Resenha: Sono – Haruki Murakami

Oi pessoal, tudo bem?

O que você faria se não precisasse mais dormir? Se seu corpo não pedisse descanso e se seu cérebro não desligasse? Esse é o tema central de Sono, do autor japonês Haruki Murakami. Ganhei a edição de um amigo e hoje conto pra vocês como foi a experiência com esse conto. 😉

Garanta o seu!

Sinopse: “É o décimo sétimo dia que não consigo dormir.” Ela era uma mulher com uma vida normal. Tinha um marido normal. Um filho normal. Ela até podia detectar algumas fissuras nessa vida aparentemente perfeita, mas nunca chegou a pensar seriamente nelas. Até o dia em que deixou de dormir. Então, o mundo se revelou. Um mundo duplo de sombras e silêncio; um mundo onde nada é o que parece. E onde ela não pode mais fechar os olhos.

O livro é narrado em primeira pessoa por uma personagem cujo nome não conhecemos, mas que vive uma situação inusitada: há cerca de duas semanas ela não consegue dormir. E, diferente de uma experiência de privação de sono vivida anos antes, em que ela se sentia permanentemente exaurida e desesperada para descansar, agora ela simplesmente não sente necessidade alguma de dormir. Seus dias seguem iguais, seu corpo não precisa de repouso e sua mente segue afiadíssima. E enquanto se pergunta sobre o que pode ter acontecido para levá-la a essa situação, ela também se põe a refletir sobre vários aspectos comuns da sua vida que, até então, eram levados no modo automático.

Existe um quê de mistério na trama, especialmente porque a protagonista parece viver uma espécie de terror noturno ou pesadelo muito vívido, a partir do qual sua nova condição de insônia se apresenta. Mas a condução do conto se concentra muito mais nos aspectos triviais do pensamento da narradora, tanto a respeito da sua rotina como das pessoas que a cercam. Ela começa a olhar para seu marido e seu filho sob uma nova lente, assim como utilizar suas novas horas ganhas com atividades que ela deseja fazer, o que nem sempre lhe era socialmente permitido – lembrando aqui que trata-se de um livro oriental, onde os papéis de gênero são bem delimitados. Mas Murakami usa da nova condição da personagem para questioná-los e trazer liberdade à sua rotina: ao não conseguir mais dormir, a personagem vive um novo tipo de despertar, tornando-se protagonista não somente do conto, mas da própria vida.

Acho que um dos aspectos de que mais gostei na trama foram os devaneios da jovem mulher. Ela se questiona, por exemplo, sobre a beleza do marido. Tem algo no rosto dele que a incomoda, mas ela não sabe o que é. O mesmo acontece quando olha para seu filho: ela hoje enxerga um menino que a ama, mas sabe que no futuro talvez eles simplesmente deixem de gostar um do outro. Ela fala de forma crua e sem rodeios sobre essa mudança de dinâmica que os anos vindouros provavelmente lhe reservam, sabendo desde já que o amor (mesmo entre mãe e filho) é muito mais complexo do que o ideal romantizado. Essas reflexões da personagem fazem com que o leitor mergulhe de cabeça em seu fluxo de pensamentos, sendo capazes de nos fazer entender seus sentimentos (ainda que nem sempre eles sejam palatáveis).

Impossível deixar de lado a reflexão sobre o modo como levamos os nossos dias. Ao ter mais tempo para si mesma, a narradora começa a dedicar horas a atividades que a fazem feliz, de forma descolada do dia a dia mecânico que gira em torno das rotinas do marido e do filho. Finalmente ter tempo para seus prazeres levanta uma problematização: até que ponto vivemos o nosso cotidiano no piloto automático, negligenciando aquilo que importa pra nós? O quão fácil é se deixar levar pelo conforto da segurança da rotina em detrimento daquilo que nosso coração realmente deseja? Essas foram algumas das provocações que Sono conseguiu instigar em mim durante a leitura.

O autor, por meio da personagem, também discorre sobre a vida e a morte. A segunda, inclusive, é o mistério que acompanha a humanidade desde sempre, e provavelmente é aquele que nunca iremos desvendar. Afinal, a morte é mesmo como dormir? Como fechar os olhos e encontrar uma escuridão cheia de ausência? Ou é diferente disso, mais ativa, mais perturbadora? São questões subjetivas que Murakami não tem a pretensão de responder ou opinar, mas deixa para que o leitor reflita e interprete a seu próprio modo. E ao mesmo tempo em que nos leva para um caminho cheio de questões filosóficas, a obra também nos tira o fôlego quando se direciona para acontecimentos aflitivos. Para completar, nos oferece um final tão abrupto e chocante que causa aquela sensação de quando estamos prestes a pegar no sono mas sonhamos que caímos, sabem? E ao terminar a última linha você se questiona a respeito de tudo que leu até ali.

Sono foi uma ótima experiência para conhecer a escrita de Murakami, e já pretendo ler outras obras do autor. A edição que eu ganhei, da editora Alfaguara, vale elogios por si só: em capa dura e com detalhes metalizados, as páginas internas contêm ilustrações lindíssimas e surreais da artista Kat Menschik que combinam perfeitamente com o tom da história. É um daqueles livros que são rápidos de ler, mas que você aprecia a beleza de cada página e fica pensando na história por dias a fio depois de terminá-la. Recomendo!

Título original: Nemuri (眠り)
Autor:
Haruki Murakami
Editora: Alfaguara
Número de páginas: 116
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

11 comentários sobre “Resenha: Sono – Haruki Murakami

  1. Oi Priih,
    Tô chocada com a coincidência de vir aqui ler essa resenha no mesmo dia em que parei pra refletir sobre a rotina e o peso dela nas nossas vidas. Achei ótima a sua recomendação, a resenha me surtiu curiosidade, pois sempre acho válido leituras que nos fazem transpor à realidade e refletir sobre determinados assuntos. O conto foi colocado na minha lista com sucesso.
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

  2. Olá, Priih.
    Quem nunca desejou ter mais tempo. Imagine não precisar dormir e ter tantas horas disponíveis hehe. Achei a premissa dele muito interessante e gostei bastante das suas considerações. Vou anotar aqui para ler futuramente.

    Prefácio

  3. Pingback: Resenha: Sul da Fronteira, Oeste do Sol – Haruki Murakami | Infinitas Vidas

  4. Pingback: Os melhores livros de 2021 | Infinitas Vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s