Review: El Camino: A Breaking Bad Movie

Oi pessoal, tudo bem?

Quem já leu minha resenha de Breaking Bad sabe que minha relação com a série foi do ódio ao amor, e eu terminei de assisti-la totalmente impressionada com a qualidade narrativa e técnica. Portanto, era óbvia minha ansiedade para conferir El Camino: A Breaking Bad Movie, o longa da Netflix que mostra o desfecho da jornada do meu personagem favorito: Jesse Pinkman. Por tratar-se de um epílogo, há spoilers da série!

poster el camino.png

Sinopse: O fugitivo Jesse Pinkman tenta superar o passado. Escrito e dirigido pelo criador de Breaking Bad, Vince Gilligan, e estrelado por Aaron Paul.

Após ser sequestrado, ver a mulher que gostava ser assassinada, ser torturado de todas as formas e finalmente conseguir escapar de Todd, Jack e seus capangas, o último vislumbre que tivemos de Jesse foi dele pilotando o carro que roubou de seus captores (um El Camino, que dá nome ao filme) com os olhos marejados e uma sensação de êxtase. Mas e o que acontece depois? Jesse consegue se recuperar psicologicamente? Ele é preso? Ele foge? São perguntas que o longa vem para esclarecer.

el camino.png

Ao longo das cinco temporadas de Breaking Bad, sempre ficou nítido para mim que Jesse era uma pessoa que tomou decisões erradas, trilhou um caminho ruim, mas tinha um coração essencialmente bom. Senti muita pena de todas as vezes em que ele tentou se desvencilhar de Walter (conhecido como o personagem mais egoísta do mundo, te odeio Walter White bjs) e fiquei de coração partido quando ele foi capturado e torturado na reta final da trama. Por todos esses motivos, mesmo sabendo que o personagem tem sua parcela de culpa em tudo que aconteceu, eu sempre torci por ele, para que ele conseguisse mudar de vida e encontrar a felicidade. El Camino vem para mostrar como essa jornada se desenrola, afinal, os traumas, o remorso e a culpa que acompanham Jesse são profundos.

el camino (2).png

Apesar de descobrirmos mais sobre o tempo de Jesse em cativeiro e também vislumbrarmos as cicatrizes (literais e metafóricas) que toda a vivência do personagem deixou, El Camino não se concentra tempo demais em torno desse drama, evitando superexpor as cenas de sofrimento. A história é ágil, direta, objetiva: são 2h e 2 minutos de duração que têm um ritmo muito semelhante ao da série, fazendo com que o longa pareça um episódio mais duradouro de Breaking Bad. Com adição de alguns flashbacks para contextualizar certas situações, El Camino ainda nos agracia com a possibilidade de matar a saudade de alguns personagens (ou de odiá-los mais um pouquinho rs). Porém, fica um pequeno alerta: mesmo com o resumo no início, há alguns detalhes da trama original que eu não consegui me lembrar tão bem quanto gostaria. O filme contextualiza depois, mas talvez valha a pena assistir à quinta temporada de novo, ou pelo menos aos episódios finais, caso você também fique com a sensação de “hmmm quem é esse mesmo?”. 😛

el camino (3)

Outro aspecto incrível sobre El Camino é a consistência em relação à série. Vince Gilligan conseguiu recriar toda a atmosfera de Breaking Bad mesmo 6 anos após seu fim. E olha que eu não sou a maior entusiasta de spin-offs! Aaron Paul, por sua vez, retoma todo o peso dramático com qual Jesse terminou na series finale e desenvolve os desdobramentos disso com perfeição, até chegar ao ponto de esperança e renovação para o personagem. E o que dizer da fotografia? Assim como sua contraparte televisiva, que trazia cenas icônicas, El Camino também tem momentos tão belos quanto a produção que o antecede. Destaque para um dos cenários finais, que traz toda a sensação de liberdade que a narrativa inteira buscou.

el camino (4).png

El Camino é a história que os fãs de Breaking Bad não sabiam que precisavam: um desfecho digno para Jesse, que finalmente teve a chance de tomar as rédeas da própria vida. O longa faz isso com respeito ao legado da série, com consistência em relação a tudo que faz de Breaking Bad o que ela é e, principalmente, dá protagonismo ao personagem que foi usado como um fantoche em diversos momentos da produção original. Ter a chance de ver Jesse como alguém livre da influência de Walter, com a possibilidade de fazer o que quiser com essa liberdade, foi revigorante. Porque, ao contrário de Walter, Jesse é alguém cuja humanidade nunca desapareceu, apesar dos crimes cometidos. E é nessa humanidade que a gente aposta. 🙂

Título original: El Camino: A Breaking Bad Movie
Ano de lançamento: 2019
Direção: Vince Gilligan
Elenco: Aaron Paul, Jonathan Banks, Matt Jones, Charles Baker, Jesse Plemons, Tom Bower

Anúncios

Review: It – Capítulo 2

Oi pessoal, tudo bem?

