Review: Soul

Oi, pessoal, tudo certo?

Como fã devota da dupla Disney Pixar, obviamente corri para conferir Soul, o primeiro filme lançado no serviço de streaming Disney+. Vamos conhecer?

Sinopse: O que é que o torna… você? Joe Gardner – um professor de música do ensino fundamental – tem a chance de tocar no melhor clube de jazz da cidade. Mas um pequeno passo em falso o leva das ruas de Nova York para o Pré-vida – um lugar fantástico onde novas almas obtêm suas personalidades, peculiaridades e interesses antes de irem para a Terra.

Joe Gardner é um talentoso musicista que sempre sonhou em fazer sucesso tocando jazz. A realidade, porém, é um pouquinho diferente: em vez de brilhar por sua habilidade ao piano, ele dá aula de música em uma escola de ensino fundamental. Sua sorte parece virar quando um ex-aluno o convida para substituir um dos integrantes de uma banda de jazz já consagrada. Acontece que Joe sofre um acidente e sua alma é separada de seu corpo. O caminho natural é ele ir em direção à luz, mas ele se recusa a morrer e acaba fugindo para um espaço chamado Seminário Você, onde almas aprendem sobre sua personalidade, gostos e propósitos para posteriormente “encarnarem” em recém-nascidos. Nesse local Joe fica responsável por 22, uma alma que já passou por inúmeros tutores e jamais encontrou seu propósito. Isso faz com que 22 seja cética a respeito da experiência na Terra, topando então ajudar Joe a levá-lo de volta. E, novamente, o protagonista é desafiado pelo destino: quando os dois conseguem ir pra Terra, 22 fica no seu corpo e Joe fica em um… gato. Esse é o ponto de partida pra uma sequência de aprendizados para ambos os personagens.

Como vocês já devem imaginar, Soul, assim como qualquer filme da Pixar, tem um forte impacto nos adultos. A trama gira em torno de ser fiel ao seu propósito e encontrar sua razão de existir na vida, e Joe tem certeza de que só vai encontrar isso na música. 22, por sua vez, só consegue entender o motivo pelo qual todas as outras almas desejam ir para a Terra no momento em que tem a oportunidade de vivenciar a experiência na prática. Os cheiros, os sabores e mesmo as coisas desagradáveis são vistas sob a lente de um olhar deslumbrado de quem valoriza cada pequeno instante. Conviver com 22 e ser testemunha do seu encanto pela simplicidade coloca algumas coisas em perspectiva para Joe, e ele começa a olhar sua própria vida “de fora” (no corpo do gato rs), o que provoca uma reflexão sobre toda a sua trajetória.

Se essa provocação não bastasse, Soul ainda vai além: a lição que fica é a de que não somos definidos pelo nosso propósito, e a vida é mais do que isso. Quando o protagonista percebe que grande parte do que ele sonhava era mais uma idealização do que uma visão realista, Joe entende que não é apenas o seu talento que o torna alguém digno e amado. O nosso propósito vai além das nossas habilidades, da nossa profissão e das nossas paixões: claro, são elementos muito importantes, mas não são em sua totalidade aquilo que torna a experiência de viver válida. 

Apesar de ter curtido o longa, o final em si não me surpreendeu muito. Eu esperava um desfecho mais audacioso, que não aconteceu. Mas, mesmo se mantendo num otimismo meio lugar-comum, Soul conseguiu me emocionar. Não tanto pela personalidade de Joe ou de 22 (não me entendam mal, eles são muito legais, mas não foram exatamente inesquecíveis), mas sim porque os assuntos tratados dialogaram com questionamentos e dúvidas que eu mesma já tive. 

Em resumo, Soul é um belo filme, com cenas divertidas e um assunto que coloca você para pensar e examinar a sua história. O fato do longa mostrar como nossa vida não é definida pela nossa vocação tirou um peso enorme dos meus ombros, porque com tantos discursos que falam em propósito rolando nos perfis de Instagram da vida, às vezes eu sentia que eu estava “à deriva” por não ter certeza a respeito do meu, sabem? Por isso, Soul tocou meu coração e colocou um sorriso no meu rosto. Existem muitas coisas que trazem alegria: o amor, a família, as amizades, as experiências, as viagens, os sabores… E tá tudo bem a gente se agarrar nisso e valorizar cada minuto.

Título original: Soul
Ano de lançamento: 2021
Direção: Pete Docter, Kemp Powers
Elenco: Jamie Foxx, Tina Fey, Graham Norton

Dica de Série: Bridgerton

Oi galera, tudo bem?

Ainda que eu seja uma fã ainda iniciante no mundo dos romances de época (afinal, por enquanto só conheço a escrita da Lisa Kleypas), fiquei empolgadíssima com a chegada de Bridgerton, a série da Netflix que adapta os livros da Julia Quinn. E hoje vou contar pra vocês o que achei, mas lembrando que é uma opinião exclusiva sobre a série, sem comparação com o material original. 😉

Sinopse: Bridgerton apresenta o mundo sensual, luxuoso e competitivo da alta sociedade de Londres do século 19. Na época, a família Bridgerton, composta por oito irmãos, se esforça para lidar com o mercado de casamentos, os bailes suntuosos de Mayfair e os palácios aristocráticos de Park Lane.

Daphne Bridgerton é uma jovem em idade de se casar. Ela faz parte de uma família respeitada e tem uma ótima relação com sua mãe e seus irmãos. Seu destino sofre uma reviravolta quando, em um baile, ela conhece o Duque de Hastings – o solteiro mais cobiçado da sociedade londrina. Após uma investida indesejada de um pretendente que Daphne despreza, ela e o Duque se unem em uma farsa, na qual ele fingirá cortejá-la. Para Daphne, isso significará a atenção de outros cavalheiros interessantes e de boas famílias; para Simon, isso afastará as mães desesperadas por casarem suas filhas, já que ele é um solteiro convicto e pretende se manter assim. Com o passar do tempo, porém, a amizade entre os dois se transforma e ambos passam a relutar contra seus verdadeiros sentimentos.

