Review: Star Wars: Os Últimos Jedi

Oi povo, tudo certo?

Cá estou para tentar falar a respeito do filme mais esperado do ano, Star Wars: Os Últimos Jedi. Fiquem tranquilos que o texto não terá spoilers sem aviso prévio. Podem ler sossegados! 😉

poster star wars os ultimos jedi.png

Sinopse: Após encontrar o mítico e recluso Luke Skywalker (Mark Hammil) em uma ilha isolada, a jovem Rey (Daisy Ridley) busca entender o balanço da Força a partir dos ensinamentos do mestre Jedi. Paralelamente, a Primeira Ordem de Kylo Ren (Adam Driver) se reorganiza para enfrentar a Resistência.

Os Últimos Jedi parte praticamente do mesmo ponto em que O Despertar da Força parou, com dois núcleos distintos: a Resistência está em fuga, sendo bombardeada pela ira da Primeira Ordem, e Rey finalmente encontrou o lendário Luke Skywalker. Enquanto no primeiro núcleo os personagens estão tendo inúmeras perdas, no segundo a protagonista da nova trilogia precisa convencer um Luke recluso e amargurado a ajudá-la e treiná-la no caminho da Força. É possível dizer que há um terceiro núcleo, inserido na Primeira Ordem: o conflito interior de Kylo Ren, que ficou ainda mais desestabilizado emocionalmente após matar o próprio pai, Han Solo.

star wars os ultimos jedi rey.png

O que eu mais gostei em Os Últimos Jedi foi, disparado, a ruptura com a dualidade entre “bem” e “mal”. Rey e Kylo Ren protagonizam algumas das melhores cenas do filme: conectados mentalmente pela Força, os dois percebem algumas semelhanças entre si, caminhando juntos em uma zona cinza e deixando nítido que existe bem e mal dentro de cada um de nós. Após descobrir o que realmente levou Kylo Ren ao Lado Negro da Força, a jovem fica convencida de que, assim como Luke fez com Vader tantos anos antes, ela também pode trazer Kylo Ren (ou melhor, Ben Solo) de volta ao caminho da Luz.

rey kylo ren star wars os ultimos jedi.png

A atuação de Adam Driver como o instável Kylo Ren roubou a cena: ele traz à tona toda a dor e o ódio que o personagem sente, atormentado por ter matado Han Solo, mas sabendo que já é tarde demais para voltar atrás. Outro aspecto positivo desse núcleo é a dinâmica com Luke Skywalker. A atuação brilhante de Mark Hammill deu muita profundidade ao personagem (que nunca chegou a ser meu favorito na trilogia clássica). Aqui, nos deparamos com um Luke que sofre diariamente com os erros do passado e que perdeu a fé no caminho Jedi. Culpa, amargura e desilusão estão entre os tormentos do personagem. Mas uma cena impecável ao lado de R2-D2 é capaz de fazê-lo mudar de ideia e aceitar o desafio de treinar Rey. Palmas pra essa sacada de mestre! ❤ Devo dizer que temos mais uma presença ilustre além da de R2-D2, mas vou deixar vocês descobrirem. 😉 Além disso tudo, as cenas de luta protagonizadas por Luke no terceiro ato também são fantásticas. Carrie Fisher, nossa eterna Princesa Leia, também nos presenteou com uma atuação sensível, que vai ficar eternizada na história de Star Wars. Agora General, a personagem sabe liderar como ninguém, mas sem perder a sensibilidade sempre que a Resistência sofre perdas.

