Review: Divergente

Olá!

Gente, em primeiro lugar, gostaria de pedir desculpas pelo atraso do post. Eu viajei no feriado e não tive acesso a computador, o que me impossibilitou de dar a devida atenção ao blog. Ao mesmo tempo, eu queria muito que a atualização fosse uma resenha do filme que eu estava aguardando e que foi maravilhoso ao cumprir minhas expectativas: Divergente! Essa resenha será baseada somente no filme, já que ainda não li o livro. 🙂

Imagem

Sinopse: Na futurística Chicago, quando a adolescente Beatrice completa 16 anos, ela tem que escolher entre as diferentes facções em que a cidade está dividida. Elas são cinco, e cada uma representa um valor diferente, como honestidade, generosidade, coragem e outros. Beatrice surpreende a todos e até a si mesma quando decide pela facção dos destemidos, escolhendo uma diferente da família, e tendo que abandonar o lar. Ao entrar para a Dauntless (Audácia), ela torna-se Tris e vai enfrentar uma jornada para afastar seus medos e descobrir quem é de verdade. Além disso, Tris conhece Four (Quatro), um rapaz mais experiente na facção que ela, e que consegue intrigá-la e encantá-la ao mesmo tempo.

Muitas pessoas vem me recomendando a trilogia Divergente, já que eu sou super fã de Jogos Vorazes e o clima distópico das obras é parecido. As várias resenhas positivas sobre a história ajudaram a provocar a minha curiosidade, mas – assim como aconteceu com Jogos Vorazes – acabei decidindo por esperar pelo filme. E ele é excelente!

O filme começa com uma explicação sobre o sistema adotado na futurística cidade de Chicago, após uma guerra, para estabelecer e conservar a paz. Esse sistema consiste na divisão das pessoas em facções, de acordo com suas aptidões individuais. Existem cinco facções: Abnegação, Erudição, Amizade, Franqueza e Audácia. Cada facção é responsável por certas funções dentro da sociedade, e é de fundamental importância que cada indivíduo “saiba seu lugar”, de forma a contribuir para a facção e, consequentemente, para a cidade. Aos 16 anos, os jovens passam por um teste de aptidão para verificar em qual facção se encaixam, podendo escolher entre qualquer uma das cinco (sendo o mais comum escolher a facção sugerida no teste). Beatrice Prior, a protagonista, está prestes a realizar o seu teste e se encontra num grande conflito: ela teme ter que deixar a família se escolher outra facção, mas teme mais ainda continuar na Abnegação, facção na qual ela nasceu.

Após realizar o teste, Beatrice descobre que é uma Divergente: alguém cujas aptidões se encaixam em mais de uma facção. E isso é um risco, pois o sistema não deseja ninguém que não possa ser categorizado e, consequentemente, controlado. A jovem se empenha em esconder sua condição e escolhe a facção Audácia. Lá, ela muda seu nome para Tris, faz novos amigos e conhece e se apaixona por Quatro, o seu instrutor. Além disso, ela se esforça até o limite para se encaixar nos padrões da Audácia e para se sentir pertencente àquele lugar, treinando exaustivamente para melhorar seu desempenho. A partir das experiências na Audácia, Tris passa a correr cada vez mais riscos de ser descoberta como Divergente, já que a facção Erudição tem planos de tomar o governo da Abnegação e, para isso, arquiteta diversos planos e exerce contínua observação para descobrir os Divergentes.

Imagem

Não falando mais sobre o enredo (até para não estragar as surpresas de ninguém), mas abordando um pouco os personagens. Me impressionei demais com Shailene Woodley! A atriz é muito expressiva e o diretor soube usar essa característica perfeitamente, focando a câmera diversas vezes no rosto dela. Conhecemos Tris já em conflito: ela não sabe a que facção ela pertence e quem ela realmente é. A única coisa que fica clara sobre seu passado antes do teste é que ela nunca se sentiu parte da Abnegação a ponto de querer passar o resto da vida ali. A protagonista é uma jovem muito forte, decidida, determinada e solidária. Desde o primeiro momento na Audácia, ela dá sempre o seu melhor e se dedica de corpo e alma a passar nos testes que são impostos, de forma a pertencer à facção. Ela também faz uma amizade muito bacana com Christina, uma oriunda da Franqueza. Em um momento de dificuldades de Christina, Tris a incentiva para que ela não desista. Senti muita simpatia pela família de Tris também, mas a protagonista é totalmente cativante e realmente “rouba a cena”.

