculino, com tramas cheias de lutas), mas mesmo assim é difícil não ficar arrepiada quando algum personagem consegue superar seus limites e fazer algo que não conseguia antes. Midoriya é o maior exemplo disso, sendo alguém cuja determinação é inabalável. A cada vez que ele demonstra maior controle sobre o grande poder do One For All, temos vontade de vibrar com ele! ❤

my hero academia (2).png

My Hero Academia é um anime com personagens muito carismáticos, traz uma nova forma de trabalhar a ideia de super-heróis (que podem ser considerados saturados hoje em dia, apesar de eu amar) e tem episódios que prendem e criam expectativa. Se você tem afinidade com animes, vale MUITO a pena dar uma chance!

Título original: Boku no Hīrō Akademia
Ano de lançamento: 2016
Direção: Kenji Nagasaki
Roteiro: Yōsuke Kuroda
Elenco: Daiki Yamashita, Kenta Miyake, Nobuhiko Okamoto, Kaito Ishikawa, Ayane Sakura, Yûki Kaji

Dica de Série: You

Oi pessoal, tudo bem?

A coluna Uma Amiga Indicou – uma parceria linda com os queridos blogs Estante da Ale, Caverna Literária, A Colecionadora de Histórias e Interrupted Dreamer já começou janeiro bombando! ❤

uma amiga indicou

Hoje vim contar pra vocês o que achei de You (ou Você), o novo thriller da Netflix, que foi escolhido por nós para ser assistido coletivamente.

poster you netflix.png

Sinopse: Obcecado por uma aspirante a escritora, um charmoso gerente de livraria lança mão de medidas extremas para entrar na vida dela.

Imagine como seria adentrar a mente de um psicopata, saber cada pensamento, lógica distorcida e obsessão. É exatamente isso que You proporciona. Na trama, Joe Goldberg é o carismático gerente de uma livraria que se “apaixona” perdidamente por Guinevere Beck, uma bela aspirante a escritora. Quando a jovem flerta com ele na livraria, o rapaz se encanta completamente, convencendo-se de que eles são perfeitos um para o outro, e utiliza o nome no cartão de crédito da moça para stalkeá-la e conseguir informações a seu respeito na internet. Quanto mais “conhece” Beck, mais determinado Joe fica a conquistá-la – mesmo que para isso precise eliminar quem estiver em seu caminho.

you netflix 2.png

You é cheia de absurdos. Existem inúmeras situações inverossímeis, especialmente no que tange o stalk de Joe e os crimes que ele comete. Contudo, de maneira surpreendente, a série consegue fazer com que você, espectador, não ligue pra nada disso. A narração em off, feita por Joe e direcionada a Beck, é instigante e cativante, e por mais perturbador que seja o personagem, você quer continuar acompanhando seus devaneios. Os episódios são tão envolventes que você aceita essas situações em nome do espetáculo e da ansiedade para conferir o que está por vir. E muito disso é mérito do insano Joe.

you netflix 7.png

O personagem é um verdadeiro psicopata doentio. Mas, por mais que ele cause repulsa e revolta, ele também fascina (e aqui cabem muitos elogios ao seu intérprete, Penn Badgley). Joe é um personagem cheio de nuances que nos confundem: ao mesmo tempo em que é capaz de diversas atrocidades, ele também demonstra carinho e zelo com Paco, uma criança que vive no apartamento ao lado e presencia a mãe sofrendo violência doméstica. Certamente Joe vê em Paco a criança que ele mesmo foi, negligenciado e vítima de violência por parte do homem que o criou (outro psicopata sem escrúpulos, diga-se de passagem). As cenas entre os dois são repletas de ternura, o que quase nos faz esquecer da verdadeira faceta do protagonista: a de um homem obsessivo, controlador e doentio.

you netflix 3.png

Joe passa a temporada inteira justificando suas atitudes “em nome do amor” e “para proteger Beck”. Ele invade a privacidade dela, manipula diversas situações e não demonstra nenhum rancor em relação aos assassinatos que comete. E o pior de tudo: ele acredita piamente que está fazendo a coisa certa. Joe é tão imerso e crente em suas próprias fantasias que se sente no direito de, por exemplo, julgar a melhor amiga de Beck (outra stalker manipuladora) por fazer a MESMA COISA que ele faz. O personagem é totalmente incapaz de compreender o quão abusivo ele é, e suas justificativas me incomodaram DEMAIS (eu só queria dar um tapa na cara dele, sério).