Depois de um longo período cheeeio de expectativa, It – Capítulo 2 chegou aos cinemas e é claro que eu corri para conferir! 🎈

poster it capitulo 2

Sinopse: 27 anos depois dos eventos de “It A Coisa”, Mike (Isaiah Mustafa) percebe que o palhaço Pennywise (Bill Skarsgard) está de volta à cidade de Derry. Ele convoca os antigos amigos do Clube dos Otários para honrar a promessa de infância e acabar com o inimigo de uma vez por todas. Mas quando Bill (James McAvoy), Beverly (Jessica Chastain), Ritchie (Bill Hader), Ben (Jay Ryan) e Eddie (James Ransone) retornam às suas origens, eles precisam se confrontar a traumas nunca resolvidos de suas infâncias, e que repercutem até hoje na vida adulta.

27 anos após a luta com Pennywise na casa amaldiçoada, o Clube dos Otários (agora separado) vive suas próprias vidas. Porém, após um assassinato homofóbico brutal, Mike Hanlon o único que ficou em Derry toma a decisão de ligar para cada um dos membros do grupo, a fim de relembrá-los da promessa feita tantos anos antes: se o Palhaço Dançarino voltasse, eles também voltariam para acabar de uma vez por todas com a ameaça. Uma vez reunidos novamente, os membros do Clube dos Otários precisam enfrentar não apenas Pennywise, mas principalmente as lembranças dolorosas que eles pensavam ter esquecido, bem como seus medos mais profundos.

it capitulo 2.png

O mais complicado quando você ama muito uma produção que terá continuação é que, inevitavelmente, as expectativas vão lá pro alto. E, quando elas não são atendidas, a queda também é grande. E foi isso que senti assistindo It Capítulo 2. 😦 Eu sou completamente apaixonada pelo primeiro filme, mas infelizmente não consegui me conectar ao desfecho da história.

Eu não sou fã de filmes de terror, e It A Coisa é uma exceção justamente porque foge da fórmula tradicional. Ele me remete a uma vibe Stranger Things, quase uma aventura mais sombria, e foca na história e na forte conexão do Clube dos Otários. It Capítulo 2, entretanto, peca ao substituir esses elementos por jump scares e excesso de efeitos especiais. Falando primeiro dos jump scares: além de extremamente cansativos, eles roubam tempo de tela de cenas que, para mim, são realmente assustadoras, envolvendo a persuasão ameaçadora de Pennywise. Para mim não há jump scare que ganhe da tensão que a cena do bueiro com Georgie me causou, por exemplo. Em relação aos efeitos especiais, eles são usados com demasia, beirando o ridículo em diversos momentos. O fato do filme ter focado menos nos personagens e mais nos sustos me decepcionou, porque o que me fez gostar de It foram justamente… os personagens!

it capitulo 2 (2).png

Além disso, é nítido que o longa tem uma “barriga” narrativa no segundo ato, quando cada membro do grupo precisa partir em uma missão individual que faz parte do plano para acabar com a Coisa. Essa parte da narrativa me causou uma sensação de tipo “okay, move oooon”. Em parte essa sensação aconteceu porque a trama traz de volta um antigo inimigo que é totalmente dispensável e só serve para tornar a história mais longa do que o necessário (são quase 3h de duração). E, para concluir as críticas negativas, devo mencionar os erros de continuidade: tudo bem, isso pode ser chatice minha, mas eu assisti ao filme 1 no dia anterior para “aquecer” e, como estava com a memória fresca, percebi cenas refilmadas que estavam diferentes das originais rs. Acho isso bem amador, ainda mais em uma superprodução, cês me desculpem hahaha!

it capitulo 2 (3).png

Porém, não posso deixar de exaltar as qualidades que o filme também tem. O casting foi sensacional e é possível enxergar cada um dos membros originais nos atores adultos. Gostaria de destacar o Richie de Bill Hader, que traz a mesma essência que Finn Wolfhard imprimiu no personagem no longa anterior. De maneira geral, todos os atores se saem muito bem, mas confesso que esperava mais de Jessica Chastain: pra mim, ela não conseguiu invocar o carisma que Sophia Lillis concedeu à versão adolescente de Beverly (cuja personalidade forte ficou apagada na vida adulta). O fato de existirem muitos flashbacks envolvendo o elenco infantil também não ajudou muito no desenvolvimento de suas contrapartes adultas, já que o filme os coloca em comparação o tempo todo (mesmo que de modo não intencional).

