Review: Jurassic World: Reino Ameaçado

Oi galera, tudo bem?

Ontem fui conferir Jurassic World: Reino Ameaçado e hoje conto o que achei pra vocês, sem spoilers. 😉

jurassic world reino ameaçado poster.png

Sinopse: Três anos após o fechamento do Jurassic World, um vulcão prestes a entrar em erupção põe em risco a vida na ilha Nublar. No local não há mais qualquer presença humana, com os dinossauros vivendo livremente. Diante da situação, é preciso tomar uma decisão: deve-se retornar à ilha para salvar os animais ou abandoná-los para uma nova extinção? Decidida a resgatá-los, Claire (Bryce Dallas Howard) convoca Owen (Chris Pratt) a retornar à ilha com ela.

O filme se passa 3 anos após seu antecessor, O Mundo dos Dinossauros. Claire e Owen não estão juntos, e ela trabalha em uma organização que luta pela preservação dos dinossauros. Os animais estão novamente ameaçados de extinção, pois um vulcão da Ilha Nublar foi reclassificado como ativo, e a qualquer minuto ele pode entrar em erupção. As esperanças de Claire se renovam quando Benjamin Lockwood, antigo parceiro de John Hammond (cuja companhia criou os clones dos dinossauros), oferece a Claire a chance de resgatar os animais da Ilha Nublar. Quem organiza toda a empreitada é o braço direito do idoso, Mills, que é também responsável por gerenciar a fortuna de Lockwood. Claire, então, procura Owen para ajudá-la na missão de trazer os dinossauros em segurança, e ele aceita. Entretanto, a ganância humana e a falta de escrúpulos levam os protagonistas a uma situação extremamente perigosa.

jurassic world reino ameaçado.png

Não posso negar, existem algumas coisas que são óbvias ao espectador logo de cara. O chefe da expedição tem todo o estereótipo de vilão traidor, e o alívio cômico do filme passa 80% do longa sendo apenas isso. Como críticas negativas, ressalto ainda as repetições no roteiro. T-Rex e Blue aparecendo no último minuto pra salvar os humanos é uma fórmula que já não surpreende mais. Ainda assim, o filme é cativante e, assim como o longa anterior, tem cenas de ação que te fazem prender a respiração e agarrar a poltrona do cinema. Seja na erupção do vulcão ou nas cenas da mansão Lockwood, eu levei vários sustinhos e fiquei imóvel de expectativa, tamanha a tensão que Reino Ameaçado causa.

jurassic world reino ameaçado 2.png

Nesse longa, o objetivo dos vilões é transformar os dinossauros em armas, leiloando-os a ricaços pelo mundo inteiro (fica aqui a crítica pro estereótipo tosco de comprador russo). O animal mais precioso do “catálogo” é o Indoraptor, uma espécie de fusão entre a Indominus Rex (do filme anterior) com o velociraptor. Além da crítica à ganância humana em si, que brinca com a natureza sem pensar nas consequências, o filme também mostra os maus tratos aos animais, que ficam sofrendo agressões em jaulas minúsculas. Essa atitude causa ainda mais desconforto quando percebemos que os animais sentem dor, medo e outras emoções – como fica nítido no caso de Blue, que demonstra também sentir empatia.

jurassic world reino ameaçado 4.png

Os personagens principais seguem carismáticos, e eu gosto muito da dinâmica de gato e rato de Claire e Owen. A nova adição infantil ao elenco, Maisie, também conquista (e está envolvida em um plot twist bem mindblowing, mas que não tem impacto na trama). A menina é neta de Lockwood e tem um papel fundamental no desfecho do longa. Aliás, o final deixa uma possibilidade de continuação incrível, questionando como será possível que a humanidade conviva com os dinossauros, que agora estão em liberdade. Devo dizer, inclusive, que a condução dos fatos nesses novos filmes me lembram a nova trilogia Planeta dos Macacos: inicia com um macaco que passa por experimentos, aí no segundo filme eles ganham o mundo e, no terceiro, há uma batalha pela sobrevivência. Ficarei de olho no terceiro longa de Jurassic World pra ver se vai rolar mais alguma semelhança. 😛

jurassic world reino ameaçado 3.png

Jurassic World: Reino Ameaçado é um filme de ação com várias cenas que deixam o espectador tenso e na expectativa pelo que vai acontecer (ainda que eu não tenha achado que seja uma vibe de terror, como outras críticas na internet comentaram). É um excelente entretenimento, que diverte e empolga durante sua duração. Recomendo!

