Review: A Bela e a Fera

Oi, gente! Tudo certo?

Quinta-feira fui na estreia do filme pelo qual vim esperando com tanta ansiedade: A Bela e a Fera! A animação original faz parte da minha tríplice de filmes favoritos (junto com O Rei Leão e Mulan), então vocês podem imaginar o quanto eu esperava e quantas expectativas eu tinha por essa versão live-action. ❤

a bela e a fera poster.png

Sinopse: Moradora de uma pequena aldeia francesa, Bela (Emma Watson) tem o pai capturado pela Fera (Dan Stevens) e decide entregar sua vida ao estranho ser em troca da liberdade dele. No castelo, ela conhece objetos mágicos e descobre que a Fera é, na verdade, um príncipe que precisa de amor para voltar à forma humana.

O enredo segue com muita fidelidade o clássico de 1991. Um príncipe arrogante e todos que trabalham em seu castelo são amaldiçoados após a recusa dele em receber uma senhora idosa (que é na realidade uma feiticeira) em seu lar. A maldição só será quebrada se a Fera se apaixonar e o sentimento for recíproco. Próximo dali vive Bela, uma garota inteligente que vive com seu pai em uma aldeia provinciana (também alvo da maldição, mas de modo diferente). Todos a acham linda, mas muito esquisita – ela gosta de ler e não se preocupa com casamento, por mais que um dos homens mais cobiçados do lugar, Gaston, queira desposá-la. O cerne da trama não difere do clássico: Maurice, o pai de Bela, é aprisionado pela Fera, e a moça toma seu lugar. A partir disso, a relação dela com a Fera vai sendo construída, até que o amor floresça. Isso não é spoiler, viu? 😛

a bela e a fera.png

Eu não esperava que A Bela e a Fera fosse ser tão fiel à animação, já que outros live-actions da Disney tiveram mudanças bem significativas. Contudo, gostei muito de terem mantido a história original (com algumas adições das quais falarei em breve). A sensação que tive foi de encantamento, nostalgia e magia, pois foi indescritível ver cenas tão lindas quanto às do filme animado serem transportadas para a realidade. Os efeitos especiais deixaram o clima do longa ainda mais encantador, e cada detalhe era de encher os olhos (e o coração!). ❤ Ao mesmo tempo, as cenas novas e as camadas adicionadas aos personagens deram um ar moderno e foram gratas surpresas.

a bela e a fera 2.png

A trilha sonora é um dos pontos fortes de A Bela e a Fera (não é à toa que a animação ganhou o Oscar pela canção original e pela trilha sonora). No live-action, as músicas originais foram mantidas e estão maravilhosas. Amei ouvir a Emma cantando! Também gostei muito das canções interpretadas por Daniel Stevens (Fera) e Luke Evans (Gaston). Porém, o filme seguiu surpreendendo: novas músicas foram incluídas, e elas serviram para dar mais profundidade aos protagonistas, Bela e Fera. 

a bela e a fera 4.png

Falando em profundidade, o filme acertou em cheio ao mostrar mais da personalidade e do plano de fundo dos personagens. Bela agora não é “apenas” uma garota inteligente: ela é uma inventora. Ela auxilia o pai (que na nova versão é artista) e constrói até mesmo uma “máquina de lavar” rudimentar, para poder ler por mais tempo. A Fera também tem um outro lado apresentado ao espectador: se na animação nós não sabemos o que o fez ficar tão arrogante, agora descobrimos que ele já foi uma criança gentil e inocente, mas que foi levado a agir daquele modo. Isso torna sua “redenção” e sua mudança mais verossímeis, pois é mostrado que ele já foi bom um dia – e que pode voltar a ser. Outro grande acerto do live-action foi a inserção de mais personagens negros e dois personagens gays, sendo um deles LeFou. O personagem ganha mais complexidade e até mesmo coerência com esse lado sendo explorado – trabalhando muito bem com sua devoção a Gaston -, e mostra que a Disney está sendo mais representativa.

a bela e a fera 3.png

Os cenários e figurinos também estão fantásticos (apesar de alguns personagens amaldiçoados terem ficado um pouco creepy, por serem mais realistas #prontofalei). Tudo é muito luxuoso e exuberante: o castelo é maravilhoso, as roupas do baile são incríveis e o figurino da Fera no baile final é lindo! ❤

a bela e a fera 5.png

Espero que eu tenha conseguido, por meio desse review, mostrar o quanto o resultado desse filme foi maravilhoso. A Bela e Fera sempre foi meu filme de princesa favorito, e eu saí da sala de cinema com o rosto cheio de lágrimas e um sorriso enorme. Se eu vou assistir de novo? Com certeza! ❤ Assistam também!

a bela e a fera 6.png

Abaixo eu vou comentar duas coisinhas com spoiler, então selecione apenas se já tiver visto o filme (ou não se importar com spoilers haha!):

