Resenha: As Parceiras – Lya Luft

Oi, gente!

Pensei bastante sobre qual livro escolheria para minha próxima resenha. Procurando entre os títulos mais recentes, tomei a decisão de escrever sobre As Parceiras, da Lya Luft. Eu fiz o vestibular da UFRGS agora em 2014 (e fui aprovada! \o/), e essa foi uma das leituras obrigatórias. Li praticamente todos os livros da lista, mas nenhum me emocionou tanto quanto As Parceiras.

Imagem

Sinopse: Em “As Parceiras” somos apresentados à Anelise, vida à beira do caos, que procura no passado as razões para seu infortúnio. Ao passar das páginas, ela encontra a coragem para enfrentar os fantasmas que a perseguem. O clima sufocante dessa narrativa opera uma estranha hipnose sobre o leitor, uma sedução que o apanha de surpresa, o levando para uma dimensão torturada. Um universo com temáticas perigosas, como conturbadas relações familiares, traumas da infância e suas sequelas na vida adulta.

A história do livro é narrada por Anelise, uma mulher na faixa dos 40 anos, que decide partir em uma jornada de autoconhecimento acerca de toda a sua vida até então. Os capítulos são divididos em sete dias da semana, que é o tempo que a protagonista passa na praia, no chalé de sua família. Ao longo dos sete dias, descobrimos acontecimentos íntimos e marcantes da vida não só de Anelise, mas como de toda a sua família de mulheres. E são esses acontecimentos que a levam a se distanciar do mundo por um tempo, com o objetivo de resolver o seu caos interior e entender o porquê das coisas terem ocorrido daquela maneira ao longo de sua vida.

Anelise se descreve como oriunda de uma “família de mulheres”, parceiras na vida e nas desgraças. Todos os infortúnios e inseguranças começam com a avó, Catarina, uma mulher que foi obrigada a casar com um homem violento quando tinha apenas 14 anos. Dessa união, duas coisas importantes aconteceram: o nascimento de 4 filhas e o confinamento de Catarina em sua própria loucura, que a levou a se enclausurar em um sótão branco e inocente durante o resto da vida, até cometer suicídio. As filhas de Catarina não tiveram destino muito mais feliz: Norma, a mãe de Anelise, morreu em um acidente de avião; a tia Beatriz – ou melhor, a Beata – se tornou uma viúva virgem após o suicídio do marido pouco tempo após o casamento; a tia Dora, uma pintora que foi casada diversas vezes, mas que nunca se viu feliz em nenhum matrimônio; e, por fim, a tia Sibila, uma anã portadora de Síndrome de Down, fruto de uma relação forçada pelo marido de Catarina. Essas quatro mulheres têm uma influência enorme na construção do caráter e da personalidade de Anelise, que tem como um grande objetivo ser diferente de todas elas. O medo de se tornar frustrada e de ser perseguida por tragédias é evidente e constante em Anelise, que passa a vida inteira buscando uma forma de enfrentar o “destino” de sofrimento que persegue a sua família.

Outros personagens importantes da família de Anelise também têm a sua vida marcada por infelicidade: sua irmã mais velha, Vânia, está presa em um casamento feito de aparências, no qual é traída constantemente pelo marido; e Otávio, o primo, filho adotivo de Dora, que é também o primeiro amor juvenil e quem proporciona a primeira experiência sexual de Anelise. Futuramente, ele acaba se casando com uma mulher grosseira, infiel e que não o ama, fazendo Otávio perder todo o vigor e alegria que sempre tivera na adolescência. Além deles, pode-se considerar também como “da família” a melhor amiga de Anelise, Adélia, uma menina que morreu aos 12 anos após despencar de um precipício próximo ao chalé. Essa morte é sentida pela protagonista durante toda a sua vida, e ela acaba sempre lembrando e sentindo a falta da menina.

