Review: El Camino: A Breaking Bad Movie

Oi pessoal, tudo bem?

Quem já leu minha resenha de Breaking Bad sabe que minha relação com a série foi do ódio ao amor, e eu terminei de assisti-la totalmente impressionada com a qualidade narrativa e técnica. Portanto, era óbvia minha ansiedade para conferir El Camino: A Breaking Bad Movie, o longa da Netflix que mostra o desfecho da jornada do meu personagem favorito: Jesse Pinkman. Por tratar-se de um epílogo, há spoilers da série!

poster el camino.png

Sinopse: O fugitivo Jesse Pinkman tenta superar o passado. Escrito e dirigido pelo criador de Breaking Bad, Vince Gilligan, e estrelado por Aaron Paul.

Após ser sequestrado, ver a mulher que gostava ser assassinada, ser torturado de todas as formas e finalmente conseguir escapar de Todd, Jack e seus capangas, o último vislumbre que tivemos de Jesse foi dele pilotando o carro que roubou de seus captores (um El Camino, que dá nome ao filme) com os olhos marejados e uma sensação de êxtase. Mas e o que acontece depois? Jesse consegue se recuperar psicologicamente? Ele é preso? Ele foge? São perguntas que o longa vem para esclarecer.

el camino.png

Ao longo das cinco temporadas de Breaking Bad, sempre ficou nítido para mim que Jesse era uma pessoa que tomou decisões erradas, trilhou um caminho ruim, mas tinha um coração essencialmente bom. Senti muita pena de todas as vezes em que ele tentou se desvencilhar de Walter (conhecido como o personagem mais egoísta do mundo, te odeio Walter White bjs) e fiquei de coração partido quando ele foi capturado e torturado na reta final da trama. Por todos esses motivos, mesmo sabendo que o personagem tem sua parcela de culpa em tudo que aconteceu, eu sempre torci por ele, para que ele conseguisse mudar de vida e encontrar a felicidade. El Camino vem para mostrar como essa jornada se desenrola, afinal, os traumas, o remorso e a culpa que acompanham Jesse são profundos.

el camino (2).png

Apesar de descobrirmos mais sobre o tempo de Jesse em cativeiro e também vislumbrarmos as cicatrizes (literais e metafóricas) que toda a vivência do personagem deixou, El Camino não se concentra tempo demais em torno desse drama, evitando superexpor as cenas de sofrimento. A história é ágil, direta, objetiva: são 2h e 2 minutos de duração que têm um ritmo muito semelhante ao da série, fazendo com que o longa pareça um episódio mais duradouro de Breaking Bad. Com adição de alguns flashbacks para contextualizar certas situações, El Camino ainda nos agracia com a possibilidade de matar a saudade de alguns personagens (ou de odiá-los mais um pouquinho rs). Porém, fica um pequeno alerta: mesmo com o resumo no início, há alguns detalhes da trama original que eu não consegui me lembrar tão bem quanto gostaria. O filme contextualiza depois, mas talvez valha a pena assistir à quinta temporada de novo, ou pelo menos aos episódios finais, caso você também fique com a sensação de “hmmm quem é esse mesmo?”. 😛

el camino (3)

Outro aspecto incrível sobre El Camino é a consistência em relação à série. Vince Gilligan conseguiu recriar toda a atmosfera de Breaking Bad mesmo 6 anos após seu fim. E olha que eu não sou a maior entusiasta de spin-offs! Aaron Paul, por sua vez, retoma todo o peso dramático com qual Jesse terminou na series finale e desenvolve os desdobramentos disso com perfeição, até chegar ao ponto de esperança e renovação para o personagem. E o que dizer da fotografia? Assim como sua contraparte televisiva, que trazia cenas icônicas, El Camino também tem momentos tão belos quanto a produção que o antecede. Destaque para um dos cenários finais, que traz toda a sensação de liberdade que a narrativa inteira buscou.