Título original: Jurassic World: Fallen Kingdom
Ano de lançamento: 2018
Direção: Juan Antonio Bayona
Elenco: Chris Pratt, Bryce Dallas Howard, Justice Smith, Daniella Pineda, Rafe Spall, Isabella Sermon, James Cromwell, Toby Jones, Jeff Goldblum

Anúncios

Review: Jogador Nº 1

Oi gente, tudo certo?

Apesar do filme ter estreado há um tempinho, vim contar pra vocês o que achei de Jogador Nº 1.

jogador numero 1 poster.png

Sinopse: Num futuro distópico, Wade Watts (Tye Sheridan), como o resto da humanidade, prefere a realidade virtual do jogo OASIS ao mundo real. Quando o criador do jogo, o excêntrico James Halliday (Mark Rylance) morre, os jogadores devem descobrir a chave de um quebra-cabeça diabólico para conquistar sua fortuna inestimável. Para vencer, porém, Watts terá de abandonar a existência virtual e ceder a uma vida de amor e realidade da qual sempre tentou fugir.

Nosso protagonista é Wade Watts, um rapaz que vive com a tia em uma zona bem pobre de Columbus, nos Estados Unidos. O ano é 2045, e existe um jogo chamado Oasis, no qual as pessoas podem ser e fazer qualquer coisa por meio de seus avatares. Nesse mundo, Wade é Parzival, o Z, e é lá que ele encontra seus melhores amigos e passa a maior parte do seu tempo. Contudo, o Oasis está ameaçado; o criador do jogo deixou alguns easter-eggs escondidos e, quem encontrá-los, herdará suas ações e o controle de tudo. Obviamente, todos querem atingir esse objetivo, o que inclui uma corporação que visa somente os lucros que o Oasis pode oferecer.

jogador n 1.png

Assim, vou ser sincera, como sempre: eu achei muito burburinho pra pouca coisa. O filme é muito clichê, e isso pra mim não é necessariamente um problema, desde que bem trabalhado. Porém, o enredo é previsível e deixa várias coisas sem um desenvolvimento satisfatório. Uma delas é a relação (ou melhor, o rompimento) dos dois sócios que criaram o Oasis, James Halliday e Ogden Morrow. Existe a tensão causada por um triângulo amoroso do passado, beleza, mas o filme me deixou sem ter certeza de que foi essa a causa da separação dos sócios. Talvez isso fique mais claro pra quem tenha lido o livro, mas filmes devem ser capazes de contar uma história independentemente da obra original. Além disso, os vilões são caricatos (o que é aquela F’Nale?) e não inspiram ameaça real.

jogador n 1 (2).png

Outro aspecto um tanto quanto decepcionante é o quanto os personagens secundários, amigos de Parzival, são deixados de lado, com exceção de Art3mis, seu par romântico. É somente quando a coisa esquenta que Daito e Shoto ganham espaço, mas aí o filme já está rolando há tanto tempo que eu nem consegui sentir nada por eles. Aech é ótimo, e Helen também. Só achei engraçado ver Lena Waithe interpretando uma personagem mais adolescente, já que conheci a atriz em Master of None (em que ela interpreta uma mulher perto da casa dos 30 – ou seja, sua idade real), mas isso não é um defeito, é só um fun fact de estranhamento mesmo. Por fim, achei que o filme falhou muito em contextualizar o espectador em relação à realidade na qual os personagens estão inseridos. É um mundo futurista, aparentemente muitas coisas estão dando errado no planeta, mas afinal… o que aconteceu? Não são todos os lugares que estão como Columbus, mas ficamos totalmente no escuro em relação ao que ocorre no mundo fora de Oasis.

jogador n 1 (3).png

Entretanto, também há aspectos positivos. O filme é muito bonito visualmente, já que grande parte dele se passa no jogo. Ainda assim, não vale o ingresso pra sessão 3D, os efeitos são poucos e não fazem tanta diferença. A trilha sonora é ótima, com diversos clássicos. A ação também é bem conduzida, mantendo o espectador atento a cada detalhe do que acontece no Oasis. A prova para conseguir a segunda chave de Halloway foi muito divertida (ainda que eu tenha dado alguns pulinhos na cadeira, por ter medo de filmes de terror). Por fim, as referências à cultura pop também são bacanas, e é bem provável que você fique tentando identificá-las. 😛

jogador n 1 parzival.png

Jogador Nº 1 foi um filme que, infelizmente, não funcionou pra mim. Eu gosto de filmes de puro entretenimento mas, nesse caso, o desenvolvimento precário na relação dos personagens fez com que eu não sentisse nada por eles (fator importante que me fez não curtir tanto assim o longa). Não me arrependo de ter conferido, mas pra mim foi uma obra esquecível que eu não me vejo assistindo novamente.