  • Achei mancada o fato da Disney ter perdido a oportunidade de ter dito o nome da Fera. Tem uma cena em que ele diz especificamente “eu não sou uma fera”, e eu já fiquei na expectativa esperando que ele fosse dizer o próprio nome. Não diz. A Bela se refere a ele como Fera antes, mas depois dessa cena não é falado mais nisso. 😦 Depois de terem dado um plano de fundo ao personagem, que o tornou mais humano e mais profundo, o mínimo que eu esperava era que ele tivesse nome!!!
  • Curti o novo artefato que surgiu no filme, o livro mágico que é capaz de transportá-los para qualquer lugar. Também serviu para trabalhar a origem da Bela, falando sobre sua mãe.

Título original: Beauty and the Beast
Ano de lançamento: 2017
Direção: Bill Condon
Elenco: Emma Watson, Dan Stevens, Luke Evans, Kevin Kline, Josh Gad, Ewan McGregor, Emma Thompson, Ian McKellen, Audra McDonald, Stanley Tucci

Review: Logan

Oi, gente! Tudo bem?

Vocês devem ter notado que o post dessa semana veio um dia depois do habitual, né? Acontece que eu estava na praia aproveitando minhas merecidas férias, e acabei não deixando o post agendado. Vocês me perdoam, né? 😛

Mas voltando à rotina, hoje vim contar um pouquinho do que achei de Logan, o filme de despedida de Hugh Jackman como Wolverine!

logan poster.png

Sinopse: Em 2029, Logan (Hugh Jackman) ganha a vida como chofer de limousine para cuidar do nonagenário Charles Xavier (Patrick Stewart). Debilitado fisicamente e esgotado emocionalmente, ele é procurado por Gabriela (Elizabeth Rodriguez), uma mexicana que precisa da ajuda do ex-X-Men para defender a pequena Laura Kinney / X-23 (Dafne Keen). Ao mesmo tempo em que se recusa a voltar à ativa, Logan é perseguido pelo mercenário Donald Pierce (Boyd Holbrook), interessado na menina.

Depois de tantas mancadas por parte da Fox – tanto nos filmes dos X-Men como nos dos Wolverine –, admito que eu não estava na hype de Logan. Contudo, conforme as primeiras críticas (super) positivas começaram a sair, fui ficando mais e mais curiosa. E valeu a pena! O filme é incrível, sendo e não sendo um filme de super-herói ao mesmo tempo, além de seguir um estilo totalmente diferente dentro desse tema.

filme logan 7.png

O longa se passa em um futuro distópico (2029, mais precisamente), e os mutantes praticamente não existem mais. Logan se vê com suas habilidades regenerativas debilitadas e vivendo isolado na companhia do mutante Caliban e do velho amigo Charles Xavier, que agora sofre com o Alzheimer. A rotina do grupo muda quando Gabriela López, uma enfermeira que trabalhava para a Transigen (empresa que herdou o projeto Arma X), entra em contato com Logan. Ela está acompanhada da jovem Laura/X-23, uma mutante sobrevivente do projeto originada a partir do DNA de Logan, e implora para que ele as leve ao “Eden”, o único local seguro para a menina. Com a morte de Gabriela e a perseguição por parte de Donald Pierce – um membro da Transigen –, Logan se vê responsável pela menina.

filme logan 6.png

Logan tem um estilo road movie, já que a maior parte de seu enredo é contado na estrada. A partir do momento em que Logan assume a responsabilidade por Laura, ele sabe que não pode parar, pois a perseguição ao grupo é implacável. Incentivado por Charles, que ainda carrega aquele sentimento de esperança em relação aos mutantes, Logan enfrenta diversas dificuldades para levar Laura a seu destino.

filme logan 5.png

O clima do filme é tenso. Não apenas pelo ritmo frenético, pela perseguição constante e pelas diversas tragédias que acontecem ao longo da trama. Mas principalmente pelo triste estado em que vemos personagens tão queridos e que acompanhamos há tanto tempo. É difícil ver Logan sofrendo para colocar as garras pra dentro, por exemplo, assim como é doloroso ver Charles convulsionando e causando um risco enorme a quem o cerca, devido ao seu poder telepático. Aliás, essas convulsões foram responsáveis por um episódio decisivo no passado dos personagens – que não é contado de maneira explícita, mas que ainda assim dá pra entender. Por sinal, diversos acontecimentos entre Dias de um Futuro Esquecido e Logan ficam nas entrelinhas, sendo necessária atenção pra captar tudo o que o filme está mostrando. Outro aspecto que merece destaque são as cenas de luta, tanto as de Logan como as de Laura: é impossível desgrudar os olhos da tela enquanto esses momentos acontecem. As batalhas são brutais, sangrentas e eletrizantes!