Ai gente, nem tenho palavras pra descrever o encanto que foi ver na tela tudo que estava somente na minha imaginação: os belos vestidos, os penteados, as danças, as soirées, os bailes, os primeiros toques tímidos e, é claro, as cenas calientes rs. Bridgerton é uma série muito competente em seduzir o espectador com seus belos cenários e figurinos (e Duques, cof cof), além da fotografia que esbanja cores vivas e brilhantes.

Apesar dos clichês do gênero (como o gato e o rato que se apaixonam), Bridgerton consegue atingir o objetivo de nos fazer torcer pelo casal protagonista da primeira temporada. Daphne é uma personagem muito doce e faz o possível para ajudar as pessoas à sua volta (ainda que cometa uma atitude bem condenável contra o Duque mais adiante na relação). Simon, por sua vez, é um personagem duro nas aparências, mas cujo passado dolorido causou profundas cicatrizes que ele tenta superar. A única coisa negativa sobre esse casal é que eu gostei mais dos dois antes de ficarem juntos do que depois. 😦 Não vou dar detalhes pra não estragar sua experiência, mas a construção da amizade deles seguida de flerte foi bem mais “saudável”, digamos assim.

Existem plots secundários que certamente serão aprofundados nas temporadas seguintes. A família Bridgerton é composta por Violet, a matriarca viúva, e seus oito filhos. Acredito que a season 2 foque em Anthony, o atual Visconde e chefe da família. Apesar do personagem ter sido bem chato ao longo dos 8 episódios, torço para que o desenvolvimento de sua história ajude a construir uma personalidade mais afável pra ele. Além dele há outros Bridgertons que ganham espaço até o momento, com destaque para o artístico e curioso Benedict (que aproveita os prazeres da vida nessa season), o jovem e gentil Colin (que, pelo que ouvi dizer, difere muito de sua contraparte literária) e a mordaz Eloise (uma garota inteligente que rejeita a ideia de ser limitada a um casamento). Indo além da família principal, temos os membros da família Featherington, com destaque para Penelope, que é uma grande amiga de Eloise e secretamente apaixonada por Colin. Sem esquecer, é claro, de Lady Whistledown, pseudônimo de uma mulher misteriosa que relata os maiores escândalos da sociedade londrina.

Eu nunca tive muita curiosidade de ler Os Bridgertons, mas fiquei muito satisfeita com o que vi na tela. Adorei que a Netflix tenha dado espaço a esse tipo de produção e também curti muito que a Shonda Rhimes tenha trazido diversidade para os personagens, tanto em forma quanto em cor e sexualidade (já que os romances de época costumam ser bem heteronormativos e eurocêntricos). Em suma, é uma ótima série de romance cujos episódios de quase 1h passam voando, de tão divertidos que são. Se você curte o estilo, dê o play sem medo! ❤

Título original: Bridgerton
Ano de lançamento: 2020
Direção: Chris Van Dusen, Shonda Rhimes
Elenco: Phoebe Dynevor, Regé-Jean Page, Nicola Coughlan, Jonathan Bailey, Julie Andrews, Claudia Jessie, Luke Newton, Ruby Barker, Ruth Gemmell, Adjoa Andoh

Review: Fruits Basket (2019)

Oi pessoal, tudo certo?

Quem me acompanha aqui há mais tempo pode lembrar que Fruits Basket já apareceu por aqui em uma resenha do mangá. Com o remake do anime (cuja primeira temporada foi lançada no ano passado), vi a oportunidade de indicar novamente essa história linda e comovente – com o plus de agora ter uma animação que faça jus à obra. ♥

Sinopse: Fruits Basket conta a história de Tohru Honda, uma garota órfã que, depois de encontrar Yuki, Kyo e Shigure Sohma, descobre que os treze membros da família Sohma são possuídos pelos animais do zodíaco Chinês e são amaldiçoados a se transformar em suas formas animais quando estão fracos ou quando são abraçados por alguém do sexo oposto que não esteja possuído por um espírito

Fruits Basket acompanha o dia a dia da jovem Tohru Honda, uma estudante órfã que se vê morando em uma barraca para não incomodar seu avô após a morte dos seus pais. Seu caminho se cruza com a família Sohma quando Yuki Sohma, seu colega de escola, descobre sua moradia inusitada. Yuki mora com outros dois membros da família: Shigure e Kyo (seu rival); eles decidem acolher Tohru, que passa a ajudá-los com os afazeres domésticos. Parece tudo muito simples, né? Acontece que os Sohma têm uma peculiaridade: eles são amaldiçoados pelos signos do zodíaco, e ao receberem um abraço do sexo oposto, se transformam nos animais respectivos. E é claro que Tohru descobre isso da maneira mais chocante possível: na prática. Com o passar dos episódios a jovem vai conhecendo outros membros da família Sohma e descobrindo segredos e relações muito mais complexas do que inicialmente ela imaginava.

Fruits Basket (ou simplesmente Furuba) é uma das minhas histórias favoritas. A mitologia por trás dos signos do zodíaco é muito interessante e as relações entre os membros amaldiçoados é cheia de nuances. Kyo e Yuki, por exemplo, fazem jus à dinâmica de gato e rato. Na lenda do zodíaco, Deus fez uma festa para os animais, nas quais os animais do zodíaco chinês compareceram. Entretanto, o rato pregou uma peça no gato, deixando-o de fora da celebração. Com isso, o gato é considerado o pior membro do clã, com gerações de pessoas possuídas por seu espírito sendo excluídas do convívio com os outros Sohma. Para Kyo, isso significa uma vida de amargura, raiva, dor e ressentimento – especialmente contra Yuki. Mas a vida do rato não é muito mais fácil: sendo o favorito do chefe do clã Sohma, Akito, Yuki cresceu sofrendo pressões inimagináveis, ouvindo que seu papel era agradar Akito e ser a companhia perfeita. A ele não foi permitido se descobrir, escolher, pensar por si mesmo – e é por este motivo que ele decidiu sair da casa principal e viver com Shigure (possuído pelo espírito do cachorro).