Título original: Ready Player One
Ano de lançamento: 2018
Direção: Steven Spielberg
Elenco: Tye Sheridan, Olivia Cooke, Ben Mendelsohn, Lena Waithe, Mark Rylance, Win Morisaki, Philip Zhao, Hannah John-Kamen

Review: Vingadores: Guerra Infinita

Olar, meu povo! Tudo bem?

Hoje trago minha opinião SEM SPOILERS sobre Vingadores: Guerra Infinita! ❤ Após 10 anos do início da construção do Universo Cinematográfico da Marvel, finalmente chegamos ao ponto em que tudo converge.

vingadores guerra infinita poster.png

Sinopse: Thanos (Josh Brolin) enfim chega à Terra, disposto a reunir as Joias do Infinito. Para enfrentá-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia, ao mesmo tempo em que lidam com desavenças entre alguns de seus integrantes.

Em Guerra Infinita, a ameaça que vinha pairando ao longo da última década finalmente aparece: Thanos causa destruição por onde passa, implacável em sua missão de reunir as seis Joias do Infinito. Seu objetivo? Trazer equilíbrio ao universo já que, na visão do vilão, há pessoas demais e os recursos são finitos. Devido a essa ameaça e algumas coincidências, grupos de heróis distintos veem-se unidos, lutando contra esse mal avassalador.

E que mal, hein? Thanos é um vilão digno da palavra. Se a Marvel muitas vezes peca ao trazer antagonistas rasos, que não condizem com a ameaça que tentam transmitir, Thanos já intimida com sua própria presença. Na primeira cena ele mostra a que veio, não dando espaço para o espectador sequer respirar, tamanha a tensão. Apesar da força dos seus aliados, que também são adversários difíceis, nenhum se compara à ameaça que Thanos representa. Mas o personagem vai além de pura força física: com seu jeito racional e tranquilo de falar, ele demonstra que tem plena convicção em seus objetivos, que ele realmente crê que está sendo benevolente e fazendo algo em prol do universo. A excelente atuação de Josh Brolin humaniza o personagem, dando-lhe camadas que o tornam ainda mais interessante.

vingadores guerra infinita thanos

O segundo aspecto que merece todos os elogios é a união entre os grupos de heróis. A dinâmica entre eles foi impecável, e os personagens se aliaram de modo convincente e orgânico. Tony Stark e Stephen Strange, por exemplo, não se dão bem logo de cara, tendo uma animosidade presente na relação. Os Guardiões da Galáxia e Thor são protagonistas de uma cena pra lá de engraçada, o que condiz com o tom de seus próprios filmes (no caso de Thor, especialmente após Ragnarok). A parceria entre Steve Rogers e T’Challa é nítida, algo que teve início lá em Guerra Civil. Ou seja, é em Guerra Infinita que todas essas pontas finalmente se uniram, e isso foi feito de modo exemplar. ❤ As cenas de ação são de tirar o fôlego, e os efeitos especiais combinados à trilha sonora dão toda a imponência que o momento pede e precisa. Em termos de narrativa, minha única ressalva fica por conta do plot do Thor, que me pareceu um retrocesso em relação ao que foi construído em Ragnarok. Selecione se quiser ler: em Thor 3, o personagem perdeu o Mjolnir e, no fim, percebeu que não precisava do martelo para ser quem é, dominando os trovões e tudo mais. Em Guerra Infinita, a primeira coisa que ele precisa pra ficar fodão de novo é justamente uma arma nova, agora um machado. Confesso que fiquei meio “ué”, mas ok, a gente ignora pelo bem do espetáculo. 😛

vingadores guerra infinita.png

Ainda sobre a narrativa, notei que em alguns momentos o ritmo do longa acaba sendo um pouco prejudicado. O filme precisa mostrar as jornadas individuais dos grupos de heróis que estão espalhados pela galáxia, o que acaba quebrando um pouco o clímax. Entretanto, compreendo que isso é necessário: os heróis precisam realizar seus próprios objetivos para tentar impedir o Titã Louco. São justamente nesses momentos que presenciamos encontros inesperados e temos a oportunidade de ver dinâmicas jamais imaginadas, além de interações que nos arrancam risadas e também emoção.