el camino (4).png

El Camino é a história que os fãs de Breaking Bad não sabiam que precisavam: um desfecho digno para Jesse, que finalmente teve a chance de tomar as rédeas da própria vida. O longa faz isso com respeito ao legado da série, com consistência em relação a tudo que faz de Breaking Bad o que ela é e, principalmente, dá protagonismo ao personagem que foi usado como um fantoche em diversos momentos da produção original. Ter a chance de ver Jesse como alguém livre da influência de Walter, com a possibilidade de fazer o que quiser com essa liberdade, foi revigorante. Porque, ao contrário de Walter, Jesse é alguém cuja humanidade nunca desapareceu, apesar dos crimes cometidos. E é nessa humanidade que a gente aposta. 🙂

Título original: El Camino: A Breaking Bad Movie
Ano de lançamento: 2019
Direção: Vince Gilligan
Elenco: Aaron Paul, Jonathan Banks, Matt Jones, Charles Baker, Jesse Plemons, Tom Bower

Anúncios

Resenha: Daniel, Daniel, Daniel – Wesley King

Oi gente, tudo bem?

Hoje vim falar sobre um livro incrível, que fala sobre um assunto ainda pouco explorado na literatura: o TOC. Trata-se de Daniel, Daniel, Daniel.

daniel daniel daniel wesley kingGaranta o seu!

Sinopse: Daniel é o reserva do time de futebol da escola, e isso significa que ele é basicamente o garoto da água. Ele gasta todo o tempo dos treinos arrumando e organizando os copos para seu time – e rezando para que ninguém perceba. Na verdade, Daniel passa a maior parte do tempo esperando que ninguém note seus hábitos estranhos – ele os chama de Choques. Eles incluem ter uma lista de números “ruins” e evitar escrevê-los, por exemplo, ou ligar e desligar o interruptor dezenas de vezes até se sentir bem de novo. Daniel acha que é maluco e esconde essa impressão sobre si mesmo, principalmente de seus pais, seu melhor amigo Max e Raya, a garota por quem é secretamente apaixonado. Sua vida fica ainda mais estranha quando ele recebe um bilhete misterioso com um pedido de ajuda assinado pela “Colega das Crianças das Estrelas”, seja lá o que isso significa. E de repente, Daniel, que era um zé-ninguém na escola, se vê dentro da investigação de um grande mistério. Este livro é sobre se sentir diferente e deslocado e encontrar aquelas pessoas que conseguem enxergar e entender você de verdade.

Daniel é um garoto aparentemente normal de 13 anos: apesar de sentir-se um pouco desengonçado, ele é inteligente, adora ler e escrever, tem um melhor amigo chamado Max, um crush tremendo na colega de escola, Raya e, por fim, faz parte do time de futebol americano (apesar de odiar o esporte). O que ninguém sabe sobre Daniel é que ele esconde um segredo: ele se sente maluco. Por motivos que ele não compreende, Daniel sofre com o que ele chama de Choques, que o impulsionam a tentar “consertar coisas” de maneira obsessiva, caso contrário ele sente que vai morrer. O que o protagonista não sabe é que existe um nome para isso, e o fato de ele escovar os dentes até a gengiva sangrar ou ligar e desligar o interruptor várias vezes não é maluquice: Daniel sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Porém, por não ter conhecimento do que realmente acontece com ele, o jovem vive uma vida bastante solitária, escondendo seu segredo e usando uma máscara social para tentar parecer o mais normal possível. Porém, quando uma outra colega de escola, Sara Malvern, entra em contato com ele, as coisas viram de cabeça para baixo. Conhecida como PsicoSara (por ser introspectiva e não falar com ninguém, além de ter transtornos como bipolaridade e depressão), a jovem parece enxergar o verdadeiro Daniel, aquele que ninguém mais vê. Quando ela pede o auxílio do garoto para investigar o sumiço do pai – que ela acredita ter sido um assassinato –, Daniel se envolve não apenas em situações de risco físico, mas também descobre um novo mundo no qual ele não é tão anormal assim.