Cada membro do zodíaco tem uma história própria, e a forma como cada um lida com o fardo da maldição é particular. Ao longo dos episódios, Tohru vai formando laços com essas pessoas e essa relação faz com que o destino por si só comece a mudar. Os membros do zodíaco aos poucos percebem seu valor e entendem que são apreciados, ao menos por ela. Esse amor e amizade que Tohru oferece de coração aberto são fundamentais para a construção da autoestima de cada Sohma que cruza o seu caminho.

Furuba é uma história que fala muito sobre o peso da solidão. Cada personagem, incluindo Tohru, possui cicatrizes emocionais profundas. Bullying, rejeição familiar e isolamento são algumas das dores que eles enfrentam (principalmente os membros do zodíaco). É impossível não se emocionar conforme suas fragilidades vêm à tona, e a vontade que o espectador sente é de abraçar cada um deles com carinho (e dane-se se isso provocar uma transformação). Mas, por mais que a dor seja uma constante no passado e no presente dos personagens, Fruits Basket é também uma história sobre o poder da esperança. Tohru é o símbolo maior disso, a pessoa que perdeu tudo que mais amava e ainda assim consegue sentir gratidão pelas amizades e oportunidades que tem. Ao valorizar e apreciar genuinamente cada Sohma com quem vincula, ela “empresta” um pouquinho da sua força e mostra, mesmo sem querer, que existe amor e aceitação para aquelas pessoas. O tipo de acolhimento (emocional) que Tohru oferece tem um impacto que ela nem sequer pode imaginar ao aceitar ser acolhida por eles (fisicamente).

E pra não dizer que não falei da produção em si, preciso ressaltar a beleza do novo anime. A primeira adaptação televisiva me deixou frustrada porque termina num momento crucial do mangá e não tem continuidade; a nova, entretanto, vem pra corrigir isso e adaptar o mangá em sua totalidade, tendo três temporadas planejadas. O traço é simplesmente fantástico, as cores são lindas e os cenários também encantam. Pra completar, a trilha sonora é emocionante e se encaixa superbem com a proposta da história.

Pra quem já é fã de animes, Fruits Basket é um prato cheio que contempla uma história envolvente, muita emoção e bons personagens. Mas sei que nem todo mundo gosta desse tipo de produção e talvez isso seja por falta de oportunidade. Nesse caso, queria convidar você a começar sua experiência com Fruits Basket. Se você curte drama, fantasia, romance e – por que não dizer? – esperança, essa história tem tudo para te agradar. Não deixe a categoria da obra (ou seja, o fato de ser um anime) te impedir de dar uma chance para uma história que entretém, diverte, emociona e aquece o coração. Promete pensar com carinho? ❤

Título original: Furūtsu Basuketto
Ano de lançamento: 2019
Direção: Yoshihide Ibata
Elenco: Manaka Iwami, Nobunaga Shimazaki, Yuma Uchida, Yuichi Nakamura

Dica de Série: The Office

Oi gente, tudo bem?

Quem me acompanha há mais tempo sabe que eu não resisto a uma série de comédia, preferencialmente com episódios curtinhos. Assinando o Amazon Prime Video, vi a oportunidade de conhecer uma bem aclamada: The Office. E, apesar de ter odiado a primeira temporada (inclusive tendo desistido dela no meio), é com muita alegria que digo que paguei com a língua. 😉 Vem que eu te explico melhor.

Sinopse: No formato de pseudodocumentário, a série retrata o cotidiano de um escritório em Scranton, na Pensilvânia, filial da empresa fictícia Dunder Mifflin, de suprimento de papel. Michael Scott (Steve Carell) é um patrão insensível mas que se preocupa com o bem-estar de seus empregados, enquanto a série traça um olhar sobre todos eles, destacando suas diferenças e particularidades. 

The Office (US) é a versão americana de uma minissérie britânica de mesmo nome. A primeira temporada tem só 6 episódios e se inspira bastante no material de origem (que eu não assisti, mas sobre o qual pesquisei). Acontece que essa primeira temporada é insuportável: somos apresentados a Michael Scott, o gerente regional de uma filial da Dunder Mifflin, uma empresa de suprimento de papel. A série tem formato de documentário e o protagonista se dirige às câmeras falando sobre sua excelência como chefe, mas o que o espectador vê é Michael sendo grosseiro, arrogante, sem noção, preconceituoso, machista e desagradável. Como seguir assistindo uma série assim? Bom, um amigo me garantiu que da segunda temporada em diante muita coisa mudava, e eu sou curiosa; portanto, dei uma nova chance. E que chance bem dada, meu povo!

Ao renovarem The Office e planejarem uma série mais longeva, os produtores fizeram uma grande transformação no personagem de Michael. De um idiota sem noção ele passa a ser um idiota sem noção, mas ingênuo, e que se esforça. A série mostra que ele é um homem solitário e que deseja ter amigos acima de tudo, o que faz com que ele force a intimidade com seus funcionários. Mas ele também coloca as pessoas da sua filial como prioridade, sendo um chefe que odeia anunciar demissões, cortes de benefícios ou qualquer coisa que lhe soe injusta ou difícil. E, além da transformação de Michael, The Office também passa a dar espaço a outros personagens marcantes, como Dwight (seu “fiel” escudeiro aka puxa-saco) e o casal dos sonhos que qualquer pessoa que assista à produção vai shippar loucamente: Jim e Pam. ❤

Mas não me entendam mal, mesmo com a mudança progressiva na personalidade de Michael, ele continua sendo protagonista de cenas embaraçosas. Porém, a série encontra equilíbrio ao mostrar lampejos da sua competência que possam justificar seu cargo (algo impensável na primeira temporada). Existem diversas subtramas envolvendo os personagens, mas todas elas se concentram no ambiente de trabalho, então o cenário acaba sendo o mesmo durante boa parte dos episódios. Por mais que possa ser enjoativo, The Office consegue fazer com que não seja. A cena de abertura do episódio Stress Relief (S05E03) foi uma das melhores que eu já vi em séries de comédia, me fazendo gargalhar com vontade.