Outra coisa bacana envolvendo os personagens é que são reveladas informações a respeito deles que seu predecessor não tinha abordado. Isso dá a eles mais profundidade, mas também explica algumas situações e reações: a culpa de Bill ganha um novo significado, assim como Richie e seus (reais) medos são aprofundados – algo que não aconteceu no primeiro filme, em que ele era mais um alívio cômico.

it capitulo 2 (4).png

Eu não li o livro, mas sei que o Stephen King estava completamente drogado na época em que escreveu It (o que gerou situações bem polêmicas, tipo a cena de sexo infantil). Não sei avaliar o desfecho do filme, mas sendo alguém que apenas assistiu à adaptação, confesso que esperava um encerramento melhor, uma explicação mais estruturada sobre a Coisa. A maneira como eles a derrotam me pareceu bobinha, não condizente com a ameaça que a criatura tinha sido até então. Enfim…

it capitulo 2 (5).png

Eu não odiei It – Capítulo 2, mas dizer que gostei eu também não posso. 😦 Fiquei cansada dos jump scares, achei os efeitos especiais das criaturas bem toscos e senti falta do maior desenvolvimento das emoções dos personagens e de sua ligação. A atmosfera que fez com que eu me apaixonasse pelo primeiro longa não existe aqui e, pra mim, foi isso que fez toda a diferença. Ainda assim, It enquanto obra vale a pena, porque vai além dos argumentos clássicos do terror e abordando muito mais os traumas de infância e os medos que carregamos conosco (muitas vezes) por toda a vida. E vocês, já assistiram It Capítulo 2? Me contem o que acharam nos comentários!

P.S.: o que dizer da aparição ~Marvel que rolou? Entendedores entenderão. 😛

Título original: It Chapter Two
Ano de lançamento: 2019
Direção: Andy Muschietti
Elenco: James McAvoy, Jessica Chastain, Bill Hader, James Ransone, Jay Ryan (III), Isaiah Mustafa, Bill Skarsgård, Andy Bean

Review: Homem-Aranha: Longe de Casa

Oi gente, tudo bem?

Sexta-feira fui conferir o novo filme do MCU, Homem-Aranha: Longe de Casa, e agora conto pra vocês o que achei sem spoilers. 😉

homem aranha longe de casa.png

Sinopse: Peter Parker (Tom Holland) está em uma viagem de duas semanas pela Europa, ao lado de seus amigos de colégio, quando é surpreendido pela visita de Nick Fury (Samuel L. Jackson). Precisando de ajuda para enfrentar monstros nomeados como Elementais, Fury o convoca para lutar ao lado de Mysterio (Jake Gyllenhaal), um novo herói que afirma ter vindo de uma Terra paralela. Além da nova ameaça, Peter precisa lidar com a lacuna deixada por Tony Stark, que deixou para si seu óculos pessoal, com acesso a um sistema de inteligência artificial associado à Stark Industries.

Depois dos acontecimentos de Vingadores: Ultimato, Peter carrega o luto pela perda de Tony Stark e alimenta um desejo de viver uma adolescência normal (ou o mais próximo disso). Com uma viagem da escola se aproximando, o jovem planeja se afastar um pouco do universo dos super-heróis e também se declarar para a garota que gosta, MJ. Acontece que as coisas não saem como o planejado e, durante a Eurotrip, ele é contatado por Nick Fury, que precisa de sua ajuda para enfrentar seres Elementais que surgiram na Terra. E é nesse cenário que um novo herói entra em cena: Mysterio, oriundo de uma dimensão paralela, na qual enfrentou os Elementais e perdeu. A partir daí, Peter precisa tomar uma decisão: ele vai se posicionar como Homem-Aranha e priorizar suas responsabilidades como super-herói ou vai deixar tudo isso pra trás em busca de uma vida normal?

homem aranha longe de casa (4).png

O ponto fonte de Homem-Aranha: Longe de Casa são justamente os conflitos emocionais pelos quais Peter está passando. Lidando com a perda de seu mentor e sentindo-se perdido e até mesmo incapaz, o jovem Amigo da Vizinhança passa a maior parte da trama debatendo consigo mesmo, porque seu desejo genuíno é se afastar de tudo isso – e o remorso vem junto com esse sentimento. Existe uma espécie de pressão por parte das pessoas que o cercam, pois Tony Stark deixou um legado e uma expectativa de que Peter possa até mesmo a tomar o seu lugar. A questão é: o garoto genuinamente quer isso para si? E, se não quiser, como lidar com essa decisão sem se sentir uma decepção para Tony e sua memória?

homem aranha longe de casa (2).png

Acontece que eu tenho um problema com o universo do Homem-Aranha do MCU, e isso atrapalha muito a minha experiência com os filmes solo do Cabeça de Teia. Reforçando: EU tenho um problema com isso e EU, pessoalmente, não gosto de algumas coisas que vou pontuar agora (e isso não tem a ver com HQs, porque não as leio). Desde a primeira aparição do Peter de Tom Holland eu simplesmente não sentia que ele fosse o Peter Parker, sabem? Parece que não dá match na minha cabeça as histórias protagonizadas por Tom Holland com o que há no meu imaginário a respeito do Homem-Aranha. A própria conexão com o Tony é algo que, pra mim, nunca engrenou, e eu sempre achei um pouco exagerada. Obviamente, dá para imaginar que não sinto o mesmo impacto com plots envolvendo os dois, né? Depois que assisti Homem-Aranha no Aranhaverso essa sensação de “desconexão” entre Peter Parker x Tom Holland ficou ainda mais forte porque, pra mim, ele é basicamente o Miles Morales, tanto na ambientação quanto na personalidade. Enfim, essas questões fazem com que eu não consiga me sentir conectada ao Homem-Aranha de Tom Holland e, consequentemente, não aprecie tanto os filmes solo dele.