Meu conselho é: não se apeguem à parte investigativa da sinopse; ela é simples e com resoluções fáceis, onde tudo dá certo apesar da improbabilidade. Mas isso nem de longe é um problema, afinal, o livro não é sobre isso. A investigação é o mote que dá início à amizade inesperada entre Daniel e Sara: a busca pela verdade sobre o que aconteceu com o pai da menina nos mantém curiosos e tem um ótimo desfecho, mas o grande brilho do livro está na relação entre os personagens e na maneira como o autor fala sobre um assunto tão delicado de maneira tão comovente.

resenha daniel daniel daniel

Os quatro personagens principais do livro são muito carismáticos. São pessoas boas, cativantes e que ganham a nossa torcida. Sara é uma jovem com inúmeros transtornos, que optou por fechar-se em si mesma, até que vê em Daniel a oportunidade de ser autêntica. O que as pessoas não imaginam sobre ela é que ela é inteligente, engraçada e irreverente. Max, por sua vez, é o melhor amigo de Daniel e um cara super confiável. Os dois não tem tantos gostos em comum (sendo Max um apaixonado por futebol americano, enquanto Dani só joga para não ser excluído), mas ainda assim Max está sempre “watching Daniel’s back”, sabem? Ele cuida do amigo e faz o que está ao seu alcance para incentivá-lo. Raya, o interesse amoroso do protagonista, é uma jovem simpática, inteligente e madura, que vê em Daniel as qualidades que muitos consideram defeitos: a esperteza, a sensibilidade e o bom papo. É fácil shippar os dois, por mais que eu entenda quem o shippe com Sara (mas eu os prefiro como amigos, não gosto da ideia de que o apoio e o conforto venham somente de um possível romance, sabem?). Por fim, temos Daniel: perspicaz, educado, inteligente e gentil, é impossível não gostar dele. Mesmo achando Sara esquisita, ele tem empatia o suficiente para ajudá-la em seus planos ousados; mesmo odiando futebol americano, ele se dedica como pode porque sabe o quanto importa para Max. O fato de Daniel ter TOC, apesar de MUITO pesado para o personagem, é só um dos aspectos que o fazem ser quem ele é. Há muitas qualidades apaixonantes em Daniel, e enquanto lemos suas experiências é difícil não sentir a dor do personagem e torcer pra que ele encontre um caminho que o ajude.

Falando um pouco sobre a narrativa, ela acontece em primeira pessoa, exceto quando Daniel está trabalhando em seu livro (que, por sinal, eu super leria!). Seu discurso é irreverente e há diversos momentos e diálogos com um humor ácido que eu adorei. Entretanto, há cenas bastante angustiantes: Daniel narra as suas crises explicando seu desespero e seus sentimentos de pânico. Lemos quando o personagem escova os dentes até a gengiva sangrar, quando crava as unhas na bochecha ou quando dorme em meio a lágrimas. E é doloroso perceber que 1) ele não se sente seguro pra pedir ajuda e 2) seus pais, quando percebem algo errado, são meio negligentes e preferem acreditar nas desculpas que Daniel inventa. Durante os momentos de crise, a vontade é de entrar no livro e tentar ajudar Daniel da maneira que for possível (e justamente por ser uma situação tão tensa, esse livro nos faz questionar qualquer piadinha com “hmmm isso tá desorganizado, meu TOC pira”). Felizmente, quem exerce esse papel é Sara: a garota, que sempre conviveu com os próprios transtornos, enxerga Daniel como ele é e o faz confrontar a realidade de que ele tem TOC. É um primeiro passo para entender a situação e, a partir daí, buscar apoio. Afinal, como o próprio autor comenta no início do livro, é muito mais difícil enfrentar isso sem ajuda.

resenha daniel daniel daniel (2)