filme logan 2.png

As atuações também são intensas. Hugh Jackman encerra seu ciclo como Logan/Wolverine de uma maneira sublime, mostrando o cansaço do personagem – que já viveu tempo demais e sofreu perdas demais. (Sir) Patrick Stewart também é maravilhoso, com um Charles extremamente debilitado, mas que segue  fiel a suas crenças. Donald Pierce e os cientistas da Transigen são insistentes, mas não me marcaram muito. E por último, mas não menos importante, temos Laura (ou X-23). Durante boa parte do longa, a garota não fala uma única palavra. E tampouco é necessário: a expressividade dela fala por si só. Laura tem um passado sofrido, e a personagem transparece tudo aquilo que faz parte de sua construção: insegurança, desconfiança, raiva, agressividade, mas também a capacidade de amar as pessoas que cuidam dela.

filme logan 4.png

Logan é um filme diferente de qualquer filme dos X-Men ou do Wolverine até agora. Como eu disse no início do post, ele é e não é um filme de super-herói. Apesar de falar sobre um, dessa vez a abordagem é humana. Não nos deparamos com uma “aventura” dos X-Men, mas sim com um outro lado de Logan (e Charles): o das pessoas, e não dos mutantes. Logan traz o encerramento perfeito para personagens icônicos, com um enredo envolvente e emocionante. Recomendo demais!

Título original: Logan
Ano de lançamento: 2017
Direção: James Mangold
Elenco: Hugh Jackman, Patrick Stewart, Dafne Keen, Boyd Holbrook, Stephen Merchant, Elizabeth Rodriguez

Review: Moana: Um Mar de Aventuras

Oi pessoal, tudo bem?

Moana: Um Mar de Aventuras finalmente chegou aos cinemas em janeiro, e eu fui correndo conferir! Estava super ansiosa pra assistir ao novo filme da Disney e ver de perto a primeira princesa ondulada (lógico que rolou identificação capilar hahaha!) ❤

moana poster.png

Sinopse: Moana Waialiki é uma corajosa jovem, filha do chefe de uma tribo na Oceania, vinda de uma longa linhagem de navegadores. Querendo descobrir mais sobre seu passado e ajudar a família, ela resolve partir em busca de seus ancestrais, habitantes de uma ilha mítica que ninguém sabe onde é. Acompanhada pelo lendário semideus Maui, Moana começa sua jornada em mar aberto, onde enfrenta terríveis criaturas marinhas e descobre histórias do submundo.

Moana é a filha do chefe de uma tribo polinésia da ilha de Moto Nui e, desde pequena, espera-se que a garota siga os passos do pai e guie seu povo em uma vida tranquila na ilha em que vivem. Contudo, ainda na infância, Moana foi escolhida pelo oceano para cumprir uma missão: devolver o coração roubado de Te Fiti, uma deusa com o poder de criar a vida. Maui, o semideus, foi o responsável pelo roubo, e agora todas as ilhas criadas pela deusa estão perecendo. Moana, após descobrir que essa antiga história é real e incentivada pela sua avó, Tala (que conhece a neta como ninguém), parte rumo ao oceano no intuito de encontrar Maui e fazê-lo devolver o coração de Te Fiti.

moana 4.png

De forma muito resumida, esse é o eixo central do enredo do longa. Entretanto, diversos outros temas são abordados no filme: o rompimento com a tradição, a busca pela própria essência, a independência e a determinação na busca por um objetivo. Moana é uma personagem que ama sua família e seu povo e, justamente por isso, quer atender às expectativas que colocaram sobre ela. Porém, ela também não consegue ignorar quem ela realmente é – uma exploradora, com ambição para ir além e descobrir o que há depois do horizonte.

moana.png

Moana é um filme bastante feminista. Temos uma protagonista forte e determinada que rompe com diversos padrões de beleza e não precisa ser salva por homem algum. O que me leva a comentar outro aspecto bacana do filme: a falta de um par romântico. Moana encontra Maui e, depois de algumas desavenças, os dois passam a se respeitar e gostar um do outro. Como amigos! E isso é muito bacana, por dois motivos: 1) Moana é perfeitamente segura de si e totalmente independente, não precisando de um par romântico para se manter motivada ou realizar seus objetivos; e 2) o filme mostra que é normal haver amizade entre homens e mulheres, sem que isso seja levado para um sentido romântico.

moana 3.png

Por último, mas não menos importante: a trilha sonora e a arte do filme são fantásticas! ❤ As músicas são maravilhosas e muitas delas têm uma vibe “típica”, o que auxilia muito na ambientação do filme. A arte também é um show à parte: é impossível não se encantar pelo movimento dos cabelos da Moana e pelo mar azul e cristalino representado no filme.

moana 5.png

Com protagonistas fortes e cheios de personalidade, coadjuvantes super engraçados, uma história envolvente e uma pegada feminista, Moana: Um Mar de Aventuras é uma animação necessária. Aos poucos os padrões estão mudando e paradigmas estão sendo quebrados e eu, como fã incondicional da Disney e de animações, não poderia estar mais feliz. ❤ Amei esse filme e recomendo demais! 😉

Título original: Moana
Ano de lançamento: 2017
Direção: John Musker, Ron Clements
Elenco: Auli’i Cravalho, Dwayne Johnson, Rachel House, Temuera Morrison, Nicole Scherzinger, Jemaine Clement, Alan Tudyk

Review: Rogue One: Uma História Star Wars

Oi, pessoal, como estão?