star wars os ultimos jedi luke skywalker.png

Falando em cenas de luta, Rey e Kylo Ren protagonizam uma das melhores, no melhor estilo Jedi/Sith: com muito uso da Força e dos sabres de luz. Mas o núcleo da Resistência também não fica para trás, pois as cenas de combate no espaço são de tirar o fôlego. Poe Dameron é um piloto extremamente talentoso e capaz de verdadeiras façanhas, mas sua personalidade impulsiva acaba tendo consequências com as quais o personagem precisa lidar para amadurecer. Finn também tem seu espaço no longa, agora com uma nova parceira, Rose. A dupla parte rumo ao planeta-cassino Canto Bright em busca de um decodificador que possa ajudá-los a destruir o rastreador da Primeira Ordem (que é responsável por permitir que eles sigam a Resistência mesmo por meio de saltos na velocidade da luz). Esse plot permite que o filme explore alguns conceitos que reforçam que nem tudo é preto no branco: o planeta enriqueceu financiando a guerra, vendendo armas tanto para a Primeira Ordem como para a Resistência. Além disso, o filme mostra a soberba e arrogância da classe alta, que vive de grandes luxos e diversões enquanto explora crianças e animais sem nenhum pesar.

star wars os ultimos jedi.png

Por fim, vale elogiar os cenários do filme. A batalha final, no terceiro ato, é deslumbrante. Ela acontece no planeta Crait, cujo solo vermelho é coberto por uma camada de sal. Conforme a luta acontece, a poeira vermelha preenche o ar, simbolizando o sangue e as feridas causadas pela guerra. Aqui, o embate final entre discípulo e mestre (cujo conflito veio sendo trabalhado ao longo de todo o filme) finalmente encontra seu desfecho. Além disso, o contraste do branco com o vermelho é de cair o queixo. A ilha isolada (no planeta Anch-To) na qual Luke se encontra também tem seu papel, refletindo o estado de espírito do personagem: isolamento, tempo nublado e chuvoso, mar revolto. Aliás, a ilha também tem outro mérito: os fofíssimos Porgs, que protagonizam cenas muito engraçadas com Chewie. ❤

star wars os ultimos jedi crait.png

Agora, para falar sobre os ponto que não achei tão legais no filme, precisarei soltar alguns spoilers. Então, se quiser evitá-los, pule para o próximo parágrafo. Bom, vamos lá! Confesso que ainda não sei bem o que senti com a morte de Snoke. O personagem era extremamente poderoso (a ponto de conseguir manipular a mente de Kylo Ren), mas não percebeu a estratégia do rapaz quando ele decidiu matar seu antigo mestre. Ok, podemos atribuir isso à sua arrogância exacerbada. Mas aí fica outra questão: QUEM ERA SNOKE, AFINAL DE CONTAS? Como a Nova República deixou que outro “Império” (agora Primeira Ordem) surgisse? Os episódios I, II e III nos mostraram que o Império surgiu após muitos anos de maquinações políticas, justificando seu enorme poder no episódio IV. Desde O Despertar da Força eu tento entender COMO RAIOS deixaram que isso acontecesse novamente. Outro aspecto que me desapontou um pouco foi o fato de que, no fim das contas, os personagens permaneceram no mesmo lugar em que começaram, apesar do esforço do filme para mostrar que nem tudo na vida é a dualidade bem x mal. Kylo Ren segue sendo vilão e Rey segue sendo heroína. Achei que a aproximação dos dois ao longo do filme traria mais nuances cinzas para o futuro (e desfecho) da nova trilogia.

star wars os ultimos jedi kylo ren.png

Apesar de alguns furos aqui e ali, Star Wars: Os Últimos Jedi me deixou empolgada, aflita, ansiosa, emocionada, feliz e satisfeita. Acho que o resultado final é muito positivo e mal posso esperar para conferir o desfecho no episódio IX. Além disso, vale dizer que essa foi a última atuação da nossa eterna Princesa Leia, Carrie Fisher. Minha dica é: fiquem até os créditos para prestigiar uma singela homenagem à atriz, que faleceu no ano passado. E que a Força esteja com ela!

star wars os ultimos jedi leia.png

Título original: Star Wars: The Last Jedi
Ano de lançamento: 2017
Direção: Rian Johnson
Elenco: Daisy Ridley, John Boyega, Oscar Isaac, Mark Hamill, Adam Driver, Carrie Fisher, Kelly Marie Tran, Andy Serkis, Benicio Del Toro