Dito isso, acho justo elogiar as coisas que funcionam no longa. As atuações estão ótimas (o fato de eu não curtir essa versão do Homem-Aranha não muda o fato de que Tom Holland é MUITO bom) e as cenas de ação estão eletrizantes. As batalhas que o Homem-Aranha enfrenta na Europa são muito envolventes e contam com efeitos especiais muito bons, que te deixam com a mesma sensação de desorientação que o super-herói enfrenta. Existem boas cenas de humor também, o que traz um tom jovial que combina bastante com a faixa etária dos personagens. Agora, sobre o vilão: achei suas motivações bem fracas e clichês, mas ele consegue fazer um BELO estrago que me deixou ansiosa pelo futuro (assistam as cenas pós-créditos e vocês vão entender do que estou falando).

homem aranha longe de casa (3).png

Resumindo, Homem-Aranha: Longe de Casa é um filme divertido, que entretém, mas que eu não consigo elogiar muito mais em função da falta de conexão que sinto com essa versão do Amigo da Vizinhança – e toda a “forçação” de barra em cima da relação com Tony Stark. Pra mim, acabou sendo uma experiência mediana, mas se você é fã do personagem e dessa nova proposta, provavelmente vai curtir bem mais que eu. E pra quem já assistiu ao filme: o que acharam? Me contem nos comentários! 😉

Título original: Spider-Man: Far From Home
Ano de lançamento: 2019
Direção: Jon Watts
Elenco: Tom Holland, Jake Gyllenhaal, Zendaya, Samuel L. Jackson, Jon Favreau, Jacob Batalon, Cobie Smulders, Marisa Tomei

Review: O Date Perfeito

Oi gente, tudo bem?

Apesar de achar que a Netflix está saturando a imagem do Noah Centineo, resolvi conferir O Date Perfeito, a mais recente comédia romântica estrelada pelo ator, e hoje conto pra vocês o que achei.

poster o date perfeito.png

Sinopse: Precisando de dinheiro para pagar pela faculdade, Brooks (Noah Centineo) decide criar um aplicativo que permite contratar um namorado para todo tipo de situação imaginável. Porém, adotar uma personalidade e um par romântico diferente para cada dia começa a se mostrar uma tarefa difícil e ele começa a se perguntar quem ele é de verdade e como pode encontrar o amor verdadeiro.

Brooks é um rapaz que sonha em entrar na prestigiada Universidade Yale. Porém, sua condição financeira não é a melhor possível para realizar esse objetivo e, quando surge a oportunidade de ganhar uma graninha extra saindo com a prima de seu colega de escola, Brooks não hesita em aceitar. A missão da noite é levar a temperamental Celia (que é a cara da Tata Werneck rs) ao baile da escola e trazê-la em segurança para casa mas, inesperadamente, uma amizade entre os dois surge e ela sugere, brincando, que ele ganhe a vida dessa forma. Com a ajuda de seu amigo programador, Murph, Brooks desenvolve um aplicativo de encontros, onde garotas podem determinar o tipo de pessoa com quem elas querem sair, e Brooks interpreta o cara ideal em eventos diversos: bailes, jantares, competições ou qualquer coisa (não sexual!) que necessite de um acompanhante. Porém, quanto mais perto Brooks chega de seu objetivo financeiro, mais questionamentos sobre sua identidade surgem.

o date perfeito .png

O Date Perfeito é um grande clichê adolescente: o garoto humilde se deslumbra com o mundo das pessoas ricas, há o conflito sobre o “verdadeiro eu” que sempre acontece nessa faixa etária e há um sentimento inesperado que se desenvolve. Porém, o filme traz esses elementos com um desenrolar gostosinho, o que faz dele um bom entretenimento casual. A amizade de Brooks e Celia é natural e a química entre os atores funciona muito bem; é divertido vê-los comentando sobre os crushes e percebendo como só um rostinho bonito não sustenta algo maior.