Imagem

Quatro, o instrutor, é um personagem complexo e interessante. Inicialmente desinteressado e hostil, aos poucos passa a observar e admirar Tris e sua coragem. Quando a garota não se saía bem nos testes e nos treinamentos, ele procurava ensiná-la e até mesmo protegê-la. O romance dos dois não me pareceu forçado, pois cada um tinha características peculiares que chamavam a atenção do outro. Aos poucos, o interesse foi crescendo e, com isso, veio a atração e posteriormente o amor. Uma das melhores cenas acontece quando Quatro se propõe a ajudar Tris a “enganar” a sua mente em um teste que determina se ela realmente deve ou não ficar na Audácia: a proposta é entrar em uma alucinação com seus piores medos e vencê-los de forma destemida e característica da facção. Como Tris é uma Divergente, ela consegue escapar de seus medos percebendo que nada daquilo é real. Quatro então a leva para dentro da cabeça dele, ensinando-a como escapar de uma forma que alguém da Audácia faria. E, nesses medos, descobrimos revelações sobre o passado do rapaz e que explicam o seu nome peculiar. Entretanto, acho que o filme deixou algo sem resposta sobre ele: como ele consegue escapar do controle da Erudição? Seria Quatro um Divergente? Se for, o filme não explicitou. Ele sabe o segredo de Tris, mas em nenhum momento ele menciona ser igual a ela. Espero que isso seja explicado futuramente, porque foi algo que me inquietou.

Imagem

Kate Winslet teve uma interpretação excelente no papel de Jeanine Matthews, a líder da Erudição. Fria, calculista, manipuladora e aparentemente inofensiva e diplomata, a personagem é totalmente sagaz e eficiente ao influenciar no povo uma imagem negativa sobre a Abnegação e aumentar a força da Erudição. Outros personagens também são carismáticos, como os amigos de Tris, ou como os pais da protagonista, que continuam preocupados com a filha mesmo depois que ela decide deixar a facção de origem. Porém, com exceção de um amigo de Tris (Albert) que se mostra mais complexo ao longo da trama, os outros personagens são abordados de forma mais rasa, fazendo com que o filme seja muito mais focado em Tris e Quatro. Não sei se isso é algo positivo ou negativo, mas considerando que é um filme introdutório, é compreensível.

Também gostei muito dos cenários e dos figurinos! Adorei a visão de Chicago dividida em uma zona confortável e moderna e em outra zona miserável e suja, que é o local em que vivem os sem-facção (os excluídos da sociedade). Os trajes específicos de cada facção também são incríveis, revelando aspectos importantes de cada uma. A fotografia do filme é muito bonita e o visual geral é muito caprichado, provocando uma imersão muito interessante no mundo futurista proposto, que retrata uma cidade que conseguiu se reconstruir depois de um conflito. O muro que cerca Chicago traz uma sensação claustrofóbica e opressora, já que Chicago se exclui de todas as outras cidades que não foram capazes de se reestruturar, mantendo seus habitantes “protegidos” dentro do muro. Ou seja, além do sistema de facções – que já prende os indivíduos em categorias – existe também uma barreira física que impede o seu direito de ir e vir. Entretanto, essa opressão ocorre de forma mais discreta e camuflada em Divergente, já que o argumento utilizado é o de sempre manter a paz para todos os habitantes.

Imagem

Acho que a única coisa que realmente me fez pensar “wtf?” foi o desfecho do pai de Tris, que eu achei bem sem noção. No mais, eu achei o filme muito coerente, com uma história bem estruturada e interessante. É um filme longo, com aproximadamente 2h20 de duração, mas que não me deixou entediada ou cansada em nenhum momento. Quanto mais o enredo ia se revelando, mais interessada e tensa eu ficava, desejando saber o que viria a seguir. O final deixa a brecha para a sequência, mas de uma forma não tão urgente (como aconteceu com Em Chamas, por exemplo, cuja cena final faz com que o espectador necessite a continuação). Foi um final satisfatório, que concluiu muito bem o enredo e diminuiu o ritmo da narrativa de forma gradual e eficiente. Em suma, eu realmente adorei o filme! Pretendo comprar os livros assim que aparecer alguma promoção, porque fiquei muito curiosa pela continuação e também porque quero mergulhar mais fundo nesse mundo concebido por Veronica Roth. Acredito que os fãs do livro vão achar o longa muito bem produzido, e quem não teve a oportunidade de ler vai se deparar com uma história muito bem construída e com um filme totalmente cativante. Mais do que recomendado!