The Office é uma série que me cativou aos poucos mas, quando isso aconteceu, aconteceu pra valer. Aprendi a gostar dos personagens, mesmo com suas falhas. Aos poucos os episódios vão nos mostrando o que está além da superfície de cada um deles, explorando mais detalhes das suas vidas pessoais e seus sentimentos. Mas sem sombra de dúvidas o ponto forte de The Office é a abundância de cenas nonsense e a infinidade de gifs e memes que seus episódios produzem (e aposto que, assim como eu, vocês vão adorar pegar as referências). 😂 Resumindo: recomendadíssima!

Título original: The Office (US)
Ano de lançamento: 2005
Direção: Greg Daniels, Paul Lieberstein, Ricky Gervais
Elenco: Steve Carell, John Krasinski, Jenna Fischer, Rainn Wilson, Ed Helms

Review: O Dilema das Redes

Oi pessoal, tudo bem?

Apesar de já ter estreado na Netflix há um tempinho, ainda acho que vale a pena falar sobre O Dilema das Redes. Vamos conhecer?

Sinopse: Especialistas em tecnologia e profissionais da área fazem um alerta: as redes sociais podem ter um impacto devastador sobre a democracia e a humanidade.

Intercalando entrevistas de pessoas responsáveis pelas redes sociais que conhecemos hoje e dramatizações de uma família comum que, assim como a gente, tem acesso ao mundo conectado, O Dilema das Redes revela muito do processo de captura de dados e do uso deles para nos impactar com anúncios mais precisos, conteúdos relacionados às nossas pesquisas, postagens que conversem com nossas crenças, entre outros. Os entrevistados no documentário são pessoas que ajudaram a construir esses algoritmos no Google, no Facebook, no Instagram e outras plataformas, portanto sabem bem quais são os objetivos dessas companhias com o uso de dados. Quem trabalha com marketing digital, como é o meu caso, sabe o quanto essas informações são relevantes para planejar publicidade segmentada. Nesse caso, talvez o choque com o que foi apresentado em O Dilema das Redes seja menor, mas ainda assim a produção da Netflix acende um alerta e nos relembra desse assunto – já que em meio ao dia a dia é fácil esquecer.

O mais perturbador foi pensar no “efeito bolha” que a gente fala tanto, mas não reflete sobre. O Dilema das Redes levanta o questionamento de que as redes sociais como funcionam hoje são uma ameaça à própria democracia: ao nos impactar cada vez mais com opiniões alinhadas às nossas, as redes nos deixam cada vez mais presos às nossas bolhas e o mundo adquire um caráter muito mais polarizado, já que grupos divergentes não dialogam. E nem precisamos pensar na realidade estadunidense pra vislumbrar esse risco: no Brasil também temos discursos polarizados que colocam as pessoas em caixinhas extremamente distantes.

O documentário também fala sobre a construção dificultada da autoestima e o quão abaladas as gerações que já nasceram conectadas podem ficar. Desde muito cedo os jovens são expostos a influencers perfeitos, filtros que modificam o rosto e ao anonimato da internet, estando suscetíveis a inseguranças e bullying. Conseguir racionalizar o uso do Instagram, por exemplo, é um desafio, já que é uma rede social que lucra com a venda de vidas perfeitas.

O Dilema das Redes tem alguns momentos meio sensacionalistas, mas a provocação num geral é válida e pertinente. Eu trabalho diretamente com conteúdo e redes sociais e dificilmente vou conseguir me afastar totalmente desse universo por conta disso, mas tenho tentado ser cada vez mais consciente no uso, tanto no que diz respeito ao tempo passado nas redes sociais quanto que tipo de conteúdo eu consumo nelas. Recomendo O Dilema das Redes pra todo mundo (profissional da comunicação/marketing ou não) que tenha interesse em entender mais sobre como esse universo de algoritmos, recomendações e anúncios funciona. Alguma reflexão o documentário vai te provocar.

Título original: The Social Dilemma
Ano de lançamento: 2020
Direção: Jeff Orlowski
Elenco: Tristan Harris, Jeff Seibert, Bailey Richardson, Joe Toscano, Sandy Parakilas, Guillaume Chaslot

Dica de Série: Bom Dia, Verônica

Oi pessoal, tudo bem?

Lembram da minha resenha não muito satisfeita de Bom Dia, Verônica? Hoje vim contar pra vocês minhas impressões sobre a adaptação da Netflix e comentar um pouquinho sobre as diferenças entre as duas versões.

Sinopse: Uma policial investiga um predador sexual e acaba descobrindo um casal com um segredo horrível e um esquema de corrupção sinistro.

Após presenciar um suicídio na delegacia em que trabalha, a escrivã da Polícia Civil Verônica Torres assume uma missão pessoal de ajudar a vítima, que foi enganada por um estelionatário. Ao longo do processo, Verônica também se vê engolida por um caso de violência doméstica que coloca a sua vida (e a de sua família) em risco, já que o agressor é um membro importante da Polícia Militar. Determinada a ajudar Janete, a mulher que lhe pediu ajuda por sofrer nas mãos do marido, Verônica se expõe a todo tipo de risco e acaba descobrindo um grande esquema de corrupção.