Em primeiro lugar, gostaria de desejar a todos um Feliz Natal! Espero que a véspera tenha sido incrível e que o dia de hoje seja repleto de amor e muita alegria ao lado de quem vocês amam. ❤

Para o post de hoje eu não resisti a trazer um review de um filme muito aguardado a que assisti na sexta-feira: Rogue One: Uma História Star Wars!

poster rogue one.png

Sinopse: Ainda criança, Jyn Erso (Felicity Jones) foi afastada de seu pai, Galen (Mads Mikkelsen), devido à exigência do diretor Krennic (Ben Mendelsohn) que ele trabalhasse na construção da arma mais poderosa do Império, a Estrela da Morte. Criada por Saw Gerrera (Forest Whitaker), ela teve que aprender a sobreviver por conta própria ao completar 16 anos. Já adulta, Jyn é resgatada da prisão pela Aliança Rebelde, que deseja ter acesso a uma mensagem enviada por seu pai a Gerrera. Com a promessa de liberdade ao término da missão, ela aceita trabalhar ao lado do capitão Cassian Andor (Diego Luna) e do robô K-2SO.

Confesso pra vocês, apesar de ser super fã de Star Wars, eu não tava enlouquecida esperando por Rogue One. Estava me planejando pra assistir, claro, mas as minhas expectativas não estavam lá em cima porque não acompanhei muito de perto as informações que saíam sobre o filme. Pois é, eis que todas as expectativas que eu nem sequer imaginava que poderia ter foram superadas! QUE FILME INCRÍVEL. ❤

rogue one 4.png

O longa começa nos apresentando à família de Galen Erso, que vive isolado com a mulher Lyra e a filha Jyn. Ele é forçado pelo Império para trabalhar em um projeto de uma arma extremamente destrutiva. SIM, a Estrela da Morte! Sua mulher é morta na situação e sua filha consegue fugir, sendo resgatada por um amigo da família, Saw Gerrera. Após um corte, somos apresentados a Jyn adulta, que se transformou em uma fora-da-lei, está presa e sendo transportada por uma espécie de “camburão”. Ela é resgatada por alguns membros da Aliança Rebelde, que desejam que a garota entre em contato com Saw Gerrera, pois receberam a informação de que ele possui uma mensagem enviada por Galen por intermédio de um piloto imperial desertor. A partir dessa primeira aventura, o grupo parte em busca dos planos da Estrela da Morte.

rogue-one

Rogue One tem como objetivo principal preencher as lacunas entre Star Wars III e Star Wars IV. Ele vem para responder como os rebeldes conseguiram os planos da Estrela da Morte e também explica o – até então – furo: por que raios o Império deixou uma falha tão grave na sua arma mais poderosa? E o filme faz isso muito bem, com uma trama que faz sentido: um cientista forçado a construir a arma, que perdeu sua família, sabota a própria criação e ajuda os rebeldes a destruí-la. E, por se tratar de um enredo com um objetivo tão difícil e grandioso, o filme traz diversas cenas de ação muito bem executadas, capazes de nos prender na poltrona. Apesar do final ser um tanto óbvio, é difícil se preparar para enfrentá-lo (e eu juro que tentei!). Mesmo que o espectador saiba qual seja o desfecho, é impossível não ser envolvido pela garra e pela força (desculpem o trocadilho infame) dos personagens.

