Review: Tokyo Revengers

Oi pessu, tudo certo?

A personagem Pri otaku tava há um tempo sem dar as caras por aqui, né? 😂 Então hoje vim dividir minhas impressões sobre um anime que vem fazendo bastante sucesso e cuja segunda temporada está confirmada: Tokyo Revengers.

Sinopse: Takemichi Hanagaki é um desempregado que sobrevive de bicos e está na fossa. Ele descobriu que Hinata Tachibana, sua primeira e última namorada, com quem namorou no fundamental, foi morta pela impiedosa Gangue Manji de Tóquio. No dia seguinte à notícia, ele está na beira da plataforma do trem e é empurrado pela multidão. Ele fecha os olhos se preparando para morrer, mas ao abrir, ele voltou no tempo para quando tinha 12 anos de idade. Agora que ele está na melhor época de sua vida, Takemichi decide se vingar de sua vida, salvando sua namorada e parando de fugir de si mesmo.

Antes de falar sobre o plot em si, vale ressaltar que Tokyo Revengers explora uma subcultura japonesa dos delinquentes, como os próprios personagens dizem. Mas, apesar da palavra ser abrangente, existem diversos grupos que se enquadram nessa categoria – dos bullies de colégio até gangues de motoqueiros. A questão é que são indivíduos que destoam do bom comportamento esperado, especialmente nesse contexto de animes escolares (como é o caso de Tokyo Revengers).

Ok, com isso posto, vamos à trama: Takemichi é um rapaz de 26 anos que se considera um loser. No passado, ele e seus amigos mais próximos tentaram formar uma espécie de gangue pra amendrontar outros alunos da escola, mas acabaram se tornando “lacaios” de uma gangue importante, a Toman (abreviação de Gangue Manji de Tóquio), até que o Ensino Médio acabou e ele se afastou de tudo isso, deixando namorada e amigos pra trás. Esse passado do qual Takemichi fugiu volta a assombrá-lo quando ele vê uma notícia de que Hina, sua antiga namorada, morreu em uma ação causada pela Toman. Após receber essa notícia chocante, o rapaz é empurrado numa estação de trem em direção aos trilhos, mas acaba sendo salvo pelo irmão mais novo da moça, Naoto, que se tornou policial e investiga a Toman. O aspecto “mágico” do anime fica por conta de uma habilidade que os dois descobrem nesse incidente na estação: ao tocar Naoto, Takemichi é capaz de voltar 12 anos no passado – mas sempre 12 anos a partir do dia presente. Ou seja, ele ganha uma nova chance de mudar a forma como as coisas aconteceram, mas não pode fazer isso várias vezes, já que cada dia é único tanto no presente quanto no passado. Com isso em mente, o objetivo da dupla é impedir que a Toman se torne maligna e cause a morte de Hina, mas a convivência com os membros da gangue e as alterações provocadas fazem com que Takemichi perceba que tem muito mais vidas em jogo do que ele imaginava.

Além da curiosidade provocada pelo questionamento de “será que é possível mudar o passado?”, um dos grandes méritos de Tokyo Revengers reside muito em seus personagens secundários. Quando Takemichi retorna para seus tempos de escola, ele provoca alterações que o levam a se aproximar do comandante da Toman, Mikey, e seu vice, Draken. Os dois são personagens perigosos e, desde sua primeira aparição, é nítido que eles impõem respeito sem esforço. Em contrapartida, Mikey tem um jeito quase infantil quando não está na sua “postura de comandante”, e faz amizade com Takemichi rapidamente. Draken, por sua vez, vai se revelando como o estereótipo do cara que é durão por fora, mas com um bom coração; ele cuida de Mikey com uma lealdade inabalável, e também acolhe o protagonista, estendendo sua proteção a ele também. Os dois são muito carismáticos e não demoram a roubar a cena, especialmente porque o anime tem muito mais desenvolvimento no passado (com Takemichi na escola) do que no presente (quando ele já é adulto), então vemos de perto como a Toman era conduzida por eles no começo da gangue.

Porém, sabemos que no futuro a Gangue Manji de Tóquio foi para um caminho de crimes muito mais pesados, e é aí que a nossa curiosidade é atiçada. Na primeira linha temporal apresentada, o anime nos relata o destino trágico de determinado personagem; Takemichi então acredita que precisa mudar esse acontecimento para evitar o caos no futuro. Mas, conforme ele vai tendo sucesso na sua missão, ele volta ao presente (apertando a mão da versão criança do Naoto) e percebe que ainda assim não conseguiu salvar Hina. É nesse ponto que Tokyo Revengers me instigou: será mesmo possível mudar as coisas ou estamos presos à inevitabilidade do destino? Assistir às tentativas do protagonista de salvar a todos a quem ele se afeiçoa me fez pensar em Efeito Borboleta 1, um filme que até hoje encaro como sensacional e que tem um gosto amargo por mostrar que mexer com o destino pode ser ainda mais perigoso do que simplesmente aceitá-lo.

Esse lado místico de Tokyo Revengers não é o foco da trama, sendo bem mal explicado e algo que considero um defeito. Comentei algo parecido na minha resenha de É Assim Que se Perde a Guerra do Tempo, que também traz o conceito de viagem temporal de modo apenas expositivo, sem maior aprofundamento. Ou você aceita, ou você aceita, a vibe é essa. 😂 Talvez no futuro o anime se debruce mais nessas questões relacionadas à habilidade de Takemichi de voltar no tempo, mas até o momento o que temos é um elemento místico que serve como catalisador de uma trama que é bem mais focada na tentativa do personagem de evitar maquinações políticas e salvar as pessoas que ele ama.