Quem leu o livro ou a resenha já percebeu que essa última frase evidencia uma mudança considerável na trama da Netflix: enquanto no livro Verônica se concentra às escondidas em solucionar o caso de Marta Campos (a moça que se suicidou) e Janete Brandão (a vítima de violência doméstica), na série a protagonista tenta convencer seus superiores a ajudá-la e, com isso, ela acaba descobrindo um esquema de corrupção muito maior do que ela pensava – sendo um gancho óbvio pra uma season 2. Na minha opinião, o fato de Verônica buscar o apoio do delegado é um ponto a favor da série, pois no livro uma coisa que me irritou demais foi o fato de Verônica agir de modo “justiceiro” e irresponsável, causando mortes e situações de risco desnecessárias.

E a maior mudança das páginas para a tela reside justamente na personalidade de Verônica. Enquanto no livro ela é infiel, egoísta, irresponsável e ególatra, na série as coisas são um pouquinho mais maniqueístas. A versão televisiva da personagem é praticamente uma super-heroína, preocupada não apenas com as mulheres que deseja vingar ou defender, mas também com a sua família. Se no livro Verônica mal dá atenção aos filhos, na série ela faz de tudo por eles. Não dá pra ignorar essa mudança do ponto de vista da representação social: uma protagonista que faz de tudo para ser uma mãe exemplar é muito mais palatável à audiência do que uma mulher que coloca os próprios interesses em primeiro lugar, como ocorre no livro. Mas, mesmo tendo consciência dessa problemática, preferi a Verônica da série, porque a do livro é intragável pra mim. 😛

As atuações são espetaculares, assim como a produção. A Netflix caprichou e Bom Dia, Verônica veio para mostrar o potencial de produções brasileiras. Tainá Müller faz um ótimo trabalho oscilando entre os momentos de força e vulnerabilidade de Verônica, mas as grandes estrelas da série são Camila Morgado, no papel de Janete, e Eduardo Moscovis, no papel de Brandão. Houve modificações na personalidade de Janete: ela visivelmente teme o marido e não se sente confortável com ele, o que Camila Morgado transparece tanto no olhar quanto na postura física encolhida e tensa. Se no livro a personagem é completamente apaixonada por Brandão, na série ela o teme. Já Eduardo Moscovis fez um excelente trabalho em mostrar a montanha-russa causada pelo ciclo agressão > lua de mel > agressão. Variando de expressões faciais suaves e voz doce para explosões de agressividade, o modo como o ator e a série retrataram relacionamentos abusivos e violência doméstica foi bastante impactante.

Os temas abordados em Bom Dia, Verônica são pesados. Apesar de ser bem menos gráfica que as descrições literárias de Raphael Montes e Ilana Casoy (especialmente no que diz respeito às cenas de tortura), a série ainda assim causa desconforto e vontade de desviar o olhar. Mas, felizmente, ela não romantiza a violência doméstica, evidenciando o horror desse tipo de situação. Como ponto negativo da trama, ressalto a falta de contexto sobre o passado de Brandão, que é um aspecto bem interessante do livro (não para expiar seus crimes, mas para que suas atitudes ritualísticas ganhem um sentido mais profundo).

Bom Dia, Verônica é uma série de cenas fortes e desconfortáveis, que traz o relacionamento abusivo e as fragilidades do sistema policial e de justiça como temas principais. Bem produzida e com atuações muito competentes, é uma série que não deve em nada para tantos outros nomes gringos que fazem sucesso por aqui. Se você não tem estômago fraco e curte esse estilo de trama, vale a pena dar o play.

Título original: Bom Dia, Verônica
Ano de lançamento: 2020
Direção: José Henrique Fonseca
Elenco: Tainá Müller, Camila Morgado, Eduardo Moscovis, Antônio Grassi, Elisa Volpatto, Silvio Guindane, Adriano Garib, César Mello

Criminal: UK e sua problemática segunda temporada

Oi pessoal, tudo bem?

Esse é um Dica de Série e ao mesmo tempo não é. Recentemente assisti à versão britânica de Criminal (que tem versões na Espanha, na França e na Alemanha também) e curti muito a proposta: cada episódio é focado em um acusado que um grupo de detetives precisa interrogar. E Criminal: UK já inicia com um nome de peso, David Tennant, na posição do acusado – cuja interpretação foi, como sempre, brilhante. Durante a primeira temporada, fiquei muito empolgada com cada trama. Eram acusações diversificadas, com backgrounds distintos e ainda assim muito atuais: enquanto no episódio de David a investigação era o abuso e o assassinato de uma adolescente, no segundo episódio falou-se de violência doméstica e, no terceiro, imigração ilegal. Até que chegamos à segunda temporada e… Bom, pra conseguir problematizá-la, terei que dar spoilers, ok?

Sinopse: Numa sala de interrogatório em Londres, investigadores questionam suspeitos de crimes hediondos até que a verdade seja revelada.

O hype em cima da última season vem acompanhado de um nome ilustre no elenco: Kit Harington, pouco depois de ter finalizado Game of Thrones. Em seu episódio, Kit interpreta um empresário sendo acusado de estupro por uma de suas funcionárias. Acontece que, para a surpresa do espectador, descobre-se que ela fez uma falsa acusação para conseguir dinheiro. Sim. Isso mesmo. A série faz um episódio inteiro focado em um homem de poder sendo falsamente acusado de estupro.