you netflix 4.png

Beck, por outro lado, é uma personagem difícil de torcer. Além das expressões de “sou muito bonitinha” o tempo todo (que cansam pra caramba), Beck tem falhas de caráter graves: ela trai, mente e não assume a responsabilidade por seus atos, fazendo-se de vítima o tempo todo. O problema é que ela é REALMENTE uma vítima, mas não faz ideia disso. Vamos ser honestos: Beck é burrinha. Foi enervante ver a personagem caindo em desculpas mais furadas que uma peneira, mesmo quando Joe não tinha como justificar determinadas coisas de maneira aceitável (o evento literário no qual ela vai com o pai é um bom exemplo disso entendedores entenderão). Somado a isso está o fato de que Joe vende uma imagem de namorado perfeito, fazendo de tudo para agradá-la e incentivá-la, em uma tentativa de fazer com que não apenas Beck, mas também o espectador também goste dele. Contudo, por mais que Beck seja chata e problemática, NADA justifica as coisas que Joe faz com ela. Em certos momentos, especialmente na reta final, me senti muito mal assistindo You e pensando que – em maior ou menor escala – muitas mulheres na vida real são realmente perseguidas, tolhidas, controladas, agredidas ou até mesmo mortas por homens que se sentem no direito de possuí-las. You pode ter diversas situações absurdas, mas essa infelizmente não é uma delas.

you netflix 6.png

A série ainda faz diversas críticas ao excesso de exposição na internet e nas redes sociais, jogando na nossa cara como fornecemos muitos detalhes da nossa vida pessoal para completos estranhos. Por meio de Beck e de sua tentativa desesperada de pertencer a um grupo social do qual não faz parte (o que a conduz a uma amizade extremamente nociva com Peach), You mostra como o feed do Instagram pode não estar alinhado com a realidade, sendo somente uma vitrine para aquilo que queremos mostrar. Confesso que foi difícil não sentir uma paranoiazinha ao terminar a série e pensar “e se um stalker estiver olhando minhas coisas?” 😂👀

you netflix 8.png

You (ou Você) é um thriller excelente e perturbador. Não é fácil acompanhar uma história pelos olhos do vilão (exceto quando ele é o Dexter e mata somente outros assassinos rs), mas os episódios conseguem manter o espectador aflito e querendo mais. As situações inverossímeis não estragam a experiência, já que You não se propõe a ser uma série investigativa, mas um mergulho em uma relação perigosa, obsessiva e disfuncional. Recomendo!

Resenha: Uma Noiva Para Winterborne – Lisa Kleypas

Oi pessoal, tudo bem?

Hoje vim compartilhar minha opinião sobre Uma Noiva Para Winterborne, segundo volume da série Os Ravenels.

uma noiva para winterborne lisa kleypasGaranta o seu!

Sinopse: Rhys Winterborne conquistou uma fortuna incalculável graças a sua ambição ferrenha. Filho de comerciante, ele se acostumou a conseguir exatamente o que quer – nos negócios e em tudo mais. No momento em que conhece a tímida aristocrata lady Helen Ravenel, decide que ela será sua. Se for preciso macular a honra dela para garantir que se case com ele, melhor ainda. Apesar de sua inocência, a sedução perseverante de Rhys desperta em Helen uma intensa e mútua paixão. Só que Rhys tem muitos inimigos que conspiram contra os dois. Além disso, Helen guarda um segredo sombrio que poderá separá-los para sempre. Os riscos ao amor deles são inimagináveis, mas a recompensa é uma vida inteira de felicidade.

No primeiro livro da série, Helen Ravenel e Rhys Winterborne ficaram noivos. Eles se aproximaram após o acidente de trem que Rhys e Devon sofrem, e é Helen quem se dedica a cuidar do visitante. Entretanto, após um mal-entendido, o noivado é rompido e há uma tremenda briga entre Devon e Rhys. No início de Uma Noiva Para Winterborne, Helen está disposta a reverter o que aconteceu e reatar o noivado.

Uma Noiva Para Winterborne já inicia quebrando paradigmas. Helen é uma moça tímida, gentil e delicada, mas vai contra todas as normas sociais ao aceitar dormir com Rhys para garantir a ele que não desistirá do casamento. Essa é a condição que ele impõe para acreditar nas intenções da moça de não abandoná-lo (porque, apesar de não admitir logo de cara, Rhys está perdidamente apaixonado por Helen). Se eu gostei disso? Olha, não muito. Não por motivos puritanos, longe disso, mas sim porque eu não sou muito fã de ultimatos. Acho meio chato que Helen tenha tido que perder a virgindade “coagida” (entre aspas, porque sei que ela queria dormir com ele), de modo a garantir o casamento.

Porém, esse é o único momento em que Rhys se parece com o homem implacável apresentado no volume anterior. Acho que a personalidade do Rhys (de homem de negócios brusco e carrancudo a alguém gentil, atencioso e apaixonado) mudou rápido demais. Ele não demora a se revelar um homem amoroso, cuidadoso e disposto a fazer de tudo para que Helen seja feliz. Isso é apaixonante? Com certeza! Mas achei muito brusco. A personalidade dele muda tanto que eu tenho dificuldade de pensar nele como o tal “comerciante ferrenho e galês incapaz de gentilezas” que a série até então tinha tentado “vender”.

