Resenha: De Quem É Esta História? – Rebecca Solnit

Oi pessoal, tudo bem?

Tenho tentado sair da minha zona de conforto este ano e incluir mais livros de não-ficção na minha lista. E é sobre um deles que vamos falar hoje: De Quem É Esta História?, da escritora e ativista Rebecca Solnit.

de quem é esta históriaGaranta o seu!

Sinopse: Quem escreve as narrativas de nossos tempos? Em cada debate, uma batalha está sendo travada: de um lado, mulheres e pessoas não brancas, não binárias e não heterossexuais finalmente podem contar a história com sua própria voz; de outro, pessoas brancas ― sobretudo do gênero masculino ― se apegam às versões de sempre, que contribuem para manter seu poder e status quo. Em vinte ensaios atualíssimos, a autora de Os homens explicam tudo para mim e A mãe de todas as perguntas avalia essas discussões, por que elas importam e quais são os desafios que temos pela frente.

De Quem É Esta História? me chamou a atenção já pela sinopse, por se tratar de um livro de ensaios focados em feminismo e distribuição de poder. O centro das discussões apresentadas por Rebecca Solnit gira em torno da pergunta-título, fazendo o leitor refletir e questionar quais são as perspectivas que chegam até nós, quais vozes são ouvidas e quais são silenciadas e quais visões de mundo estamos reforçando. Ainda na introdução, a autora evidencia algo que parece óbvio, mas não é: “Hoje é fácil presumir que nossas opiniões sobre raça, gênero, orientação sexual e tudo o mais são sinais de uma virtude inerente, mas muitas ideias que circulam agora são presentes que chegaram há pouco […]”. As conquistas relacionadas à diversidade são muito recentes, mas ainda estamos longe de um ideal de igualdade social, racial e sexual – por isso obras que falem sobre isso precisam ser difundidas.

Ao longo das páginas, Rebecca Solnit discorre sobre diversos desequilíbrios de poder, focando principalmente na distribuição desigual entre homens brancos cis e heterossexuais, o topo da pirâmide, e todo o resto (mulheres, mulheres negras, homens negros, a comunidade LGBTQI+, etc). Os ensaios são bem focados na sociedade estadunidense, então as dinâmicas sociopolíticas que a autora trata são baseadas no funcionamento eleitoral de lá. Esse aspecto torna alguns capítulos um pouco mais cansativos mas, ainda assim, é possível estabelecer paralelos entre o que acontece nos Estados Unidos e o que acontece aqui (e, quando lembramos de que ambos os países estão sendo liderados por boçais, fica ainda mais fácil fazer conexões).

Querem um exemplo prático? O terceiro capítulo fala sobre como o poder e o preconceito (consciente e inconsciente) determinam a política de um país. A autora aponta inconsistências no discurso principalmente de homens brancos, que analisam qualidades/características de forma diferente quando são encontradas em homens e mulheres. O fato de Obama ter sido um líder detalhista no que diz respeito a aspectos políticos é visto como um defeito em Hillary, no exemplo da autora. O foco de Rebecca Solnit nesse ensaio é trazer à luz o fato de que a não-equidade política e os “double standards” tornam ainda mais difícil pra minorias (especialmente mulheres não-brancas) atingirem o mesmo patamar dos homens brancos, pois a trajetória dessas pessoas traz muito mais obstáculos. Transpondo essa reflexão pro cenário brasileiro, é fácil lembrar como Dilma era criticada pela sua falta de eloquência, enquanto Bolsonaro bosteja pela boca o tempo inteiro e boa parte da população parece não ver problema nisso. 🤷‍♀️