E antes que vocês me acusem e digam que isso acontece na vida real: eu sei. Existem sim difamações, calúnias e falsas acusações. Mas a proporção, gente, é absurdamente discrepante. E quando uma série de amplo alcance (por estar na Netflix) escolhe justamente esse olhar enviesado pra abordar algo que costuma ser exceção, temos um problema. Argumentos como “a denúncia acabou com a vida do cara” e “mas como ela vai provar que não foi consensual?” são um desencorajamento a mulheres que têm medo de denunciar seus agressores. Porque, em geral, a mulher não sofre apenas na mão do abusador; ela sofre de novo na mão do Estado e da mídia ao ter sua história questionada e inúmeras vezes repassada. Lembram de Inacreditável? A minissérie, que dramatiza fatos reais, é um tapa na cara que mostra o quanto estamos despreparados enquanto sociedade pra lidar com a dor das vítimas de abuso sexual – e o impacto negativo que não dar o devido crédito ao relato causa.

E, quanto ao argumento de que uma denúncia dessas “acaba com a vida de um homem”, bom… O goleiro Bruno conseguiu emprego mesmo após esquartejar a mãe de seu filho e dar os pedaços pros cães comerem, né? Até publi ele já fez. 🙂 E o Robinho? Só teve seu contrato com o Santos pausado após muita pressão popular.

Mas tá, até o momento tinha sido apenas um episódio de Criminal: UK a me causar desconforto. Seguimos, certo? Cheguei então no episódio seguinte, em que uma mulher é acusada de difamação ao usar seu site para acusar homens de pedofilia. O episódio é bastante chato, o plot twist no final é sem pé nem cabeça mas o foco aqui é: a dona do site acusou um homem de maneira errônea e causou graves consequências à sua vida.

É óbvio que acusar as pessoas sem provas é errado. No caso do episódio, a mulher era uma desocupada que fazia as vezes de justiceira na internet. E, de fato, ela trouxe problemas enormes para a vida de um homem inocente, o que é bastante condenável. Entretanto, a causa maior de desconforto aqui foi, novamente, em episódios consecutivos, ver uma mulher na posição de falsa acusadora. A segunda temporada da série, roteirizada por homens, parece gostar de colocar suas personagens femininas em um papel de “destruidoras de vidas”, o que corrobora em muito para a visão deturpada que muitos ainda têm e que se reflete diretamente em casos de estupro e abuso, como debati mais acima.

Eu não sou contra colocar mulheres em papel de vilania, pelo contrário. Acho importante romper o estereótipo angelical, afinal, mulheres também são capazes de atrocidades por pura maldade. Mas eu sou MUITO contra o uso de estereótipos deturpados e machistas que causam impactos reais na vida de muitas de nós. Usar o espaço midiático e o amplo alcance pra reforçar esse tipo de visão é problemático e, diria também, misógino: qualquer mulher vítima de abuso que não teve coragem de denunciar, por exemplo, pode assistir a essas tramas e se sentir ainda pior, sabendo que o Estado e a sociedade não iriam acreditar nela.

Então, por mais que Criminal: UK tenha atuações incríveis e uma ótima primeira temporada, não é o tipo de série que eu vá panfletar. Prefiro indicar e fortalecer tramas como a já citada Inacreditável, que faz um trabalho impecável em mostrar o ponto de vista da vítima e a diferença abismal entre a abordagem masculina e a feminina no que diz respeito à sensibilidade quanto a vítimas de estupro. Se tiverem que escolher uma dessas séries para a sua próxima maratona, sugiro que escolham a segunda.

Título original: Criminal: UK
Ano de lançamento: 2019
Criadores: Jim Field Smith
Elenco: Katherine Kelly, Lee Ingleby, Rochenda Sandall, Mark Stanley, Shubham Saraf, David Tennant, Kit Harington, Hayley Atwell, Sharon Horgan, Kunal Nayyar

Dica de Série: Curta Essa com Zac Efron

Oi pessoal, tudo bem?

Desde a leitura de Contágio eu comecei a refletir com mais frequência sobre o nosso papel enquanto seres humanos na preservação do planeta – e consequentemente nas doenças causadas por sua destruição. Isso me fez querer assistir ao documentário Curta Essa com Zac Efron, no qual o ator viaja pelo mundo para conhecer modos de vida mais sustentáveis. Vamos conhecer? 😀

curta essa com zac efron poster

Sinopse: O ator Zac Efron roda o mundo com o guru dos superalimentos Darin Olien em busca de formas de viver com saúde e sustentabilidade.

Na companhia de seu amigo Darin Olien, conhecido por ser uma espécie de guru dos superalimentos, Zac Efron viaja para diversos locais, alguns mais remotos do que outros, e aprende sobre assuntos variados relacionados à sustentabilidade, ao poder dos nutrientes na nossa saúde, ao “segredo” da longevidade, a tecnologias modernas que permitem a criação de energia sem combustíveis fósseis, entre outros temas. Cada episódio se passa em alguma cidade e foca em alguns desses assuntos, sendo 8 no total.

Um dos aspectos que mais curti em Curta Essa com Zac Efron é a ignorância do protagonista – e eu falo isso no melhor dos sentidos! Calma que eu vou explicar. Zac Efron não assume uma postura arrogante frente ao novo e se permite deslumbrar pelas novas experiências que vive. Ele genuinamente demonstra não entender nada do assunto, mas querer aprender a respeito. É como se ele representasse os olhos do espectador, fazendo as perguntas que qualquer um de nós gostaria de fazer se estivesse em seu lugar. Enquanto Darin tem mais conhecimento e vivência nos assuntos abordados, auxiliando Zac ao longo da jornada mas também aprendendo junto com ele, o próprio Zac fica surpreso, maravilhado, curioso, inseguro e pensativo a respeito de tudo que vivencia.

curta essa com zac efron

De maneira geral, a série é bastante feliz em escolher as pessoas com as quais a dupla vai conversar. Existem episódios que fazem a gente colocar tudo em perspectiva, como por exemplo o que se passa em Porto Rico, que até hoje enfrenta as consequências do furacão Maria – responsável pela destruição de grande parte da ilha. É palpável o desconforto de Zac ao pensar na desigualdade que existe entre pessoas como ele e pessoas como as que moram em Porto Rico, e ele demonstra muita humildade ao conversar com os moradores (ficando visivelmente desconfortável de ser homenageado em pé de igualdade com outros famosos que atuaram na ilha na época do desastre, por exemplo).