vingadores guerra infinita 2.png

Aliás, o filme soube dosar com perfeição a comédia e o drama. Ao contrário de Thor: Ragnarok, aqui as piadas não são estilo pastelão, tendo um timing maravilhoso e arrancando gargalhadas genuínas; por outro lado, as cenas dramáticas são poderosas, e as atuações competentes são fundamentais pra trazer a carga emocional relativa à tudo que acontece no filme. E olha, não é pouca coisa, viu? Saí do cinema de queixo caído.

vingadores guerra infinita 3.png

Vingadores: Guerra Infinita é um verdadeiro presente aos fãs da Marvel e aos fãs de super-heróis. Essa primeira parte da guerra trouxe não apenas um crossover digno entre todo o universo Marvel, como também um vilão à altura de tantos super-heróis que aprendemos a amar. O filme celebra os 10 anos desse Universo Cinematográfico exaltando tudo que a Marvel tem de melhor. O resultado não poderia ser outro: imperdível, sensacional, arrebatador. ❤ Assistam!

vingadores guerra infinita 4.png

Agora, pra quem já assistiu, seguem comentários com spoilers (selecionem se quiserem ler):

  • Não acredito que levaram meu Bucky embora de novo! 💔
  • Achei que o Capitão América teria uma presença mais marcante do que teve.
  • Como a galera conseguiu respirar sem os capacetes no planeta Titan???
  • CHO-CA-DA com a morte da Gamora! 😱
  • Algo me diz que na próxima parte as mortes serão revertidas (até porque teremos mais um filme de Homem-Aranha, pelo que sei). Porém, nada me tira da cabeça que alguém da formação original dos Vingadores vai morrer real oficial. 😦
  • Sobre a cena pós-créditos: quero só ver como vão justificar o sumiço/não-participação da Capitã Marvel na batalha. Será que ela tá presa em algum lugar? 🤔

Título original: Avengers: Infinity War
Ano de lançamento: 2018
Direção: Joe Russo, Anthony Russo
Elenco: Robert Downey Jr., Chris Evans, Chris Hemsworth, Scarlett Johansson, Mark Ruffalo, Josh Brolin, Chadwick Boseman, Benedict Cumberbatch, Tom Holland, Chris Pratt, Zoe Saldana, Paul Bettany, Elizabeth Olsen, Sebastian Stan, Bradley Cooper

Review: Pantera Negra

Oi pessoal, tudo bem?

Hoje vim contar pra vocês o que achei desse tiro que foi Pantera Negra! ❤

poster pantera negra.png

Sinopse: Após a morte do rei T’Chaka (John Kani), o príncipe T’Challa (Chadwick Boseman) retorna a Wakanda para a cerimônia de coroação. Nela são reunidas as cinco tribos que compõem o reino, sendo que uma delas, os Jabari, não apoia o atual governo. T’Challa logo recebe o apoio de Okoye (Danai Gurira), a chefe da guarda de Wakanda, da irmã Shuri (Laetitia Wright), que coordena a área tecnológica do reino, e também de Nakia (Lupita Nyong’o), a grande paixão do atual Pantera Negra, que não quer se tornar rainha. Juntos, eles estão à procura de Ulysses Klaue (Andy Serkis), que roubou de Wakanda um punhado de Vibranium, alguns anos atrás.

Sabe quando você assiste a um filme e sente o impacto? Pois é, eu senti. Pantera Negra já prometia ser revolucionário: com um elenco majoritariamente negro, o estúdio não cometeu o erro de embranquecer um longa que trata não apenas sobre um super-herói, mas também sobre a cultura negra e africana. Isso é ainda mais relevante quando lembramos que universo nerd é extremamente preconceituoso e escroto. Não concorda? Dá uma olhadinha nessa notícia recente sobre o Comics Gate.