rogue one 2.png

Falando em Força, é muito interessante ver como ela é trabalhada em Rogue One. Mesmo após a extinção dos Jedis (exceto, é claro, por Obi-Wan e Yoda), existem pessoas que creem nela e a usam para guiá-los. Um exemplo é um dos personagens de que mais gostei: Chirrut Îmwe, um lutador marcial cego que mostra um lado mais religioso da Força, além de proporcionar algumas das cenas de luta mais legais. A amizade dele com Baze Malbus é muito bonita e rende algumas cenas emocionantes. O piloto Bohdi Rook também é crucial na missão, sendo uma fonte de informação importante sobre o Império. Temos também um novo trio principal (parece que Star Wars adora essa dinâmica): Jyn, Cassian e o robô K-2SO. Cassian é um rebelde da Aliança desde os seis anos. É feroz na luta pela causa, mas tem um grande coração. K-2SO é um robô imperial reprogramado extremamente divertido e carismático, sempre fazendo o espectador rir com suas estatísticas pessimistas. Jyn, contudo, decepciona. A atuação de Felicity Jones não convence, e a personagem não tem o carisma que Rey, por exemplo, demonstrou logo de cara. A personagem é bem fraca, infelizmente. Outro personagem que vale a menção: DARTH VADER! A participação do Lorde Sith é justificada e épica, porque em poucos minutos de tela ele demonstra todo o seu poder e grandeza. É difícil não ser fangirl nesse momento, sorry. 😛 Também tivemos o uso de CG para trazer alguns personagens importantes da trilogia original e, apesar de ter dado para notar que era animação, ainda assim achei o efeito satisfatório.

rogue one 3.png

Rogue One: Uma História Star Wars é um filme um pouco mais tenso do que os outros filmes da saga, apesar de ter momentos de humor bem colocados. Ele é totalmente fechado em si mesmo, tendo como objetivo encerrar alguns questionamentos em aberto e ampliar nosso entendimento sobre os sacrifícios feitos pela Aliança Rebelde na luta para a destruição do Império Galáctico. A Disney tem feito um excelente trabalho com os novos Star Wars, porque Rogue One foi épico, envolvente e marcante. Confiram!

Título original: Rogue One: A Star Wars Story
Ano de lançamento: 2016
Direção: Gareth Edwards
Elenco: Felicity Jones, Diego Luna, Alan Tudyk, Mads Mikkelsen, Ben Mendelsohn, Donnie Yen, Jiang Wen, Forest Whitaker, James Earl Jones

Review: Animais Fantásticos e Onde Habitam

Olá, pessoal! Tudo bem?

E depois de muita espera, muita ansiedade e duas idas ao cinema (uma na estreia e uma hoje), trago pra vocês meu review de Animais Fantásticos e Onde Habitam! ❤

animais-fantasticos-e-onde-habitam-review

Sinopse: O excêntrico magizoologista Newt Scamander (Eddie Redmayne) chega à cidade de Nova York levando com muito zelo sua preciosa maleta, um objeto mágico onde ele carrega fantásticos animais do mundo da magia que coletou durante as suas viagens. Em meio a comunidade bruxa norte-america, que teme muito mais a exposição aos trouxas do que os ingleses, Newt precisará usar todas suas habilidades e conhecimentos para capturar uma variedade de criaturas que acabam fugindo.

Não foi fácil escrever esse review. Como potterhead assumida, vocês sabem como é difícil pra mim manter a compostura quando falo sobre o universo mágico de J. K. Rowling HAHAHA! Mas vou me esforçar ao máximo pra trazer pra vocês o que achei de mais relevante em relação ao filme. 😉

animais-fantasticos-e-onde-habitam-4

Começando pela história: o roteiro de J. K. Rowling está incrível! Sério, essa mulher é capaz de fazer qualquer coisa com maestria! Apesar do início do filme ser um pouco mais lento, logo a trama começa a ganhar complexidade e somos apresentados a um universo totalmente novo. A história começa basicamente assim: o magizoologista Newt Scamander viaja a Nova York para comprar um presente, mas se vê no centro de uma confusão quando um dos animais que ele carrega em sua mala escapa e ele precisa usar magia na frente de um não-maj (aka trouxa), Jacob Kowalski. Quando se prepara para apagar a memória de Kowalski, este é mais rápido e sai correndo… com a mala de Newt! 😛 A partir desse incidente, o primeiro plot do filme tem início: três animais fogem da mala de Newt e ele se une a Jacob para tentar recuperá-los. Os dois acabam ganhando duas aliadas inesperadas: Tina e Queenie Goldstein, duas irmãs bruxas. Contudo, a trama vai muito além disso, pois existem outros aspectos em ação: o medo dos bruxos de serem descobertos pelos não-majs, a presença de seitas como a dos Segundos Salemianos (que buscam desmascarar os bruxos e promovem o ódio contra eles) e, principalmente, a ameaça latente de Gerardo Grindewald, um terrível bruxo das trevas. Além disso, novamente J. K. Rowling traz temas atuais para suas histórias: o filme fala, entre outras coisas, sobre questões políticas e extremismo. Sim, existem algumas pontas soltas (como o veneno com capacidades obliviativas no final) e personagens subexplorados (como a Presidente Picquery), mas eu espero que isso seja melhor trabalhado no futuro.

