Dica de Série: Little Fires Everywhere

Oi pessoal, tudo bem?

O post de hoje é pra gente conversar a respeito de Little Fires Everywhere, a minissérie que adapta o livro de mesmo nome (Pequenos Incêndios Por Toda Parte). Bora?

little fires everywhere

Sinopse: Em Little Fires Everywhere, um encontro entre duas famílias completamente diferentes vai afetar a vida de todos. A dona de casa perfeita Elena Richardson (Reese Witherspoon) aluga a casa de hóspedes à Mia Warren (Kerry Washington), uma artista solteira e enigmática que se muda para Shaker Heights com sua filha adolescente. Em pouco tempo, as duas se tornam mais do que meras inquilinas: todos os quatro filhos da família Richardson se encantam com as novas moradoras de Shaker. Porém, Mia carrega um passado misterioso e um desprezo pelo status quo que ameaça desestruturar uma comunidade tão cuidadosamente ordenada.

A trama se passa em um típico subúrbio norte-americano cheio de famílias de classe média abastadas na cidade de Shaker Heights. A chegada de Mia Warren e sua filha Pearl é o ponto de partida para uma sequência de conflitos entre elas e a família de Elena Richardson, que aluga uma de suas casas para as recém-chegadas. A diferença entre as mulheres vai além da questão racial: Mia, além de negra, é uma artista e mãe solo que vive sem criar raízes, o que causa um conflito com a própria filha; Elena é uma mulher que devota a vida aos filhos e ao trabalho de meio-turno como jornalista que ela tenta fazer parecer mais significativo do que de fato é. Ao longo dos episódios, a animosidade entre as duas cresce, especialmente quando elas se veem em lados opostos em uma briga pela custódia de uma criança.

little fires everywhere 3

Little Fires Everywhere fala de muitos temas, como racismo, xenofobia e desigualdade socioeconômica, mas o principal deles é a maternidade. Apesar do abismo que as separa, Mia e Elena têm uma característica em comum: tudo que fazem e tudo que priorizam está relacionado ao amor pelos filhos. E a minissérie torna fácil de enxergar que a maternidade pode ser vista e encarada de múltiplas formas: assim como existem os sacrifícios pessoais que mães são capazes de fazer, existe também egoísmo ao projetar suas expectativas nos filhos.

Elena é a típica salvadora branca, que tenta “ajudar” Mia em sua chegada em Shaker Heights mas não é capaz de entender como sua abordagem (ao oferecer a casa por um preço mais baixo, ao contratá-la como “governanta” – para não chamar de empregada) é ofensiva, sendo uma representação do racismo estrutural. Além disso, ela tem uma relação problemática com a filha mais nova, Lizzie, que foge de todos os padrões de comportamento que Elena espera. Com o desenrolar da trama, entendemos que Lizzie nunca foi desejada, e o peso da maternidade e a responsabilidade em criar 4 filhos afastou Elena de sonhos profissionais e aventuras que ela não teve coragem de viver.

little fires everywhere 4

Mia, por sua vez, é uma mulher cheia de mistérios. Ela não fala sobre seu passado, não divide com Pearl informações sobre seu pai e é bastante reservada. Em nome do desejo de Pearl em ter um lugar fixo para chamar de lar, ela aceita trabalhar meio-turno para os Richardson e alugar a casa deles, ainda que isso exija que ela lide com a condescendência de Elena. A trama ganha intensidade quando sua colega de trabalho em seu segundo emprego, Bebe, revela que foi obrigada a abandonar sua bebê recém-nascida porque não tinha dinheiro para alimentá-la, mas que faria de tudo para tê-la de volta. Mia reconhece a descrição de Bebe na filha adotiva da melhor amiga de Elena e resolve interferir, emprestando dinheiro a Bebe para a abertura de um processo judicial. Esse plot é o que toca o dedo na ferida a respeito da xenofobia, e um episódio ilustra de maneira cirúrgica a diferença que alguns poucos centavos exercem na vida de uma pessoa de cor (Bebe, uma imigrante chinesa) e uma pessoa branca.

little fires everywhere 2

Apesar dos temas relevantes e bem construídos, teve uma coisa em Little Fires Everywhere que não funcionou comigo: a dupla de protagonistas. A Elena de Reese Whiterspoon é uma versão mais fútil de sua personagem em Big Little Lies, enquanto a Mia de Kerry Washington tem uma série de tiques que me deixaram agoniada. Eu não consegui me afeiçoar a nenhuma das duas, e isso é uma das coisas que levo em consideração quando estou consumindo uma obra: é difícil eu me envolver 100% quando os personagens não me causam nenhum tipo de sentimento.

