Livros leves para ler na quarentena (parte 2)

Oi pessoal, tudo bem?

No mês passado eu fiz uma lista com leituras leves e despretensiosas, no intuito de ajudar vocês a encontrarem na literatura um pouco de descontração pra esse momento difícil que estamos vivendo. Os feedbacks foram bem positivos e, por isso, resolvi trazer uma segunda parte, com novas indicações. 😀 Vamos lá?

Daniel, Daniel, Daniel – Wesley King

daniel daniel daniel wesley kingResenha | Compre aqui

Apesar de abordar o sofrimento do protagonista (que dá nome à obra) ao lidar com o Transtorno Obsessivo Compulsivo, esse livro também é repleto de momentos de doçura. A amizade inesperada entre Daniel e Sara é cativante, e o plot da investigação do sumiço do pai da garota também prende a atenção. É um livro fofo que cumpre muito bem o seu papel em conscientizar a respeito do TOC.

Para Todos Os Garotos Que Já Amei – Jenny Han

capa para todos os garotos que ja ameiResenha | Compre aqui

Difícil deixar esse título de fora de uma lista que fala sobre leituras leves e despretensiosas, né? O primeiro volume da trilogia trata do acordo entre Lara Jean e Peter Kavinski, que fingem ser namorados pra atingir objetivos próprios. Como um bom clichê adolescente, as coisas saem um pouquinho do controle e a gente se pega torcendo pelos dois. Tem resenha do filme aqui no blog também, se quiser conferir. 😉

Ruínas de Gorlan – John Flannagan

rangersResenha | Compre aqui

Aqui vai uma dica para os fãs de fantasia! O livro é o primeiro volume de uma longa série que é ambientada em um reino fictício medieval. A linguagem é bem simples e a história flui sem maiores dificuldades. Na trama, acompanhamos o treinamento de Will para ser um arqueiro, enquanto a ameaça de retorno de um antigo vilão assombra o reino.

Todos Nós Vemos Estrelas – Larissa Siriani e Leo Oliveira

todos nos vemos estrelasResenha | Compre aqui

Esse conto natalino foi uma grata surpresa! Apesar de ser curtinho, ele faz um ótimo trabalho em nos apresentar a duas histórias distintas: Lucien, o protagonista de uma série de ficção medieval, é trazido para o nosso tempo após Lisa, uma adolescente com dificuldades de se encaixar, faz um pedido em seu diário. As confusões que a situação gera são muito divertidas, e o desenvolvimento da trama é bem bacana.

Soppy: Os Pequenos Detalhes do Amor – Philippa Rice

soppy philippa riceResenha | Compre aqui

O livro é uma coletânea de tirinhas da artista Philippa Rice e narra o cotidiano de um casal com muita ternura e bom humor. Eu adoro os diálogos e me identifiquei com muitas das situações retratadas. É um livro fofo que deixa o coração bem quentinho. ❤

Agora me contem: qual livro você adicionaria nessa lista? 😀
Beijos e até a próxima!

Resenha: Daniel, Daniel, Daniel – Wesley King

Oi gente, tudo bem?

Hoje vim falar sobre um livro incrível, que fala sobre um assunto ainda pouco explorado na literatura: o TOC. Trata-se de Daniel, Daniel, Daniel.

daniel daniel daniel wesley kingGaranta o seu!

Sinopse: Daniel é o reserva do time de futebol da escola, e isso significa que ele é basicamente o garoto da água. Ele gasta todo o tempo dos treinos arrumando e organizando os copos para seu time – e rezando para que ninguém perceba. Na verdade, Daniel passa a maior parte do tempo esperando que ninguém note seus hábitos estranhos – ele os chama de Choques. Eles incluem ter uma lista de números “ruins” e evitar escrevê-los, por exemplo, ou ligar e desligar o interruptor dezenas de vezes até se sentir bem de novo. Daniel acha que é maluco e esconde essa impressão sobre si mesmo, principalmente de seus pais, seu melhor amigo Max e Raya, a garota por quem é secretamente apaixonado. Sua vida fica ainda mais estranha quando ele recebe um bilhete misterioso com um pedido de ajuda assinado pela “Colega das Crianças das Estrelas”, seja lá o que isso significa. E de repente, Daniel, que era um zé-ninguém na escola, se vê dentro da investigação de um grande mistério. Este livro é sobre se sentir diferente e deslocado e encontrar aquelas pessoas que conseguem enxergar e entender você de verdade.

Daniel é um garoto aparentemente normal de 13 anos: apesar de sentir-se um pouco desengonçado, ele é inteligente, adora ler e escrever, tem um melhor amigo chamado Max, um crush tremendo na colega de escola, Raya e, por fim, faz parte do time de futebol americano (apesar de odiar o esporte). O que ninguém sabe sobre Daniel é que ele esconde um segredo: ele se sente maluco. Por motivos que ele não compreende, Daniel sofre com o que ele chama de Choques, que o impulsionam a tentar “consertar coisas” de maneira obsessiva, caso contrário ele sente que vai morrer. O que o protagonista não sabe é que existe um nome para isso, e o fato de ele escovar os dentes até a gengiva sangrar ou ligar e desligar o interruptor várias vezes não é maluquice: Daniel sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC). Porém, por não ter conhecimento do que realmente acontece com ele, o jovem vive uma vida bastante solitária, escondendo seu segredo e usando uma máscara social para tentar parecer o mais normal possível. Porém, quando uma outra colega de escola, Sara Malvern, entra em contato com ele, as coisas viram de cabeça para baixo. Conhecida como PsicoSara (por ser introspectiva e não falar com ninguém, além de ter transtornos como bipolaridade e depressão), a jovem parece enxergar o verdadeiro Daniel, aquele que ninguém mais vê. Quando ela pede o auxílio do garoto para investigar o sumiço do pai – que ela acredita ter sido um assassinato –, Daniel se envolve não apenas em situações de risco físico, mas também descobre um novo mundo no qual ele não é tão anormal assim.

