Resenha: Ossos do Clima – André Souto

Oi pessoal, tudo bem?

Para o post de hoje, trago mais uma resenha de parceria! \o/ Trata-se de Ossos do Clima, do autor André Souto.

ossos do clima andre souto

Sinopse: O misterioso desaparecimento de um renomado cientista, um incêndio criminoso, um roubo que deu errado e as mortes inexplicáveis de diferentes pesquisadores ao redor do mundo. Aparentemente nenhum desses fatos está relacionado, mas com o desenrolar da história fica evidente cada pequena conexão. Algumas nem tão pequenas assim. Entre inúmeras perguntas sem respostas e enigmas que parecem insolúveis acontece, em Brasília, a Cúpula Mundial do Clima, pano de fundo para tramas políticas que podem mexer com algumas das mais íntimas certezas dos protagonistas da trama, assassinatos e uma caçada pelas pessoas que podem mudar a nova ordem mundial. Junte-se a Alice Gianne e Amilton Vidal para tentar desvendar esse mistério e entender quais são os Ossos do Clima.

Como adoro livros policiais, me interessei de cara pela sinopse de Ossos do Clima. O livro nos apresenta à professora Alice Gianne, que sofre com uma espécie de autismo (alexitimia) que faz com que ela não saiba demonstrar emoções. Contudo, Alice acaba sendo dominada por elas quando seu padrasto, Caio Sodré, desaparece. Ele deixa diversas pistas de que uma conspiração está acontecendo, e o auge dela acontecerá na Cúpula do Clima, em Brasília – um evento organizado pela ONU, em que as nações do mundo todo discutem a mudança climática. Contando com um aliado um tanto improvável (Amilton Vidal, um mercenário que ganha a vida roubando obras de arte) e um antigo amigo de Caio (Oliver Hermann), Alice acaba descobrindo que existem evidências de que o aquecimento global é uma mentira, e que pessoas poderosas estão dispostas a mantê-la.

Ossos do Clima tem um estilo de narrativa muito parecido com os livros de Dan Brown: uma dupla, que até então não se conhecia, acaba se unindo para impedir alguma conspiração em meio a diversas cenas de ação. A fórmula é usada em diversas obras, mas isso não me incomoda, porque dá agilidade à história. Alice é uma personagem que não tem muito carisma (talvez até pelo seu tipo de autismo), mas Amilton compensa: ele é um anti-herói que dá a personalidade necessária à história. A única coisa que sabemos dele é que ele fazia parte de uma organização mercenária que roubava obras de arte. No início da história ele deserta, fugindo com peças valiosas, e é caçado durante todo o livro por essa organização. Contudo, Alice e Amilton também são perseguidos pelos seguranças do diretor-executivo do PNUMA (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente), Philip Saduceu. E, enquanto fogem, os dois precisam desvendar os mistérios deixados pelo desaparecido Caio Sodré e provar a verdade ao mundo.

resenha ossos do clima andre souto

Meu maior problema com Ossos do Clima se deu pelo fato de que não “comprei” a justificativa. O aquecimento global sendo uma mentira utilizada pelos países desenvolvidos para manter os países pobres atrasados tecnológica e financeiramente não me convenceu (principalmente porque, na vida real, são os países desenvolvidos os que mais relutam em aceitar tais medidas de proteção ambiental – vide os Estados Unidos, por exemplo). E, por não ter ficado convencida pelo plot central, eu acabei não me envolvendo com o livro e com os personagens, cujas motivações não mexeram comigo.

Contudo, achei que o autor foi corajoso em abordar algo totalmente diferente. Outro aspecto positivo é o ritmo da narrativa, que se mantém intenso e com cenas cheias de reviravoltas. Minha ressalva na narrativa fica por conta do excesso de analogias rebuscadas atrapalha um pouco a leitura, porque compromete a naturalidade. O final é um pouco abrupto e deixa muitas pontas soltas – não tanto para o enredo, mas para o fechamento dos personagens.

Ossos do Clima tem uma premissa interessante e uma narrativa bastante fluida. André Souto é um autor criativo, e espero que ele continue escrevendo e se aperfeiçoando, porque vejo muito potencial nele. 🙂

Título Original: Ossos do Clima
Autor: André Souto
Editora: Arwen
Número de páginas: 206

Parceria e entrevista: André Souto

Oi gente! Tudo certo?

Lembram quando comentei que mais novidades seriam anunciadas por aqui? 😉 Pois então: André Souto, autor do livro Ossos do Clima, agora é parceiro do Infinitas Vidas! \o/

ossos do clima andre souto.png

Sinopse: O misterioso desaparecimento de um renomado cientista, um incêndio criminoso, um roubo que deu errado e as mortes inexplicáveis de diferentes pesquisadores ao redor do mundo. Aparentemente nenhum desses fatos está relacionado, mas com o desenrolar da história fica evidente cada pequena conexão. Algumas nem tão pequenas assim. Entre inúmeras perguntas sem respostas e enigmas que parecem insolúveis acontece, em Brasília, a Cúpula Mundial do Clima, pano de fundo para tramas políticas que podem mexer com algumas das mais íntimas certezas dos protagonistas da trama, assassinatos e uma caçada pelas pessoas que podem mudar a nova ordem mundial.
Junte-se a Alice Gianne e Amilton Vidal para tentar desvendar esse mistério e entender quais são os Ossos do Clima.