o date perfeito.png

O filme até pincela características mais profundas sobre Brooks e Celia – o primeiro tem um relacionamento familiar mal resolvido, enquanto Celia tem dificuldade de se se abrir e se conectar às outras pessoas –, mas o roteiro não aprofunda verdadeiramente essas questões. O conflito mais interessante, na minha opinião, acontece entre Brooks e Murph, cuja amizade fica abalada quando o primeiro (deslumbrado com o novo mundo no qual se inseriu) passa a negligenciar o relacionamento com o segundo. Brooks precisa quebrar a cara pra entender que amizades verdadeiras não são facilmente encontradas e que são necessárias duas pessoas – com esforços iguais – para mantê-las. Outro aspecto interessante envolvendo Murph é o fato do personagem ser gay e isso ser tratado com total naturalidade, sem big deal. Acho bacana que, assim como em Com Amor, Simon, relacionamentos gays apareçam de maneira leve em produções destinadas a adolescentes.

o date perfeito 2.png

Por fim, também gostei de perceber a evolução de Brooks ao longo da trama. Se no início do longa ele é um rapaz encantado com a ideia de ir para Yale, uma faculdade de elite, no final ele consegue compreender que há muito mais na vida que o status e as aparências. Entender nossa origem e quem somos não é um processo fácil, especialmente na adolescência, mas é um desafio pelo qual a maioria de nós passa – por isso, a situação do protagonista é bastante relacionável. No fim das contas, acredito que o importante é sermos fiéis a nós mesmos, buscando sempre melhorar. Acho que o Brooks aprende isso também. 😉

O Date Perfeito é um filme fofinho, meio fantasioso, mas ainda assim divertido de assistir. Ideal pra quem quer uma comédia romântica sem maiores pretensões ou expectativas e curtir a química de dois jovens que trazem o melhor um do outro à tona.

Título original: The Perfect Date
Ano de lançamento: 2019
Direção: Chris Nelson
Elenco: Noah Centineo, Laura Marano, Camila Mendes, Matt Walsh, Odiseas Georgiadis

Review: Corra!

Oi gente, tudo bem?

Já diria o ditado, “antes tarde do que nunca”. E cá estou, um pouquinho atrasada, resenhando Corra!, o aclamado longa do diretor Jordan Peele.

corra poster.png

Sinopse: Chris é um jovem negro que está prestes a conhecer a família de sua namorada caucasiana Rose. A princípio, ele acredita que o comportamento excessivamente amoroso por parte da família dela é uma tentativa de lidar com o relacionamento de Rose com um rapaz negro, mas, com o tempo, Chris percebe que a família esconde algo muito mais perturbador.

O único motivo pelo qual demorei tanto a conferir Corra! é muito simples: eu sou uma medrosa rs. Filmes de terror (ou de um suspense mais tenso) me impressionam facilmente e, como meu namorado não curte, acabo sem coragem de assistir sozinha. Mas aproveitei um dia ensolarado das férias pra matar a curiosidade e adianto que valeu a pena! O filme não é assustador (no sentido “terror” da coisa), mas ainda assim tem cenas angustiantes e uma trama muito inteligente.

Chris é um rapaz negro que vai visitar os pais da namorada – Rose, uma garota branca – pela primeira vez. Obviamente, ele ouve os clássicos “eles não são racistas” e “meu pai votaria no Obama de novo”, mas ainda assim o rapaz se dispõe a relevar possíveis comentários desagradáveis. Chegando lá, ele é recepcionado pelos Armitage, onde é tratado com muita cortesia e afabilidade – apesar de rapidamente perceber que, a despeito do discurso de “não somos racistas”, os empregados da casa são negros. Para aumentar o desconforto de Chris, dois agravantes: naquele fim de semana acontece uma festa em homenagem aos falecidos avós de Rose (com convidados majoritariamente brancos) e o comportamento dos empregados é assombroso, com seus sorrisos congelados e olhares vazios. Chris não demora a perceber que algo MUITO errado acontece naquela casa, e o fato de sua sogra ser uma psiquiatra especializada em hipnose não ajuda em nada em sua desconfiança.

corra.png

É impossível não ficar desconfortável presenciando os diálogos de Corra! e as situações pelas quais Chris passa. Enquanto assistia ao longa, só podia imaginar o quão frustrante e doloroso deve ser para pessoas negras viverem isso na vida real; porque, apesar de se tratar de uma obra de ficção, muitas das situações apresentadas no longa podem ser facilmente vistas no nosso dia a dia. Conheço inúmeras pessoas que já relataram ter vivido situações semelhantes às que Chris vive. O personagem tem seu corpo hipersexualizado, é visto como alguém de “físico superior” simplesmente por ser negro, tem sua inocência questionada por um policial sem evidência nenhuma para tal… Infelizmente, nada disso é surreal, nada disso é incomum.