Daniel, Daniel, Daniel é um livro apaixonante, com personagens que realmente te conquistam e com um tema super importante e pouco explorado. Mais do que falar sobre TOC, transtornos psicológicos e investigação de um assassinato, a obra também aborda o peso da solidão. Em seu livro, Daniel escreve sobre um garoto que cometeu um erro e exterminou a raça humana; na vida real, Daniel veste uma máscara que impede que suas conexões e relacionamentos sejam 100% reais, devido ao medo de ser rotulado e resumido ao seu transtorno – o que é quase tão solitário quanto ser o único ser humano no mundo. Com o tempo, porém, Daniel enxerga que ser vulnerável não é uma fraqueza e que a solidão não é a solução. E acho que essa lição serve pra todos nós.

Título Original: OCDaniel
Autor: Wesley King
Editora: Rocco Jovens Leitores
Número de páginas: 280
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Dica de Série: Queer Eye

Oi gente, tudo bem?

Eu tenho um novo vício (por sinal, assisti inteiro em uma semana e meia) e ele se chama Queer Eye. ❤ Hoje vim contar um pouquinho mais pra vocês desse reality que, como o próprio subtítulo já diz, é muito mais que um makeover.

queer eye poster

Sinopse: As caras são novas, mas as missões continuam fabulosas! Estes gênios do makeover são muito mais que rostinhos bonitos.

Eu não sou uma espectadora de reality shows, de maneira geral. Entretanto, buscando por algo leve para passar o tempo, decidi conferir o elogiadíssimo Queer Eye. O reality é um remake da série Queer Eye for the Straight Guy e é formado pelos Fab Five (ou Fabulous Five): Jonathan, responsável pela aparência; Bobby, responsável pelo design e arquitetura; Tan, responsável pela moda; Antoni, responsável pela gastronomia e Karamo, responsável pelos aspectos sociais e psicológicos. Inicialmente, os episódios focavam em homens hétero no sul dos Estados Unidos (já dá pra imaginar o conflito cultural, né?), mas com o passar das temporadas outros tipos de participantes são selecionados.

queer eye

É impossível falar de Queer Eye sem falar do carisma dos Fab Five. Eles são homens gays especializados em coisas distintas, mas cujo maior objetivo é ajudar a mudar a vida das pessoas que participam do reality. Os membros do grupo são empáticos, gentis, sensíveis, educados e, quando precisam, não hesitam em pontuar verdades (algumas delas bem difíceis) que os participantes precisam ouvir. Além disso, com o passar dos episódios também vamos descobrindo detalhes das vidas particulares dos Fab Five, e percebemos que o rótulo “homem gay” é restrito demais para resumir toda uma identidade.

queer eye (2)

Tan, por exemplo, é casado há anos com outro homem, mas nunca tinha adentrado o universo trans até trabalhar com o participante trans. Bobby cresceu frequentando a igreja e, devido ao preconceito religioso que sofreu, se afastou dela – o que torna difícil pra ele quando precisam ajudar uma senhora que vive dedicada à igreja e também tem um filho gay. Esses são apenas exemplos da diversidade de experiências e sentimentos que as pessoas (sejam elas gay ou não) sentem e vivem. Colocar pessoas em caixinhas jamais vai contemplar as inúmeras nuances, crenças, valores e sentimentos que elas podem sentir, e Queer Eye evidencia isso.

queer eye (3)

Outro aspecto muito interessante é, como mencionei antes, o choque cultural que a série provoca em muitos episódios. Por exemplo: os Fab Five visitam a casa de um homem que votou no Trump, sendo que além deles serem gays, um dos membros tem ascendência paquistanesa e o outro é negro. O desconforto é óbvio, né? Mas isso não impede que as pessoas envolvidas tentem se entender e, principalmente, ouvir uns aos outros. Diálogos sobre machismo, racismo, xenofobia, transtornos psicológicos e muito mais fazem parte do reality. Resumindo, Queer Eye dá margem para discussões fundamentais e leva esses debates a pessoas que talvez não tivessem a chance de tê-los.