curta essa com zac efron 2

A série comete alguns deslizes? Sim, comete. O episódio que se passa na Costa Rica é bem descolado da realidade alienado, até. Quando Zac e Darin vão de barco até uma comunidade que vive numa ilha pertencente à Costa Rica (sendo levados por dois rapazes que parecem ser adolescentes e nativos do local), somos apresentados a uma comunidade cheia de gente branca não nativa que inevitavelmente nos faz pensar em hippies privilegiados. A abordagem natureba e afastada da tecnologia e das coisas “mundanas” parece mais um ano sabático de americanos que resolveram fugir do seu cotidiano, ao passo que, na minha opinião, seria muito mais interessante conhecer a perspectiva real dos moradores da ilha. Mas enfim, acho que foi o único episódio que me causou esse desconforto.

curta essa com zac efron 3

Assistir Curta Essa com Zac Efron foi bastante emocionante em muitos momentos e, mais uma vez, me peguei pensando sobre meus hábitos e sobre a vontade de mudá-los. Desde que assisti a série eu passei a seguir perfis vegetarianos e busquei reduzir meu consumo de carne; ainda que esteja longe do ideal e que eu não tenha planos concretos de fazer uma virada de chave alimentar no momento, a série foi capaz de provocar em mim pequenas mudanças de hábito e muuuitas reflexões. Perceber o quão afastados estamos do cuidado com o nosso planeta é um chacoalhão que coloca muita coisa sob uma nova lente, e acho difícil sair ileso ao final da temporada – especialmente com a virada surpreendente (e trágica) que acontece no último episódio.

curta essa com zac efron 4

Curta Essa com Zac Efron é uma série leve, mas emocionante; divertida, mas capaz de provocar reflexão; aparentemente despretensiosa, mas envolvente. Eu, que não cresci sendo fã do Zac Efron e de High School Musical, fiquei positivamente impressionada com a postura e com a consciência do ator. Espero que retornem para uma segunda temporada mas, caso isso não aconteça, já fico satisfeita com as mudanças que ele e Darin estimularam em mim. Recomendo e torço pra que essa ótima série documental mexa com você também. 😀

Título original: Down to Earth with Zac Efron
Ano de lançamento: 2020
Produtores executivos: Zac Efron, Darin Olien
Elenco: Zac Efron, Darin Olien

Dica de Série: Cobra Kai

Oi galera, tudo bem?

A indicação de hoje é perfeita pra quem está buscando entretenimento puro de qualidade: Cobra Kai!

poster cobra kai

Sinopse: Décadas depois da competição que mudou suas vidas, a rivalidade entre Johnny e Daniel está de volta nesta sequência da trilogia Karatê Kid.

Antes de começar a falar sobre a série em si, é importante dizer que eu nunca assisti a Karatê Kid inteiro (e muito menos seus sucessores). Eu sempre acabava pegando o filme já rolando na TV mas, por ser uma história clássica, sei o que acontece de tanto ver referências na internet. Por que essa introdução é importante? Porque mesmo sem ser um fã dos filmes originais, eu me apaixoneeei e me diverti demais com Cobra Kai.

A trama acontece, obviamente, muitos anos depois daquele embate que culminou na vitória de Daniel-san. Enquanto este se tornou um bem-sucedido dono de uma franquia de automóveis de luxo, Johnny viu sua vida afundando cada vez mais: ele trabalha como faz-tudo, mora em uma kitnet, não se dá bem com o filho e vive de cerveja barata. Certo dia, ele vê uma briga de adolescentes envolvendo seu vizinho, Miguel e, quando a briga o atinge pessoalmente (ou melhor, ao seu carro), Johnny intervém e bate em todo o grupo que agredia o jovem. Isso é o bastante para que Miguel implore que Johnny seja seu sensei, o que o impulsiona a reabrir o Cobra Kai. Ao ficar sabendo do retorno do dojo que tanto lhe causou sofrimento, Daniel se coloca como um antagonista aos objetivos de Johnny.

cobra kai 2

Tem uma coisa muito engraçada que me fez querer conferir Cobra Kai: sou fã de How I Met Your Mother e, nela, o personagem Barney alega que o verdadeiro vilão de Karatê Kid é o Daniel, e não o Johnny. O William Zabka inclusive fez participações especiais na série e são bem engraçadas. Mas o propósito de Cobra Kai é muito claro: mostrar que para toda história existem dois lados e, como diz um amigo meu, “ninguém é o vilão da própria história”. A série nos permite entender o background de Johnny e simpatizar com o personagem, que na série esbanja carisma – ainda que tenha inúmeros defeitos, especialmente por ser antiquado e meio machista. Por outro lado, a postura moralista e cheia de boas intenções de Daniel pode ser lida como preconceito e presunção, especialmente porque ele não dá margem ao diálogo. Ou seja, a vida real não é preto no branco e todos estamos suscetíveis a errar.

cobra kai

É legal perceber a inversão de papéis que acontece em Cobra Kai. Se no filme oitentista o dojo de Johnny era símbolo de bullying e agressão, agora ele é o local que jovens que sofrem disso procuram para se defender e se empoderar. Ainda assim, a série não é irresponsável de fazer com que os ensinamentos do Cobra Kai sejam vistos com romantização: há um personagem em especial que é diretamente influenciado pelo lema do dojo (ataque primeiro, ataque com força e não tenha misericórdia) e se torna um agressor. Ainda assim, ele é uma exceção à regra e, com o passar dos episódios, o próprio Johnny vai aprendendo com seus erros e entendendo que o seu passado não foi pautado em honra, mas que seu futuro vai ser. E ao buscar ensinar a diferença entre não ter misericórdia e não ter honra, percebemos a grande evolução do personagem.