34 comentários sobre “Review: Star Wars: Os Últimos Jedi

  1. Pingback: Review: Star Wars: Os Últimos Jedi — Infinitas Vidas – Arwen Releituras

  2. Olá!!
    Sempre quis conhecer mais desse mundo, mas nunca criei vergonha na cara! Todos fala super bem, só fico cada vez mais curiosa, só que eu nunca sei por onde começar. Pelo review já sei um pouco mais, vamos ver se consigo entrar nesse universo 🙂
    Beijos!

    our-constellations.blogspot.com.br

  3. Olá, Priih.
    Eu já tinha lido duas opiniões sobre os filme hoje antes da sua e estava 1 a 1 hehe. Eu não vou assistir ele porque não sou fã da franquia. Até os seis primeiros filmes entrar para o catálogo da Netflix eu nunca tinha assistido nada da saga e confesso que não gostei muito, achei bem paradinho.

    Prefácio

  4. Fui no domingo assistir ao filme com o meu namorado que é tão fã que começou a chorar só na introdução do filme com aquela musiquinha hahahah. Confesso que nunca fui fã mas por conta dele assisti todos os filmes (ele me obrigou) e quando vi Os Últimos Jedi acabei gostando bastante.
    As cenas com Kylo foram ótimas porque realmente ele transmite a ira de uma maneira tão fiel, adorei.

    Beijos,
    http://lesjoursdemarcela.blogspot.com.br

  5. Oi, Priih

    Pra mim o filme mais esperado do ano foi Jogos Mortais! Hahahahahahah
    Eu não curto Star Wars, não sei de nada, nunca assisti a um filme sequer e a franquia não desperta meu interesse. Até tentei ver um antigão, mas não vi nem 20 minutos, achei bem chatinho. Hahahaha
    Mas claro que sei da relevância e importância da franquia, então que bom que você curtiu apesar de uma ressalva aqui e outra acolá.

    Beijos
    – Tami
    http://www.meuepilogo.com

  6. Oi Pri, eu devo confessar que não tenho muita paciência para esse universo atual de SW. Assisti os três primeiros (que não são os três primeiros, eu sei) quando eu era criança, mas nunca dei continuidade. Cheguei a assistir o Episódio I em 1999, mas quase morri de tédio. Realmente não é para mim. Mas adoro o Adam Driver, tenho certeza que o personagem dele deve ser incrível!

    Um beijo!

  7. Priih se tudo der certo vou assistir na sexta.
    Eu ia hoje, mas o horário que tinha disponível era Dublado e gosto de leg..
    Mas sua resenha me deixou com mais vontade de assistir, confesso que fui pulando por medo de spoiler. Tem sido difícil ficar na menina internet e desviar deles haiuhaiuhauiah

    Beijos

    http://www.saidaminhalente.com

  8. Oi Prih,
    Gosto dos filmes, mas não sou uma fã loucona haha
    Esse eu já peguei spoilers pq vi partes de um arquivo que vazou esses dias. Ainda não sei se curto o final, mas foi bonito! Essa fotografia merece uma indicação ao Oscar.

    bjs
    Nana – Canto Cultzíneo

  9. Oi, Priih.
    Que filme!
    Vi e gostei muito.
    Realmente achei que a morte do Snoke foi meio fácil demais. Ele era muito poderoso, dominou a Rey com muita facilidade. Mas ele pode ter sido enganado pelos sentimentos conflitantes de Kylo Ren.
    No Despertar da Força também fiquei com essa dúvida sobre como a Primeira Ordem surgiu… Não há uma explicação muito clara sobre isso e nem sobre a origem do Snoke.
    De qualquer forma, eu gostei. Algumas coisinhas sobre a Força foram adicionadas, como lutar à distância, essa questão meio cinza da Força, um meio termo, que no fim nem ficou tão clara assim…
    Bela resenha.
    Abraços.

  10. Pingback: Meus favoritos de 2017 | Infinitas Vidas

  11. Pingback: Review: Star Wars: A Ascensão Skywalker | Infinitas Vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s