queer eye (4).png

Queer Eye realmente vai muito além de um makeover. A aparência é apenas um dos aspectos que os Fab Five utilizam para elevar a autoestima dos participantes. Eles buscam entender todos os problemas que a pessoa está vivenciando naquele momento e que a impedem de buscar seus objetivos ou aquilo que realmente querem ser. Tudo isso em meio a diálogos maravilhosos, MUITO carisma e bom humor e uma infinidade de cenas emocionantes (eu chorei em 95% dos episódios, sério). Assistam, vocês não vão se arrepender! ❤

Título original: Queer Eye
Ano de lançamento: 2018
Criador: David Collins
Elenco: Antoni Porowski, Tan France, Karamo Brown, Bobby Berk, Jonathan Van Ness

Assisti, mas não resenhei #2

Oi povo, tudo bem?

Vocês curtiram o primeiro post Assisti, mas não resenhei, por isso resolvi continuar com essa temática. 😀 Bora conhecer mais algumas produções que conferi, mas que nunca ganharam um post exclusivo por aqui?

Sex and the City

sex and the city.png

Eu assisti a todas as temporadas de SATC recentemente, mas acabei não resenhando por aqui por se tratar de uma série antiga, que talvez a maioria já conheça. As primeiras três temporadas eu assisti um pouco na força do ódio, mas gostei muito das últimas. O aspecto que mais me conquistou foi, sem dúvidas, o laço de amizade das quatro protagonistas: Carrie, Samantha, Charlotte e Miranda. Elas são totalmente diferentes entre si, com crenças e personalidades distintas, mas que ainda assim conseguem respeitar umas às outras e manter a amizade viva independentemente das mudanças na vida. Quem não gostaria de fazer parte de um grupo assim? ❤

How To Get Away With Murder

how to get away with murder.png

Eu devoreeei a primeira temporada de HTGAWM, que é super instigante e gira em torno de um assassinato. O mais legal é que a série começa com a cena em que as pessoas envolvidas tentam se livrar do corpo e, a partir disso, a trama retrocede para contar como os personagens chegaram naquela situação. É uma ótima primeira temporada! Porém, entretanto, contudo, todavia… a verdade é que com o passar do tempo a série foi adquirindo uma atmosfera de novelão, o que me fez perder o interesse. Eu parei na season 3 e não sei quando (e se) vou continuar. 😦

The Walking Dead

the walking dead.png

Eu já fui uma grande fã de The Walking Dead. Acompanhar a tentativa dos humanos de se re-estruturarem após o apocalipse zumbi, acompanhar seus dramas e perdas e testemunhar como os piores inimigos não eram mortos-vivos foi algo que fiz por muito tempo. Acontece que a série acabou se tornando cansativa pra mim, com uma repetição de padrões e plots que me faziam não ter paciência de encarar os longos episódios. Mais um exemplo de série que assisti quase inteira, mas que acabei largando por pura falta de paciência.

Everything Sucks!

everything sucks.png

Cancelada após sua única temporada (o que me desestimulou a trazer um post exclusivo a respeito), Everything Sucks! é uma série que retrata a vida de um grupo de estudantes nos anos 90. O aspecto nostálgico é bacana, há representatividade lésbica mas, infelizmente, falta brilho e carisma nos personagens, além de um enredo enfadonho. Não me apaixonei pela trama, apesar de ter assistido super rápido à primeira temporada (provavelmente por falta de opção melhor na época).

Quem aí também assistiu a alguma dessas séries?
Beijos e até o próximo post. 😘

TAG: Cachorro Literário

Oi pessoal, tudo bem?

Eu vi uma TAG muito legal no blog da Mari (Galáxia dos Desejos) e resolvi responder aqui também. Ela se chama Cachorro Literário (só o nome já me diverte 😂).