Enfim, vamos ao filme. Após a morte do rei T’Chaka em Capitão América: Guerra Civil, T’Challa precisa assumir o manto de rei de Wakanda. Após alguns desafios pelo trono, ele torna-se rei e precisa enfrentar alguns dilemas morais. A mulher que ama, Nakia, acredita que Wakanda deve sair das sombras e ajudar os povos negros necessitados ao redor do mundo. Ela trabalha arduamente para resgatar e salvar pessoas que ainda vivem em situação de escravidão e exploração e, portanto, acha um erro que Wakanda mantenha-se fora de tudo isso. O local é riquíssimo graças ao Vibranium em abundância, além de ser uma potência tecnológica avançadíssima graças a esse precioso metal. E, para a surpresa de T’Challa, mais pessoas acreditam que Wakanda deve se expor, sendo uma delas o vilão do filme, Erik Killmonger. Entretanto, ao contrário da pacifista Nakia, Erik deseja armar a população negra ao redor do mundo para acabar de vez com qualquer opressão. Seus métodos podem não ter aprovação unânime, mas é compreensível: seu intuito é dar força aos oprimidos para acabar com a opressão. Contudo, existem também motivações pessoais em seus planos, que incluem vingança por uma tragédia de seu passado (e é graças a isso que o personagem se torna mais “vilanesco”).

pantera negra 7.png

Apesar das maneiras tortas e da moral questionável do vilão, não há como negar que ele é o personagem que coloca o dedo na ferida em Pantera Negra. Erik diz uma verdade cruel: existem milhões de pessoas como ele sofrendo, sendo oprimidas e até mesmo escravizadas. Em pleno século 21, ainda vivemos em um mundo que é claramente desigual e injusto, onde negros são marginalizados e explorados. O discurso de Erik é poderoso e a atuação de Michael B. Jordan é intensa, passando muita emoção ao espectador. Aliás, fico muito feliz em dizer que dessa vez a Marvel acertou em cheio no vilão. Não apenas por tudo que ele representa em sua fala (extremamente necessária), mas também por sua origem e seu desenvolvimento.

pantera negra

Os outros personagens também são ótimos. T’Challa é um homem que tem humildade para aprender com os erros do passado. Além disso, está acompanhado de três mulheres poderosíssimas: Nakia, a General Okoye e sua irmã mais nova, Shuri. Que trio, meu povo, que trio! Além de apresentarem novas formas de beleza ao nosso olhar viciado pelo padrão eurocêntrico, essas três são personagens para aplaudir de pé por vários motivos: são fortes, independentes, determinadas, inteligentes e autossuficientes. Nakia sabe o que quer e não está disposta a deixar homem nenhum (por mais que o ame) impedir seus objetivos. A General Okoye é uma exímia lutadora de grande lealdade e senso do que é certo e errado. E Shuri vem para mostrar que mulheres são inteligentes, inovadoras e capazes em áreas que são predominantemente dominadas por homens, como a da tecnologia. Muito amor por esse trio! ❤

pantera negra 2.png

A cultura africana também está presente nos adornos de Wakanda, na paisagem, nos rituais das tribos, nas canções, nas vestimentas. Se eu, que sou branca, me senti profundamente emocionada ao ver tudo isso retratado no cinema, mal posso imaginar o que negros e negras sentiram assistindo a Pantera Negra. São esses detalhes que tornam o longa tão marcante, porque ele dá voz a um povo que dificilmente consegue se ver representado nas mídias. E só por isso ele já vale seu ingresso! Para ser totalmente honesta, existem algumas coisas no roteiro que são um pouco duvidosas. A decisão do rei T’Chaka em 1992 é a principal delas (selecione se quiser ler): não fez muito sentido pra mim ele deixar uma criança inocente abandonada à própria sorte apenas para encobrir a morte que ele causou. Mas nada disso tira o brilho da trama, obviamente.

pantera negra 5.png

Só posso dizer uma coisa: que filmes como Pantera Negra sejam cada vez mais comuns e abundantes. Essa história vale seu ingresso não apenas pelo ótimo enredo e ritmo alucinante (que te deixam de olhos grudados na tela), mas também por tudo que representa. Wakanda forever!

P. S. (com spoiler, selecione se quiser ver): MEU BUCKY TÁ DE VOLTA!

Título original: Black Panther
Ano de lançamento: 2018
Direção: Ryan Coogler
Elenco: Chadwick Boseman, Michael B. Jordan, Lupita Nyong’o, Danai Gurira, Letitia Wright, Martin Freeman, Daniel Kaluuya, Winston Duke, Angela Bassett, Forest Whitaker

Review: Maze Runner: A Cura Mortal

Oi pessoal, tudo bem?