animais-fantasticos-e-onde-habitam

Além de um roteiro incrível, temos outro ponto forte característico do universo de J. K. Rowling: ótimos personagens! Eddie Redmayne trouxe à vida um Newt doce, tímido, totalmente deslocado e sem jeito para interações humanas, mas totalmente confortável com seus amigos animais. Tina Goldstein também é uma boa personagem: ex-auror, a funcionária do MACUSA (Congresso Mágico dos EUA) tem um caráter forte e busca sempre fazer o certo. Sua irmã, Queenie, é um amor! Meiga e engraçada, ela é tão leal quanto a irmã. Mas Jacob Kowalski rouba a cena! ❤ Carismático, engraçado e corajoso, o não-maj representa a todos nós com seu encanto e respeito em relação ao mundo bruxo. Também gostei da atuação de Ezra Miller, com seu Credence traumatizado e perturbado. Colin Farrell nos apresenta a um vilão dissimulado e consistente, mas um pouco óbvio demais. Agora, em relação a Grindelwald… não gostei, gente, sorry. Aquela caracterização ficou MUITO tosca e forçada, mais um dos estereótipos de Johnny Depp. Espero que ele surpreenda na atuação nos próximos filmes, porque olha…

animais-fantasticos-e-onde-habitam-2

Agora, um dos pontos fortes do filme é, obviamente, o clima de magia. Na estreia eu assisti a Animais Fantásticos no cinema normal, sem 3D, e hoje conferi em IMAX. Em ambos os casos, eu me senti totalmente envolvida pelos cenários, pela ambientação, pelos efeitos especiais e, é claro, pelos animais. ❤ A criatividade de J. K. Rowling é surpreendente, e pudemos conhecer um lado de seu mundo mágico que tinha muito potencial para ser explorado: o das criaturas mágicas. Adorei conhecer os animais de Newt e já me apaixonei por suas peculiaridades! Outro aspecto totalmente novo é a ameaça dos Obscurus, “seres” totalmente inéditos, com infinitas possibilidades para serem explorados. Em relação a essas novidades todas, devo admitir que em IMAX elas ficaram ainda mais evidentes, pois os efeitos especiais saltaram aos olhos, proporcionando grande imersão.

animais-fantasticos-e-onde-habitam-3

Bom, resumindo: Animais Fantásticos e Onde Habitam foi uma surpresa maravilhosa. Conseguiu se afastar de Harry Potter e ter vida própria ao mesmo tempo em que evoca nostalgia por nos levar de volta a esse universo sensacional. Gostei muito do tom mais leve e do humor presentes no filme e adorei o fato dele ter caminhado com as próprias pernas, usando apenas algumas referências a Harry Potter. O longa tem algumas falhas (como algumas pontas soltas e algumas atuações, conforme já citei antes), mas acerta muito mais do que erra. Com o perdão do trocadilho, mas se tem um adjetivo que combine com esse filme, certamente é fantástico. 🙂

Título original: Fantastic Beasts and Where to Find Them
Ano de lançamento: 2016
Direção: David Yates
Elenco: Eddie Redmayne, Katherine Waterson, Dan Fogler, Alison Sudol, Colin Farrell, Ezra Miller

Review: Doutor Estranho

Oi, gente! Tudo bem?

Novembro vai ser o mês dos filmes por aqui. 😛 Tem muitas estreias acontecendo pelas quais eu estava ansiosa e uma delas é tema do post de hoje: Doutor Estranho!

doutor-estranho-poster

Sinopse: Stephen Strange (Benedict Cumberbatch) leva uma vida bem sucedida como neurocirurgião. Sua vida muda completamente quando sofre um acidente de carro e fica com as mãos debilitadas. Devido a falhas da medicina tradicional, ele parte para um lugar inesperado em busca de cura e esperança, um misterioso enclave chamado Kamar-Taj, localizado em Katmandu. Lá descobre que o local não é apenas um centro medicinal, mas também a linha de frente contra forças malignas místicas que desejam destruir nossa realidade. Ele passa a treinar e adquire poderes mágicos, mas precisa decidir se vai voltar para sua vida comum ou defender o mundo.

Doutor Estranho é um filme de origem, e somos apresentados ao famoso, premiado e milionário neurocirurgião Stephen Strange. Arrogante, do tipo que escolhe pacientes de acordo com a complexidade do caso, mas muito orgulhoso do que faz (uma mistura de House com Tony Stark), Stephen tem no seu trabalho a razão para viver. Após sofrer um acidente de carro gravíssimo e ter o controle das mãos comprometido, ele investe toda a sua fortuna em busca da cura, que nunca encontra. Suas pesquisas o levam até o Nepal, a um local chamado Kamar-Taj. O lugar, porém, não é apenas um centro medicinal, mas sim um lugar místico que lida diretamente com magia e combate forças malignas de diversos universos que ameaçam a segurança da Terra. Guiado pela Anciã, a Maga Suprema, Stephen Strange descobre seus talentos para magia e acaba se envolvendo na luta contra Kaecilius, um antigo aluno da Anciã que deseja dar o controle da Terra a Dormammu, um ser místico que vive na Dimensão Negra.