Meu conselho é: não se apeguem à parte investigativa da sinopse; ela é simples e com resoluções fáceis, onde tudo dá certo apesar da improbabilidade. Mas isso nem de longe é um problema, afinal, o livro não é sobre isso. A investigação é o mote que dá início à amizade inesperada entre Daniel e Sara: a busca pela verdade sobre o que aconteceu com o pai da menina nos mantém curiosos e tem um ótimo desfecho, mas o grande brilho do livro está na relação entre os personagens e na maneira como o autor fala sobre um assunto tão delicado de maneira tão comovente.

resenha daniel daniel daniel

Os quatro personagens principais do livro são muito carismáticos. São pessoas boas, cativantes e que ganham a nossa torcida. Sara é uma jovem com inúmeros transtornos, que optou por fechar-se em si mesma, até que vê em Daniel a oportunidade de ser autêntica. O que as pessoas não imaginam sobre ela é que ela é inteligente, engraçada e irreverente. Max, por sua vez, é o melhor amigo de Daniel e um cara super confiável. Os dois não tem tantos gostos em comum (sendo Max um apaixonado por futebol americano, enquanto Dani só joga para não ser excluído), mas ainda assim Max está sempre “watching Daniel’s back”, sabem? Ele cuida do amigo e faz o que está ao seu alcance para incentivá-lo. Raya, o interesse amoroso do protagonista, é uma jovem simpática, inteligente e madura, que vê em Daniel as qualidades que muitos consideram defeitos: a esperteza, a sensibilidade e o bom papo. É fácil shippar os dois, por mais que eu entenda quem o shippe com Sara (mas eu os prefiro como amigos, não gosto da ideia de que o apoio e o conforto venham somente de um possível romance, sabem?). Por fim, temos Daniel: perspicaz, educado, inteligente e gentil, é impossível não gostar dele. Mesmo achando Sara esquisita, ele tem empatia o suficiente para ajudá-la em seus planos ousados; mesmo odiando futebol americano, ele se dedica como pode porque sabe o quanto importa para Max. O fato de Daniel ter TOC, apesar de MUITO pesado para o personagem, é só um dos aspectos que o fazem ser quem ele é. Há muitas qualidades apaixonantes em Daniel, e enquanto lemos suas experiências é difícil não sentir a dor do personagem e torcer pra que ele encontre um caminho que o ajude.

Falando um pouco sobre a narrativa, ela acontece em primeira pessoa, exceto quando Daniel está trabalhando em seu livro (que, por sinal, eu super leria!). Seu discurso é irreverente e há diversos momentos e diálogos com um humor ácido que eu adorei. Entretanto, há cenas bastante angustiantes: Daniel narra as suas crises explicando seu desespero e seus sentimentos de pânico. Lemos quando o personagem escova os dentes até a gengiva sangrar, quando crava as unhas na bochecha ou quando dorme em meio a lágrimas. E é doloroso perceber que 1) ele não se sente seguro pra pedir ajuda e 2) seus pais, quando percebem algo errado, são meio negligentes e preferem acreditar nas desculpas que Daniel inventa. Durante os momentos de crise, a vontade é de entrar no livro e tentar ajudar Daniel da maneira que for possível (e justamente por ser uma situação tão tensa, esse livro nos faz questionar qualquer piadinha com “hmmm isso tá desorganizado, meu TOC pira”). Felizmente, quem exerce esse papel é Sara: a garota, que sempre conviveu com os próprios transtornos, enxerga Daniel como ele é e o faz confrontar a realidade de que ele tem TOC. É um primeiro passo para entender a situação e, a partir daí, buscar apoio. Afinal, como o próprio autor comenta no início do livro, é muito mais difícil enfrentar isso sem ajuda.

resenha daniel daniel daniel (2)

Daniel, Daniel, Daniel é um livro apaixonante, com personagens que realmente te conquistam e com um tema super importante e pouco explorado. Mais do que falar sobre TOC, transtornos psicológicos e investigação de um assassinato, a obra também aborda o peso da solidão. Em seu livro, Daniel escreve sobre um garoto que cometeu um erro e exterminou a raça humana; na vida real, Daniel veste uma máscara que impede que suas conexões e relacionamentos sejam 100% reais, devido ao medo de ser rotulado e resumido ao seu transtorno – o que é quase tão solitário quanto ser o único ser humano no mundo. Com o tempo, porém, Daniel enxerga que ser vulnerável não é uma fraqueza e que a solidão não é a solução. E acho que essa lição serve pra todos nós.

Título Original: OCDaniel
Autor: Wesley King
Editora: Rocco Jovens Leitores
Número de páginas: 280
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.