little fires everywhere 5

Fora essa pequena ressalva, recomendo muito que você dê uma chance a Little Fires Everywhere. A trama gira em torno de temas que causam desconforto e fazem o espectador refletir, não utilizando uma abordagem maniqueísta para falar de nenhum desses assuntos. Expondo as fragilidades de famílias “perfeitas”, colocando em xeque nossas crenças sobre maternidade e jogando na nossa cara o racismo estrutural que dá oportunidades muito diferentes aos indivíduos (como é brilhantemente apontado por Mia em um diálogo ácido com Elena), Little Fires Everywhere certamente vai deixar você intrigado e pensativo. Vale a pena! 😉

Título original: Little Fires Everywhere
Ano de lançamento: 2020
Criador: Liz Tigelaar
Elenco: Reese Whiterspoon, Kerry Washington, Lexi Underwood, Joshua Jackson, Megan Stott, Jade Pettyjohn, Gavin Lewis, Jordan Elsass, Rosemarie DeWitt, Huang Lu

26 comentários sobre “Dica de Série: Little Fires Everywhere

  1. Oi, Priih

    Eu estava esperando sair dublado pra minha mãe ver também, ela não consegue ver legendado. Acho que já tem dublagem, vou até conferir.
    Eu amo o trabalho da Reese, e mesmo com essa ressalva sobre a atuação eu estou bem animada. Como não assisti Big Little Lies provavelmente isso não vai me incomodar a título de comparação.

    Beijos
    – Tami
    https://www.meuepilogo.com

  2. Oi Priih! Eu ainda não conferi a série, mas minha prioridade é ler a obra na qual ela foi baseada e também um outro livro da mesma autora que foi bem elogiado. Esta é uma autora que vem causando muitos comentários com suas obras e estou bem curiosa sobre seu trabalho. Uma pena as personagens não terem despertado sentimentos em você, isso complica muito o aproveitamento da obra, seja assistida ou lida.
    Bjos!! Cida
    Moonlight Books

  3. Eu amo muito essa série. Tem tantos contrastes e aborda temas tão pertinentes. Não senti uma afeição pelas atrizes também, eu gostava mais Izzy.
    E eu adorei que a série mudou alguns pontos do livro.
    beijos

  4. A série parece interessante, pena que você não conseguiu se afeiçoar as personagens, tenho muita dificuldade em terminar séries se não consigo me conectar com os personagens – Freud que diga, não consegui chegar nem na metade da série.

    Beijinhos,
    Renata

  5. Oii Priih!
    Interessante essa série, não conhecia. Creio que o lado forte dela são justamente os temas que ela traz a tona. Não parece ser uma série que prende, mas para quem gosta do estilo acho que pode valer conferir.
    Ótima semana para você!
    Bjos

  6. Apesar da série parecer até interessante, com ou sem as pequenas ressalvas sobre as protagonistas que tu disse, eu não sei se assistiria mas vou procurar saber sobre o livro no qual foi baseada. Gosto de livros que trazem a tona temas mais sérios.

    Abraço ♥
    Larissa – Blog: Parágrafo Cult

  7. Olá, Priih.
    Eu fiquei sabendo dessa série porque o clube de leitura que estou participando vai ler o livro esse mês. E espero gostar porque vi muitos elogios a ele. E depois pretendo conferir a série. Eu sou igual a você quando não consigo me conectar com os protagonistas, a história parece que deixou a desejar em alguma coisa.

    Prefácio

  8. Oi Pri, tudo bem?

    Tenho bastante curiosidade para conferir essa série, em especial por que a critica foi super positiva e as protagonistas são interpretadas por duas atrizes que adoro. Também gosto do fato de ser minissérie, pois ando sentindo que as produções estão perdendo um pouco a mão em séries muito longas.

    Quero tentar ler o livro antes de conferir a série.

    Beijos;*
    Ariane Reis | Blog My Dear Library.

  9. Oi Priih,
    Eu li o livro e gostei bastante! É um drama familiar que foge do que estou acostumada a ler, mas super fluiu comigo. Tanto que quero conferir a série em breve, eu cheguei a ver só um episódio, achei fiel, mas como fiquei sabendo que aprofunda alguns aspectos, quero conferir a adaptação. Amo a Reese, acho que os trabalhos dela sempre são incríveis.
    beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com/

  10. Eu não assisti Big little lies, mas se você compara com ela, parece que não teve mesmo uma originalidade nos personagens. O que é uma pena. =/ A trama em si parece boa, ainda mais pelo tema que aborda, uma pena que parece ter prometido mais do que cumpriu.
    Ela está disponível no Netflix?
    Bjks!

    Mundinho da Hanna
    Pinterest | Instagram | Skoob

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s