doutor estranho.png

Já deu pra perceber que Doutor Estranho é repleto de elementos místicos, né? É por isso, inclusive, que o personagem demorou a surgir no Universo Cinematográfico da Marvel. Até então, os filmes não haviam trabalhado com a mais pura magia, e agora ela surge com Stephen Strange. No filme, são trabalhadas questões como o poder da mente para conjurar as magias, o plano astral e o multiverso e suas diversas possibilidades. A maneira como esses conceitos foram introduzidos foi muito bacana, sem soar falso, forçado ou artificial. Os efeitos especiais foram um show à parte, trazendo ao espectador toda essa atmosfera mágica. E isso que nem vi em 3D! Mesmo assim, fiquei encantada com as alterações da realidade, com as distorções do espaço, com as lutas repletas de magia… enfim, foi muito bacana!

doutor estranho3.png

Outro ponto positivo do filme: meu queridinho Benedict Cumberbatch! Doutor Estranho com personalidade,  humano, dividido entre o próprio egoísmo e a vontade de fazer o bem (um conflito que já era nítido mesmo quando ele atuava “apenas” como neurocirurgião). Também gostei da Rachel McAdams como Christine, ela ajudou a trazer a parte mais humana de Stephen à tona. Pena que a personagem tenha tido tão pouco tempo em tela e com menos importância do que deveria: ela é uma médica incrível, mas ficou à sombra de Stephen. Também gostei dos outros personagens, como a Anciã, o Mordo e o Wong.

doutor estranho2.png

Agora chegamos aos pontos negativos do filme: novamente, temos um vilão fraco e uma motivação sem graça. Quando somos apresentados ao Templo de Kamar-Taj e às explicações de que a Terra é protegida pelos Magos, também é explicado que Kaecilius é um antigo aluno da Anciã que se rebelou e agora está ao lado de Dormammu, o ser que reina na Dimensão Negra. É revelado que ele buscou a magia em Kamar-Taj pois havia perdido todos a quem amava e estava perdido. Pois bem, isso parece algo forte a ser explorado na sua motivação para ser vilão, né? Que nada, o filme decidiu que ele seria vilão apenas por estar ~revolts~ com uma descoberta em relação à Anciã. Gente, sério, sem graça demais. Vilão sem um PINGO de personalidade, totalmente subexplorado e sem nada de carisma. Não que o vilão precise ter um SUPER PLANO MALÉFICO de destruir a Terra inteira e picar todo mundo em pedacinhos. Ele pode servir apenas para um filme só, com algum plano menor, desde que tenha razão de ser, sabem? Felizmente, temos uma ÓTIMA cena de Strange contra Dormammu, uma das melhores do filme: engraçada, bem pensada e bem executada. Adorei. 🙂

doutor estranho4.png

Resumindo: Doutor Estranho é um bom filme de origem, apesar de não ser meu favorito. As motivações do vilão são toscas e, pra mim, isso tira muito da força do enredo. Porém, acredito muito no potencial de Stephen Strange e acho que ele vai acrescentar MUITO no universo Marvel. É um personagem com conflitos e ambiguidades, mas que optou por fazer o bem. Além disso, toda a questão da magia é uma novidade muito bacana nos filmes. Recomendado! 😉

Título original: Doctor Strange
Ano de lançamento: 2016
Direção: Scott Derrickson
Elenco: Benedict Cumberbatch, Chiwetel Ejiofor, Tilda Swinton, Rachel McAdams, Mads Mikkelsen, Benedict Wong

Review: A Garota no Trem

Oi, meu povo! Tudo bem com vocês?

Semana passada fui conferir um filme que me deixou muito curiosa: A Garota no Trem! Ele é uma adaptação do livro de Paula Hawkins e, apesar de eu não ter lido a obra original, só pelo trailer ele fisgou minha atenção.

a-garota-no-trem

Sinopse: Rachel (Emily Blunt), uma alcoólatra desempregada e deprimida, sofre pelo seu divórcio recente. Todas as manhãs ela viaja de trem de Ashbury a Londres, fantasiando sobre a vida de um jovem casal que vigia pela janela. Certo dia ela testemunha uma cena chocante e mais tarde descobre que a mulher está desaparecida. Inquieta, Rachel recorre a polícia e se vê completamente envolvida no mistério.

A única coisa que eu costumo achar previsível em thrillers psicológicos é o fato de que, na maioria das vezes, o personagem suspeito nunca é de fato o assassino (até porque isso tornaria o enredo todo óbvio demais). Apesar de ter uma premissa já explorada em outros filmes (lembrei diversas vezes de Garota Exemplar, principalmente no início do longa), A Garota no Trem me surpreendeu pelo caminho que o enredo trilhou, pelo desfecho incrível e pelas críticas SENSACIONAIS.

