Review: Jogador Nº 1

Oi gente, tudo certo?

Apesar do filme ter estreado há um tempinho, vim contar pra vocês o que achei de Jogador Nº 1.

jogador numero 1 poster.png

Sinopse: Num futuro distópico, Wade Watts (Tye Sheridan), como o resto da humanidade, prefere a realidade virtual do jogo OASIS ao mundo real. Quando o criador do jogo, o excêntrico James Halliday (Mark Rylance) morre, os jogadores devem descobrir a chave de um quebra-cabeça diabólico para conquistar sua fortuna inestimável. Para vencer, porém, Watts terá de abandonar a existência virtual e ceder a uma vida de amor e realidade da qual sempre tentou fugir.

Nosso protagonista é Wade Watts, um rapaz que vive com a tia em uma zona bem pobre de Columbus, nos Estados Unidos. O ano é 2045, e existe um jogo chamado Oasis, no qual as pessoas podem ser e fazer qualquer coisa por meio de seus avatares. Nesse mundo, Wade é Parzival, o Z, e é lá que ele encontra seus melhores amigos e passa a maior parte do seu tempo. Contudo, o Oasis está ameaçado; o criador do jogo deixou alguns easter-eggs escondidos e, quem encontrá-los, herdará suas ações e o controle de tudo. Obviamente, todos querem atingir esse objetivo, o que inclui uma corporação que visa somente os lucros que o Oasis pode oferecer.

jogador n 1.png

Assim, vou ser sincera, como sempre: eu achei muito burburinho pra pouca coisa. O filme é muito clichê, e isso pra mim não é necessariamente um problema, desde que bem trabalhado. Porém, o enredo é previsível e deixa várias coisas sem um desenvolvimento satisfatório. Uma delas é a relação (ou melhor, o rompimento) dos dois sócios que criaram o Oasis, James Halliday e Ogden Morrow. Existe a tensão causada por um triângulo amoroso do passado, beleza, mas o filme me deixou sem ter certeza de que foi essa a causa da separação dos sócios. Talvez isso fique mais claro pra quem tenha lido o livro, mas filmes devem ser capazes de contar uma história independentemente da obra original. Além disso, os vilões são caricatos (o que é aquela F’Nale?) e não inspiram ameaça real.

jogador n 1 (2).png

Outro aspecto um tanto quanto decepcionante é o quanto os personagens secundários, amigos de Parzival, são deixados de lado, com exceção de Art3mis, seu par romântico. É somente quando a coisa esquenta que Daito e Shoto ganham espaço, mas aí o filme já está rolando há tanto tempo que eu nem consegui sentir nada por eles. Aech é ótimo, e Helen também. Só achei engraçado ver Lena Waithe interpretando uma personagem mais adolescente, já que conheci a atriz em Master of None (em que ela interpreta uma mulher perto da casa dos 30 – ou seja, sua idade real), mas isso não é um defeito, é só um fun fact de estranhamento mesmo. Por fim, achei que o filme falhou muito em contextualizar o espectador em relação à realidade na qual os personagens estão inseridos. É um mundo futurista, aparentemente muitas coisas estão dando errado no planeta, mas afinal… o que aconteceu? Não são todos os lugares que estão como Columbus, mas ficamos totalmente no escuro em relação ao que ocorre no mundo fora de Oasis.

jogador n 1 (3).png

Entretanto, também há aspectos positivos. O filme é muito bonito visualmente, já que grande parte dele se passa no jogo. Ainda assim, não vale o ingresso pra sessão 3D, os efeitos são poucos e não fazem tanta diferença. A trilha sonora é ótima, com diversos clássicos. A ação também é bem conduzida, mantendo o espectador atento a cada detalhe do que acontece no Oasis. A prova para conseguir a segunda chave de Halloway foi muito divertida (ainda que eu tenha dado alguns pulinhos na cadeira, por ter medo de filmes de terror). Por fim, as referências à cultura pop também são bacanas, e é bem provável que você fique tentando identificá-las. 😛

jogador n 1 parzival.png

Jogador Nº 1 foi um filme que, infelizmente, não funcionou pra mim. Eu gosto de filmes de puro entretenimento mas, nesse caso, o desenvolvimento precário na relação dos personagens fez com que eu não sentisse nada por eles (fator importante que me fez não curtir tanto assim o longa). Não me arrependo de ter conferido, mas pra mim foi uma obra esquecível que eu não me vejo assistindo novamente.

Título original: Ready Player One
Ano de lançamento: 2018
Direção: Steven Spielberg
Elenco: Tye Sheridan, Olivia Cooke, Ben Mendelsohn, Lena Waithe, Mark Rylance, Win Morisaki, Philip Zhao, Hannah John-Kamen

Anúncios