Título original: Divergent
Ano de lançamento: 2014
Direção: Neil Burger
Elenco: Shailene Woodley, Theo James, Kate Winslet, Zoë Kravitz, Jai Courtney, Miles Teller, Ansel Elgort

Anúncios

33 comentários sobre “Review: Divergente

    • Oi, Delmara!
      Nossa, sei como é ruim se sentir assim. Ultimamente também ando super sem tempo, e ansiosíssima pra começar novos livros (Divergente entre eles). 😥
      Boa sorte pra nós hahaha!
      Beijos

    • Oi, Thais!
      Eu queria muito ter a oportunidade de ver no cinema, pra não me arrepender depois. Quando não dá tempo de ler antes da estreia, não me importo de assistir. =]
      Beijos

  1. Prih, vou te ser sincera: distopia não é dos meus gêneros favoritos.
    Já li inúmeras resenhas sobre os livros dessa saga, mas que não foram suficientes pra realmente fazer brotar em mim um interesse, ainda que mínimo, pela saga.
    Com essa resenha do filme “Divergente”, me fez querer conhecer esse universo distópico criado pela Veronica Roth. Confesso que tenho uma enorme pilha de livros que ainda não li e que quero muito ler, mas você conseguiu, só com a resenha do filme, fazer com que eu sentisse o desejo de conhecer “Divergente”. Caramba, como você fez isso?
    A personagem principal, Tris, parece ser muito cativante. A trama, de modo geral, me pareceu extremamente intrigante.
    Sério, Prih, você é ótima escrevendo, resenhando livros e filmes. Parabéns por esse dom.
    Um abraço!

    Sacudindo Palavras

    • Oi, Erica!
      Preciso te dizer: o seu comentário foi um dos que mais me emocionou até hoje! Não tenho palavras pra te dizer o quanto eu fiquei feliz com o seu carinho e com os seus elogios sinceros e gentis.
      Uma das grandes alegrias que o blog tem me proporcionado é a troca de ideias com pessoas que gostam da mesma coisa que eu e, além disso, poder sugerir e “influenciar” pessoas a conhecerem obras que ainda não conhecem. Seu comentário me fez sentir que estou fazendo a coisa certa. Obrigada!
      Forte abraço!

  2. Para ser sincero, não me sinto com vontade nem de ler o livro, nem de ver sua versão para o cinema. Sei lá, acho tanta burburinho sobre essa saga que receio e prevejo que posso me decepcionar feio.
    Até mais.

    • Oi, Renato.
      Ouvi alguns comentários negativos com relação ao final da trilogia. Sobre o resto, só elogios. Por isso (e pelo ótimo filme) estou louca pra conhecer a série.
      Até!

    • Oi, Sofia!
      Jura? Bom, quem sabe um dia se você estiver um pouco mais curiosa você dê uma chance. O ritmo do filme ficou muito bom e eu adorei a Shailene como protagonista. 😀 Espero ler o livro em breve!
      Beijos

  3. Eu realmente achei a Kate muito bem no filme. Mas achei que forçaram a participação dela em várias cenas apenas para ela aparecer pq ela é a Kate, né? De uma forma geral, achei que o filme transmitiu bem a mensagem do livro, mas deixou a desejar em alguns pontos. Senti falta daquele ar de mistério que permeava o livro, toda essa questão do envolvimento da erudição foi apresentado logo de cara, quando no livro é o X da questão. Uma pena =( Espero que com a mudança do diretor, Insurgente seja melhor

    beijos
    Kel
    http://www.porumaboaleitura.com.br

    • Oi, Kel!
      Como eu não li o livro ainda, não posso afirmar sobre a participação dela no enredo literário. Entretanto, concordo com você que ela pode ter sido uma jogada de marketing pra aumentar o prestígio do elenco. Poxa, fiquei “chateada” por saber que o livro é mais misterioso e só revela sobre a Erudição no final. Chateada porque adoraria que o filme tivesse feito o mesmo, eu ficaria de queixo caído. 😦 hahahaha!
      Beijos