O filme nos apresenta à Rachel, uma mulher divorciada e alcoólatra. Todos os dias, Rachel pega o mesmo trem em direção à cidade para esconder sua demissão da colega de apartamento e passar em frente à casa do ex-marido, Tom, e de sua nova família. Rachel não superou o fato de Tom tê-la traído, casado com a amante e ter tido um bebê com ela, e demonstra vários sinais de que está assediando a família. Durante suas viagens, Rachel se encanta com um casal que mora a poucas casas de Tom: jovens e apaixonados, Rachel projeta nos dois todas as suas expectativas em relação ao amor. As coisas se complicam quando essa moça que Rachel observa – que depois descobrimos se chamar Megan – desaparece, e a protagonista torna-se suspeita.

a-garota-no-trem-2

Como acontece em Garota Exemplar, A Garota no Trem também nos mostra diversas perspectivas em tempos diferentes, com o intuito de confundir o espectador. Porém, enquanto Garota Exemplar me decepcionou, A Garota no Trem me surpreendeu, me chocou e me manteve atenta a cada detalhe. Mas prometo que as comparações acabam aqui. 😛 É que, de fato, durante a primeira parte do longa eu temi que o filme seguisse a mesma linha – o que não acontece.

Uma das coisas mais interessantes no filme é que nossa protagonista não é confiável. Ela tem sérios problemas com bebida, o que torna suas lembranças totalmente deturpadas, e é obcecada pelo ex-marido e sua família. Ou seja, assim como ela, nós também ficamos à mercê dos acontecimentos e sem uma visão clara do que está acontecendo. Porém, com o desenrolar dos fatos, essa confusão ganha uma proporção genial, e o filme passa a falar não apenas do mistério em relação ao desaparecimento de Megan, mas também sobre abuso psicológico e traumas.

a garota no trem 3.png

Eu realmente não quero e não gosto de dar spoilers, mas preciso falar sobre a questão do abuso. Por isso, se você não quiser ler essa parte, pode pular para o próximo parágrafo. 😀 É brilhante a forma como A Garota no Trem faz o espectador duvidar da sanidade de Rachel para depois nos mostrar o que realmente levou a protagonista a esse ponto. Lidar com os abusos físicos e psicológicos do marido, que a tratava como louca e distorcia os acontecimentos (aproveitando-se da condição da esposa, que passou a sofrer com o alcoolismo por não conseguir engravidar) simplesmente destruiu a sanidade da personagem. Ela vivia se condenando por coisas que não haviam ocorrido, pois seu marido abusador a fazia acreditar naquilo e, mais do que isso, ele destruía a credibilidade de Rachel onde pudesse – inclusive com Anna, sua atual esposa, que acreditava que Rachel era uma stalker. No fim, Anna percebe que foi tão manipulada quanto Rachel e, felizmente, as duas se unem para se proteger de Tom. Em uma sociedade que vive dizendo que nós, mulheres, somos loucas, foi maravilhoso ver Rachel e Anna virando-se contra ele. A história de Megan também é triste e a personagem tem sérias falhas de caráter, mas ainda assim entendemos porque ela não consegue se conectar emocionalmente com as pessoas, utilizando apenas o sexo para tal.

a garota no trem 5.png

Outro aspecto a ser elogiado são as atuações. Emily Blunt foi genial e roubou a cena, trazendo à vida uma Rachel frágil e emocionalmente perturbada. As cenas em que Rachel está bêbada e confusa foram feitas de modo impecável. Haley Bennett também se saiu bem com sua fria e traumatizada Megan. Alguns atores famosos fazem parte do elenco, mas não tiveram grande destaque: é o caso de Laura Prepon, que fez exatamente o que já faz como Alex em Orange is the New Black, e Lisa Kudrow, a eterna Phoebe, que fez uma participação curta (mas de grande importância, pois revela um fato crucial na trama). Também gostei muito da atuação de Justin Theroux e Luke Evans (Tom e Scott, respectivamente): os dois me fizeram ter várias dúvidas a respeito de suas verdadeiras intenções ao longo do filme.

a-garota-no-trem-4

Enfim, A Garota no Trem foi um filme genial, com um desfecho surpreendente e com uma crítica verossímil e atual. Saí da sala de cinema querendo falar sobre o enredo o tempo todo, tamanha a euforia que o longa me causou. Pra mim, foi um dos melhores filmes do ano. Recomendo DEMAIS! 

Título original: The Girl On The Train
Ano de lançamento: 2016
Direção: Tate Taylor
Elenco: Emily Blunt, Haley Bennett, Rebecca Ferguson, Justin Theroux, Luke Evans, Édgar Ramírez, Lisa Kudrow, Laura Prepon