Anelise, apesar de tudo, consegue se desvencilhar de seus fantasmas durante uma época de sua vida: quando conhece, se apaixona e se casa com Tiago. O relacionamento dos dois é intenso e, durante muito tempo, eles são felizes. A ruína do casal acontece quando decidem ter filhos. O “destino” parece finalmente tê-la encontrado, pois ela passa por sucessivos abortos. A obstinação da protagonista em fugir da infelicidade e da solidão faz com que ela tente provar à vida que é capaz de ser feliz e, assim, insiste em tentar engravidar a todo custo. Entretanto, isso acaba por afundar seu casamento, já que sua vida passa a girar em torno desse objetivo. Quando finalmente Anelise consegue dar à luz a uma criança, diversos problemas acontecem e isso é o fator que desencadeia a partida de Anelise para a praia, onde revive todos os momentos da sua vida. É nesse momento que Anelise percebe que não pôde fugir do seu destino: ser infeliz, assim como todas as mulheres da sua família. Elas são parceiras na tristeza e na tragédia, cada uma a seu modo.

O livro é totalmente intimista. Acompanhamos Anelise em cada experiência de vida, desde as primeiras perdas, o abandono de toda a paranoia sobre sua família, o casamento, a perda do filho, entre outros acontecimentos. É um livro que retrata uma mulher que percebe que falhou, mas que já perdeu as esperanças para recomeçar. Acho que todo mundo, em algum momento, já parou para fazer uma retrospectiva da própria vida, a fim de analisar os fatores que o levaram até ali. É exatamente isso que Anelise faz. Ela aceita a própria desgraça e percebe que nunca foi possível fugir daquele desfecho, pois toda a sua vida foi construída ao redor de pessoas desestruturadas e emocionalmente fragilizadas, e ela é um reflexo disso. Mesmo em um momento feliz, a vontade de provar ao mundo – e, principalmente, a si mesma – que era capaz de gerar um filho e ter a vida que tanto queria foi o fator determinante que selou a destruição do seu casamento e, consequentemente, gerou o maior trauma de sua vida.. Em uma passagem do livro, Anelise diz que Catarina possuía um sótão onde se refugiar; ela, ao contrário, se refugiava em si mesma. No fundo, Anelise passou a vida inteira temendo ser como as outras mulheres de sua família, que pareciam aceitar aquelas vidas incompletas, o que a fez lutar de todas as formas que pôde contra esse desfecho. Entretanto, essa mesma luta levou-a diretamente a esse final.

As Parceiras não é um livro feliz. Longe disso. É um livro muito verossímil e forte, que é capaz de mexer com o leitor e fazê-lo pensar sobre a história mesmo depois de terminá-lo. Eu gosto muito de autores que aprofundam psicologicamente os seus personagens, principalmente quando o enredo é envolvente e bem desenvolvido. Recomendo muito essa leitura, principalmente pra quem busca um drama bem escrito, com personagens muito reais e conflitos que poderiam ser facilmente encontrados fora das páginas. 

Editora: Record
Número de páginas: 128

Anúncios

28 comentários sobre “Resenha: As Parceiras – Lya Luft

    • Oi, Cida!
      Fico feliz que tenha gostado da dica! Também gosto muito de dramas com carga psicológica, eles costumam me marcar bastante.
      Me conta depois o que achou, quando você puder lê-lo! =D
      Beijão!

    • Oi, Brubs!
      Sei como é. Ainda mais nesse caso, que é um livro denso, apesar de curto. Às vezes não é a “vibe” certa pra encarar esse tipo de leitura. =P
      Se um dia você resolver ler, me conta o que achou!
      Beijos

  1. Não conhecia muito sobre o livro.
    Gostei de saber sua opinião, uma leitura mais madura.. aliás a protagonista também.
    Certeza que colocarei na lista!

    bjs e um ótimo feriado!
    Nana – Obsession Valley

    • Oi, Nana!
      Fico muito feliz que tenha gostado da resenha e que tenha colocado o livro nas suas futuras leituras. Acho que, se você gosta do gênero, provavelmente vai aproveitar bastante o livro. =)
      Beijão!