  4. Oi Prih, tudo bem?
    Eu quero muito assistir Divergente mas preciso ler esse livro antes. Estou me segurando só por causa disso, e depois de mais uma resenha positiva acho que preciso apressar logo essa leitura.
    Abraços,
    Amanda Almeida

    • Oi, Amanda!
      Também quero apressar a leitura de Divergente, e o filme fez essa curiosidade aumentar ainda mais. Como eu não queria perder a oportunidade de ver o filme no cinema (pra não me arrepender depois), acabei assistindo. Vou adorar saber a sua opinião sobre o livro depois que você o ler. =)
      Abração

  5. Oie Prih =)

    A leitura de Divergente foi uma ótima surpresa. Gostei muito do livro, muito mais do que eu esperava, mas o filme eu achei um pouco “chatinho”. Tipo eu gostei do filme também, mas achei que fatou alguma coisa.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias…
    @mydearlibrary

    • Oi, Ane!
      Jura que você achou o filme chato? Nossa, eu fiquei com o olhar fixo durante toda a exibição hahaha!
      Eu normalmente tenho uma visão mais positiva sobre o filme quando o assisto antes de ler o livro, pois o julgamento não é influenciado pela obra literária. Então, como ainda não pude ler Divergente, gostaria muito de ler uma resenha sua sobre o livro! 😀
      Beijos!

  6. Oi Priih

    Ainda não decidi se lerei a trilogia, mas com certeza quero conferir o filme. Vi muitas pessoas criticando o último livro e não quero me apegar para depois me decepcionar.
    Sua resenha me deixou ainda mais empolgada e ansiosa.

    • Oi, Caline!
      Espero que goste do filme tanto quanto eu, saí da sessão super empolgada.
      Eu também, estou apavorada :O HAHAHA! A Esperança foi uma decepção muito grande, e ouvi dizer que Convergente é igual ou pior nesse quesito. Só comentários negativos sobre o fim que a autora deu (que, ao que tudo indica, é bem inesperado). </3
      Beijos!

    • Oi, Jessica!
      Vou torcer para que você goste do filme, principalmente se você já leu o livro. Dá aquela sensação boa quando os diretores e roteiristas fazem um bom trabalho com uma obra que gostamos, né? 😀
      Beijos!

  7. Eu sou do tipo que não consegue ver o filme, antes de ler o livro. Tanto que nunca assisti ao final de HP. Muita gente pergunta, como assim? Pois é, não sou pottermaníaco apesar de ter gostar da série. Mas, tenho muita vontade de ler Divergente, todo mundo só elogia.

    Lucas – Carpe Liber
    http://livrosecontos.blogspot.com.br/

    • Oi, Lucas!
      Nossa, jura? Eu não consigo resistir. Tento ler até a estreia, mas se não conseguir, tudo bem. Eu morro de medo de ficar super fã da série e me arrepender até o fim da vida por não ter tido a experiência de assistir no cinema. 😛 Mas também entendo sua posição, por algum tempo eu também fui relutante ao cinemas assistir às adaptações sem ler antes. E sobre o livro Divergente: também estou ansiosíssima (e receosa quanto ao final da série, graças aos comentários negativos).
      Abraço!

  8. Oi Pri!
    Bá sou suspeita para falar pois sou mega fá do livro e mesmo o filme não agradando a muito eu amei! Impossível colocar 500 paginas em 2 horas pois como sabemos livro>filme, e mesmo tendo no filme algumas pontinhas soltas eu amei!

    Amei a interpretação da Shay e Amei o Theo James como Four!

    Só elogios a tudo.

    Beijos Joi Cardoso
    Estante Diagonal

    • Olá, Joi!
      Claro, concordo com você, sempre existem diferenças, até porque nem tudo que funciona nas páginas funciona nas telas, e vice-versa. O bom é saber que os roteiristas fizeram o melhor que podiam e não tiraram a essência da história, né? 😀 Espero ler Divergente em breve!
      Beijão!

  9. Pingback: Review: Insurgente | Infinitas Vidas

  10. Pingback: Review: A Série Divergente: Insurgente | Infinitas Vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s