As cenas de romance entre os dois me pareceram mais preguiçosas do que as outras que já li de Lisa, tanto nos Ravenels quanto nas Quatro Estações do Amor. Parecia uma coisa meio “tá, vocês já sabem o que acontece” (mas isso não chegou a me incomodar, é mais uma observação mesmo). Ah, outra coisa que notei (e essa sim me incomodou): erros de revisão. Tem uma cena específica em que uma personagem muda de nome três vezes: é chamada de Agatha, depois Agnes, depois Agatha de novo. Poxa, Arqueiro. 😂

resenha uma noiva para winterborne

Esses pontos foram as únicas coisas que me desagradaram ao longo da leitura. Amei o resto da trama, as interações entre os personagens e, principalmente, Helen! ❤ Que protagonista incrível. Apesar de tímida e negligenciada a vida toda, ela floresceu ao longo do livro e amadureceu muito, tomando as próprias decisões independentemente do que os outros pensariam dela. Ela escolhe seu caminho e vai até o fim, determinada, assumindo as consequências. Helen é admirável, demonstrando como gentileza e delicadeza não impedem atitudes fortes e destemidas.

Os personagens secundários também são ótimos. Adorei Garrett Gibson, uma médica a frente de seu tempo que passa a trabalhar na Winterborne’s (e protagonizará o quarto volume da série). Também amei rever Devon e Kathleen, que estão mais unidos do que nunca. ❤️ Aproveito para repetir: Devon é um homão da porra! Me apaixonei por ele desde o livro anterior. Por fim, foi ótimo rever as gêmeas (grande fonte de apoio a Helen) e o querido primo West.

Falando um pouco sobre a trama, achei muito interessante que ela não seja focada unicamente no romance, trazendo também seus mistérios. Há um grande segredo sobre o passado de Helen que paira acima de sua cabeça durante boa parte do livro, assombrando-a em relação ao futuro. Ficamos com medo pela personagem e curiosos para saber como tudo vai se desenrolar. Mas é justamente essa trama que dá o pontapé a uma das atitudes mais corajosas da protagonista.

Eu gostei DEMAIS de Uma Noiva Para Winterborne, apesar de ainda preferir Um Sedutor Sem Coração. O livro consegue equilibrar cenas românticas com personagens fortes e reviravoltas muito interessantes, que causam grande amadurecimento aos envolvidos. Lisa Kleypas tem ganhado meu coração a cada livro, e a série Os Ravenels é uma ótima pedida se você também gosta de romances de época. Recomendo muito!

P.S.: eu ODIEI essa capa! 😂 A Helen parece um fantasma prestes a assombrar o casarão HAHAHA!

Título Original: Marrying Winterborne
Série: Os Ravenels
Autor: Lisa Kleypas
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 336
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

#Lista 6: Melhores filmes de 2018

Oi pessoal, tudo bem?

E pra encerrar 2018 com mais dicas bacanas pra vocês, chegou a hora de falar sobre os filmes de que mais gostei neste ano. Novamente, a lista está ordenada pela data de lançamento, não necessariamente por preferência. 🎬

Viva – A Vida é Uma Festa

poster viva a vida e uma festaReview

Lançado em janeiro, esse filme é simplesmente sensacional. Disney-Pixar não falhou na missão de fazer os marmanjos chorarem na sala de cinema, além de trazer lições valiosas e comoventes sobre a importância da família e da memória. :’)

Pantera Negra

poster pantera negraReview

Um filme com elenco predominante negro, com várias mulheres empoderadas e um vilão cujo discurso dá vários tapas na cara: os filmes de super-herói começaram MUITO bem em 2018 com a chegada desse filmão da porra chamado Pantera Negra. ❤

Vingadores: Guerra Infinita

vingadores guerra infinita posterReview

Um dos filmes mais aguardados pelos fãs da Marvel, Vingadores: Guerra Infinita não decepcionou. Com muita ação e, mais uma vez, um vilão de respeito, a Marvel acertou a mão nesse filme que considerado um dos melhores do MCU.

Para Todos Os Garotos Que Já Amei

filme para todos os garotos que ja ameiReview

Uma adaptação fofa e muito bem feita do livro homônimo. ❤ Para Todos Os Garotos Que Já Amei é um romance que deixa o coração quentinho e faz a gente querer assistir várias vezes.

Felicidade Por Um Fio

felicidade por um fio posterReview

Uma comédia romântica que foge de diversos clichês e, principalmente, trata sobre empoderamento feminino, negritude, padrões de beleza e amor próprio. Amei demais!

Nasce Uma Estrela

poster nasce uma estrelaReview

A estreia de Lady Gaga como atriz não poderia ter sido melhor, e a química com Bradley Cooper é inegável. A trilha sonora poderosa fecha com chave de ouro a experiência maravilhosa e emocionante que tive com esse filme (Shallow ainda me dá vontade de chorar rs).

Aquaman

aquaman posterReview

O lançamento mais recente da DC surpreendeu muito! Os efeitos visuais são lindos, a trama transcorre de modo envolvente (apesar de simples e linear) e o Aquaman de Jason Momoa é muito carismático. Espero que a DC continue assim!

E com essas dicas eu me despeço de 2018! 🙌
Obrigada por me acompanharem em mais um ano, pessoal. Espero que 2019 nos traga muitas experiências incríveis para compartilharmos! 😍

Beijos e até o próximo post ano!