E é claro que eu o convidei para responder à tradicional entrevista que faço com os autores parceiros. 😉 Vamos conferir as respostas dele?

andre souto.png

1. Como e quando você decidiu ser escritor?

Em algum momento na infância migrei dos gibis para os livros, ler sempre foi uma necessidade vital do meu cotidiano. Escrever eclodiu. Ninguém nasce escritor, aos poucos, o desejo de preencher as lacunas foi se delineando impulsionado por uma vontade de contar estórias sob uma ótica brasileira, entendendo que também outras pessoas gostariam de reconhecer-se em nossas ruas e modos típicos. Terminei o primeiro livro antes dos vinte, mas não tenho interesse em publicá-lo. Comecei e abandonei outros ao longo da jornada. Escrevi uma peça de teatro, Ventre Nosso, produzida e dirigida profissionalmente pelo saudoso Wellington Dias. Redigi contos e roteirizei um deles para um curta-metragem. Elaborei artigos e textos acadêmicos. Lapidava a voz narrativa, Ossos do Clima ganhou forma a partir do momento que me senti pronto para retomar minha essência romancista.

2. Quais autores foram as suas maiores inspirações no mundo literário?

Li muitos clássicos antes de escrever. Entretanto, foram dois autores contemporâneos que mudaram o modo que enxergo a literatura, Milton Hatoum, que conheci pessoalmente em 2004; e Patrícia Melo, uma das responsáveis por minha paixão pela literatura policial. Existem vários outros, pois estou sempre querendo aprender, todo autor deve buscar dissecar as estruturas e a forma dos grandes mestres, mesmo quando se busca a especialização no gênero, período em que obrigatoriamente deve conhecer as obras daqueles que fizeram da consagrada estrutura de crime e mistérios uma vertente da literatura urbana. Quando estou escrevendo, as leituras são sempre correlacionadas ao texto em produção.

3. Como foi o processo de desenvolvimento de Ossos do Clima? Quais foram as partes mais bacanas e as mais difíceis ao longo desse processo?

Eu não tenho uma fórmula, mantenho uma rotina de escrita. O desenvolvimento de Ossos do Clima surge da temática tratada como pano de fundo da trama. Sempre que lecionava ou palestrava sobre as questões climatológicas havia uma agitação nas pessoas, percebi que muitos não conheciam as teorias, fadados a um único ponto de vista. Decidi testar as mais íntimas certezas de um maior número de leitores confeccionando um enredo policial, onde as investigações e conflitos são alimentados por uma complexidade moral orquestrada sobre uma teia eletrizante repleta de intrigas, reviravoltas e mistérios.
Uma parte bacana do processo foi aprender sobre os assuntos que permeiam a obra. São elementos e personagens que se enredam em questões globais em uma investigação lógica, um quebra-cabeças, exigindo uma profunda pesquisa, mas estudar sempre foi uma paixão.
O maior desafio consistiu na construção da protagonista, Alice Gianne, portadora de Alexitimia, um tipo raro de autismo, que inibe as reações emocionais. Confeccionar as cenas sob um ponto de vista complexo, em analogia à trama, exigiu o desenvolvimento de uma técnica de percepção escrita a fim de parecer verossímil, e fazer com que o leitor sinta-se como a personagem.

4. Você teria alguma dica para quem também deseja publicar seu próprio livro?

Leia grandes livros, teóricos e ficcionais, anseie sempre melhorar a técnica, escrever melhor. Embora, muitos digam que é apenas inspiração, lembre-se, outros artistas (pintores, cantores e atores) trabalham diariamente. Crie sua rotina. A literatura nacional está crescendo, acredite em você.

5. Fique à vontade para deixar um recado aos leitores do Infinitas Vidas!

Continuem seguindo o Infinitas Vidas! Espero que curtam Ossos do Clima, trabalhei com muito carinho e determinação pensando em você, leitor. Amei escrever esta estória, desejo que experimente em cada da palavra o que senti. Estou sempre à disposição para elogios, críticas e sugestões. Vem comigo!

Meu muito obrigada ao André pela confiança e por participar dessa entrevista!
Estou ansiosa para ler Ossos do Clima e trazer pra vocês uma resenha bem bacana. 😉

E vocês, gostaram de conhecer um pouquinho mais sobre o autor e sua obra?
Me contem nos comentários!

Beijos e até semana que vem! ❤