Ontem fui conferir Maze Runner: A Cura Mortal, o desfecho da trilogia Maze Runner, e hoje conto o que achei pra vocês (sem spoilers)! 😉

maze runner a cura mortal poster.png

Sinopse: No terceiro filme da saga, Thomas (Dylan O’ Brien) embarca em uma missão para encontrar a cura para uma doença mortal e descobre que os planos da C.R.U.E.L podem trazer consequências catastróficas para a humanidade. Agora, ele tem que decidir se vai se entregar para a C.R.U.E.L e confiar na promessa da organização de que esse será seu último experimento.

Tiro, porrada e bomba: isso resume A Cura Mortal. O filme começa com um plano ousado de Thomas e dos outros sobreviventes de resgatar Minho (que, no longa anterior, foi raptado pela C.R.U.E.L. após a traição de Teresa), mas o grupo não é bem sucedido. Thomas, contudo, não desiste de seu objetivo. Na companhia de Newt, Brenda e Jorge, ele parte em direção à Última Cidade (onde fica a sede da C.R.U.E.L.) para resgatar o amigo.

maze runner a cura mortal 2.png

Eu não gostei muito de Prova de Fogo, o segundo filme da trilogia. Achei confuso, bagunçado, sem foco. A Cura Mortal não é perfeito, mas é muuuito melhor, e encerra com dignidade a saga Maze Runner. Thomas e Newt têm uma parceria incrível, que fica ainda mais evidenciada quanto os sintomas do Fulgor começam a se manifestar com mais força em Newt (que foi mordido no filme anterior). Brenda também é uma personagem bacana, que convence o espectador de suas motivações e emoções.

maze runner a cura mortal.png

Teresa é uma das personagens mais interessantes: comentei no review do filme anterior que eu achava que ela pudesse ter sido manipulada pela C.R.U.E.L. para trair os amigos, mas ela tomou essa decisão por vontade própria. A personagem sabe que está fazendo algo errado, mas acredita que suas atitudes são válidas em nome de um bem maior: a cura da humanidade. Essa dualidade torna Teresa alguém complexo, e eu gosto de personagens assim. Os vilões, entretanto, deixam muito a desejar. O Janson de Aidan Gillen é caricato (e me lembra demais o Mindinho, de Game of Thrones) e Ava é totalmente descartável. Temos também a adição de um novo personagem, Lawrence, que tem zero aproveitamento.

maze runner a cura mortal 3.png

Apesar dos deslizes em relação a alguns personagens, a trama é mais consistente que Prova de Fogo. Os personagens estão focados em seus objetivos e a ação se mantém sempre ao redor disso. Entretanto, as soluções de último minuto (deus ex-machina) e o excesso de reviravoltas acabam tornando o filme um pouco cansativo – olhei o horário durante a sessão uma ou duas vezes. Os cenários são bastante impressionantes. O ambiente árido mostra a desolação causada pelo Fulgor, enquanto a Última Cidade se ergue em seu esplendor, contrastando com toda a destruição ao redor.

maze runner a cura mortal 4.png

Apesar dos clichês, das soluções fáceis (é difícil de engolir que Thomas e seu grupo consiga fazer tanta coisa foda) e de alguns personagens subaproveitados, gostei muito de Maze Runner: A Cura Mortal. O filme traz algumas perdas que emocionam, tem um ritmo que te deixa interessado e conclui de forma competente a história iniciada em Correr ou Morrer. Pra quem já é fã da saga, recomendo! 😉

Título original: Maze Runner: The Death Cure
Ano de lançamento: 2018
Direção: Wes Ball
Elenco: Dylan O’Brien, Kaya Scodelario, Thomas Brodie-Sangster, Rosa Salazar, Aidan Gillen, Ki Hong Lee, Giancarlo Esposito

Review: Viva – A Vida É Uma Festa

Oi pessoal, tudo bem?

Finalmente arranjei um tempinho para ir ao cinema conferir Viva – A Vida É Uma Festa! ❤ Eu amo animações e estava mega ansiosa pra conferir a nova obra da Disney-Pixar (que inclusive até já ganhou Globo de Ouro).

poster viva a vida e uma festa.png

Sinopse: Miguel é um menino de 12 anos que quer muito ser um músico famoso, mas ele precisa lidar com sua família que desaprova seu sonho. Determinado a virar o jogo, ele acaba desencadeando uma série de eventos ligados a um mistério de 100 anos. A aventura, com inspiração no feriado mexicano do Dia dos Mortos, acaba gerando uma extraordinária reunião familiar.