corra (3).png

Corra! não precisa de jump scares nem de uma trilha sonora constantemente aflitiva para causar desconforto. Os momentos em que ambos ocorrem são pontuais, servindo para aumentar os níveis de tensão. A apatia dos personagens negros, seus olhares vidrados e seus sorrisos forçados conseguem causar muito mais medo do que qualquer recurso tradicional de filmes de terror. Você começa a temer pela segurança de Chris, quer que ele saia logo dali, mas percebe o quanto o personagem está sendo enredado pelo que acontece na casa da família de Rose. As atuações são sensacionais e as expressões faciais do elenco entregam toda a emoção necessária para causar temor, asco ou empatia. As pequenas doses de humor, de responsabilidade de Rod (melhor amigo de Chris) também são bem-vindas, mesmo esporádicas. O relacionamento de Chris e Rose também convence, e a química entre os dois torna muitos dos acontecimentos ainda mais surpreendentes.

corra (2).png

As críticas à desigualdade racial não estão somente na experiência de Chris na casa dos Armitage. O longa já abre com um personagem negro receoso por estar caminhando sozinho em um bairro mais chique, temendo se meter em problemas por “não pertencer” àquele lugar. Rod, apesar do tom cômico, também revela sua preocupação sobre Chris estar indo visitar os pais da namorada branca – sabendo que o amigo pode sofrer preconceitos. E, é claro, na situação com o policial antes mesmo de chegar na casa dos sogros. Basicamente, Chris nunca esteve 100% seguro, mesmo antes de passar pelas experiências aterrorizantes na casa. E isso se deve ao fato dele ser negro.

corra (4).png

A sequência final surpreende pela ação, que durante todo o longa não se faz presente – dando enfoque, até então, ao terror psicológico. Porém, no desfecho, Corra! traz uma eletrizante reviravolta que faz o espectador vibrar. Apesar de eu ter achado a mudança de ritmo um pouco abrupta e repentina, é um verdadeiro deleite observar a reviravolta dos acontecimentos.

Corra! é um filme excelente, que aborda o racismo por meio de metáforas muito claras e dolorosas de assistir. Com um elenco extremamente competente e um desenvolvimento envolvente, é difícil desgrudar os olhos do longa. E, para os medrosos como eu, que evitam filmes de terror a todo custo, podem ficar tranquilos. Muito mais assustador do que Corra! é pensar que situações muito semelhantes às retratadas na tela acontecem diariamente, na vida real.

Título original: Get Out
Ano de lançamento: 2017
Direção: Jordan Peele
Elenco: Daniel Kaluuya, Allison Williams, Catherine Keener, Bradley Whitford, Caleb Landry Jones, Lakeith Stanfield, Stephen Root, Lil Rel Howery

Review: Podres de Ricos

Oi pessoal, como estão?

Faz um tempo que estou na vibe de filmes leves, geralmente comédias românticas, pra passar o tempo. Um que eu estava super ansiosa pra conferir era Podres de Ricos (que assisti no avião, na longa viagem a Bogotá hahaha!). Vamos descobrir o que achei? o/

podres de ricos poster.png

Sinopse: Rachel Chu (Constance Wu) é uma professora de economia nos EUA e namora com Nick Young (Henry Golding) há algum tempo. Quando Nick convida Rachel para ir no casamento do melhor amigo, em Singapura, ele esquece de avisar à namorada que, como herdeiro de uma fortuna, ele é um dos solteiros mais cobiçados do local, colocando Rachel na mira de outras candidatas e da mãe de Nick, que desaprova o namoro.

Rachel Chu é uma professora da NYU e namora Nick Young há cerca de um ano. O jovem, que será padrinho de casamento do melhor amigo, convida Rachel a ir com ele a Singapura para participar da celebração e conhecer sua família. Acontece que, chegando lá, Rachel descobre muitos detalhes sobre a vida de Nick que até então ela desconhecia: o principal deles é que ele é herdeiro da família mais rica do país. Em meio a pressões sociais, a pessoas venenosas e à família de Nick (que a desaprova), Rachel precisa enfrentar diversos desafios e refletir sobre insistir ou não no relacionamento.

podres de ricos (5).png

A primeira coisa que chama a atenção no filme é a ostentação – o que faz o maior sentido, considerando a riqueza envolvida. Porém, Nick não é o cara deslumbrado com tudo isso; ele e Rachel vivem uma vida comum em Nova York e ele a ama por quem ela é (e também por ela amá-lo por quem ele é, ou seja, sem segundas intenções envolvendo seu dinheiro). Rachel é uma personagem divertida, simples, bem-resolvida e carismática – alguém relacionável, por quem é fácil torcer. Já deu pra perceber que esse casal conquista, não é mesmo? Desde o início você sente o carinho genuíno e o amor que eles sentem um pelo outro. E isso torna ainda mais injusto tudo que Rachel vive em Singapura.