Shih Tzu – Um livro que você leu porque estava na moda

50 tons de cinzaCompre aqui

Eu dificilmente leio livros “da moda”, sempre acabo me atrasando e conferindo a obra um tempão depois. Mas nessa resposta vou copiar a Mari e escolher 50 Tons de Cinza. Não é meu tipo de leitura, mas o hype era tão grande que acabei dando uma chance (e não curti rs).

Pit Bull – Um livro que você ainda não leu ou demorou pra ler porque estava intimidada pela leitura

outlanderCompre aqui

Outlander. Os livros são imensos e eu acabo ficando com preguiça rs. Amo demais a série, e no momento ela por si só me satisfaz.

Pinscher – Um livro que fizeram ‘barulhos demais’ quando foi lançado, mas que não fez jus aos comentários

a mulher na janelaResenha | Compre aqui

A Mulher na Janela. Na época do lançamento, li inúmeras resenhas positivas (além da divulgação pesada) mas, infelizmente, a decepção pra mim foi grande.

Vira Lata – Um livro que não é muito valorizado ou conhecido, mas que é o melhor livro do mundo

a garota da terra do ventoCompre aqui

Não sei se diria melhor livro do mundo, mas As Crônicas do Mundo Emerso merecia mais espaço. ❤ É uma ótima trilogia, protagonizada por uma mulher forte e determinada.

Pastor – Um livro que você não empresta pra ninguém

harry potter e a pedra filosofal ilustradoResenha | Compre aqui

No passado eu era mais chata pra emprestar livros, hoje acho que me tornei uma pessoa um pouco mais de boas. Então acho que não emprestaria somente edições especiais, tipo Harry Potter ilustrado, ou algo mais “diferentão” nesse estilo.

Salsichinha – Um livro que tem ‘muito corpo, pra pouca perna’, ou seja, que poderia ter sido encurtado pela metade, porque tem muita encheção de linguiça

branco letal robert galbraithResenha | Compre aqui

Branco Letal. Eu adoro a narrativa do Robert Galbraith e tenho muito apego a Strike e Robin, mas o livro poderia ter sido enxugado.

Fiquem à vontade para responder à TAG também!
Vou adorar conferir as respostas. o/

Beijos e até o próximo post!

Resenha: O Jogo da Mentira – Ruth Ware

Oi gente, tudo bem?

Depois de ter adorado A Mulher na Cabine 10, fiquei super empolgada ao descobrir que a Editora Rocco publicaria o novo livro de Ruth Ware, O Jogo da Mentira. Vamos descobrir o que eu achei dele?

o jogo da mentira ruth ware
Garanta o seu!

Sinopse: A obra acompanha Isa, jovem que quando recebe o chamado de Kate, uma de suas mais antigas amigas, sabe que tem que voltar para o local onde passou o melhor semestre de sua vida. Até que para ajudar a amiga, Isa, Fatima e Thea tomam uma decisão que para sempre assombrará suas vidas.

Preciso de vocês. Essas três palavras são capazes de virar de cabeça para baixo a vida de Isa Wilde, a protagonista-narradora de O Jogo da Mentira. Enviadas por Kate, sua amiga dos tempos da escola, fazem com que não apenas Isa corra para encontrá-la, como também as outras duas mulheres que faziam parte de um quarteto inseparável, Fatima e Thea. Mas por quê uma frase tão “inofensiva” pode causar tanto alvoroço? O que torna o encontro de Isa, Fatima, Thea e Kate tão emergencial? Esses são os primeiros mistérios (mas não os únicos) que O Jogo da Mentira apresenta.

Com uma narrativa nem sempre linear, vamos descobrindo aos poucos a maneira como o quarteto inseparável – formado pelas já mencionadas Isa, Fatima, Thea e Kate – se conheceu, como a amizade se fortaleceu e como o Jogo da Mentira, que dá título ao livro, começou. Por motivos diferentes, cada uma delas foi enviada a um colégio interno localizado na cidade costeira de Salten. Kate era filha de um dos professores da escola, Ambrose, e era a única que tinha família e casa por perto; consequentemente, o lugar acabou se tornando o abrigo e o refúgio das outras três meninas, que em plena adolescência sentiam-se desamparadas e em busca da própria identidade. Além das quatro, Luc (irmão adotivo de Kate) completava o grupo, do qual Ambrose cuidava com carinho e afeto. Mas há algo de muito sombrio no passado das garotas, relacionado ao desaparecimento repentino de Ambrose e à sua expulsão da Salten House, que aos poucos vai sendo revelado ao leitor, conforme Isa adentra em memórias contra as quais lutou a vida inteira.