Miguel é um menino mexicano que vem de uma longa linhagem de sapateiros. Essa linhagem começou com Mama Amélia, sua tataravó, que criou a filha Inês sozinha após seu marido deixá-las para perseguir o sonho de ser um músico famoso. Por causa dessa decisão, a música é proibida e odiada na família de Miguel – o que causa uma grande frustração no garoto, que é apaixonado por cantar e tocar violão.

viva a vida e uma festa 3.png

As coisas viram de cabeça pra baixo quando Miguel decide se inscrever no show de talentos que ocorre na celebração do Dia dos Mortos. O menino invade a cripta de seu grande ídolo, Ernesto de la Cruz (um músico e ator famoso que morreu precocemente) para pegar seu violão e participar do concurso. Porém, essa atitude desencadeia uma consequência inesperada: Miguel é transportado para o Mundo dos Mortos e precisa da benção de um parente para voltar.

viva a vida e uma festa.png

Viva (fun fact: o nome real do filme, Coco, se refere ao nome original da bisavó de Miguel, Inês. No Brasil, o nome foi mudado em função da semelhança com a palavra… “cocô” hahaha!) já encanta pela animação em si. Os cenários e os personagens são tão detalhados, cheios de cor e de vida (não foi um trocadilho, juro) que é impossível não ficar com os olhos brilhando enquanto assistimos. Toda a mitologia do Dia dos Mortos é muito bem trabalhada no longa, além da beleza visual da data (com suas caveiras mexicanas e altares decorados). O filme também trata da importância dessa data na cultura mexicana: as pessoas preparam cada altar e cada oferenda com todo o carinho, de modo a possibilitar a passagem dos espíritos à Terra para que possam visitar suas famílias. É lindo! Além disso, a trilha sonora (obviamente) tem um papel fundamental na trama, nos envolvendo em cada situação na qual se faz presente. Outro aspecto bacana é que o filme trouxe um vilão de respeito! Sabe aqueles vilões clássicos das animações que nos fazem odiá-los com todas as forças? Temos!

viva a vida e uma festa 6.png

Já no Mundo dos Mortos, Miguel vivencia uma outra experiência familiar. Se na Terra ele se sentia incompreendido e amaldiçoado por não poder viver de música, no outro plano ele aprende muito mais sobre o passado de sua família ao encontrar Mama Amélia e seus parentes. O garoto foge deles e acaba contando com a ajuda de Héctor, um rapaz que só deseja que alguém leve sua foto para o Mundo dos Vivos para que ele possa cruzar a ponte que une os dois mundos também. Mortos que não possuem foto alguma em nenhum altar não podem retornar e, para piorar, uma vez que esses mortos sejam esquecidos pelos vivos, eles somem para sempre. Já deu pra notar que, apesar das cores alegres e vívidas, a trama tem diversos aspectos melancólicos, né?

viva a vida e uma festa 5.png

E se teve uma coisa que esse filme provocou em mim foi emoção. Chorei tanto, mas tanto… Viva é um filme lindo e tocante, que aborda o perdão e as relações familiares como poucos filmes de animação já fizeram. Traz o papel da memória para manter os laços com quem amamos, e também a dor de uma mãe solteira que foi deixada, o arrependimento de um pai que não teve tempo suficiente e as cicatrizes que ficaram dessa situação. No fim do filme, não é apenas Miguel aprende que não há nada mais importante do que a família. Nós também saímos com essa mensagem da sala de cinema. ❤

Título original: Coco
Ano de lançamento: 2017 (EUA) e 2018 (Brasil)
Direção: Lee Unkrich, Adrian Molina
Elenco: Anthony Gonzalez (VIII), Gael Garcia Bernal, Benjamin Bratt, Alanna Ubach, Renée Victor, Ana Ofelia Murguía

Review: Assassinato no Expresso do Oriente

Oi pessoal, tudo certo?

Quem me acompanha há algum tempo deve saber que histórias policiais são algumas das minhas favoritas. Sou completamente apaixonada pelo estilo e, sempre que possível, confiro obras desse gênero. Dessa vez fui ao cinema assistir a Assassinato no Expresso do Oriente, que adapta uma das obras mais famosas da Rainha do Crime, Agatha Christie!

assassinato no expresso do oriente poster.png

Sinopse: O detetive Hercule Poirot (Kenneth Branagh) embarca de última hora no trem Expresso do Oriente, graças à amizade que possui com Bouc (Tom Bateman), que coordena a viagem. Já a bordo, ele conhece os demais passageiros e resiste à insistente aproximação de Edward Ratchett (Johnny Depp), que deseja contratá-lo para ser seu segurança particular. Na noite seguinte, Ratchett é morto em seu vagão. Com a viagem momentaneamente interrompida devido a uma nevasca que fez com que o trem descarrilhasse, Bouc convence Poirot para que use suas habilidades dedutivas de forma a desvendar o crime cometido.