podres de ricos (4).png

A mãe de Nick, Eleanor, é a primeira a deixar claro seu desgosto pela escolha do filho. Por Rachel ser americana (ainda que descendente de chineses) e de origem humilde, Eleanor não crê que ela seja a escolha certa para o herdeiro de seu império. As pessoas do círculo social da família Young também são hostis com Rachel, acusando-a de ser uma interesseira. As únicas duas pessoas que acolhem a protagonista são Peik Lin, sua antiga colega de universidade, e Astrid, a enigmática e discreta prima de Nick. Enquanto a primeira serve mais como alívio cômico, a segunda traz mais camadas e dramas próprios: Astrid é alguém de bom coração e bastante altruísta, mas vive um drama conjugal semelhante ao de Nick e Rachel, já que seu marido também não tem a mesma origem rica, o que causa atritos graves entre eles. A amizade que ela constrói com Rachel é muito bonita e um exemplo de apoio entre mulheres em uma trama na qual todas parecem desdenhar e prejudicar umas às outras.

podres de ricos.png

Outro aspecto sensacional do filme é, obviamente, o elenco de ascendência asiática. E não é nada estranho não ver pessoas brancas no longa, ao contrário do que muitos erroneamente podem pensar. Os atores são competentes, a cultura diferente encanta e a trama é uma típica comédia romântica (ou seja, não há motivos para resistência a personagens de outras etnias). Fiquei muito feliz que a produção não tenha “enfiado” atores ocidentais em uma trama que não precisava deles (algo que acontece muito no cinema, por sinal), dando espaço para novos tipos de cultura e representação. Os cenários e figurinos são um show à parte. Para uma reles mortal como eu, chega a ser difícil imaginar tanta exuberância e extravagância na vida real. Mas, apesar dos exageros (e até da breguice), é muito bacana perceber que os personagens principais sabem quem são e não se deixam seduzir por esse universo. Acho que esse foi o aspecto que mais me fez gostar de Rachel. Além disso, ela ama Nick a ponto de fazer o que é melhor pra ele – independente do quanto seu próprio coração possa sair machucado. O final do filme é clichê, mas me emocionou e me fez sorrir. Não é isso o que buscamos em comédias românticas? Eu sim! 😛

podres de ricos (3).png

Podres de Ricos é um ótimo romance, com cenas exuberantes, a dose certa de drama e um amor pelo qual vale a pena torcer. Apesar de trazer alguns clichês do gênero em sua trama, o filme se diferencia por trazer uma nova cultura, por respeitar a etnia dos personagens que representa, por criticar o julgamento baseado em aparências e por atuações competentes que fazem com que o espectador se afeiçoe aos personagens – especialmente Rachel, uma protagonista forte e admirável. Recomendo muito que você assista! ❤

Título original: Crazy Rich Asians
Ano de lançamento: 2018
Direção: Jon M. Chu
Elenco: Constance Wu, Henry Golding, Michelle Yeoh, Gemma Chan, Lisa Lu, Awkwafina, Nico Santos

Review: Vingadores: Ultimato

Oi gente, tudo bem?

O filme mais esperado do ano finalmente chegou e meu coração de Marvete não poderia ter ficado mais feliz com Vingadores: Ultimato. ❤ E eu vim contar pra vocês o que achei, SEM SPOILERS. 😉

vingadores ultimato poster.png

Sinopse: Após Thanos eliminar metade das criaturas vivas, os Vingadores precisam lidar com a dor da perda de amigos e seus entes queridos. Com Tony Stark (Robert Downey Jr.) vagando perdido no espaço sem água nem comida, Steve Rogers (Chris Evans) e Natasha Romanov (Scarlett Johansson) precisam liderar a resistência contra o titã louco.

Como seguir em frente quando tudo que você conhecia e amava se foi? Esse é o principal dilema que os Vingadores – e os habitantes da Terra num geral – precisam enfrentar. Após o estalar de dedo de Thanos, que dizimou metade dos seres vivos do planeta, o luto e a tristeza fazem parte da vida das pessoas, que tentam como podem seguir em frente. Porém, algumas pessoas não conseguem verdadeiramente seguir em frente; quando Steve Rogers e Natasha recebem o contato inesperado do (até então) desaparecido Scott Lang, que alega ter uma teoria de como consertar tudo, dois dos grandes líderes dos Vingadores decidem agir.

vingadores ultimato.png

Vingadores: Ultimato é o filme que veio para encerrar essa primeira grande fase do Universo Cinematográfico da Marvel e, com ele, temos diversas homenagens aos inúmeros longas e heróis que fizeram parte desses 11 anos de histórias. O filme é emocionante do início ao fim, principalmente porque vemos os personagens que amamos sofrendo com a falta daqueles que não puderam ser salvos e vivendo com a culpa de não terem sido capazes de evitar a tragédia. Todos os atores, sem exceção, entregam performances sensíveis, que deixam claros os sentimentos de dor e os fantasmas que os atormentam. Os reencontros entre eles e o apoio mútuo também são comoventes, porque deixam claro que não importam as diferenças que possam existir, a confiança e o carinho são imutáveis.