    • Oi, Paula!
      Muito obrigada! Foi realmente uma alegria sem tamanho hahaha
      Eu gostei de praticamente todas, mas dei azar por ter começado com José Saramago (História do Cerco de Lisboa). Desisti do livro, de tão chato. Fiz bem, aproveitei bem mais as outras leituras hahaha!
      Beijos

  2. Oie =D

    Eu gosto de história que tem um fundo de “realidade”, mas acho que no momento atual essa não seria uma leitura que eu apreciaria. Quem sabe mais para frente, pois com certeza é um livro que vale a pena.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias…
    @mydearlibrary

    • Oi, Ane!
      Esse tipo de leitura realmente requer uma “vibe” que favoreça, até porque o tema é relativamente “pesado”. Quando você achar que é o momento, eu recomendo muito! =)
      Beijos

    • Oi, Amanda!
      Se não fosse pelas leituras obrigatórias, eu também não teria ido atrás da Lya Luft. Eu conheço ela mais em outros tipos de trabalhos com livros, e não pelos seus livros.
      Fico super feliz que tenha gostado da resenha e que tenha despertado seu interesse! Por ser um livro curto, talvez valha a pena conferir e ver se está no clima ou não para continuá-lo. =D
      Beijão

  3. Priscilla, olá! =)
    Puxa, ficou ótima a sua resenha.
    No momento, eu não gostaria de ler “As parceiras”, porque ando numa vibe muito positiva, muito boa e não gostaria de me confrontar com coisas que eu devo ter vivido antes de essa onda de bonança ter entrado na minha vida. Porém, não descarto a leitura para futuramente, afinal é Lya Luft. É uma leitura intimista, que retratam o psicológico de seus personagens de uma forma singular e profunda. O tipo da leitura que eu gosto bastante.
    Parabéns pela aprovação! O que cursará na UFRGS?

    Beijo!

    Sacudindo Palavras

    • Oi, Erica!
      Muito obrigada pelo elogio, fico super feliz que tenha gostado da resenha!
      Concordo plenamente com você, acho que tem que estar no clima para ler um livro desse tipo. Ele mexe bastante com o leitor por ser muito verossímil, então não vale a pena estragar um momento mais alegre no qual você está. Espero que, no futuro, você leia e goste do livro.
      Muito obrigada pelos parabéns! Cursarei Publicidade e Propaganda. =D
      Beijão

    • Oi Ká!
      Que bom que você gostou da resenha e que ela te deixou curiosa a procurar o livro, fico muito contente. =D
      Quando você tiver a oportunidade de lê-lo, me conta o que achou!
      Beijão

  4. Sempre leio comentários sobre a Lya Luft e de fato os livros dela parecem excepcionais. “As Parceiras” me chamou bastante atenção, ultimamente livros verossímeis e fortes têm sido meu interesse, anotei a dica, claro!

    Beijão!

    • Oi, Sofia!
      Que bom que o post instigou seu interesse pelo livro, fico feliz!
      Eu gosto muito de livros com temáticas reais e aprofundamentos psicológicos. Às vezes é justamente isso que procuro, pra fugir de tantas descrições e ação que frequentemente aparecem em séries e trilogias. Acho que, se você gosta do gênero, vai curtir bastante “As Parceiras”. E, quando puder lê-lo, me conta depois o que achou! =)
      Beijos

  5. Olá.
    Eu terminei de ler esse livro hoje e estive na internet procurando a resposta para aquele final… O que aconteceu? Era a mãe dela que apareceu lá?

  6. Oi,
    Eu li o livro é achei muito bom, decidi ler após ver sua resenha sobre ele! Eu recomendo esta leitura, é profunda porém breve é algo raro na literatura atual.

    • Oi Lucas!
      Fiquei realmente feliz em saber que eu ajudei na sua decisão de ler As Parceiras, e fico ainda mais feliz que tenha gostado! Concordo que seja uma leitura bem diferente do que vemos por aí, já que o aprofundamento psicológico da protagonista é incrível (mesmo em tão poucas páginas).
      Beijos, volte sempre! 😀

  7. Li “As parceiras” para o vestibular da UFRGS deste ano. Para mim, uma surpresa extremamente positiva. Conhecia bem o trabalho da Lya como colunista, mas não como romancista. Incrível a habilidade que ela tem com as palavras: conseguiu trasmitir uma história extremamente densa e bem construída em um número super restrito de páginas.

    • Oi Luiz!
      “As Parceiras” foi a minha leitura obrigatória favorita do vestibular (fiz a prova em 2014). Concordo contigo, a Lya transmitiu diversas emoções e criou uma personagem extremamente complexa em pouquíssimas páginas. Um trabalho realmente incrível. 🙂

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s