Dica de Série: Jessica Jones

Oi gente, tudo bem?

Enquanto não organizo os pensamentos pra falar sobre 13 Reasons Why, a nova série da Netflix, resolvi me redimir e escrever um pouquinho sobre outra série do serviço de streaming que eu assisti, gostei, mas não resenhei antes: Jessica Jones! 🙂 Assim, aproveito e cumpro minha promessa do ano passado, na qual eu comentei que traria conteúdos sobre os quais eu queria falar por aqui! 😛

jessica jones poster

Sinopse: Desde que sua curta vida como super-heroína acabou de forma trágica, Jessica Jones (Krysten Ritter) vem reconstruindo sua carreira e passou a levar a vida como detetive particular no bairro de Hell’s Kitchen, em Nova York, na sua própria agência de investigações, a Alias Investigations. Traumatizada por eventos anteriores de sua vida, ela sofre de Transtorno de Estresse Pós-Traumático, e tenta fazer com que seus super-poderes passem despercebidos pelos seus clientes. Mas, mesmo tentando fugir do passado, seus demônios particulares vão voltar a perseguí-la, na figura de Zebediah Kilgrave (David Tennant), um obsessivo vilão que fará de tudo para chamar a atenção de Jessica.

Depois de me viciar totalmente em Demolidor – foi uma das melhores séries de 2015 pra mim –, fiquei cheia de expectativas pra conferir Jessica Jones. Porém, ao contrário da série do Demônio de Hell’s Kitchen, o envolvimento com o enredo demorou a acontecer. Os primeiros episódios de JJ (vou abreviar, tá?) são mais arrastados e tem um desenrolar mais lento, apresentando devagar a protagonista e suas nuances. Jessica sofre de estresse pós-traumático e tem sérios problemas com alcoolismo. No passado, já usou suas habilidades especiais (ela é super forte e resistente) para ajudar outras pessoas, mas hoje ela trabalha como detetive particular – enquanto afoga seus traumas na bebida.

jessica jones.png

O motivo pelo qual a personagem se encontra nessa situação é o abuso psicológico e sexual que sofreu graças a Kilgrave, um indivíduo que também tem habilidades especiais: ele é capaz de controlar as pessoas apenas falando com elas. E, por muito tempo, ele fez uso dessas habilidades para controlar Jessica e mantê-la ao seu lado. Em determinado momento, após um acontecimento marcante, a personagem consegue se desvencilhar desse controle e acredita que Kilgrave estava morto. Mas o desaparecimento da estudante Hope Shlottman leva Jessica a enfrentar os seus medos e rever suas crenças.

jessica jones 2.png

Jessica Jones é uma série muuuito girl power. Jessica é uma anti-heroína de personalidade forte, que quebra muitos paradigmas sobre feminilidade. Assombrada pelo passado, cheia de paranoias e emocionalmente destruída, Jessica é uma das representações possíveis de alguém que foi abusada, convive com as consequências disso e tenta seguir em frente. Ela não se preocupa em agradar ninguém, ela não liga pro que pensam dela e ela faz o que precisa ser feito, rompendo o ideal de personagem feminina que vemos em tantas produções. Além dela (e do fato da série ter sido criada por uma mulher), temos também Trish Walker, a melhor amiga de Jessica. Ela é determinada, profissional e corajosa, sendo um ponto de apoio fundamental para a protagonista, que não confia em ninguém. A amizade das duas é uma das melhores amizades femininas das séries porque, mesmo com personalidades tão distintas, as duas se amam e se preocupam genuinamente uma com a outra. Em um mundo em que a rivalidade feminina é incentivada, esse tipo de relação deve ser celebrada. 🙂 Outra personagem feminina forte é Jeri Hogarth, a advogada que muitas vezes contrata os serviços de Jessica. Lésbica, bem-sucedida, inteligente, mas também cheia de defeitos (entre eles a ganância e a indiferença), ela é uma personagem complexa, real e que mostra como personagens femininas podem ser muito mais que mocinhas inocentes. Outro personagem que merece ser comentado é Luke Cage, que é introduzido em JJ e depois ganha sua própria série. Infelizmente o personagem não me conquistou, tanto aqui quanto na sua série solo.

jessica jones e trish walker.png

O vilão também é bem trabalhado e, por muitas vezes, quase consegue nossa simpatia (em parte graças ao carisma de David Tennant). Totalmente obcecado por Jessica, Kilgrave tenta de todas as maneiras manipulá-la, por meio do discurso, da perseguição e da ameaça de violência. Podemos fazer um paralelo com a realidade: muitos homens, por meio do charme e da manipulação psicológica, conseguem fazer as vítimas de abuso acreditarem que eles estão arrependidos e podem mudar. O personagem representa homens que, mesmo sem habilidades especiais, conseguem minar a autoconfiança de suas parceiras e fazê-las duvidar da sua própria sanidade. É um tipo de violência que faz com que as vítimas se vejam em um ciclo vicioso extremamente difícil de sair, já que esses agressores utilizam-se da confiança que suas parceiras têm ou um dia tiveram nelas. No caso de Kilgrave, a relação com a Jessica se inicia devido aos seus poderes de controle mental, mas ainda assim é uma representação do que acontece na vida real.