vingadores ultimato (2).png

Falando especificamente dos personagens, o trio Steve Rogers, Natasha e Tony Stark mais uma vez roubaram a cena. Enquanto os dois primeiros não encontram motivação para tentar seguir a vida (até porque ambos viam os Vingadores como sua família), Tony de certa forma acabou tendo mais sorte que seus companheiros. A frase a seguir pode ser considerada spoiler por algumas pessoas, então fique à vontade para selecionar: Por isso, é bastante compreensível quando o Homem de Ferro hesita em se juntar aos companheiros para tentar mudar o que aconteceu, afinal, ele tem medo que interferir nos fatos interfira também no seu futuro e no futuro de sua família. Porém, há tempos ficou claro que Tony Stark tem sim um coração e, portanto, ele não consegue deixar de fazer aquilo que é certo. Steve Rogers segue como o grande líder que sempre foi, acreditando até o fim que eles podem fazer a diferença. Nas cenas finais, a coragem do personagem é de arrepiar, e ele conquista um título que sempre soubemos que ele merece (não vou contar o que é rs). Já Natasha mostra uma face mais sensível e vulnerável, deixando claro que há muito a personagem deixou de ser uma espiã para se tornar uma verdadeira heroína, que faz o necessário para salvar as pessoas, “custe o que custar”.

vingadores ultimato (3).png

Clint Barton, o Gavião Arqueiro, tornou-se o Ronin, alguém amargurado e implacável que persegue seus inimigos (que, confesso, não entendi bem quem eram rs máfia?) sem dó. Bruce Banner e Scott Lang tiveram importância, mas de uma maneira mais leve. E, por fim, gostaria de falar sobre Thor: nas primeiras cenas o personagem é movido pelo ódio e pela vontade de se vingar de Thanos mas, uma vez que eles acreditam não ser possível mudar o que aconteceu, o personagem entra em uma depressão intensa. Ele não se preocupa mais em comandar a Nova Asgard e passa o dia se dedicando a atividades supérfluas e/ou autodestrutivas. Em certos momentos do filme, é vista a fragilidade emocional do personagem (que, em Guerra Infinita, teve a oportunidade de matar Thanos e, por ter falhado, não consegue se perdoar). Entretanto, na maior parte do longa ele é usado como alívio cômico, mesmo nessa situação tão delicada. Particularmente, não gosto muito dessa abordagem, mas como a Marvel percebeu que essa versão do Thor agrada mais o público, me parece que vão seguir investindo nela. Por fim, um rápido comentário sobre a Capitã Marvel: entendo que não queiram ter explorado tanto a personagem porque, afinal de contas, o filme era sobre os Vingadores originais e seus desfechos. Além disso, ela também seria um recurso muito “apelão” na luta contra o Thanos. Ainda assim, por toda a divulgação de como ela seria importante e tudo mais, minhas expectativas estavam um pouquinho mais altas em relação à sua participação. Veremos como será no futuro do MCU!

vingadores ultimato (4).png

Como eu disse, o filme é focado no grupo principal de Vingadores originais e, por isso, os outros personagens obviamente têm menos espaço de tela. Entretanto, quando as cenas de ação acontecem e vemos todos interagindo juntos, cada pelo do corpo se arrepia! Eu chorei em cenas tristes, chorei em cenas felizes de reencontros, chorei nas cenas de ação… Sim, eu sou chorona, mas acontece que Vingadores: Ultimato soube extrair o melhor de cada situação para dar aos fãs uma verdadeira homenagem a todo o amor que dedicamos a esse universo desde a estreia do icônico e inesquecível Homem de Ferro, em 2008. As batalhas, que unem personagens tão distintos, são alucinantes e você não consegue desgrudar os olhos.

vingadores ultimato (5).png

Vingadores: Ultimato tem o final agridoce prometido e te faz chorar de tristeza e também sorrir de satisfação. O longa encerra a trajetória dos nossos super-heróis favoritos de maneira magistral, entregando um resultado que impressiona e emociona qualquer fã. O filme se concentra em trabalhar de maneira excelente o estado psicológico de seus personagens e suas motivações para fazerem o que fazem, além de trazer uma grande nostalgia ao revisitar cenários conhecidos e marcantes da história dos heróis. Há 7 anos, eu não imaginava o impacto que Vingadores – e o MCU – teriam na minha vida enquanto mulher geek. Há 11 anos, eu não imaginava o quanto o Homem de Ferro abriria portas para uma nova paixão. Agora eu sinto apenas orgulho e gratidão por ter vivenciado toda essa experiência e ter visto sua conclusão da melhor forma possível. Obrigada, Marvel.

Título original: Avengers: Endgame
Ano de lançamento: 2019
Direção: Joe Russo, Anthony Russo
Elenco: Robert Downey Jr., Chris Evans, Scarlett Johansson, Chris Hemsworth, Mark Ruffalo, Jeremy Renner, Paul Rudd, Don Cheadle, Karen Gillan, Josh Brolin