Resenha: Eleanor & Park – Rainbow Rowell

Oi, meu povo! Como estão?

Em primeiro lugar, gostaria de agradecer por todos os comentários carinhosos e parabenizações pelo meu aniversário no post passado! Vocês são demais! ❤

Agora, em relação ao post de hoje… Lembram que eu comentei na resenha de Anexos que eu estava lendo Eleanor & Park? Pois bem, terminei a leitura e hoje trago minha opinião pra vocês! 😀

eleanor-park-rainbow-rowellGaranta o seu!

Sinopse: Eleanor & Park é engraçado, triste, sarcástico, sincero e, acima de tudo, geek. Os personagens que dão título ao livro são dois jovens vizinhos de dezesseis anos. Park, descendente de coreanos e apaixonado por música e quadrinhos, não chega exatamente a ser popular, mas consegue não ser incomodado pelos colegas de escola. Eleanor, ruiva, sempre vestida com roupas estranhas e “grande” (ela pensa em si própria como gorda), é a filha mais velha de uma problemática família. Os dois se encontram no ônibus escolar todos os dias. Apesar de uma certa relutância no início, começam a conversar, enquanto dividem os quadrinhos de X-Men e Watchmen. E nem a tiração de sarro dos amigos e a desaprovação da família impede que Eleanor e Park se apaixonem, ao som de The Cure e Smiths. Esta é uma história sobre o primeiro amor, sobre como ele é invariavelmente intenso e quase sempre fadado a quebrar corações. Um amor que faz você se sentir desesperado e esperançoso ao mesmo tempo.

Fiquei muito feliz de ter dado uma segunda chance a Rainbow Rowell, mesmo não gostando muito de Anexos. Confesso que Eleanor & Park nunca me chamou muito a atenção quando eu o via na blogosfera, mas ganhei o livro de presente e foi a oportunidade perfeita para que a obra rompesse com tudo que eu pensava a respeito dela (e da autora).

Em Eleanor & Park conhecemos dois jovens de 16 anos: Eleanor, uma garota ruiva, com baixíssima autoestima (ela vive se chamando de gorda, de imensa, entre outros adjetivos pouco amigáveis), mas super inteligente e dona de um ótimo humor ácido; e Park, um garoto asiático, geek, que se veste sempre de preto e que, apesar de não ser nem um pouco popular, pelo menos consegue se manter longe de problemas. Eleanor é uma aluna nova na escola de Park e sofre bullying desde o primeiro dia, mas uma pequena atitude muda tudo: ela senta ao lado de Park no ônibus escolar. Apesar da agressividade do garoto com ela nos primeiros dias, conforme Eleanor começa a espiar as HQs que Park lê, ele repara que a garota está lendo também e passa a virar as páginas mais devagar, a emprestar algumas revistas a ela sem dizer nada e, quando nos damos conta, eles se tornam amigos. E essa amizade floresce em um primeiro amor da adolescência cheio de descobertas e borboletas no estômago, com muitas referências nerds e rock n’ roll.

O enredo parece clichê, não parece? O casal esquisito que encontra conforto um no outro, o primeiro romance, as primeiras experiências… mas Eleanor & Park é muito mais do que isso. O livro traz temas muito importantes, como bullying, abuso e violência doméstica. Narrado em terceira pessoa, com perspectiva ora de Eleanor, ora de Park, o livro nos dá um panorama muito maior do que realmente acontece com os personagens, mostrando não apenas quando eles estão juntos, mas também seus problemas e inseguranças em casa. Particularmente, adoro narrativas assim. Gosto muito de conhecer os dois lados da moeda e me aprofundar em cada personagem. Acredito que isso dê muito mais emoção e crie uma conexão muito maior com eles. É o que ocorre em Eleanor & Park: eu senti seus medos, suas dúvidas e, principalmente, sofri com eles. Especialmente com Eleanor.

Eleanor é uma personagem muito bem construída. Ela tem qualidades incríveis, mas também falhas. Só que é possível compreender porque ela age da maneira que age, porque ela tem uma postura tão “defensiva” em relação a Park por mais que, por dentro, ela esteja explodindo de tanto amor. Como dizem por aí, nós não somos capazes de dar algo que não recebemos, não é mesmo? E Eleanor não recebe amor, nem carinho, nem cuidado. Então, para ela, é difícil retribuir. Park, por outro lado, vive em uma família bem estruturada. Apesar dos problemas com o pai – situação pela qual muitos de nós passamos, aquela fase em que sentimentos que nossos pais nunca nos entendem –, ele tem uma família com a qual pode contar. E isso faz TODA a diferença na forma com a qual ele expressa seus sentimentos. Ele é um amor, é impossível não se apaixonar por ele! Mas quem realmente roubou a cena, pra mim, foi Eleanor. Foi muito difícil pra mim ler as partes referentes a ela, porque eu senti muita coisa: pena, dor, angústia, revolta e raiva. Senti vontade de chacoalhar a mãe dela inúmeras vezes, mas ao mesmo tempo eu tentava lembrar de que muitas mulheres não conseguem sair de situações de abuso por medo. Ainda assim, foi difícil controlar a minha raiva e revolta em relação a ela.

Enfim, Eleanor & Park foi uma leitura excelente. Eu diria até que foi a segunda melhor do ano, atrás apenas de Como Eu Era Antes de Você. É um livro que toca em temas sensíveis e tem momentos pesados, mas com uma narrativa tranquila, o que equilibra o tom do livro. Rainbow Rowell trouxe uma obra romântica, nostálgica (afinal, quem nunca sentiu borboletas no estômago ao se apaixonar?) e delicada, que realmente mexe com as emoções do leitor. Recomendo muito!

Título Original: Eleanor & Park
Autor: Rainbow Rowell
Editora: Novo Século
Número de páginas: 328
Gostou do livro? Então adquira o seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