cobra kai 3

A rivalidade está presente não apenas entre Johnny e Daniel: seus pupilos também herdam esse comportamento. A segunda temporada trata disso com mais peso, especialmente porque os envolvidos em ambos os dojos têm ligações pessoais bastante fortes, de modo que as emoções ficam à flor da pele. E conforme os treinamentos dos dois senseis progride, as consequências dessa rivalidade vão ficando cada vez mais sérias – até um final CHOCANTE que faz o espectador implorar pela terceira temporada.

cobra kai 4

Além de entreter com um ritmo envolvente e uma narrativa cheia de ação, Cobra Kai conta com ótimos personagens. Além dos já citados Johnny e Daniel, o núcleo de adolescentes também é muito bom. Miguel é o meu queridinho, o típico good guy que tenta sempre fazer o que é certo. Ainda que ele cometa erros, o que é esperado de qualquer jovem de 16 anos, ele busca se redimir e evoluir. O mesmo acontece com o filho de Johnny, Robby, que encontra no karatê um modo de fugir da negligência da mãe e do abandono do pai. A única personagem que não me desce é a Samantha, filha de Daniel: ela tem uma postura de boa moça e se coloca num pedestal, mas quando sua antiga amiga sofreu bullying nas mãos do seu novo e popular grupo, ela não fez nada para impedir. Por fim, fica um elogio a Amanda, esposa do Daniel, também conhecida como pessoa mais sensata da série. 😂

Com episódios curtos, ritmo envolvente e muito carisma, Cobra Kai foi uma série que me divertiu do início ao fim. É aquele entretenimento puro, que faz você mergulhar de cabeça, te distrai e te faz vibrar e sofrer com os personagens. Tudo isso com uma trilha sonora cheia de clássicos dos anos 80 e uma ótima temática – afinal, como não se empolgar com uma luta de karatê? 😉 Vale conferir!

Título original: Cobra Kai
Ano de lançamento: 2018
Criador: Josh Heald, Jon Hurwitz, Hayden Schlossberg
Elenco: Ralph Macchio, William Zabka, Xolo Maridueña, Tanner Buchanan, Mary Mouser, Courtney Henggeler

Dica de Série: Eu Nunca…

Oi pessoal, tudo bem?

Nas minhas últimas férias aproveitei para conferir alguns títulos que amigos vinham me indicando na Netflix, e um deles é Eu Nunca… (sim, com reticências rs).

Sinopse: Ela teve um ano complicado. Agora, tudo que essa jovem quer é melhorar seu status social. Será que os amigos, a família e seus sentimentos vão ajudar?

A série acompanha a rotina de Devi, uma adolescente de ascendência indiana que passou por maus bocados no último ano: ela perdeu o pai, seu melhor amigo, subitamente e, devido ao trauma, ficou com as pernas paralisadas por meses. Agora que ela voltou a andar, seu maior objetivo é perder a virgindade e se tornar popular na sua escola, de modo a afastar o estigma de “garota estranha e paralisada”.

eu nunca

Eu Nunca… é uma série bastante engraçada, com episódios de aproximadamente 30 minutos cada. Devi tem duas melhores amigas, a inteligente Fabiola e a criativa Eleanor, que fazem de tudo por ela. O problema é que Devi está obcecada pelo seu crush, Paxton, e ao longo da trama eles vão se aproximando de forma inesperada. Um outro elemento importante nessa equação é o rival de Devi, Ben: os dois competem pelas melhores notas desde crianças, mas aos poucos eles percebem que têm mais em comum do que imaginam.

eu nunca

Uma das principais características de Eu Nunca… é o fato de que Devi é uma personagem imperfeita. Ela age por impulso, magoa as pessoas e pisa na bola muitas vezes com suas amigas. Mas antes de julgá-la, vamos relembrar como é ter 15 anos? Não sei vocês, mas eu cometia vários erros de julgamento na época e também trocava os pés pelas mãos em muitas situações. Isso não quer dizer que Devi não seja irritante, porque ela é (e eu acho que a atuação linear de Maitreyi Ramakrishnan não ajuda em nada nesse quesito). Sua obsessão por Paxton a torna negligente com sua família e amigos e se revela como uma das válvulas de escape da garota para não lidar com o luto pela perda do pai. O interessante, porém, é vê-la amadurecer: conforme Devi é obrigada a lidar com as consequências dos seus atos, ela passa a crescer como pessoa e, no fim das contas, a adolescência é também sobre isso.

eu nunca 3

Outro acerto de Eu Nunca… reside na representatividade. O trio de melhores amigas (Devi, Fabiola e Eleanor) é composto por uma menina indiana, uma negra e uma asiática. Há também uma naturalidade muito grande para lidar com o processo de descoberta de determinada personagem LGBTQI+. Os aspectos culturais da família de Devi também são abordados ao longo da temporada, sendo protagonizados pela própria Devi, sua mãe e sua prima (que mora com elas). O bacana é que a série fala sobre a cultura indiana sem recorrer a estereótipos e, principalmente, sem ser ofensiva – ainda que levante um debate tímido sobre determinadas práticas.

eu nunca 2

Eu Nunca… é uma série muito gostosinha e divertida, daquelas que você dá o play e nem vê o tempo passar. Pra quem busca uma comédia adolescente bacana e respeitosa com diferentes culturas e pessoas, é uma ótima pedida! E o melhor: com poucos episódios curtinhos e uma segunda temporada já confirmada. 😉

Título original: Never Have I Ever
Ano de lançamento: 2020
Criador: Mindy Kaling, Lang Fisher
Elenco: Maitreyi Ramakrishnan, Darren Barnet, Jaren Lewison, Lee Rodriguez, Ramona Young, Poorna Jagannathan, Richa Moorjani, Sendhil Ramamurthy