Lista #7: Pais da literatura

Oi gente, tudo bem?

Em primeiro lugar, gostaria de desejar a todos o melhor Dia dos Pais possível. ❤ Para muita gente essa não é uma data fácil, mas espero que vocês tenham um bom domingo apesar disso. E para quem essa data representa coisas boas, eu desejo muita celebração e amor!

No clima da data, a coluna Uma Amiga Indicou (uma parceria com os blogs Estante da Ale, Caverna Literária, A Colecionadora de Histórias e Interrupted Dreamer) se uniu para fazer uma lista com exemplos de pais incríveis (e outros nem tão incríveis assim…) da literatura. Bora conferir? 😉

pais da literatura

Exemplo de paizão

pais da literatura

Alessandra: Sr. Bennet – Orgulho e Preconceito
Um exemplo de pai amoroso e compreensivo. Que busca apenas a felicidade das filhas. Um grande exemplo disso é a sua famosa frase que num momento de desespero para Lizzie acalmou seu coração: “se você não se casar com Mr. Collins, sua mãe nunca mais a verá de novo. E eu nunca mais a verei se você se casar”. É ou não é um dos maiores atos de amor, principalmente para a época representada?
Carol Antonucci: Nate Pullman – Extraordinário
Quando se trata desse livro, todos lembram e admiram (com razão!!) a Isabel, mãe de August, mas o pai dele também é extremamente amoroso e companheiro do filho. Ele o incentiva a enfrentar seus medos, lhe dá coragem, e é uma figura paterna inspiradora. Um paizão que merece ser lembrado!
Carol Cristina: Maverick – O ódio que você semeia (Angie Thomas)
QUE PAIZÃO! Maverick (pai de Starr, Seven e Sekani) antes de se casar com a mãe dela tinha envolvimento com o tráfico local, mas mudou totalmente de vida. Virou dono de um mercadinho local, e durante o livro soube estimular o senso crítico, dar o exemplo e ensinamentos valiosos para seus filhos. Esse pai sabe quem foi e quem é, não abandona seus valores, é amoroso e presente, luta pela família e por seus semelhantes, passa por injustiças mas nunca desiste!
Pâmela: Chris Astor – A Menina que Semeava
Esse pai é maravilhoso e lembra muito os papais que contam histórias antes de dormir para que seus filhos possam ter um bom sono, só que nesse caso não é apenas no sono. Ele passa uma barra com a filha com câncer e ainda ter que lidar com a ex-mulher insuportável…. No entanto, para ajudar a filha a ter esperança, cria um mundo maravilhoso para a mesma viver além da imaginação.
Priscilla: Sr. Covey – Trilogia Para Todos os Garotos Que Já Amei
Viúvo e com 3 filhas mulheres, Dan Covey é um grande exemplo de pai dedicado e atencioso, que se esforça ao máximo para entendê-las e ajudá-las. Sempre buscando manter as tradições coreanas de sua falecida esposa vivas na família, o pai da Lara Jean é aquele tipo de personagem que é impossível não gostar. Seria incrível se todos os pais seguissem o exemplo do Sr. Covey e assumissem seus papeis ativamente na criação dos filhos, né não?