Eu diria que o principal ponto do livro, que está presente em todos os ensaios de forma geral, é justamente colocar sob os holofotes o fato de que quem tem direito à fala é quem dita as regras. Quem conta as histórias é também quem decide como determinado grupo será lido, quais direitos serão priorizados, quais caminhos o país e a sociedade trilharão. Rebecca escreve: “[…] nos noticiários e na vida política ainda estamos lutando para saber de quem é a história, quem tem importância e para quem nossa compaixão e nosso interesse devem se direcionar.” A decisão de usar a própria voz para denunciar quem sempre gozou de privilégios é uma decisão que visa afirmar a própria identidade, mostrar ao mundo que se é “alguém” – e não qualquer alguém, alguém que merece ser ouvido. Tomar posse da narrativa, segundo a autora, é uma luta importante e capaz de grandes transformações: o movimento #MeToo é um exemplo utilizado, sendo uma oposição das mulheres aos abusos cometidos por tantos anos no ambiente de Hollywood (mas não somente nele, já que a # ganhou alcance global).

É difícil falar especificamente sobre cada ensaio de De Quem É Esta História?, mas posso dizer que todos eles têm ligação e conversam com muitos dos dilemas que enfrentamos hoje. O livro não é denso e a narrativa é acessível, o que torna a leitura fluida e de fácil compreensão. Apesar de focar muito nos Estados Unidos e não trazer com tanta força a perspectiva negra – ainda que cite lutas raciais ao longo das páginas –, é uma boa opção para quem quer pensar sobre dinâmicas de poder, narrativa e feminismo. Recomendo! 🙂

Título original: Whose Story Is This?
Autor: Rebecca Solnit
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 216
Gostou do livro? Então adquira seu exemplar aqui e ajude o Infinitas Vidas! ❤

Livro cedido em parceria com a editora.
Esse não é um publipost, e a resenha reflete minha opinião sincera sobre a obra.

14 comentários sobre “Resenha: De Quem É Esta História? – Rebecca Solnit

  1. Que incrível, Prih!
    Pela capa eu não imaginaria que pudesse trazer os pensamentos mais construídos, falar sobre o feminismo de uma forma tao abrangente e falar também sobre o preconceito
    não é o tipo de leitura no momento que eu procuro ler, mas é sem duvidas uma que eu adicionei futuramente para entender mais através das palavras essa visão

    Beijocas da Pâm
    Blog Interrupted Dreamer

  2. Fiquei interessado em ler o livro. É ótimo ler sobre mulheres revolucionárias. Concordo quando você fala que o preconceito de gênero é presente em nossa sociedade, mas aos poucos podemos mudar essa realidade.

    Bom fim de semana!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia

  3. Olá, Priih.
    Apesar de estar lendo mais livros de não-ficção, ainda é algo bem dificil para mim. Achei esse super interessante porque fala sobre um assunto que é tão atual e que muita gente não consegue nem enxergar a necessidade de falar sobre. Vide os milhares de seguidores do atual presidente. Se der vou ler ele.

    Prefácio

  4. Oi Pri, tudo bem?

    Assim como você venho desde o ano passado buscando sair da minha zona de conforto literária. E é maravilhoso, como venho descobrindo livros incríveis nesse meio tempo. Gostei muito da premissa De Quem é esta História. Achei os temas abordados pela autora atuais e relevantes para a época que vivemos. Vou colocar na minha lista.

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

  5. Oi, Priiih. Tudo bem?
    Eu não conhecia o livro e nossa que resenha bem feita. Expôs os principais pontos que me pegaram pela garganta, já salvei o livro na minha lista de desejos. Voltando para resenha, quem conta as histórias sempre dita as regras e deixa pouco espaço para fala daqueles que vivenciam certa ou determinada situação, achei incrível essa dinâmica de poder explicada e detalhada num livro.

    Beijos,Vanessa
    Leia Pop

  6. Olá, Prih! Não conhecia esse De Quem É Esta História?, mas graças à sua excelente resenha, fiquei muito intrigada pra ler. Não-ficção não é um tipo de leitura que costumo fazer constantemente, apesar de entender que, com isso, perco oportunidades valiosas de reflexão e aprendizado. Principalmente com temas tão essenciais como esses, as desigualdades nossas de cada dia. Vou deixar anotada essa dica e também tentar passar a buscar com mais frequência outros títulos relevantes. Ótimo texto!

    Blog Trívia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s