jessica jones e kilgrave.png

Não vou negar: Jessica Jones tem altos e baixos (especialmente da metade pro final, com algumas viagens wtf no roteiro) e não me envolveu tanto quanto a primeira temporada de Demolidor. Mas ela também é genial, pois não foca em mostrar estupro e abuso de maneira explícita, como tantas outras séries fazem e sem motivos importantes. Ela vai além: ela mostra as consequências de tudo isso. Ela mostra o sofrimento de quem passa por esse tipo de trauma e também das pessoas próximas, que são obrigadas a ver alguém querido em um sofrimento constante. Ao abordar de maneira tão verossímil essas questões, Jessica Jones torna-se mais do que uma série de super-heróis, trazendo um tema e uma discussão necessários a milhares de pessoas. Recomendo! 🙂

Título original: Marvel’s Jessica Jones
Ano de lançamento: 2015
Criadores: Melissa Rosenberg
Elenco: Krysten Ritter, David Tennant, Rachel Taylor, Mike Colter, Carrie-Anne Moss

Anúncios

25 comentários sobre “Dica de Série: Jessica Jones

  1. Oie Priih, tudo bom?
    Estou na mesma vibe que você… tentando reorganizar meu psicológico para falar de “13 reasons why”. Maaaas, sobre Jessica Jones eu amo está serie ❤ adoro essa pegada de super heróis e foi uma série muito satisfatória.

    Beijos,
    Paixão Literária

  2. Estou assistindo essa série (junto com outras) e estou gostando bem mais que de Punho de Ferro… Não sou chegada em séries de super heróis, mas essa me conquistou rs! Quero assistir todos para poder ver Os defensores rs. Maratona Netflix é o que está tendo hahahaha Beijos

  3. Oi, Priih

    Eu não assisti Os 13 Porquês porque quero ler o livro primeiro. E é até bom porque aí a hype passa e eu vejo mais tranquila, pq no meu feed SO DÁ ISSO! hahahha
    Sobre Jessica Jones, li diversas críticas sobre a série no ano passado, mas ela definitivamente não faz meu estilo, gosto de coisas mais vida real, esse negócio de habilidade especial a cada dia que passa me atrai menos. Hahahaha

    Beijos
    – Tami
    http://www.meuepilogo.com

  4. Acho interessante isso da série quebrar vários paradigmas sobre feminilidade e sobre o papel da mulher ~ mas a parte do “super herói” (ou super heroína, no caso) me desanima. Não curto nadinha esse universo, por isso não assisti até hoje. Beijo, beijo :*

  5. Estou louca querendo ver essa série, eu já até coloquei na minha lista do netflix, mas ainda não tive tempo de ver, nesse feriadão eu vou com certeza começar a ver!
    Um beijo grande e muito GORDO!
    thaissgalbiero.blogspot.com.br

  6. Muita gente até parou no início de JJ por achar muito lento, né? Comigo foi exatamente o contrário, amei desde o começo hahaha e olha que normalmente eu sou chata com primeiros episódios. Adorei a sua resenha, me deixou com vontade de rever a série!
    Um beijão,
    Gabs | likegabs.blogspot.com ❥

  7. Oi, Priih.
    São tantos seriados legais pra eu assistir e o tempo livre tão insuficiente 😦
    Essa em especial parece boa, com a qualidade de ter uma protagonista diferenciada e traumatizada.
    Vou tentar assistir 13 Reasons Why e Stranger Things, que são as mais bem comentadas.
    Abraços.

  8. Oi Prih,

    Tô sem Netflix por agora, por isso não tô acompanhando as séries deles, mas quero ver Jessica Jones por causa de Defensores, que me interessou mais. Claro que eles fazem essas séries uma puxando a outra pra gente ficar viciado e ver tudo, então Demolidor e essa eu quero ver rápido. Espero gostar. 🙂

    Bjs, @dnisin
    http://www.sejacult.com.br

  9. Pingback: Vamos conversar sobre 13 Reasons Why? | Infinitas Vidas

  10. Caralho. Jessica Jones foi de foder. Muito bem feito e com varios Easter Eggs dos Quadrinhos. E gostei que você falou e focou no vilão de uma forma em que a gente quase gosta dele kkkkkkkkk
    Mas acho que a questão é que o vilão ficou bem realista sabe. Não é apenas mais um zé que quer dominar o mundo. Ele tem toda uma complexidade em sua história que entrelaça sua relação com a Jessica.
    Puta seriado bom! E pra mim só perde para a segunda Temporada de Demolidor.

  11. Pingback: Dica de Série dupla: Luke Cage e Punho de Ferro | Infinitas Vidas

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s