Mas se os membros da Toman (que vão além de Mikey e Draken – menção honrosa a Baji e a Chifuyu, capitão e vice da 1ª Divisão da gangue, respectivamente) são interessantes e aprofundados, o nosso protagonista é o elo fraco da corrente. Infelizmente, durante a primeira temporada ele passa a maior parte do tempo chorando e se sentindo inútil. E sabem o que é pior? Sendo sincera, essa é a reação mais realista possível quando pensamos que até ontem o personagem era um coitado que nem sabia brigar e que agora se vê no meio de tretas pesadas de uma gangue. Faz sentido que ele tenha medo de agir, e eu reconheço isso. Mas como são 25 episódios de Takemichi sofredor, dá uma afliçãozinha que ele demore tanto a entender que precisa fazer alguns sacrifícios e pensar de forma menos inocente e míope para as situações se quiser atingir seus objetivos. Tenho esperança de que todo o sofrimento que ele vivenciou na primeira temporada sirva como força impulsionadora de uma mudança mais ativa na próxima.

É bem interessante assistir a um anime que faz o espectador gostar de personagens que visivelmente estão fazendo coisas erradas – inclusive tendo cenas violentas e com bastante sangue “explícito”. Mas Tokyo Revengers faz um ótimo trabalho em trazer intrigas políticas pro cerne da história, fazendo com que a missão do protagonista vá muito além de mexer em um ou outro acontecimento do passado pra salvar a garota pela qual ele sempre foi apaixonado. O vilão apresentado ainda teve pouco tempo de tela, mas as linhas temporais já deixaram claro o quanto suas garras penetraram na organização e essa ameaça latente também nos ajuda a querer saber o que vai acontecer no próximo episódio. Não é um anime perfeito, tem alguns problemas de conveniência de roteiro e falta de aprofundamento e seu protagonista não é o mais carismático de todos os tempos. Contudo, o olhar focado na subcultura dos deliquentes, a ameaça que gira em torno de movimentações e intrigas políticas, os carismáticos membros da Toman e o foco na lealdade e na amizade fazem com que Tokyo Revengers ganhe um espaço bacana no coração. Se você curte animes, vale espiar. 😉

Título original: Tōkyō Ribenjāzu
Ano de lançamento: 2021
Direção: Koichi Hatsumi
Elenco: Yuuki Shin, Yu Hayashi, Tatsuhisa Suzuki, Griffin Puatu, Azumi Waki

14 comentários sobre “Review: Tokyo Revengers

  1. Olá, Priih.
    Hoje vou deixar passar a dica. Acho que só assisti um anime na minha vida, Sailor Moon, e foi na época que eu era adolescente. Confesso que hoje em dia não tenho mais paciência para assistir não hehe.

    Prefácio

    • Oi Priih! Depois daquele final eu não vejo a hora de conferir a segunda temporada. Eu gosto bastante da história e fico imaginando quem o protagonista vai salvar e quem ele vai ter que abrir mão. Claro que ele precisa salvar a si mesmo também. Não sei qual a saída, se é que há.

      Bjos!! Cida
      Moonlight Books

  2. Oi
    faz anos que não assisto um anime, a premissa desse é interessante e acho legal a ideia do personagem voltar no passado, mas uma coisa que aprendi em séries e filmes que mudar o passado trás consequências para o presente/futuro e sempre da problema, gostei dos traços do anime pelas fotos.

    https://momentocrivelli.blogspot.com/

  3. Emi otaku diz oi para Prii otaku hahah
    Ultimamente estou revendo sailor moon! hahaha mas já fiquei de olho nesse ai porque se tem viagem no tempo, tem eu também haha
    Não sei, mas boa parte do que assisti com viagens assim, não teve explicação de como isso se deu. Inclusive essa plot me lembrou um pouco uma série francesa que assisti na netflix e gostei muito, as 7 vidas de lea! Também não teve uma explicação de como a protagonista conseguia voltar e no caso dela cair no corpo de outra pessoa.

    beijos

  4. Oi Priih! Essas histórias com viagem no tempo são sempre interessantes e também me fazem questionar a inevitabilidade do destino. Também gostei do aspecto político da trama, muito bacana essa sua indicação. Só me desanima mesmo isso do lado místico não ser explicado, uma pena os criadores não terem explorado isso de maneira mais consistente. Beijos :*

  5. Oi Priih,
    Ainda não conhecia o anime, mas AMEI, pois ele resgata questionamentos que eu mesma me faço, seria mesmo possível mudar as coisas se tivéssemos a chance? Pensar que não, acaba nos consolando e nos obrigando a aceitar o presente, mas ainda assim, é impossível não pensar em diferentes versões do presente se agíssemos diferente no passado. Inclusive, também acho Efeito Borboleta um filme genial. Vou procurar o anime para assistir!
    Beijo, Blog Apenas Leite e Pimenta ♥

  6. Oi Priih, tudo bem?
    Faz muito tempo que não assisto anime. O último que acompanhei foi Yu Yu Hakusho (saudade) inclusive tenho vontade de rever. Achei interessante a trama de Tokyo Revengers por gostar do assunto ‘viagem no tempo’. Fiquei curiosa para saber se o plano vai dar certo.

    Até breve;
    Te espero nos meus blogs!
    Mente Hipercriativa (Livros, filmes e séries)
    Universo Invisível (Contos e Crônicas)

  7. Oi, Priih! Minha irmã é mais ligada em animes do que eu. Ela até assina um streaming só disso, hehe. Eu só assisti um, na Netflix, e gostei bastante. Esse aí parece ser show! Amo tudo que envolva viagem no tempo.

    =)

    Suelen Mattos
    ______________
    Romantic Girl

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s