O título do livro se dá por uma brincadeira que as amigas faziam na adolescência, que consistia em enganar o máximo possível de pessoas e contabilizar pontos por isso. Porém, existiam regras, e uma das mais importantes era “não mintam umas para as outras”. Será que essa regra foi cumprida? Quando um osso humano é encontrado no rio Reach, que banha a cidade de Salten, o grupo é obrigado a enfrentar lembranças que ainda não cicatrizaram. E esse mistério (que acaba sendo um tanto previsível, apesar de não ser o único da trama) demora um bocado para ser solucionado, o que está relacionado a um dos problemas do livro: a falta de objetividade.

resenha o jogo da mentira

Permeando o presente e o passado, a autora foca em transmitir as aflições de Isa sobre suas atitudes enquanto adolescente e também enquanto adulta. Em uma relação estável e com uma filha de apenas seis meses, Isa passa a temer não apenas por si mesma, mas pela pequena Freya (Isa, você realmente não deveria levar sua filha para situações tão arriscadas, mulher!). O remorso pelo passado somado às ameaças que sua amiga Kate sofre no presente e às inconsistências em alguns de seus discursos fazem com que Isa questione tudo aquilo que acreditou a vida toda. Com o passar das páginas, vai ficando cada vez mais difícil confiar em quem a rodeia, ainda que não saibamos o porquê dessa sensação, já que a amizade do grupo parece a única coisa sólida em toda a trama, em que até mesmo o cenário parece estar prestes a ruir.

O Jogo da Mentira por si só acaba tendo um papel menos importante do que aparenta de início, já que a trama não gira ao redor da brincadeira venenosa das amigas. A história acaba se transformando em uma espécie de drama, abordando diversos outros assuntos: há a sensação de se sentir perdida, a busca por uma conexão real, o conforto que uma amizade pode oferecer, o desejo de proteger quem amamos independentemente do custo (e os sacrifícios exigidos para isso), as consequências psicológicas dos nossos atos… Por meio de um mistério, Ruth Ware desenvolve as diversas emoções e anseios de suas personagens, todas mulheres fortes a seu próprio modo.

O Jogo da Mentira é uma obra bacana e com um final que conecta todas as pontas soltas, mas que deve ser considerado mais um drama sobre mistérios e mentiras do que um thriller propriamente dito. Com o passar das páginas, vamos conhecendo os fantasmas das protagonistas, desenterrando seus segredos e mergulhando mais fundo em seu remorso, mas não é fácil fugir dos erros do passado. E esse é um dos pontos de interrogação da trama: até que ponto é possível viver uma vida plena baseada em uma mentira? Independentemente da resposta, algo é inegável: a lealdade que Isa, Kate, Fatima e Thea sentem uma pela outra. E é essa relação o grande destaque da obra que, apesar de não ser perfeita, me proporcionou uma ótima experiência de leitura.

Título Original: The Lying Game
Autor: Ruth Ware
Editora: Rocco
Número de páginas: 352
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

Dica de Série: Atypical

Oi gente, tudo bem?

Na minha eterna busca por séries curtinhas e leves, acabei dando uma chance a Atypical. Vamos conhecer? 🙂

atypical poster

Sinopse: Sam (Keir Gilchrist) é um jovem autista de 18 anos que está em busca de sua própria independência. Nesta jornada, repleta de desafios, mas que rende algumas risadas, ele e sua família aprendem a lidar com as dificuldades da vida e descobrem que o significado de “ser um pessoa normal” não é tão óbvio assim.