O filme tem um início um pouco lento, o que me desagradou um pouco a priori. Hercule Poirot, um dos mais famosos e competentes detetives do mundo, está em Jerusalém e auxilia na resolução de um caso por lá. Por coincidência, acaba encontrando um velho amigo, Bouc, que é responsável pelo trem Expresso do Oriente (o trem que o detetive precisa tomar) e consegue um encaixe para Poirot em um dos vagões. Contudo, a viagem que tinha tudo para ser tranquila é interrompida por duas coisas: uma tempestade de neve e um assassinato. Bouc implora para que Poirot resolva o caso e, em nome da amizade com o rapaz e movido por seu senso de justiça, ele aceita.

assassinato no expresso do oriente 3.png

É aí que o filme ganha ritmo. Com enquadramentos diferenciados (com ângulos vistos de cima, por exemplo) e um ambiente um tanto quanto claustrofóbico (já que o lado de fora do trem é um ambiente inóspito cheio de neve), vamos acompanhando Poirot em sua investigação, em uma tentativa de juntar as peças para desvendar o assassinato do Sr. Ratchett, um comerciante de antiguidades desonesto. No total, são 12 passageiros investigados: cada um com seus segredos, seus álibis (ou falta deles) e histórias. Essa parte do filme é muito interessante, pois vamos conhecendo mais de cada personagem junto de Poirot. O longa conseguiu me enganar em relação ao assassino. Mas a melhor parte é a revelação final no fim do filme: pela primeira vez fiquei emocionada com a resolução de um crime. A cena é intensa e conecta todos os pontos do enredo de uma maneira muito convincente.

assassinato no expresso do oriente 4.png

As atuações merecem grande destaque! O Poirot de Kenneth Branagh (que é também o diretor do longa) é engraçado e tem traços caricatos, mas ele vai além: é também um homem muito sensível, com suas próprias cicatrizes do passado, e que se vê na posição de questionar tudo o que acredita. Agora, se teve alguém que mexeu comigo, foi Michelle Pfeiffer, a Sra. Hubbard. Ela entrega grande emoção quando necessário, mas também sabe utilizar a sensualidade e a dissimulação sempre que necessário.

assassinato no expresso do oriente.png

A trilha sonora é ótima, sendo capaz de criar tensão e emocionar. Os figurinos da década de 30 são maravilhosos e conseguem transmitir características importantes dos personagens. Por fim, os cenários enchem os olhos. As paisagens que vemos enquanto o trem se move são lindas, bem como a desolação causada pela neve. Mas o encanto mesmo está dentro do trem, em cada detalhe que o compõe.

assassinato no expresso do oriente 2.png

Eu adorei Assassinato do Expresso do Oriente! Se eu já estava empolgada com Agatha Christie após ler E Não Sobrou Nenhum, agora tenho ainda mais vontade de conferir mais obras da autora. Recomendo muito!

Agora vou comentar duas coisas que não curti muito (são spoilers, leia por sua conta e risco, hein?): 1) em que momento o Poirot sacou que o Ratchett era o Cassetti? Juro que não saquei quando isso aconteceu; 2) Por que raios o Cassetti matou a Daisy? Ele tinha algum “motivo” ou simplesmente decidiu invadir uma casa, sequestrar e matar uma garotinha inocente? Se fosse o segundo caso, gostaria que tivessem desenvolvido isso, mostrado que o personagem é um psicopata ou algo do tipo. Se ele tivesse alguma razão (vingança ou qualquer coisa assim), gostaria que tivesse sido mostrado. Achei o crime do Cassetti muito arbitrário.

Título original: Murder on the Orient Express
Ano de lançamento: 2017
Direção: Kenneth Branagh
Elenco: Kenneth Branagh, Michelle Pfeiffer, Josh Gad, Derek Jacobi, Penélope Cruz, Daisy Ridley, Leslie Odom Jr., Tom Bateman, Johnny Depp