Pai embuste

pais da literatura (2).png

Alessandra: Madoc – O Príncipe Cruel (Série O Povo do Ar)
Madoc é o pai adotivo das gêmeas Jude (protagonista da série) e Taryn e também é o responsável pela morte da mãe e do verdadeiro pai das duas garotas. Acho que deu para entender o nível de crueldade desse moço, né? Sim, ele cria as órfãs, porém de uma maneira fria e distante. E nem posso contar as traições que comete no decorrer da obra, pois seria um grande spoiler.
Carol Antonucci: Donovan O’Neil – Novembro, 9
Um cara famoso, um pai ausente, que só encontra a filha para contar as novidades de sua vida e da nova esposa, sem se tocar no quanto o evento que queimou boa parte do corpo de sua filha, ainda a traumatizava. Temos pais mais embustes que isso, certamente, mas esse ganhou meu ranço.
Carol Cristina: Anderson – Série Estilhaça-me (Tahereh Mafi)
PENSEM NUM SER DESPREZÍVEL! Anderson é o pai de Warner na série, e comandante supremo do Restabelecimento. Desgraçou com a vida do meu Aaron Warner, a cabeça do rapaz é toda psicologicamente ferrada por causa das atrocidades que o pai fazia e o obrigava a fazer também. Anderson não sente um pingo de amor por Warner, odeia tudo o que o filho ama e o faz sofrer “para que se torne melhor e mais forte”. Esse é um pai que faz coisas inacreditáveis pra tentar fazer do filho um monstro como ele!
Pâmela: Sr. Thénardier- Os Miseráveis
Ô homenzinho sem-vergonha e insuportável juntamente com a esposa, mas vamos focar no senhor. No final você até fica com um pouco de dó dele? Bem pouco, mas durante toda a obra, ele dificulta a vida de Cosette, Fantine e, mais tarde, Marius, além de ser um exemplo de corrupção em meados de 1800. Além disso, os filhos, por mais que possam parecer arrogantes, na verdade, são apenas necessitados de carinho e de um ombro e até disso eles privam o mais jovem deles. É fogo!
Priscilla: Jonny Rokeby – Série Cormoran Strike
O pai de Strike é a personificação da babaquice: o outrora rockstar engravidou uma de suas groupies, Leda, e nunca quis envolvimento algum com ela ou com a criança. Além disso, na única vez em que Strike precisou dele (com um pedido de empréstimo financeiro), Rokeby colocou até advogados para cobrá-lo, sem o menor pudor. Outro aspecto enfurecedor é que ele tem outros filhos, para os quais ele dá suporte – ou seja, o personagem é um retrato bem realista de muuuitos exemplos de pais que encontramos por aí, que ignoram a existência dos filhos e/ou só dão importância para suas novas famílias. Péssimo!

E vocês, quem colocariam nessa lista? 😉
Beijos e até o próximo post!

Anúncios

23 comentários sobre “Lista #7: Pais da literatura

  1. Oi, Priih!
    Não conheço todos os pais da lista, mas posso concordar muito com um deles: Anderson é um ser desprezível. Meu Deus, como eu fiquei com raiva desse homem! Querendo deixar meu Warner ruim… Homem tóxico, credo hahaha
    Adorei a ideia que vocês tiveram!
    Beijinhos,

    Galáxia dos Desejos

  2. O melhor “exemplo de paizão” que me ocorre neste momento é o pai do Elio do livro “Chama-me pelo teu nome” de André Aciman. No filme também ficou muito bem!
    Eu quero muito ler o “Extraordinário”, gostei muito do filme e fiquei curiosa com o livro!

  3. Acabei de ver essa tag em outro blog, agora qe vi que se juntaram pra fazer rs Eu só conhecia o pai do Warner que como você sabe, é uma pessoa desprezível. Quanto aos bons pais, Nate Pullman vai estar sempre em meu coração.

    Abraço,
    ParágrafoCult.blogspot

  4. Olá, Priih.
    O Príncipe Cruel está aqui na minha estante esperando a vez de ser lido hehe. Os miseráveis também, mas eu olho o tamanho e já doí meu pulso hehe. Eu amo o Sr. Bennet porque não deve ser fácil ser o único homem no meio de tantas mulheres hehe.

    Prefácio

  5. OI Prih,
    Adorei a ideia da lista de vocês! Como comentei no blog da Carol, amo demais o Sr. Bennett!
    Eu só enrolo pra ler Para Todos os Garotos que Já Amei, pois queria ter os três pra emendar, mas acho cada vez mais difícil e vou acabar me rendendo haha.

    até mais,
    Canto Cultzíneo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s