Sam é um jovem de 18 anos que faz parte do espectro autista. Ele ama pinguins, trabalha em uma loja de eletrônicos e tem uma rotina bem estruturada – especialmente graças à sua mãe, Elsa, que entrou de cabeça nesse universo e ajuda o filho em todos os aspectos. Porém, em uma de suas sessões de terapia, Sam decide enfrentar o mundo em busca de uma namorada. E essa decisão, que parece tão trivial, acaba gerando grandes movimentações na vida de toda a sua família.

atypical

Se eu tinha alguma dúvida sobre Sheldon (de The Big Bang Theory) fazer parte do espectro autista, vendo Atypical essa dúvida sumiu. Sam tem manias muito semelhantes às de Sheldon, como a incapacidade de entender ironias, ser extremamente sincero e literal, não gostar de ser tocado e também ser muito inteligente. O rapaz tem uma vida bastante funcional, apesar das dificuldades que ocasionalmente surgem em seu caminho. Quando ele decide se arriscar e se expor emocionalmente, sua relação com os outros muda, inclusive com sua família: ele consegue se aproximar do pai, com quem nunca teve uma relação de proximidade, e acaba saindo um pouco debaixo da “asa” de Elsa, o que faz com que a personagem enfrente uma crise de identidade – já que sua única função nos últimos anos era exercer o papel de mãe cuidadora.

Além das descobertas de Sam, acompanhamos sua irmã, Casey, que também vivencia diversas transformações em sua vida. Ela tem o primeiro namorado, precisa mudar de escola, passa por dificuldades com as amizades, aprende mais sobre sua sexualidade… Apesar de Casey e Sam serem muito diferentes (já que Casey não está no espectro), a série mostra como os dois adolescentes vivem um paralelismo de experiências, independentemente do autismo. 

atypical (4).png

As relações familiares têm grande destaque na maior parte da trama e, nesse sentido, Elsa é a personagem mais complexa. Ela tem atitudes extremamente questionáveis e comete muitos erros pelo caminho mas, ao mesmo tempo, é interessante assistir aos seus conflitos internos oriundos da decisão de Sam de ser mais independente. Ela é alguém que abriu mão de praticamente tudo na vida para se dedicar ao filho e que subitamente tem isso tirado de si, ficando à mercê de uma fragilidade emocional muito grande. Porém, apesar de cometer erros graves, Elsa também busca sua redenção, fazendo um esforço genuíno para ser uma pessoa melhor e encontrar o perdão da família (inclusive acho que Casey é injusta com Elsa na maior parte do tempo).

atypical (2)

Meu único “problema” com a série talvez seja o fato de que poucos personagens realmente me conquistaram. Por exemplo: o pai de Sam, Doug, é um cara super legal, mas também já pecou muito e ainda assim julga Elsa pelos erros dela; Casey é uma garota chata, implicante e injusta, que não esconde a preferência pelo pai e pega super pesado com a mãe. Felizmente, existem personagens que roubam a cena sendo ótimos de maneiras diferentes: Zahid é um amigo excelente para Sam, tratando-o com naturalidade e carinho; Paige tem uma personalidade cansativa, mas o sentimento que tem por Sam é genuíno e a personagem o defende sem pensar duas vezes. 

atypical (3).png

Fugindo do óbvio e trazendo um tema relevante de maneira natural e séria, Atypical é uma comédia gostosa de assistir, com episódios curtos que passam voando. Com personagens que erram, acertam, amadurecem e se desenvolvem, Atypical traz verossimilhança aliada a momentos ora engraçados, ora emotivos. Vale a pena conferir! 😀

Título original: Atypical
Ano de lançamento: 2017
Direção: Robia Rashid
Elenco: Kier Gilchrist, Jennifer Jason Leigh, Michael Rapaport, Brigette Lundy-Paine, Amy Okuda, Graham Rogers, Nik Dodani, Jenna Boyd